Zé Li­mão

Folha de Londrina - - Folha Rural -

O Bair­ro Apa­re­ci­di­nha, na dé­ca­da de 1960, era co­ber­ta de la­vou­ra de ca­fé com mui­tas pro­pri­e­da­des pe­que­nas. Fi­ca­va a mais de 20 quilô­me­tros da ci­da­de. Ti­nha a ca­pe­la com o sa­lão de fes­tas e ao la­do o cam­po de fu­te­bol que di­ver­tia os mo­ra­do­res da re­don­de­za aos do­min­gos. E na fes­ta da Pa­dro­ei­ra fer­vi­lha­da de gen­te, ti­nha lei­lão de pren­das, chur­ras­co.

Mas a ter­ra na lo­ca­li­da­de era are­ni­to, fra­ca e as ge­a­das que cas­ti­ga­vam a re­gião aca­ba­ram com as la­vou­ras ca­fe­ei­ras. No de­cor­rer dos anos, as fa­mí­li­as fo­ram dei­xan­do o lo­cal, ven­den­do su­as pro­pri­e­da­des e mi­gran­do pa­ra ou­tros lo­cais, co­mo Rondô­nia, Ma­to Gros­so e tam­bém pa­ra as pe­ri­fe­ri­as das gran­des ci­da­des.

O co­nhe­ci­do Zé Li­mão, um nor­des­ti­no de Per­nam­bu­co e que ti­nha es­se ape­li­do por ser uma pes­soa com crí­ti­cas áci­das, sem mui­tos ami­gos, bra­vo e sem­pre com a ca­ra fe­cha­da, che­gou na épo­ca áu­rea do ca­fé, so­zi­nho, sem fa­mí­lia. Com as eco­no­mi­as da épo­ca com­prou um pe­que­no lo­te de três al­quei­res.

Com o pas­sar do tempo, os fa­zen­dei­ros fo­ram com­pran­do os pe­que­nos lo­tes e in­tro­du­zin­do a pe­cuá­ria, trans­for­ma­do a re­gião em gran­des fa­zen­das de ga­do. Mas o Zé Li­mão ja­mais quis sa­ber de ven­der sua “terrinha”. Pas­sa­va a vi­da nu­ma si­tu­a­ção di­fí­cil no seu

Os fa­zen­dei­ros fo­ram com­pran­do os pe­que­nos lo­tes, mas o Zé Li­mão ja­mais quis sa­ber de ven­der sua ‘terrinha’”

ran­chi­nho, plan­tan­do uns pés de mi­lho, man­di­o­ca e fa­zen­do al­guns ser­vi­ci­nhos nas re­don­de­zas pa­ra as de­mais des­pe­sas. O vi­zi­nho, Be­to Gaú­cho, um fa­zen­dei­ro que sem­pre aju­da­va o Zé dan­do al­guns sa­cos de adu­bo, se­men­tes e, cer­to dia, apa­re­ceu no ran­cho do Per­nam­bu­co.

Zé Li­mão foi lo­go per­gun­tan­do a que de­via vi­si­ta. Be­to Gaú­cho foi lo­go di­zen­do: “Olha Seu Zé, o se­nhor es­tá cer­ca­do pe­las fa­zen­das, in­clu­si­ve a mi­nha. Não pro­duz na­da, en­tão vou fa­zer uma pro­pos­ta ao se­nhor. Te­nho um ter­re­no na ci­da­de, pos­so cons­truir uma boa ca­sa de ma­te­ri­al pa­ra o se­nhor, mo­bi­li­ar e ain­da te dar um bom di­nhei­ro. Tu­do por sua ter­ra. Não pre­ci­sa dar res­pos­ta ago­ra, pen­sa e se achar por bem, me pro­cu­ra”.

Após pas­sar vá­ri­as noi­tes se re­mo­en­do, o nor­des­ti­no foi à fa­zen­da fa­lar com o Be­to Gaú­cho. Acei­ta­va, mas an­tes que­ria ir à sua ter­ra na­tal, pois des­de que saiu de lá, há mais de 40 anos, ja­mais vol­ta­ra. Quem sa­be ain­da ti­nha pa­ren­tes por lá. O fa­zen­dei­ro pro­vi­den­ci­ou as pas­sa­gens e deu-lhe o di­nhei­ro pa­ra a vi­a­gem. “Vol­to lo­go seu Be­to”, sain­do feliz da vi­da.

Pas­sa­ram-se anos, e ja­mais se sou­be do pa­ra­dei­ro do Zé Li­mão.

Be­to Gaú­cho com o tempo cer­cou o pe­que­no si­tio e fez um re­flo­res­ta­men­to no lo­cal. Co­lo­cou uma pla­ca com os di­ze­res: “Ma­ta Zé Li­mão”. E tam­bém plan­tou dois pés de li­mão ro­sa jun­to à pla­ca que pro­du­zia mui­tos fru­tos, mas mui­to aze­do, que dei­xa­va as pes­so­as mui­tas ve­zes com a ca­ra do an­ti­go do­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.