‘A ideia é que ela res­soe pa­ra a co­mu­ni­da­de’

Folha de Londrina - - Especial - (S.S.)

Pro­fes­sor de ge­o­gra­fia da re­de es­ta­du­al de en­si­no, Emer­son Hen­ri­que dos Santos es­tá na car­rei­ra há 22 anos, mas em maio afas­tou-se das sa­las de au­la por pro­ble­mas de saú­de. As más con­di­ções de tra­ba­lho fi­ze­ram com que ele de­sen­vol­ves­se de­pres­são e sín­dro­me do pâ­ni­co e, atu­al­men­te, cum­pre fun­ções ad­mi­nis­tra­ti­vas nas qua­tro es­co­las em que de­ve­ria le­ci­o­nar. Santos não es­ta­va en­tre os mais de 2.000 do­cen­tes ou­vi­dos na pes­qui­sa, mas com­par­ti­lha das mes­mas di­fi­cul­da­des e an­sei­os apon­ta­dos pe­los co­le­gas. “A edu­ca­ção tem que ser uma ques­tão de po­lí­ti­cas pú­bli­cas. Os po­lí­ti­cos não po­dem usar a edu­ca­ção pa­ra a pro­mo­ção de­les. Nos fal­tam for­ma­ção, re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos e am­bi­en­te ade­qua­do”, afir­mou.

Santos rei­vin­di­ca a for­ma­ção con­ti­nu­a­da e a par­ti­ci­pa­ção ati­va na ela­bo­ra­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas e apon­ta a ques­tão sa­la­ri­al co­mo um dos itens mais im­por­tan­tes pa­ra a va­lo­ri­za­ção da do­cên­cia. “Não tra­ba­lha­mos só por amor. Te­mos que ter uma boa va-

lo­ri­za­ção. Quan­do não tem ma­te­ri­al di­dá­ti­co, aca­ba­mos com­pran­do com o nos­so di­nhei­ro. Se quer ser um pro­fes­sor um pou­co me­lhor, tem que ter o seu ma­te­ri­al. Mas es­ta­mos há três anos sem reajuste ne­nhum”, res­sal­ta.

A re­du­ção da ho­ra-ati­vi­da­de nas es­co­las da re­de es­ta­du­al no Pa­ra­ná, que a par­tir de 2016 bai­xou de 33% pa­ra 30%, dis­se Santos, re­du­ziu os ga­nhos da ca­te­go­ria e obri­gou os pro­fes­so­res a tra­ba­lha­rem em mais es­co­las co­mo for­ma de com­pen­sar a per­da sa­la­ri­al. “Es­se é um dos fa­to­res que es­tão fa­zen­do com que mui­tos pro­fes­so­res ado­e­çam.”

REVESES

Tam­bém pro­fes­sor de ge­o­gra­fia, Van­der­lei José Ferreira acres­cen­ta a sus­pen­são do PDE (Pro­gra­ma de De­sen­vol­vi­men­to Edu­ca­ci­o­nal) à lis­ta de reveses so­fri­dos pe­los do­cen­tes da re­de es­ta­du­al pa­ra­na­en­se. O pro­gra­ma era pré-re­qui­si­to pa­ra que os pro­fes­so­res con­se­guis­sem avan­çar pa­ra o ní­vel três na car­rei­ra, ga­nhan­do em qua­li­fi­ca­ção e, tam­bém, fi­nan­cei­ra­men­te. “O PDE era uma for­ma­ção con­ti­nu­a­da bas­tan­te im­por­tan­te. Nos ti­ra­va um ano da sa­la de au­la pa­ra es­tu­dar”, ava­li­ou. “Em­bo­ra te­nha com­pen­sa­ção pa­ra os pro­fes­so­res que têm

mes­tra­do e dou­to­ra­do, não há co­mo con­se­guir a pro­gres­são na car­rei­ra sem o pro­gra­ma.”

Ferreira ini­ci­ou a do­cên­cia há 17 anos, mas tam­bém es­tá fo­ra das sa­las de au­la por pro­ble­ma de saú­de. “Es­ta­mos so­fren­do mais com a ques­tão sa­la­ri­al em ra­zão do au­men­to da in­fla­ção, da cri­se econô­mi­ca e do go­ver­no, que não cum­priu a da­ta-ba­se nos úl­ti­mos três anos. Nos­sa ca­te­go­ria es­tá in­dig­na­da, do­en­te, en­tris­te­ci­da, des­mo­ti­va­da.”

“A ideia es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra es­sa pes­qui­sa é que ela res­soe pa­ra a co­mu­ni­da­de, de um mo­do ge­ral, pa­ra que a so­ci­e­da­de en­ten­da com mais cla­re­za qu­al é o re­tra­to da edu­ca­ção bra­si­lei­ra na vi­são dos pro­fes­so­res”, des­ta­cou a gerente de Pro­je­tos do To­dos Pe­la Edu­ca­ção, Ca­ro­li­ne Tavares. Mas os au­to­res do es­tu­do tam­bém que­rem que os da­dos levantados che­guem ao po­der pú­bli­co, à aca­de­mia, ao ter­cei­ro se­tor e a ou­tras or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil en­vol­vi­das com a ques­tão da me­lho­ria da edu­ca­ção. “A ideia é tra­zer cla­re­za e trans­pa­rên­cia a es­se pro­ces­so pa­ra que a gen­te não se es­que­ça, quan­do es­ti­ver pen­san­do na me­lho­ria pa­ra a edu­ca­ção, que is­so tem que par­tir de quem es­tá lá na pon­ta, exe­cu­tan­do es­sas po­lí­ti­cas”, de­fen­deu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.