SER­COM­TEL

Pre­fei­to es­pe­ra vo­tar até fim do ano pro­pos­ta em que pe­de li­ber­da­de pa­ra ali­e­nar ações da em­pre­sa e diz que bus­ca par­cei­ro so­men­te pa­ra te­le­fo­nia mó­vel

Folha de Londrina - - Primeira Página - Fá­bio Ga­li­ot­to Re­por­ta­gem Lo­cal

Pre­fei­to es­pe­ra vo­tar até fim do ano pro­pos­ta que pe­de li­ber­da­de pa­ra ali­e­nar ações da em­pre­sa sem aval da po­pu­la­ção

Opre­fei­to Mar­ce­lo Be­li­na­ti pro­to­co­lou na tar­de da úl­ti­ma quar­ta­fei­ra (8), na Câ­ma­ra de Lon­dri­na, o pro­je­to de lei que pe­de a re­vo­ga­ção da ne­ces­si­da­de de aval da po­pu­la­ção, por meio de plebiscito, ou de ve­re­a­do­res pa­ra “a ali­e­na­ção de ações pos­suí­das pe­lo Mu­ni­cí­pio no ca­pi­tal da Ser­com­tel Te­le­co­mu­ni­ca­ções S/A”. Ele afir­ma que o ob­je­ti­vo é en­con­trar um par­cei­ro co­mer­ci­al so­men­te pa­ra o bra­ço de te­le­fo­nia ce­lu­lar da em­pre­sa, e que não pre­ten­de me­xer nos ou­tros ser­vi­ços, con­si­de­ra­dos lu­cra­ti­vos.

Be­li­na­ti diz que é preciso dar ve­lo­ci­da­de às de­ci­sões co­mer­ci­ais da em­pre­sa, en­tre as quais a trans­fe­rên­cia ou venda de ações en­tre só­ci­os. No texto do pro­je­to, ci­ta que, além do plebiscito, to­dos os de­mais pro­ce­di­men­tos le­gais a se­rem res­pei­ta­dos pe­la ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca pa­ra a venda de­man­da­ri­am tempo sig­ni­fi­ca­ti­vo”. A Ser­com­tel en­fren­ta pro­ces­so de ca­du­ci­da­de de con­ces­sões e au­to­ri­za­ções pa­ra atu­ar no mer­ca­do de te­le­fo­nia jun­to à Ana­tel (Agên­cia Na­ci­o­nal de Te­le­co­mu­ni­ca­ções), pro­vo­ca­do por sus­pei­tas de que a em­pre­sa não te­ria con­di­ções de qui­tar as dí­vi­das e man­ter a qua­li­da­de dos ser­vi­ços pres­ta­dos.

O úl­ti­mo ba­lan­ço pu­bli­ca­do no si­te da em­pre­sa, re­fe­ren­te a 2017, apon­ta pas­si­vos de R$ 66,6 mi­lhões de cur­to pra­zo e de R$ 163,4 mi­lhões de lon­go pra­zo, com ven­ci­men­to em mais de 12 me­ses. O to­tal ofi­ci­al de dí­vi­das da em­pre­sa, a mai­or par­te com im­pos­tos e ações ju­di­ci­ais, é de R$ 230,1 mi­lhões, va­lor que po­de au­men­tar di­an­te da so­ma de pro­ces­sos ju­di­ci­ais ain­da em an­da­men­to.

A re­cei­ta bru­ta da Ser­com­tel foi de R$ 285,6 mi­lhões em 2018.

Co­mo a Co­pel é do­na de 45% das ações e a Pre­fei­tu­ra, dos ou­tros 55%, to­das as de­ci­sões são to­ma­das em con­jun­to. Be­li­na­ti afir­ma que a con­sul­to­ria Er­nest & Young, con­tra­ta­da pe­la em­pre­sa de ener­gia pa­ra ava­li­ar a vi­a­bi­li­da­de da Ser­com­tel, apon­tou pre­juí­zos men­sais de R$ 1,1 mi­lhão no bra­ço de te­le­fo­nia mó­vel da hol­ding lon­dri­nen­se. “Uma ou­tra so­lu­ção se­ria fe­char a Ser­com­tel Ce­lu­lar, o que não é o ca­so por­que a te­le­fo­nia mó­vel, de dados, é o fu­tu­ro”, diz.

FOR­MA­TO

Be­li­na­ti não fa­la di­re­ta­men­te em ven­der ações da em­pre­sa, mas o pro­je­to se re­fe­re à ali­e­na­ção de ações. Se­gun­do o pre­fei­to, é pos­sí­vel cri­ar uma SPE (So­ci­e­da­de de Pro­pó­si­to Es­pe­cí­fi­co) pa­ra a Ser­com­tel Ce­lu­lar, ou fir­mar uma par­ce­ria por meio de pro­ces­so li­ci­ta­tó­rio, pa­ra in­ves­tir na evo­lu­ção dos ser­vi­ços co­mo o 5G, além de ofe­re­cer uma co­ber­tu­ra me­lhor pa­ra ce­lu­la­res da mar­ca em ou­tras ci­da­des. “O modelo es­tu­da­do pe­los téc­ni­cos da Co­pel e da Ser­com­tel vai ser co­lo­ca­do pa­ra o cha­ma­men­to pú­bli­co pa­ra a Ser­com­tel Ce­lu­lar. Não vai en­vol­ver as ou­tras.”

A re­jei­ção em pri­va­ti­zar to­da a em­pre­sa se de­ve à per­da de em­pre­gos e de ar­re­ca­da­ção, já que a se­de provavelmente mu­da­ria de Lon­dri­na. O pre­fei­to diz que so­men­te ana­li­sa­ria es­sa pos­si­bi­li­da­de se não exis­tis­sem ou­tras. “Tal­vez no fu­tu­ro se en­ten­da que não exis­te ou­tro ca­mi­nho, mas, pa­ra mim, ain­da exis­te”, faz a res­sal­va.

A ex­pec­ta­ti­va na pre­fei­tu­ra é que o pro­je­to seja apro­va­do até o fim des­te ano. Pa­ra Be­li­na­ti, a mudança na lei não sig­ni­fi­ca­rá uma “car­ta bran­ca” pa­ra a Pre­fei­tu­ra to­mar a decisão. “Es­ta­mos co­lo­can­do o que vai ser fei­to. O que for além dis­so vai ser am­pla­men­te dis­cu­ti­do com a so­ci­e­da­de, de for­ma trans­pa­ren­te.”

Ele tam­bém afir­ma que não há in­te­res­sa­dos pre­vi­a­men­te na Ser­com­tel e que nunca re­ce­beu qual­quer pro­pos­ta so­bre um gru­po de em­pre­sá­ri­os que são só­ci­os mi­no­ri­tá­ri­os e têm in­te­res­se em fa­zer uma chamada de ca­pi­tal pa­ra in­ves­tir na es­ta­tal, ideia pu­bli­ca­da na FOLHA no iní­cio de ou­tu­bro pas­sa­do. A TIM é ou­tra em­pre­sa que tam­bém te­ria in­te­res­se na Co­pel Te­le­com e na Ser­com­tel, con­for­me re­por­ta­gem pu­bli­ca­da em fevereiro des­te ano, co­mo par­te da estratégia de ad­qui­rir em­pre­sas re­gi­o­nais pa­ra am­pli­ar a par­ti­ci­pa­ção de mer­ca­do. Na oca­sião, a ope­ra­do­ra dis­se que es­tá aten­ta à opor­tu­ni­da­de de mer­ca­do, mas não ha­via ne­go­ci­a­ção em cur­so.

Ou­tras me­di­das con­fir­ma­das e que fa­zem par­te do pro­je­to de re­cu­pe­ra­ção apre­sen­ta­do à Ana­tel são um no­vo PDV (Pla­no de De­mis­são Vo­lun­tá­ria), pa­ra eco­no­mi­zar R$ 12 mi­lhões, o in­ves­ti­men­to de R$ 60 mi­lhões em fi­bra óti­ca pe­la Co­pel em Lon­dri­na e a ex­pan­são da ofer­ta de ser­vi­ços jun­to à Co­pel Te­le­com pa­ra to­das as ci­da­des do Es­ta­do.

Gus­ta­vo Carneiro

Be­li­na­ti diz que é preciso dar ve­lo­ci­da­de às de­ci­sões co­mer­ci­ais da em­pre­sa, en­tre as quais a trans­fe­rên­cia ou venda de ações en­tre só­ci­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.