Água do rio Ama­zo­nas pa­ra abas­te­cer o Bra­sil

Folha de Londrina - - Opinião -

Ten­do o mai­or rio do mun­do em ex­ten­são e em vo­lu­me de água do­ce, não se entende co­mo os go­ver­nos, ao lon­go da his­tó­ria, nunca le­va­ram adi­an­te a ideia de uti­li­zar o lí­qui­do des­se vas­to ma­nan­ci­al e ca­na­li­zá-lo pa­ra o Nor­des­te se­co e in­clu­si­ve pa­ra ou­tros Es­ta­dos. (O pro­je­to de Is­ra­el, ago­ra ofe­re­ci­do ao Bra­sil, de des­sa­li­ni­zar água do mar e ir­ri­gar o ári­do nor­des­ti­no, se­ria uma so­lu­ção se não ti­vés­se­mos o Ama­zo­nas e ou­tros três gran­des ri­os, mas a des­sa­li­ni­za­ção é po­lu­en­te e os am­bi­en­ta­lis­tas são con­tra).

Al­guém pre­ci­sa levar ao go­ver­no Bol­so­na­ro a su­ges­tão de usar­mos nos­sas águas, já do­ces, e re­sol­ver­mos de vez o pro­ble­ma da es­cas­sez de água. E te­mos tan­ta, pe­la pro­di­ga­li­da­de do grande rio, que po­de­ría­mos abas­te­cer, on­de ne­ces­sá­rio, vas­ta re­gião do Bra­sil, in­clu­si­ve o

Su­des­te. Ocor­re que os governantes, so­bre­tu­do da re­gião Nor­des­te, nunca de­se­ja­ram me­lho­rar a vi­da de sua gen­te, pa­ra assim man­tê-la atre­la­da e de­pen­den­te.

A ba­cia do Ama­zo­nas tem 90% da água do­ce do País, e es­se vo­lu­me é des­pe­ja­do gra­tui­ta­men­te no mar, na pro­por­ção de 200 mil me­tros cú­bi­cos por se­gun­do, aumentando pa­ra 600 mil na épo­ca das chei­as. Pa­ra abas­te­cer o Nor­des­te, via aque­du­tos, a água vi­a­ja­ria 2 mil quilô­me­tros, e 4 mil até São Paulo. Po­de­ría­mos, in­clu­si­ve, ven­der água pa­ra ou­tros paí­ses.

O Bra­sil já cons­truiu um ga­se­o­du­to até a Bo­lí­via e ole­o­du­tos en­tre os Es­ta­dos, e por que não fa­zer is­so com a água? Os ge­ne­rais do staff do pre­si­den­te elei­to já su­ge­ri­ram uma so­lu­ção ime­di­a­ta pa­ra levar água aos nor­des­ti­nos. Uma me­di­da pa­li­a­ti­va, emer­gen­ci­al, mas ao me­nos a po­pu­la­ção e os ani­mais não mor­re­ri­am de se­de. “Que bra­sei­ro, que for­na­lha, nem um pé de plan­ta­ção; por falta dá­gua mor­reu meu ga­do, mor­reu de se­de meu ala­zão” - foi o can­to tris­te de Luiz Gon­za­ga, que ain­da ecoa co­mo uma ad­ver­tên­cia e um do­lo­ro­so la­men­to.

A Pro­vi­dên­cia Di­vi­na, que foi tão pró­di­ga pa­ra com o Bra­sil ao con­ce­der-lhe re­cur­sos na­tu­rais, co­mo o mai­or rio do pla­ne­ta, a mai­or ex­ten­são flo­res­tal e to­da sua bi­o­di­ver­si­da­de, pro­di­gi­o­sas ter­ras agri­cul­tá­veis que pro­du­zem o ano to­do e com o po­ten­ci­al pa­ra abas­te­cer de ali­men­tos o mun­do in­tei­ro, vai nos co­brar por­que dei­xa­mos mor­re­rem de se­de e de fo­me tan­tos coir­mãos nor­des­ti­nos do ser­tão e tan­tos ou­tros po­bres da pe­ri­fe­ria das ci­da­des, in­cluin­do-se os ani­mais, os quais nos in­cum­be pre­ser­var; dei­xa­mos que se res­se­cas­se a ter­ra, que as se­men­tes não con­se­guis­sem ger­mi­nar, con­de­nan­do as plan­ta­ções a de­sa­pa­re­ce­rem de nos­sas vis­tas; e que os gran­des ma­nan­ci­ais de água - Ama­zo­nas, To­can­tins, São Fran­cis­co e Pa­ra­ná - fi­cas­sem ali, si­len­tes e pou­co apro­vei­ta­dos.

Os ri­os não exis­tem ape­nas pa­ra os peixes - em­bo­ra tam­bém es­tes so­fram com a po­lui­ção das águas - mas igual­men­te pa­ra ser­vir ao ho­mem e às plan­ta­ções. Va­mos sus­ci­tar os governantes pres­tes a as­su­mir o co­ma­do da Nação a que des­per­tem pa­ra a re­a­li­da­de das po­pu­la­ções ca­ren­tes de água, e vol­tem sem de­mo­ra seu olhar pa­ra o rio Ama­zo­nas.

WALMOR MACCARINI é jornalista

Não se com­pre­en­de co­mo os governantes des­pre­za­ram es­se tão ri­co ma­nan­ci­al dei­xan­do nor­des­ti­nos mor­re­rem de se­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.