AVE­NI­DA PA­RA­NÁ

Gos­ta­ria de ter ou­tro ad­je­ti­vo pa­ra o au­men­to do Ju­di­ciá­rio, mas só me ocor­re um: obs­ce­no

Folha de Londrina - - Primeira Página - Fa­le com o colunista: ave­ni­da­pa­ra­na@fo­lha­de­lon­dri­na.com.br por Paulo Bri­guet

Um no­vo Bra­sil es­tá nas­cen­do e Bra­sí­lia já quer abor­tá-lo.

De na­da adi­an­ta­ram os ape­los do pre­si­den­te elei­to. Na úl­ti­ma quar­ta­fei­ra, o Se­na­do apro­vou, por 41 vo­tos a 16, o au­men­to sa­la­ri­al de 16,38% pa­ra os mi­nis­tros do Su­pre­mo Tribunal Fe­de­ral (STF). Com is­so, o te­to sa­la­ri­al do fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co vai sal­tar pa­ra

R$ 39 mil. Cal­cu­la-se que o efei­to cas­ca­ta em to­do quadro de ser­vi­do­res vai ge­rar um au­men­to nos gas­tos pú­bli­cos de R$ 4 bi­lhões a R$ 6 bi­lhões no pri­mei­ro ano de man­da­to de Jair Bol­so­na­ro e dos no­vos go­ver­na­do­res. Quem vai pa­gar por is­so? Eu, vo­cê, to­dos nós.

Gos­ta­ria de ter ou­tro ad­je­ti­vo pa­ra definir es­se au­men­to, mas só me ocor­re um: obs­ce­no. A des­fa­ça­tez da cas­ta que su­ga o Es­ta­do bra­si­lei­ro não tem li­mi­te al­gum. Co­mo bem de­fi­niu o escritor Yu­ri Vieira, o pre­si­den­te do Se­na­do, que não con­se­guiu a re­e­lei­ção, e a mai­o­ria de seus co­le­gas igual­men­te der­ro­ta­dos nas ur­nas com­por­ta­ram-se co­mo o ca­ra que se viu obri­ga­do a ven­der um car­ro de lu­xo que pos­suía e, só pa­ra ata­za­nar o no­vo pro­pri­e­tá­rio, uri­na no tan­que de ga­so­li­na. Re­pi­to: é obs­ce­no.

No dia an­te­ri­or à vo­ta­ção do au­men­to, a sra. Car­men Lú­cia, ministra do STF, dis­se es­tar pre­o­cu­pa­da com a “on­da con­ser­va­do­ra” no país. Pa­ra ela, os no­vos tem­pos co­lo­cam em pe­ri­go as con­quis­tas da de­mo­cra­cia. Muito mais no­ci­va pa­ra o país, se­nho­ra ministra, é a sa­bo­ta­gem pro­mo­vi­da pe­los co­ro­néis es­ta­tais ao ca­pi­tão elei­to pe­lo po­vo.

O po­vo bra­si­lei­ro é con­ser­va­dor no sen­ti­do de que de­se­ja pre­ser­var os va­lo­res da li­ber­da­de, da jus­ti­ça, da de­mo­cra­cia e da ci­vi­li­za­ção. Mas não é nem um pou­co “con­ser­va­dor” quan­do se tra­ta de man­ter e in­flar os pri­vi­lé­gi­os do al­to fun­ci­o­na­lis­mo. É Bra­sí­lia vin­gan­do-se do Bra­sil.

Se ti­ver um mí­ni­mo de com­pro­mis­so com o fu­tu­ro de Bra­sil, Mi­chel

Te­mer pre­ci­sa ve­tar es­sa obs­ce­ni­da­de dos mor­tos-vi­vos.

*******

A pro­va la­cra­do­ra do Enem é ou­tro exem­plo de sa­bo­ta­gem que es­tá sen­do fei­ta con­tra o no­vo go­ver­no. Co­mo bem ob­ser­vou meu amigo Ber­nar­do Pires Küs­ter, as ques­tões ide­o­lo­gi­ca­men­te en­vi­e­sa­das da úl­ti­ma pro­va de­fi­nem o con­teú­do pa­ra o en­si­no mé­dio no próximo ano. To­dos os cli­chês es­quer­dis­tas e glo­ba­lis­tas con­ti­nu­a­rão sen­do exi­gi­dos dos es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros. Pa­ra se dar bem no Enem, o es­tu­dan­te sé­rio se ve­rá no­va­men­te obri­ga­do a ade­rir às idei­as do­mi­nan­tes. A “Pá­tria Edu­ca­do­ra” de Dil­ma e Paulo Frei­re continua tão vi­va qu­an­to o per­so­na­gem Ja­son do fil­me Sex­ta-Fei­ra 13. ********

E por fa­lar em do­mi­na­ção es­quer­dis­ta, a cha­pa Re­sis­tên­cia Ma­ri­el­le Fran­co ven­ceu as elei­ções pa­ra o DCE da UEL. Ago­ra, eles pre­ten­dem co­lo­car em prá­ti­ca su­as pro­pos­tas, co­mo a “es­ta­ti­za­ção de to­das as uni­ver­si­da­des pri­va­das e cri­a­ção de um sis­te­ma úni­co de en­si­no”. Eles es­tão na con­tra­mão da ci­da­de que cri­ou a UEL. *******

Por fa­lar em Lon­dri­na, es­ta­va eu pas­san­do pe­la Pra­ça Flo­ri­a­no Pei­xo­to e no­tei que a has­te da ban­dei­ra so­bre o Al­tar da Pá­tria es­tá com­ple­ta­men­te tor­ta: mais tor­ta que a Tor­re de Pi­sa. Não creio que te­nha si­do obra do vento, mas de mãos hu­ma­nas. É um símbolo do que os “re­sis­ten­tes”, der­ro­ta­dos nas ur­nas, pre­ten­dem fa­zer com o Bra­sil.

Au­men­to do STF é um exem­plo do que os mor­tos-vi­vos do po­der que­rem fa­zer com o no­vo Bra­sil

Paulo Dri­guet

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.