Pais de co­ra­ção

Re­co­nhe­ci­men­to de paternidade so­ci­o­a­fe­ti­va le­gi­ti­ma afe­to en­tre pais e fi­lhos

Folha de Londrina - - Folha Mais - ÉRIKA GONÇALVES RE­POR­TA­GEM LO­CAL

A si­tu­a­ção não é no­va, mas a for­ma co­mo o des­fe­cho po­de se dar, sim. Uma mu­lher tem fi­lhos em um pri­mei­ro re­la­ci­o­na­men­to, que se des­faz. Ela se ca­sa no­va­men­te e o no­vo par­cei­ro se re­la­ci­o­na com os en­te­a­dos co­mo se fos­sem seus fi­lhos. Até en­tão es­se vín­cu­lo não ti­nha ne­nhum ti­po de re­co­nhe­ci­men­to le­gal, mas a par­tir de se­tem­bro de 2016, atra­vés da Te­se de Re­per­cus­são Ge­ral 622, o STF (Su­pe­ri­or Tri­bu­nal Fe­de­ral) de­cla­rou que pa­ra to­das as ações ha­ve­ria o re­co­nhe­ci­men­to da paternidade so­ci­o­a­fe­ti­va, o que trou­xe gran­des mu­dan­ças no di­rei­to de fa­mí­lia.

“A prin­ci­pal con­sequên­cia pa­ra o di­rei­to foi a mul­ti­pa­ren­ta­li­da­de. A paternidade so­ci­o­a­fe­ti­va é a que se for­ma de ma­nei­ra afe­ti­va, um vín­cu­lo de afe­to, de cui­da­dos. Em­bo­ra não exis­tam ou­tros vín­cu­los, exis­te es­se afe­to e es­sa re­la­ção pas­sou a ser con­si­de­ra­da pe­lo di­rei­to”, ex­pli­ca Fa­bi­a­na Le­o­nel Ay­res Bres­san, juí­za da 3ª Va­ra de Fa­mí­lia de Lon­dri­na.

Se­gun­do ela, a ado­ção e a paternidade so­ci­o­a­fe­ti­va são mui­to pa­re­ci­das, mas a di­fe­ren­ça es­tá no fa­to de que no ca­so da se­gun­da, os dois pais po­dem co­e­xis­tir, ou se­ja, não se ti­ra a gu­ar­da do pai bi­o­ló­gi­co, a me­nos que se quei­ra. E am­bos têm os mes­mos de­ve­res e os mes­mos di­rei­tos.

“A paternidade so­ci­o­a­fe­ti­va não é mais nem me­nos do que a bi­o­ló­gi­ca. O fi­lho po­de ter di­rei­to à pen­são ali­men­tí­cia e à he­ran­ça, as­sim co­mo es­se pai po­de pe­dir ali­men­tos tam­bém, ca­so ne­ces­si­te. Ele po­de viajar com a cri­an­ça e de­ci­dir so­bre to­das as ques­tões práticas do dia a dia”, diz ela.

RE­CO­NHE­CI­MEN­TO

Se­gun­do Bres­san, o re­co­nhe­ci­men­to da paternidade so­ci­o­a­fe­ti­va faz com que o no­me des­se pai se­ja in­cluí­do na cer­ti­dão de nas­ci­men­to do fi­lho, sem qual­quer ob­ser­va­ção so­bre o fa­to. Pa­ra is­so não é ne­ces­sá­ria a au­to­ri­za­ção do pai bi­o­ló­gi­co, a me­nos que se­ja so­li­ci­ta­da a ex­clu­são do no­me de­le.

“Ge­ral­men­te es­se re­co­nhe­ci­men­to é fei­to em juí­zo, mas o Pro­vi­men­to n. 63, de 14 de no­vem­bro de 2017 do CNJ (Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça) co­lo­ca que em de­ter­mi­na­dos ca­sos po­de ser fei­to di­re­ta­men­te no Car­tó­rio, des­de que ha­ja con­cor­dân­cia en­tre as par­tes e não ha­ja pro­ces­so ju­di­ci­al. Se o fi­lho for mai­or de 12 anos tam­bém pre­ci­sa­rá con­sen­tir. Não po­dem pe­dir a paternidade so­ci­o­a­fe­ti­va ir­mãos nem avós da cri­an­ça.”

O re­co­nhe­ci­men­to des­sa paternidade po­de ser fei­to a qual­quer tempo, mes­mo que o fi­lho já se­ja mai­or de ida­de. E po­de ser ape­nas de um fi­lho, ca­so não ha­ja vin­cu­la­ção com os de­mais. Se­gun­do a juí­za, mui­tos pais têm fei­to es­se re­co­nhe­ci­men­to já na ve­lhi­ce, pa­ra fins de in­clu­são em he­ran­ça. O re­co­nhe­ci­men­to do pai so­ci­o­a­fe­ti­vo tam­bém po­de ser pe­di­do à re­ve­lia, atra­vés de ação ju­di­ci­al. Nes­se ca­so se­rá ne­ces­sá­rio com­pro­var a vin­cu­la­ção, de acor­do com ela.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.