‘Ter o so­bre­no­me com­ple­tou’

Folha de Londrina - - Folha Mais - (E.G)

Es­te Dia dos Pais te­rá um gos­to es­pe­ci­al pa­ra a es­tu­dan­te de bi­o­me­di­ci­na Ga­bri­e­la Mi­ran­da Luiz Ma­ras­ca Gu­er­ra e o fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co Ro­nal­do Oliveira Gu­er­ra, já que se­rá a pri­mei­ra co­me­mo­ra­ção em que eles ofi­ci­al­men­te se­rão pai e fi­lha.

Ele con­ta que co­me­çou a se re­la­ci­o­nar com a mãe de Ga­bri­e­la, a ad­vo­ga­da Ra­ma­dis Mi­ran­da Luiz Gu­er­ra há 18 anos, quan­do a menina ti­nha qua­se dois anos de ida­de. Fo­ram oi­to anos de na­mo­ro, dez de ca­sa­men­to, nas­ceu a ca­çu­la Ana Cla­ra e o amor en­tre pai e fi­lha só cres­cia. Par­tiu de Ga­bri­e­la a von­ta­de de ter o no­me do pai so­ci­o­a­fe­ti­vo, mas até en­tão o pro­ce­di­men­to era de­mo­ra­do e fei­to so­men­te por via ju­di­ci­al, sem a cer­te­za de que o juiz con­ce­de­ria.

“Fo­mos dei­xan­do, mas pa­ra mim ela sem­pre foi mi­nha fi­lha, sem­pre se re­la­ci­o­nou com to­da a fa­mí­lia. Na es­co­la ela che­gou a as­si­nar Gu­er­ra quan­do pe­que­na, eles nos cha­ma­ram pa­ra con­ver­sar e ex­pli­car que não po­de­ria”, con­ta Ro­nal­do.

“Te­nho bas­tan­te pro­xi­mi­da­de com a fa­mí­lia do meu pai, te­nho pri­mos em ida­de pró­xi­ma e eu que­ria ter o mes­mo no­me que eles. Quan­do co­me­cei a es­cre­ver nas pro­vas dis­se­ram que por ser um do­cu­men­to eu não po­de­ria fa­zer is­so. Quan­do mi­nha mãe des­co­briu que po­de­ría­mos fa­zer (a al­te­ra­ção) no car­tó­rio, fo­mos ver. Ele é meu pai, não me lem­bro de es­tar sem ele. Ter o so­bre­no­me com­ple­tou, foi o fe­cha­men­to com cha­ve de ou­ro”, diz.

O pro­ce­di­men­to foi to­do fei­to em car­tó­rio, me­di­an­te a as­si­na­tu­ra dos pais bi­o­ló­gi­cos, de Ga­bri­e­la e de Ro­nal­do. Além do no­me do pai so­ci­o­a­fe­ti­vo na cer­ti­dão de nas­ci­men­to, ela tam­bém ga­nhou dois avós. “Foi uma sur­pre­sa, eu não ti­nha pen­sa­do nis­so e quan­do con­tei pa­ra a fa­mí­lia to­do mun­do fi­cou feliz”, afir­ma Ga­bri­e­la.

Ro­nal­do re­la­ta que só sen­tia fal­ta do re­gis­tro ofi­ci­al quan­do a iden­ti­fi­ca­va co­mo fi­lha e não ti­nha co­mo com­pro­var, co­mo em vi­a­gens. “Ti­nha oca­siões em que as pes­so­as não en­ten­di­am, elas olha­vam o do­cu­men­to e não ti­nha o meu no­me. As pes­so­as ve­em do­cu­men­to, não ve­em afe­to”, la­men­ta.

Pa­ra Ra­ma­dis, ver os la­ços de amor en­tre pai e fi­lha a faz ter a sen­sa­ção de de­ver cum­pri­do. “Aí vo­cê vê que fez a es­co­lha cer­ta. Quan­do o fi­lho es­co­lhe (o ma­ri­do co­mo pai) é por­que vo­cê acer­tou!”

Ar­qui­vo Pes­so­al

Ga­bri­e­la com o pai Ro­nal­do Gu­er­ra, a mãe Ra­ma­dis Gu­er­ra e a ir­mã Ana Cla­ra: afe­to re­co­nhe­ci­do no pa­pel

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.