TOP DE MAR­CAS

Jor­nal e por­tal Bon­de são os mais lem­bra­dos em Lon­dri­na na mí­dia im­pres­sa e on-li­ne e man­têm des­ta­que que vem des­de pri­mei­ra edi­ção da pes­qui­sa

Folha de Londrina - - Primeira Página - Fá­bio Ga­li­ot­to Re­por­ta­gem Lo­cal

FO­LHA e por­tal Bon­de são os mais lem­bra­dos em Lon­dri­na na mí­dia im­pres­sa e on-li­ne e man­têm des­ta­que des­de pri­mei­ra edi­ção

OG­ru­po Fo­lha te­ve o me­lhor de­sem­pe­nho em du­as ca­te­go­ri­as da 23ª edi­ção do Prê­mio Top de Mar­cas Lon­dri­na, que traz os re­sul­ta­dos so­bre as mar­cas mais lem­bra­das pe­los con­su­mi­do­res du­ran­te 2018. A “Fo­lha de Lon­dri­na” foi o jor­nal mais ci­ta­do, apon­ta­do por 65,6% dos en­tre­vis­ta­dos, e o “Bon­de” foi o prin­ci­pal por­tal de no­tí­ci­as, com 20,5%. A pre­mi­a­ção foi na noi­te de quin­ta-fei­ra (8), no Vil­la Pla­nal­to.

A FO­LHA tam­bém fi­cou com a ter­cei­ra co­lo­ca­ção en­tre as com mai­or per­cen­tu­al de lem­bran­ça en­tre to­das as em­pre­sas, atrás ape­nas da pi­o­nei­ra lon­dri­nen­se Vi­a­ção Gar­cia (73,8%) e da gi­gan­te mun­di­al Co­ca-Co­la (63,8%). Com­ple­tam a lis­ta dos cin­co pri­mei­ros a te­lefô­ni­ca mu­ni­ci­pal Ser­com­tel (63,8%) e o pla­no de saú­de Uni­med (62,7%).

Uma no­vi­da­de no Top de Mar­cas des­te ano foi o prê­mio Top Re­pu­ta­ção, que bus­ca apon­tar quais são as em­pre­sas, na ava­li­a­ção de uma ban­ca de ju­ra­dos li­ga­dos ao mar­ke­ting e à pu­bli­ci­da­de. O ob­je­ti­vo é in­di­car quais são mais re­co­nhe­ci­das pe­lo tra­ba­lho de cons­tru­ção da re­pu­ta­ção, den­tro de um no­vo con­tex­to de trans­pa­rên­cia ne­ces­sá­rio à era di­gi­tal. A pri­mei­ra co­lo­ca­da foi a cons­tru­to­ra A.Yoshii, se­gui­da pe­la Uni­med, a do­ce­ria Has­chi­mit­su, pe­la Fo­lha de Lon­dri­na, pe­lo su­per­mer­ca­do Su­per Muf­fa­to e pe­la uni­ver­si­da­de pri­va­da Uno­par.

O su­pe­rin­ten­den­te do Gru­po Fo­lha, Jo­sé Ni­co­lás Me­jía, des­ta­ca que são 23 anos con­se­cu­ti­vos co­mo lí­der no Top de Mar­cas da ca­te­go­ria jor­nal, o que tem a ver com a es­ta­bi­li­da­de do pro­du­to. “Mes­mo com o im­pres­so per­den­do for­ça en­tre os mais jo­vens na era di­gi­tal, a FO­LHA con­se­gue se man­ter co­mo a mais lem­bra­da, o que tem a ver com as es­tra­té­gi­as de mar­ke­ting ado­ta­das, a re­a­li­za­ção de even­tos e a atu­a­ção com apoi­os cul­tu­rais, es­por­ti­vos e em­pre­sa­ri­ais”, diz.

Me­jía con­si­de­ra que o mes­mo se apli­ca ao por­tal Bon­de, que se man­tém à fren­te dos con­cor­ren­tes em qua­se du­as dé­ca­das na re­de. “Que­re­mos es­tar pre­sen­tes em to­dos os even­tos e acon­te­ci­men­tos im­por­tan­tes pa­ra a ci­da­de. As pes­so­as con­fi­am na nos­sa mar­ca, na FO­LHA, e pre­ci­sa­mos res­pon­der a es­sa con­fi­an­ça”, res­sal­ta.

INFLUENCIADORES

A cri­a­do­ra do Top de Mar­cas Lon­dri­na, a jor­na­lis­ta Cláu­dia Ro­ma­riz, afir­ma que a pes­qui­sa é im­por­tan­te por­que per­mi­te às em­pre­sas ava­li­a­rem vá­ri­os in­di­ca­do­res pa­ra en­ten­der o pró­prio po­si­ci­o­na­men­to jun­to ao con­su­mi­dor. “Lon­dri­na tem vá­ri­as mar­cas que são lem­bra­das há 23 anos e que cres­ce­ram com a ci­da­de, co­mo a FO­LHA, a Ca­ti­va, o Ho­tel Bour­bon e a Rá­dio Pai­que­rê.”

Ro­ma­riz lem­bra que a era di­gi­tal tam­bém traz de­sa­fi­os, por am­pli­ar o tamanho do mer­ca­do pe­la in­ter­net e ele­var a con­cor­rên­cia. “Ser lem­bra­do fi­cou mais di­fí­cil por­que o con­su­mi­dor fi­cou mui­to mais co­nec­ta­do e tam­bém mais de­sa­ten­to. Pa­ra ser lem­bra­do, an­tes de mais na­da, é pre­ci­so sa­ber em que meio ele es­tá e co­mo se co­mu­ni­car”, diz.

O le­van­ta­men­to pa­ra o Top de Mar­cas con­tou tam­bém com uma pes­qui­sa so­bre mar­ke­ting de in­fluên­cia, que apon­tou, por exem­plo, que 71% dos in­ter­nau­tas se­guem al­gum in­flu­en­ci­a­dor de al­gu­ma ca­te­go­ria, 60% já co­nhe­ce­ram pro­du­tos por meio des­se ca­nal e 35% con­fi­am ne­le co­mo fon­te de in­for­ma­ção. A cri­a­do­ra do Top de Mar­cas des­ta­ca que é pre­ci­so en­ten­der o que o con­su­mi­dor pro­cu­ra por­que qu­em não é per­ce­bi­do po­de lo­go dei­xar de ser lem­bra­do. “As pes­so­as que­rem ca­da vez mais ter mar­cas do co­ra­ção, com pro­pó­si­to, que trans­for­mem a so­ci­e­da­de”, con­ta Ro­ma­riz.

PRÊ­MIO API

O jor­nal “Fo­lha de Lon­dri­na” tam­bém re­ce­beu na ma­nhã de sex­ta-fei­ra (9) o Prê­mio Im­pren­sa por um Pa­ra­ná Me­lhor 2018, da API (As­so­ci­a­ção Pa­ra­na­en­se de Im­pren­sa). A en­ti­da­de, fun­da­da em 1934 e com se­de em Cu­ri­ti­ba, tra­ba­lha na de­fe­sa da li­ber­da­de de ex­pres­são, do plu­ra­lis­mo e apoia ini­ci­a­ti­vas vin­cu­la­das ao de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel e à de­mo­cra­cia. A en­tre­ga foi no IHGPR (Ins­ti­tu­to His­tó­ri­co e Ge­o­grá­fi­co do Pa­ra­ná).

Ve­ja a re­vis­ta com to­dos os pre­mi­a­dos do Top de Mar­cas 2018 no en­de­re­ço ele­trô­ni­co link=”https://is­suu.com/ brandn­brand/docs/bo­ok-re­vis­ta-tm-2018”

Di­vul­ga­ção

A pre­mi­a­ção foi na noit ede quin­ta-fei­ra (8), no Vil­la Pla­nal­to: além de li­de­rar em du­as ca­te­go­ri­as, a FO­LHA foi a ter­cei­ra mais lem­bra­da, en­tre to­das as em­pre­sas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.