AGROECOLOGIA

Uma no­va for­ma de fa­zer agri­cul­tu­ra

Folha de Londrina - - Primeira Página - Vic­tor Lo­pes Re­por­ta­gem Lo­cal

Os prin­cí­pi­os da ho­me­o­pa­tia e seus me­di­ca­men­tos têm si­do em­pre­ga­dos nas la­vou­ras, prin­ci­pal­men­te no com­ba­te de pra­gas e do­en­ças. Pa­ra­ná é pi­o­nei­ro na uti­li­za­ção da ci­ên­cia em plan­tas li­ga­das ao agro­ne­gó­cio. Mar­cos Cân­di­do de Sou­sa, de Lu­pi­o­nó­po­lis, se­pa­rou um es­pa­ço de ter­ra pa­ra co­me­çar a uti­li­zar a téc­ni­ca.

Uti­li­za­ção da ci­ên­cia em plan­tas ga­nha ca­da vez mais no­to­ri­e­da­de nas pes­qui­sas li­ga­das ao agro­ne­gó­cio, sen­do o Pa­ra­ná um dos pi­o­nei­ros no as­sun­to

Com mais de 200 anos des­de seu sur­gi­men­to - ini­ci­a­da pe­lo ale­mão Sa­mu­el Hah­ne­mann em 1796 - a ci­ên­cia ho­me­o­pá­ti­ca já dei­xou de ser ta­bu e tem sua fun­da­men­ta­ção ci­en­tí­fi­ca con­so­li­da­da pa­ra o tra­ta­men­to de pes­so­as e, há al­gum tem­po, tam­bém nos ani­mais. Mas ima­gi­ne só usar os prin­cí­pi­os da ho­me­o­pa­tia e seus me­di­ca­men­tos (de ori­gem ani­mal, mi­ne­ral e ve­ge­tal) pa­ra o com­ba­te, por exem­plo, de pra­gas a do­en­ças nu­ma la­vou­ra de so­ja de al­ta pro­du­ti­vi­da­de?

Pa­re­ce lou­cu­ra, mas a uti­li­za­ção da ho­me­o­pa­tia em plan­tas ga­nha ca­da vez mais no­to­ri­e­da­de nas pes­qui­sas li­ga­das ao agro­ne­gó­cio, sen­do o Pa­ra­ná um dos pi­o­nei­ros nes­se ti­po de tra­ba­lho, in­clu­si­ve com um la­bo­ra­tó­rio de ho­me­o­pa­tia e fi­si­o­lo­gia ve­ge­tal im­ple­men­ta­do na UEM (Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá). Já na re­gião Oes­te do Es­ta­do - gra­ças à for­ça da agroecologia - di­ver­sas en­ti­da­des atu­am em con­jun­to pa­ra for­ta­le­cer ações nes­sa li­nha de tra­ba­lho, o que tem trans­for­ma­do a for­ma de fa­zer agri­cul­tu­ra em pro­pri­e­da­des dos mais va­ri­a­dos ta­ma­nhos e cul­tu­ras.

Nes­ta se­ma­na, in­clu­si­ve, acon­te­ceu em Foz do Igua­çu o 3º Pa­ra­ná Agro­e­co­ló­gi­co, en­con­tro que reu­niu em tor­no de 1.480 pes­so­as li­ga­das ao agro­ne­gó­cio, pes­qui­sa e ex­ten­são, de es­pe­ci­a­lis­tas a pro­du­to­res ru­rais. Em meio a pro­gra­ma­ção, foi re­a­li­za­do o 1º Se­mi­ná­rio Es­ta­du­al de Ho­me­o­pa­tia na Agroecologia, que trou­xe ca­ses im­pres­si­o­nan­tes por to­do o Es­ta­do. É uma no­va for­ma de fa­zer agri­cul­tu­ra, mui­to mais sus­ten­tá­vel. Já exis­te in­clu­si­ve pro­fis­si­o­nais for­ma­dos no Cur­so de Ex­ten­são em Ho­me­o­pa­tia da UEM (ve­ja mais no box ao la­do) atu­an­do em áre­as de gran­de es­ca­la de grãos em Ro­rai­ma, dei­xan­do de la­do os de­fen­si­vos quí­mi­cos tra­di­ci­o­nais - os fa­mo­sos pa­co­tes tec­no­ló­gi­cos pré-de­fi­ni­dos

- e par­tin­do ape­nas pa­ra os com­pos­tos ho­me­o­pá­ti­cos ao lon­go da sa­fra. Os prin­cí­pi­os da ci­ên­cia têm os mes­mos pi­la­res, in­de­pen­den­te­men­te se o tra­ta­men­to é vol­ta­do pa­ra pes­so­as, ani­mais ou plan­tas, co­mo o ca­so da lei dos se­me­lhan­tes, ex­pe­ri­men­ta­ção no or­ga­nis­mo sa­dio e do­ses in­fi­ni­te­si­mais (ex­tre­ma­men­te di­luí­das). Os com­pos­tos uti­li­za­dos, aliás, são si­mi­la­res, fa­zen­do uma “anam­ne­se” da plan­ta pa­ra co­nhe­cer sua re­al con­di­ção e en­con­trar o me­di­ca­men­to cor­re­to pa­ra aque­la pro­ble­má­ti­ca, sem­pre nu­ma con­tex­tu­a­li­za­ção sis­tê­mi­ca. “O uso da ho­me­o­pa­tia é pos­sí­vel on­de há vi­da. A evo­lu­ção (em plan­tas) acon­te­ce de for­ma ex­po­nen­ci­al, em to­dos os ti­pos de áre­as”, ex­pli­ca o pes­qui­sa­dor dou­tor e um dos pre­cur­so­res em ho­me­o­pa­tia ve­ge­tal do País, Car­los Mo­a­cir Bo­na­to, da UEM. Ju­li­a­no Ca­sa­gran­de atua na co­o­pe­ra­ti­va de tra­ba­lho e as­sis­tên­cia téc­ni­ca Bi­o­la­bo­re, com se­de em San­ta He­le­na (Oes­te), e foco na agri­cul­tu­ra agro­e­co­ló­gi­ca. Ele ex­pli­ca que a ho­me­o­pa­tia che­gou na re­gião no iní­cio dos anos 2000 co­mo uma fer­ra­men­ta pa­ra re­sol­ver pro­ble­mas den­tro do pro­ces­so agro­e­co­ló­gi­co e aos pou­cos foi se ex­pan­din­do pa­ra a área con­ven­ci­o­nal, ca­so das com­mo­di­ti­es. “Na so­ja, exis­tem ca­sos em que foi pos­sí­vel re­ti­rar o uso de in­se­ti­ci­das e fun­gi­ci­das, por exem­plo, uma eco­no­mia de R$ 900 a R$ 1 mil por al­quei­re. Os pre­pa­ra­dos ho­me­o­pá­ti­cos

O uso da ho­me­o­pa­tia é pos­sí­vel on­de há vi­da. A evo­lu­ção (em plan­tas) acon­te­ce de for­ma ex­po­nen­ci­al, em to­dos os ti­pos de áre­as”

Aos pou­cos, pro­du­to­res pa­ra­na­en­ses su­pe­ram re­ceio

equi­li­bra­ram o sis­te­ma e au­xi­li­am no com­ba­te e con­tro­le de pra­gas e do­en­ças. Além da di­mi­nui­ção dos cus­tos, o pro­du­tor tem con­ta­to me­nor com os agroquí­mi­cos.”

Ca­sa­gran­de re­la­ta que exis­tem em­pre­sas no Bra­sil que pos­su­em for­mu­la­ções de nú­cle­os ho­me­o­pá­ti­cos, re­gis­tra­dos no Ma­pa (Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra), e aca­bam sen­do uti­li­za­dos pe­los pro­du­to­res, que bus­cam es­sas for­mu­la­ções pa­ra es­ti­mu­lar en­tre di­ver­sas ca­rac­te­rís­ti­cas o vi­gor da se­men­te, de­sen­vol­vi­men­to da plan­ta, ab­sor­ção de nu­tri­en­tes e com­ba­te a pra­gas. “Ou­tra fi­lo­so­fia de tra­ba­lho que fo­men­ta­mos é o em­pon­de­ra­men­to do agri­cul­tor, pa­ra que ele não fi­que de­pen­den­do da ques­tão mer­ca­do­ló­gi­ca, e pos­sa fa­zer sua far­má­cia bá­si­ca em ca­sa, já que a le­gis­la­ção per­mi­te is­so. Pa­ra is­so, um dos de­sa­fi­os é a ca­pa­ci­ta­ção das pes­so­as de for­ma con­ti­nu­a­da, com as­sis­tên­cia téc­ni­ca e cur­sos no cam­po da ho­me­o­pa­tia.”

Num pri­mei­ro mo­men­to, é di­fí­cil pen­sar que gran­des pro­du­to­res de grãos po­dem apos­tar na ho­me­o­pa­tia e “dei­xar de la­do” a agro­no­mia mais tra­di­ci­o­nal e que já es­tá con­so­li­da­da no mer­ca­do há mui­to tem­po. En­tre­tan­to, con­sul­to­res que se ca­pa­ci­ta­ram com os con­cei­tos ho­me­o­pá­ti­cos em ve­ge­tais têm con­se­gui­do re­sul­ta­dos ex­pres­si­vos em áre­as de to­do o País, com di­mi­nui­ção de cus­tos e re­sul­ta­dos im­por­tan­tes em pro­du­ti­vi­da­de.

O en­ge­nhei­ro agrô­no­mo e pro­du­tor em Co­lo­ra­do, Ri­car­do Pa­dul­la, fez a es­pe­ci­a­li­za­ção em ho­me­o­pa­tia na UEM e, se­gun­do ele, pas­sou por uma “que­bra de pa­ra­dig­mas” após o cur­so. Ele pres­ta con­sul­to­ria em di­ver­sos es­ta­dos do País, no Pa­ra­guai e - gra­da­ti­va­men­te - os re­sul­ta­dos vão apa­re­cen­do. “Na ho­me­o­pa­tia mu­da tu­do. Nu­ma fa­zen­da de 500 hec­ta­res em Ro­rai­ma, fi­ze­mos um ta­lhão de 25 hec­ta­res com ho­me­o­pa­tia. Não ti­ve­mos di­fe­ren­ça na pro­du­ção com­pa­ra­do ao res­tan­te da área e ain­da com uma re­du­ção de cus­to de 8 sa­cas por hec­ta­re.”

A mé­dia no lo­cal uti­li­zan­do ze­ro de de­fen­si­vos con­ven­ci­o­nais e ape­nas com­pos­tos ho­me­o­pá­ti­cos fi­cou em 55 sa­cas por hec­ta­re. Ago­ra, se­gun­do o Pa­dul­la, o pro­du­tor ro­rai­men­se es­tá pen­san­do em fa­zer to­da a área des­sa for­ma. “Na ho­me­o­pa­tia, não há pro­to­co­lo fi­xo. Não olha­mos pa­ra a pra­ga ou do­en­ça, mas sim pa­ra os sin­to­mas da plan­ta e apli­ca­mos me­di­ca­men­tos pa­ra ca­da um de­les. Jun­to aos pro­du­tos ho­me­o­pá­ti­cos, cos­tu­mo uti­li­zar tam­bém al­guns pa­ra con­tro­le bi­o­ló­gi­co.”

Ou­tro pon­to in­te­res­san­te ci­ta­do por Pa­dul­la é que com a ho­me­o­pa­tia até a for­ma de tra­ba­lhar mu­da. O vo­lu­me de pre­pa­ra­do é tão me­nor de de­ter­mi­na­do me­di­ca­men­to que os pro­du­to­res até es­tra­nham, já que no ca­so dos de­fen­si­vos tra­di­ci­o­nais o vo­lu­me é as­sus­ta­dor. “Fa­ço par­te de um gru­po de pro­du­to­res e con­sul­to­res de Goiás e o que te­mos per­ce­bi­do é uma mu­dan­ça as­sus­ta­do­ra em ní­vel de Bra­sil, de gran­des áre­as ti­ran­do to­dos os de­fen­si­vos tra­di­ci­o­nais.”

No Pa­ra­ná, Pa­dul­la co­men­ta que aos pou­cos os pro­du­to­res co­me­çam a apos­tar na ci­ên­cia ho­me­o­pá­ti­ca. Du­ran­te os pró­xi­mos me­ses de sa­fra de so­ja, ele con­se­guiu que al­guns - mes­mo que ain­da res­sa­bi­a­dos fa­çam pe­que­nas áre­as e, as­sim, ve­jam os re­sul­ta­dos na prá­ti­ca. “Es­tou pre­pa­ran­do me­di­ca­men­tos pa­ra tra­ba­lhos com so­ja aqui na re­gião. Ro­dei al­gu­mas áre­as e ca­da uma vai com um com­pos­to di­fe­ren­te.”

Em Lu­pi­o­nó­po­lis (Nor­te), Mar­cos Cân­di­do de Sou­sa tra­ba­lha em 62 al­quei­res en­tre área pró­pria e ar­ren­da­das. Ele ex­pli­ca que um con­sul­tor o con­ven­ceu a fa­zer um ta­lhão de qua­tro al­quei­res ape­nas com pro­du­tos ho­me­o­pá­ti­cos, sen­do que a apli­ca­ção dos com­pos­tos de­ve co­me­çar em bre­ve. “Não va­mos apli­car na­da de de­fen­si­vos tra­di­ci­o­nais. Ain­da te­nho um re­ceio de acon­te­cer um des­con­tro­le (de pra­gas ou do­en­ças), mas va­mos apos­tar. Se al­go sair do es­pe­ra­do, vol­ta­mos com os pro­du­tos nor­mais.”

Ape­sar de um pou­co com o “pé atrás”, Sou­sa se mos­tra oti­mis­ta com os fu­tu­ros re­sul­ta­dos e, cla­ro, os me­no­res gas­tos, por­que co­nhe­ce os ca­ses de ou­tros es­ta­dos. “É ten­ta­dor. Se do­mi­nar­mos es­sa téc­ni­ca, até os ris­cos com a nos­sa saú­de di­mi­nu­em. Além dis­so, é me­nos pro­du­to quí­mi­co no meio am­bi­en­te. O con­cei­to de agri­cul­tu­ra es­tá mu­dan­do e pre­ci­sa­mos acom­pa­nhar es­sa evo­lu­ção”, com­ple­men­ta o pro­du­tor, que te­ve mé­dia de três apli­ca­ções de fun­gi­ci­das e du­as de in­se­ti­ci­da na sa­fra pas­sa­da. “Já che­guei a fa­zer cin­co apli­ca­ções con­tra in­se­tos. Os cus­tos são bem ele­va­dos”, com­ple­men­ta.

Mar­cos Za­nut­to

Mar­cos Za­nut­to

Em Lu­pi­o­nó­po­lis, Mar­cos Cân­di­do de Sou­sa se­pa­rou um ta­lhão de qua­tro al­quei­res de so­ja pa­ra apli­car ape­nas pro­du­tos ho­me­o­pá­ti­cos: “Ain­da te­nho um re­ceio de acon­te­cer um des­con­tro­le (de pra­gas ou do­en­ças), mas va­mos apos­tar”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.