RIS­CO

Pes­qui­sa apon­ta que pro­ble­ma é par­ti­cu­lar­men­te gra­ve en­tre mo­to­ris­tas pro­fis­si­o­nais

Folha de Londrina - - Primeira Página - Ra­fa­el Cos­ta Re­por­ta­gem Lo­cal

So­no é uma das mai­o­res cau­sas de aci­den­tes de trân­si­to. En­tre mo­to­ris­tas pro­fis­si­o­nais, até 60% dos ca­sos ocor­rem por so­no­lên­cia e fa­di­ga

Cu­ri­ti­ba - Po­de ser só uma “pes­ca­da”, des­sas que acon­te­cem em ca­sa, na fren­te da TV. Ao vo­lan­te, bas­ta um co­chi­lo de um ou dois se­gun­dos pa­ra que o veí­cu­lo avan­ce de­ze­nas de me­tros e saia de con­tro­le, cau­san­do mais um aci­den­te por so­no­lên­cia - um dos mais co­muns no trân­si­to bra­si­lei­ro. No ca­so dos mo­to­ris­tas pro­fis­si­o­nais, o pro­ble­ma é par­ti­cu­lar­men­te gra­ve. Até 60% dos aci­den­tes en­vol­ven­do pro­fis­si­o­nais des­ta ca­te­go­ria ocor­rem por so­no­lên­cia e fa­di­ga, se­gun­do a Abra­met (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Me­di­ci­na de Trá­fe­go). Tra­ta­se da ter­cei­ra mai­or cau­sa de aci­den­tes, atrás ape­nas do uso de ál­co­ol e dro­gas e do ex­ces­so de ve­lo­ci­da­de.

A ori­gem do pro­ble­ma ge­ral­men­te es­tá na pri­va­ção ou na má qua­li­da­de do so­no, de acor­do com a neu­ro­lo­gis­ta Pa­trí­cia Co­ral. A pri­mei­ra ocor­re quan­do dor­me-se uma ho­ra ou mais abai­xo da ne­ces­si­da­de diá­ria. Já o so­no de bai­xa qua­li­da­de po­de ser con­sequên­cia de dis­túr­bi­os co­mo a ap­neia, que con­sis­te em pa­ra­das mo­men­tâ­ne­as da res­pi­ra­ção.

Os re­fle­xos no dia se­guin­te po­dem ser in­con­tro­lá­veis, se­gun­do a es­pe­ci­a­lis­ta em me­di­ci­na do so­no. Em ca­so de pri­va­ção gra­ve, mes­mo que a pes­soa con­si­ga man­ter os olhos aber­tos, o cé­re­bro po­de atu­ar de for­ma a “apa­gá-la”, num me­ca­nis­mo cha­ma­do “pres­são do so­no”. É quan­do on­das de so­no in­va­dem a vi­gí­lia. “Há pa­ci­en­tes que co­chi­lam só quan­do es­tão pa­ra­dos no se­má­fo­ro - o que, te­o­ri­ca­men­te, é me­nos pro­ble­má­ti­co. Mas exis­tem os que co­chi­lam em vi­as mais len­tas ou mo­nó­to­nas, que não exi­gem aten­ção”, diz Co­ral.

É por is­so que ca­mi­nho­nei­ros, por exem­plo, es­tão mais sus­ce­tí­veis a es­se ti­po de epi­só­dio. São co­muns os re­la­tos de cor­ri­das con­tra o tem­po na es­tra­da pa­ra cum­prir pra­zos de en­tre­ga, o que im­pe­de pe­río­dos de des­can­so ade­qua­dos - mui­tas ve­zes por di­as a fio. A pri­va­ção do so­no e a fa­di­ga so­mam-se ao fa­to de a aten­ção exi­gi­da em es­tra­das ser me­nor em de­ter­mi­na­dos tre­chos. É por is­so que tan­tos aci­den­tes ocor­rem em cur­vas pre­ce­di­das por re­tas lon­gas, por exem­plo, sem ou­tras cau­sas apa­ren­tes. “O que ca­rac­te­ri­za é a au­sên­cia de re­a­ção”, ex­pli­ca o pre­si­den­te da Abra­met no Pa­ra­ná, Dir­ceu Sil­vei­ra Ju­ni­or.

O po­li­ci­al ro­do­viá­rio fe­de­ral Fer­nan­do Oli­vei­ra, che­fe do nú­cleo de co­mu­ni­ca­ção da PRF-PR (Po­lí­cia Ro­do­viá­ria Fe­de­ral no Pa­ra­ná), con­ta que já aten­deu a mui­tos ca­sos com es­ses si­nais, ge­ral­men­te du­ran­te a ma­dru­ga­da. O pe­río­do en­tre 2h e 4h, em que o ní­vel do hormô­nio do so­no au­men­ta, é o mais pe­ri­go­so. “Quan­do se per­ce­be que a re­ta ter­mi­nou e o ca­mi­nhão foi em di­re­ção à ri­ban­cei­ra, sem re­a­ção, ou que foi sain­do da pis­ta aos pou­cos, o po­li­ci­al po­de­pre­su­mir”, con­ta. “Mas nem sem­pre ele tem se­gu­ran­ça pa­ra de­ter­mi­nar que foi so­no­lên­cia - há ca­sos que po­dem ser cau­sa­dos por mal sú­bi­to. E di­fi­cil­men­te um so­bre­vi­ven­te vai ad­mi­tir que ador­me­ceu ao vo­lan­te. Com cer­te­za há sub­no­ti­fi­ca­ção.”

Des­de 2015, o Có­di­go de Trân­si­to Bra­si­lei­ro ve­da ao mo­to­ris­ta pro­fis­si­o­nal pas­sar mais de cin­co ho­ras e meia inin­ter­rup­tas di­ri­gin­do veí­cu­los de trans­por­te de car­ga ou passageiros. Mo­to­ris­tas de ca­mi­nhão e de ôni­bus de­vem ob­ser­var in­ter­va­los de des­can­so a ca­da seis e qua­tro ho­ras, res­pec­ti­va­men­te. A mes­ma lei al­te­rou a CLT, que de­ter­mi­na que a jor­na­da diá­ria do mo­to­ris­ta pro­fis­si­o­nal de­ve ser de oi­to ho­ras pror­ro­gá­veis por até qua­tro ho­ras, de­pen­den­do do acor­do.

A re­a­li­da­de nas es­tra­das, no en­tan­to, en­vol­ve jor­na­das de até 48h, se­gun­do Dir­ceu Sil­vei­ra Ju­ni­or. Os pe­río­dos ao vo­lan­te não são fis­ca­li­za­dos e a le­gis­la­ção “não pe­gou”. Pa­ra su­por­tar as jor­na­das exaus­ti­vas, mui­tos usam dro­gas co­mo an­fe­ta­mi­nas (“re­bi­tes”) e co­caí­na. “Mas elas têm um efei­to re­bo­te. Na ho­ra em que o so­no vem, o mo­to­ris­ta não con­se­gue nem re­a­gir. Não há avi­so. Ele sim­ples­men­te apa­ga”, diz o mé­di­co.

SI­NAIS DE ALER­TA

É ne­ces­sá­rio con­sul­tar es­pe­ci­a­lis­tas e fa­zer exa­mes es­pe­cí­fi­cos pa­ra di­ag­nos­ti­car even­tu­ais dis­túr­bi­os do so­no, mas há si­nais que po­dem ser per­ce­bi­dos pe­la pró­pria pes­soa. Qu­em co­chi­la em qual­quer lu­gar, co­mo sa­las de es­pe­ra ou no ci­ne­ma, po­de es­tar dor­min­do mal. “Se a gen­te dor­me bem, não é co­mum fi­car co­chi­lan­do du­ran­te o dia”, diz Pa­trí­cia Co­ral. “O mes­mo va­le pa­ra os ido­sos. Há a ideia de que o ido­so co­chi­la mui­to por cau­sa da ida­de. Mas ge­ral­men­te ele co­chi­la por­que não dor­me bem à noi­te”, ex­pli­ca a neu­ro­lo­gis­ta.

Já pro­ble­mas co­mo a ap­neia do so­no são mais fa­cil­men­te iden­ti­fi­ca­dos por fa­mi­li­a­res - es­pe­ci­al­men­te pe­los côn­ju­ges, já que o dis­túr­bio cha­ma mui­to a aten­ção du­ran­te a noi­te. Qu­em já ou­viu re­cla­ma­ções ou go­za­ções por ron­car mui­to in­ten­sa­men­te ou pa­re­cer que “es­tá mor­ren­do”, na ver­da­de, pre­ci­sa ser tra­ta­do. Não à toa, a re­no­va­ção das ca­te­go­ri­as de ha­bi­li­ta­ção pro­fis­si­o­nal in­clui exa­mes mé­di­cos que pro­cu­ram por si­nais de do­en­ças do so­no. “Hou­ve um ca­so em que um ci­da­dão re­cla­mou da exigência de uma po­lis­so­no­gra­fia, mas que vol­tou al­guns me­ses de­pois pa­ra agra­de­cer, por­que se sub­me­teu ao tra­ta­men­to e es­ta­va me­lhor”, con­ta Sil­vei­ra Ju­ni­or.

A neu­ro­lo­gis­ta Pa­trí­cia Co­ral aler­ta pa­ra a ne­ces­si­da­de de não ne­gli­gen­ci­ar a ques­tão. “Es­ta­dos de so­no­lên­cia du­ran­te o dia ou co­chi­los no trân­si­to de­fi­ni­ti­va­men­te não são nor­mais. É pre­ci­so cor­rer atrás e in­ves­ti­gar”, ori­en­ta.

Ca­so si­nais de fa­di­ga ou so­no­lên­cia se­jam per­ce­bi­dos ao vo­lan­te, é im­pres­cin­dí­vel pa­rar pa­ra des­can­sar. As con­sequên­ci­as po­dem ser ape­nas a len­ti­dão de re­fle­xos ou a in­du­ção a pe­que­nos er­ros que po­dem não pa­re­cer mo­ti­vo pa­ra alar­me. Um ador­me­ci­men­to, no en­tan­to, po­de cau­sar um aci­den­te fa­tal. “Ao pri­mei­ro si­nal de so­no­lên­cia, é fun­da­men­tal pa­rar o car­ro e não con­ti­nu­ar”, diz o po­li­ci­al ro­do­viá­rio Fer­nan­do Oli­vei­ra. “Não adi­an­ta ten­tar lu­tar com o pró­prio so­no. É uma bri­ga que nin­guém con­se­gue ven­cer.”

“Na ho­ra em que o so­no vem, o mo­to­ris­ta não con­se­gue nem re­a­gir. Não há avi­so. Ele sim­ples­men­te apa­ga”

Fo­tos: Sau­lo Oha­ra

Mau­ro Fer­rei­ra re­do­bra a aten­ção quan­do o dia co­me­ça a cla­re­ar: “É a ho­ra mais di­fí­cil”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.