IM­PAS­SE

En­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas da in­dús­tria e do agro­ne­gó­cio apre­sen­ta­ram pe­di­dos de adi­ta­men­to às ações que es­tão no STF

Folha de Londrina - - Primeira Página - Lu Ai­ko Ot­ta Agên­cia Es­ta­do

En­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas da in­dús­tria e agro­ne­gó­cio re­for­çam pe­di­dos de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de da lei do fre­te

- Ao pas­sar pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal, o texto da Me­di­da Pro­vi­só­ria (MP) 832, que dá ba­se ao ta­be­la­men­to do fre­te ro­do­viá­rio, ga­nhou no­vos dis­po­si­ti­vos que re­for­çam sua in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de. É o que di­zem du­as en­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas do se­tor pro­du­ti­vo, a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal da In­dús­tria (CNI) e a Con­fe­de­ra­ção da Agri­cul­tu­ra e Pe­cuá­ria do Bra­sil (CNA), nos pe­di­dos de adi­ta­men­to pro­to­co­la­dos no Supremo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF).

Elas já ha­vi­am in­gres­sa­do com ações de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de contra a MP 832. Co­mo ela foi con­ver­ti­da na Lei 13.708 fi­ze­ram adi­ta­men­tos às ações, pa­ra pe­dir que se­jam ana­li­sa­das a MP e a lei. As du­as en­ti­da­des já ale­ga­vam que a MP era in­cons­ti­tu­ci­o­nal, en­tre ou­tras ra­zões, por­que im­põe pre­ços obri­ga­tó­ri­os, o que vai contra os prin­cí­pi­os da li­vre con­cor­rên­cia e da li­vre ini­ci­a­ti­va.

A lei, san­ci­o­na­da na quin­ta-fei­ra (9) pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, re­for­ça o as­pec­to obri­ga­tó­rio da MP, ao di­zer cla­ra­men­te que o des­cum­pri­men­to da ta­be­la im­pli­ca pa­ga­men­to de uma in­de­ni­za­ção ao ca­mi­nho­nei­ro, equi­va­len­te ao dobro da di­fe­ren­ça em re­la­ção ao pre­ço co­bra­do, des­con­ta­do o va­lor já pa­go.

Além dis­so, a lei proí­be que se­jam acor­da­dos pre­ços pa­ra o fre­te fo­ra da ta­be­la. Se­gun­do ar­gu­men­ta a CNI, es­se dis­po­si­ti­vo vai na con­tra­mão da re­for­ma tra­ba­lhis­ta, “que re­co­nhe­ce e va­lo­ri­za as con­ven­ções e acor­dos co­le­ti­vos, in­clu­si­ve em pon­tos cen­trais dos di­rei­tos tra­ba­lhis­tas, tais co­mo a ir­re­du­ti­bi­li­da­de sa­la­ri­al e o au­men­to da jor­na­da, des­de que, por ób­vio, res­pei­ta­dos os pa­ta­ma­res mí­ni­mos fi­xa­dos na pró­pria re­for­ma e no acórdão des­se Supremo Tri­bu­nal Fe­de­ral”, diz.

A en­ti­da­de da in­dús­tria ar­gu­men­ta que nem a Cons­ti­tui­ção, nem a re­for­ma tra­ba­lhis­ta ex­clu­em qual­quer ca­te­go­ria da ne­go­ci­a­ção co­le­ti­va. Por is­so, a lei do fre­te, ao proi­bir a li­vre pac­tu­a­ção de pre­ço, afron­ta o prin­cí­pio da igual­da­de. “Não há, por­tan­to, dis­tin­ção plau­sí­vel ou ra­zoá­vel pa­ra se afas­tar a pos­si­bi­li­da­de de acor­dos e con­ven­ções co­le­ti­vas à ca­te­go­ria dos ca­mi­nho­nei­ros fren­te às de­mais.”

VÍCIO DE INI­CI­A­TI­VA

Na mes­ma li­nha, a CNA ar­gu­men­ta que a pró­pria Cons­ti­tui­ção, ao tra­tar dos sa­lá­ri­os dos tra­ba­lha­do­res, “em te­se ir­re­du­tí­vel, pre­vê que, por acor­do co­le­ti­vo ou con­ven­ção, é pos­sí­vel a sua re­du­ção”.

A lei ain­da contém dis­po­si­ti­vos com vício de ini­ci­a­ti­va, co­mo o que de­ter­mi­na que a Agên­cia Na­ci­o­nal de Trans­por­tes Ter­res­tres (ANTT) apli­que me­di­das “ad­mi­nis­tra­ti­vas, co­er­ci­ti­vas e pu­ni­ti­vas ne­ces­sá­ri­as” pa­ra ga­ran­tir o cum­pri­men­to da ta­be­la, “sem que os des­ti­na­tá­ri­os da nor­ma sai­bam quais me­di­das e pe­nas se­ri­am es­sas “Pa­ra a CNI, es­se pon­to con­tra­ria o artigo 5º da Cons­ti­tui­ção, se­gun­do o qu­al não po­de ha­ver pe­na sem pré­via co­mi­na­ção le­gal.

Contra es­se dis­po­si­ti­vo, a CNA diz que a lei dá um “che­que em bran­co” pa­ra a ANTT, e re­pre­sen­ta uma “re­nún­cia do Le­gis­la­ti­vo quan­to a sua com­pe­tên­cia nor­ma­ti­va.” A pos­si­bi­li­da­de de a agên­cia es­ta­be­le­cer pu­ni­ções é uma “ino­va­ção na or­dem ju­rí­di­ca”, pois o ci­da­dão não tem co­nhe­ci­men­to pré­vio do di­rei­to que se pre­ten­de es­ta­be­le­cer.

As du­as en­ti­da­des rei­te­ram o pe­di­do ao mi­nis­tro re­la­tor, Luiz Fux, pa­ra que sus­pen­da o ta­be­la­men­to de ime­di­a­to. Pa­ra re­for­çar o pe­di­do, a CNA ar­gu­men­ta que o pro­ces­so em an­da­men­to na ANTT, que re­sul­ta­rá em uma no­va ta­be­la de fre­te, só se­rá con­cluí­do em me­a­dos de de­zem­bro. E a ta­be­la atu­al­men­te em vi­gor tem va­lo­res “fan­ta­si­o­sos e in­viá­veis”.

Pro­va dis­so é que o Con­gres­so anis­ti­ou a co­bran­ça de mul­tas até o dia 19 de ju­lho. A en­ti­da­de diz que a anis­tia, por si só, “afas­ta a pre­sun­ção de le­ga­li­da­de” da Re­so­lu­ção 5.820 da ANTT, que contém a ta­be­la de pre­ços, “o que im­põe sua sus­pen­são”.

Fux já mar­cou pa­ra o dia 27 de agos­to uma au­di­ên­cia pú­bli­ca pa­ra dis­cu­tir o ta­be­la­men­to do fre­te. As en­ti­da­des ar­gu­men­tam que não é pos­sí­vel aguar­dar tan­to tempo, uma vez que só as ca­dei­as de so­ja e mi­lho con­ta­bi­li­zam per­das de R$ 500 mi­lhões ao dia e a co­mer­ci­a­li­za­ção da pró­xi­ma sa­fra de grãos es­tá pa­ra­li­sa­da. A CNA rei­te­ra, em seu pe­di­do, que per­to de me­ta­de da lo­gís­ti­ca de ali­men­tos do País es­tá pa­ra­da di­an­te da in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca cri­a­da pe­la MP 832.

En­ti­da­des rei­te­ram o pe­di­do ao mi­nis­tro Luiz Fux pa­ra que sus­pen­da o ta­be­la­men­to de ime­di­a­to

Marcos Za­nut­to/28-05-2015

As en­ti­da­des ar­gu­men­tam que só as ca­dei­as de so­ja e mi­lho con­ta­bi­li­zam per­das de R$ 500 mi­lhões ao dia e a co­mer­ci­a­li­za­ção da pró­xi­ma sa­fra de grãos es­tá pa­ra­li­sa­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.