Em bus­ca de pro­ta­go­nis­mo com qua­li­da­de

Dou­to­ra em co­mu­ni­ca­ção da UFPR, Lu­ci­a­na Pan­ke ava­lia po­si­ção das mu­lhe­res no ce­ná­rio po­lí­ti­co na­ci­o­nal

Folha de Londrina - - Entrevista - Vi­tor Struck Re­por­ta­gem Lo­cal

Adis­cus­são que per­me­ou a cam­pa­nha elei­to­ral des­te ano vol­tou à to­na com o anún­cio de uma equi­pe in­tei­ra­men­te mas­cu­li­na pa­ra a tran­si­ção en­tre os go­ver­nos. A representatividade fe­mi­ni­na nos car­gos de ges­tão não de­ve­rá ser as­sis­ti­da pe­lo pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro (PSL) pe­lo re­tro­vi­sor. A de­man­da das mu­lhe­res por pre­sen­ça e pro­ta­go­nis­mo nas de­ci­sões nos mais al­to es­ca­lão do po­der ao la­do dos ho­mens de­ve­rá atra­ves­sar as pró­xi­mas se­ma­nas cor­ren­do sé­ri­os ris­cos não avan­çar se­ri­a­men­te até 2022.

Foi nes­te con­tex­to que a es­pe­ci­a­lis­ta em se­gu­ran­ça pú­bli­ca Már­cia Ama­rí­lio da Cu­nha Sil­va, te­nen­te-co­ro­nel do Cor­po de Bom­bei­ros do Dis­tri­to Fe­de­ral, foi anun­ci­a­da. E em se­gui­da mais três no­mes (sem mui­tos de­ta­lhes so­bre as res­pec­ti­vas fun­ções): Li­a­ne de Mou­ra Fer­nan­des, ex-te­nen­te do Exér­ci­to e for­ma­da em en­ge­nha­ria am­bi­en­tal pe­la UFT; Síl­via No­bre Waiã­pi, te­nen­te do Exér­ci­to, a 1ª mi­li­tar in­dí­ge­na a in­te­grar as For­ças Ar­ma­das; e a dou­to­ra em Eco­no­mia pe­la PUC-Rio, Cla­ris­sa Cos­ta­lon­ga e Gan­dour.

Pres­si­o­na­do pe­los jor­na­lis­tas so­bre mu­lhe­res nos mi­nis­té­ri­os, Bol­so­na­ro ti­tu­be­ou an­tes de di­zer que “com cer­te­za” no­mes fe­mi­ni­nos sur­gi­ri­am pa­ra al­guns dos dez ou 12 ain­da não anun­ci­a­dos. Já so­bre os que es­tão de­fi­ni­dos ques­ti­o­nou. “É o ca­so ti­rar um des­ses e co­lo­car uma mu­lher no lu­gar de­le só por­que é mu­lher?”

Pa­ra a Dou­to­ra em Ci­ên­ci­as da Co­mu­ni­ca­ção pe­la Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo com pós­dou­to­ra­do na li­nha de Co­mu­ni­ca­çãoPo­lí­ti­ca,Lu­ci­a­naPan­ke, de­vem pre­va­le­cer os as­pec­tos qua­li­ta­ti­vos so­bre os quan­ti­ta­ti­vos nes­ta bus­ca por representatividade. Foi sob es­te viés que atu­al di­re­to­ra de Co­mu­ni­ca­ção Ins­ti­tu­ci­o­nal e Mar­ke­ting da UFPR pu­bli­cou a sua te­se de pós-dou­to­ra­do pe­la Uni­ver­si­da­de Autô­no­ma Me­tro­po­li­ta­na do Mé­xi­co, on­de en­tre­vis­tou mu­lhe­res que ocu­pa­vam car­gos de ges­tão pú­bli­ca e con­sul­to­res po­lí­ti­cos de 15 paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na e ana­li­sou uma dé­ca­da de pro­gra­mas elei­to­rais des­tas can­di­da­tas.

Em en­tre­vis­ta à FO­LHA, ela ana­li­sa a po­si­ção que ocu­pa o Bra­sil no ran­king de paí­ses on­de há mai­or equi­da­de de gê­ne­ros na po­lí­ti­ca, a re­cen­te elei­ção nos Es­ta­dos Uni­dos e as me­di­das to­ma­das por Jair Bol­so­na­ro.

Que lu­gar o Bra­sil ocu­pa no ran­king de paí­ses com mai­or equi­da­de de gê­ne­ro na po­lí­ti­ca e quais os fa­to­res in­ter­nos des­sa re­a­li­da­de?

“O Bra­sil é um dos paí­ses com me­nor representatividade den­tre to­da a Amé­ri­ca La­ti­na. Os da­dos mu­da­ram um pou­co ago­ra com es­ta elei­ção, au­men­tou um pou­co, mas o Bra­sil se­gue en­tre os úl­ti­mos lu­ga­res. No mo­men­to da pes­qui­sa, ele ape­nas per­dia pa­ra Be­li­ze e pa­ra o Hai­ti por­que a nos­sa Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos não che­ga­va a 10% de re­pre­sen­ta­ção, ago­ra já es­tá com 15%, e no Se­na­do tam­bém o nú­me­ro é mui­to bai­xo. E tam­bém no ca­so do Exe­cu­ti­vo, que não se tem um há­bi­to aqui de se ele­ger pre­fei­ta ou go­ver­na­do­ras, não exis­te uma cul­tu­ra po­lí­ti­ca do bra­si­lei­ro e la­ti­no pa­ra apoi­ar a mu­lher na ges­tão pú­bli­ca. É mais co­mum ver­mos ho­mens e ob- ser­var­mos co­men­tá­ri­os. ‘Ah pri­mei­ra mu­lher na rei­to­ria da tal lu­gar, ou di­re­to­ria de uma em­pre­sa ou en­tão mes­mo no go­ver­no’. Exis­te uma ad­mi­ra­ção co­mo se aque­le lu­gar não fos­se de per­ten­ci­men­to na­tu­ral e is­so se re­fle­te em to­da a Amé­ri­ca La­ti­na em es­pe­ci­al nos car­gos do Exe­cu­ti­vo. No Le­gis­la­ti­vo co­mo mui­tas ve­zes há uma ban­dei­ra de de­fe­sa de al­gu­ma cau­sa, ela en­tra pa­ra le­gis­lar, en­tão ela tem um ou­tro ti­po de pú­bli­co que vê com um pou­qui­nho mais de na­tu­ra­li­da­de. Ain­da as­sim es­ta­mos com pou­co mais de 15% na Câ­ma­ra Fe­de­ral de re­pre­sen­ta­ção fe­mi­ni­na.”

Co­mo se dá ho­je no mun­do a re­la­ção en­tre representatividade fe­mi­ni­na na po­lí­ti­ca e cor­rup­ção?

“Em re­la­ção a es­te te­ma es­pe­cí­fi­co te­mos que ter um cui­da­do bem gran­de por­que exis­te na raiz cul­tu­ral na qual se im­põe pa­ra a mu­lher as­pec­tos de ‘san­ti­da­de’. Is­so es­tá di­re­ta­men­te li­ga­do as nos­sas raí­zes de for­ma­ção cul­tu­ral que sig­ni­fi­ca, por exem­plo, que a mu­lher não se­ria cor­rup­ta, ou ela não é as­sas­si­na ou não co­me­te cer­tos cri­mes mui­to re­la­ci­o­na­dos ao mas­cu­li­no. Is­so por um la­do exis­tem es­tu­dos que mos­tram re­al­men­te na Eu­ro­pa, is­so se mos­trou que um País go­ver­na­do por mu­lher é um País me­nos cor­rup­to, en­tre­tan­to não po­de­mos co­lo­car is­so co­mo o to­tal por­que cor­rup­ção, re­al­men­te, não tem gê­ne­ro, as­sim co­mo a ho­nes­ti­da­de. Não se po­de fa­zer uma re­la­ção di­re­ta por­que es­sas são qua­li­da­des hu­ma­nas o que po­de­mos afir­mar nes­te sen­ti­do é que exis­te uma co­bran­ça du­pli­ca­da com a re­la­ção a uma mu­lher do que a um ho­mem. Se nós for­mos ob­ser­var a qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal des­tas mu­lhe­res que es­tão nas ges­tões em ge­ral é mui­to su­pe­ri­or que a dos ho­mens em ter­mos de gra­du­a­ção, mes­tra­do e dou­to­ra­do. É mais exi­gi­do de­la es­ta qua­li­fi­ca­ção do que de­les jus­ta­men­te por­que não se es­tá ha­bi­tu­a­do com a pre­sen­ça da mu­lher em car­gos de ges­tão. Es­te há­bi­to faz com que a mu­lher te­nha mais aten­ção, cui­da­do, mais ri­gor nas su­as ges­tões por­que as crí­ti­cas com re­la­ção a mu­lher es­tar nes­tes lu­ga­res que cul­tu­ral­men­te não lhe per­ten­ce são mais du­ras.”

O que as elei­ções pa­ra o Con­gres­so dos Es­ta­dos Uni­dos mos­tram e o que o Bra­sil po­de apren­der com o paí­ses que es­tão mais avan­ça­dos?

“Acho que não po­de­mos con­si­de­rar os Es­ta­dos Uni­dos co­mo um País avan­ça­do em re­la­ção a re­pre­sen­ta­ção de gê­ne­ro por­que lá é tão con­ser­va­dor quan­to aqui. O que te­ve nes­ta elei­ção es­pe­ci­al foi, na ver­da­de, uma re­jei­ção ao go­ver­no de di­rei­ta do Do­nald Trump. En­tão vi­mos uma mo­vi­men­ta­ção so­ci­al, uma res­pos­ta a po­lí­ti­cas de­le de ex­clu­são, pre­con­cei­to e de exaus­tão da mé­dia e bai­xa. En­tão hou­ve to­da es­ta mo­bi­li­za­ção no sen­ti­do de que au­men­tou o nú­me­ro de mu­lhe­res, in­clu­si­ve mu­lhe­res ne­gras, mu­çul­ma­nas, la­ti­nas que an­tes não ti­nham es­sa voz. En­tão nes­se ca­so es­pe­cí­fi­co foi uma res­pos­ta por­que an­tes a en­tra­da, por exem­plo, de mu­lhe­res na Su­pre­ma Côr­te ou mes­mo no Con­gres­so tam­bém era tão li­mi­ta­da quan­to aqui. Uma das mi­nhas en­tre­vis­ta­das nes­ta pes­qui­sa foi uma can­di­da­ta pre­si­den­ci­al me­xi­ca­na nas elei­ções de 2012 cha­ma­da Jo­se­fi­na Váz­quez Mota. E nes­sa en­tre­vis­ta es­tá­va­mos con­ver­san­do so­bre quais são es­tas di­fi­cul­da­des que as mu­lhe­res têm e ela co­men­tou que num even­to on­de es­ta­vam ou­tras lí­de­res mun­di­ais, den­tre elas a Mi­chel­le Ba­che­let e a Hil­lary Clin­ton. A pró­pria Hil­lary co­men­tou que o mais di­fí­cil pa­ra ela na po­lí­ti­ca era o fa­to de ser mu­lher. Ve­ja, pe­lo sis­te­ma elei­to­ral dos Es­ta­dos Uni­dos qu­em foi elei­to foi Trump, mas foi ela qu­em te­ve mais vo­to po­pu­lar. In­clu­si­ve a apre­sen­ta­ção do per­fil de­la no Twit­ter es­tá es­cri­to ‘es­po­sa, mãe, avó’ e de­pois a qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal. Por que ela tem es­sa ne­ces­si­da­de de fa­lar os pa­péis fa­mi­li­a­res e não os pro­fis­si­o­nais? Por­que há uma exigência da so­ci­e­da­de em re­la­ção a is­so, que é es­sa di­fi­cul­da­de da mu­lher de es­tar no car­go pú­bli­co, por­que su­pos­ta­men­te o su­ces­so fe­mi­ni­no es­tá li­ga­do ao su­ces­so nes­sas re­la­ções e não com a sua pro­fis­são. Pa­ra o ho­mem é o con­trá­rio. É co­bra­do que o su­ces­so é es­tar bem po­si­ci­o­na­do pro­fis­si­o­nal­men­te e a co­bran­ça so­bre sua vi­da pes­so­al não é tão gran­de. Con­si­de­ro um fa­to à par­te mas es­pe­ro de que ago­ra em di­an­te im­pul­si­o­ne a in­ser­ção mais qua­li­ta­ti­va das mu­lhe­res na po­lí­ti­ca. Ago­ra em ou­tros paí­ses co­mo No­ru­e­ga, Di­na­mar­ca e Fin­lân­dia, es­ses sim res­pei­tam mais a equi­da­de de gê­ne­ro e vêm com na­tu­ra­li­da­de a pre­sen­ça da mu­lher em to­dos es­tes car­gos co­mo em qual­quer ou­tra par­te.”

Qual a sua ava­li­a­ção so­bre es­ta se­ma­na e co­mo me­lho­rar a qua­li­da­de do de­ba­te pa­ra que não continue sen­do, em 2019, um as­sun­to tra­ta­do mui­tas ve­zes de for­ma le­vi­a­na?

“O Bra­sil tem, in­fe­liz­men­te, um his­tó­ri­co de uma cul­tu­ra bas­tan­te ma­chis­ta no sen­ti­do de se ver co­mo na­tu­ral ob­ser­var­mos aque­las fo­tos an­ti­gas com in­fi­ni­tos ho­mens en­gra­va­ta­dos em reu­niões de ne­gó­ci­os ou de re­pre­sen­ta­ção, co­mo OAB, as­sim co­mo na po­lí­ti­ca. Quan­do as­su­miu o Te­mer já co­me­ça­mos a ver is­so nos Mi­nis­té­ri­os, a saí­da de pra­ti­ca­men­te to­das as mu­lhe­res e to­das as reu­niões ape­nas com ho­mens bran­cos de meia ida­de, os tra­di­ci­o­nais da po­lí­ti­ca. O que o Pre­si­den­te elei­to fez ago­ra nes­sa tran­si­ção sim­ples­men­te re­fle­te es­ta cul­tu­ra na qual é o ho­mem qu­em man­da. A pos­tu­ra de­le nos seus dis­cur­sos no de­cor­rer de sua car­rei­ra po­lí­ti­ca já de­mons­tram qual a con­si­de­ra­ção que ele tem em re­la­ção a mu­lher e is­so fi­cou sim­ples­men­te mui­to co­e­ren­te ago­ra na tran­si­ção em re­la­ção ao que ele pen­sa do pa­pel fe­mi­ni­no. O que sig­ni­fi­ca is­so, que em di­ver­sas ve­zes ele re­for­çou a ne­ces­si­da­de de ter um go­ver­no mi­li­tar e um go­ver­no no qual as mu­lhe­res não par­ti­ci­pam. Por­tan­to não me ad­mi­ra es­se re­tro­ces­so de ter­mos ape­nas mi­li­ta­res e ho­mens com es­sa fai­xa etá­ria e o fa­to de­le cha­mar al­gu­mas mu­lhe­res ago­ra me in­di­ca que ele es­tá co­lo­can­do al­gu­mas pa­ra, di­ga­mos, si­len­ci­ar a opi­nião pú­bli­ca e não que es­sas mu­lhe­res, de fa­to, te­nham uma par­ti­ci­pa­ção qua­li­ta­ti­va. Exis­te uma ex­pres­são que é usa­da e é bas­tan­te for­te aqui na Amé­ri­ca La­ti­na que diz que as mu­lhe­res são cha­ma­das na po­lí­ti­ca pa­ra “en­fei­tar a ce­rimô­nia”, é co­mo o dis­cur­so do po­li­ti­ca­men­te cor­re­to, en­tão va­mos co­lo­car al­gu­mas mu­lhe­res pa­ra nin­guém nos in­co­mo­dar ou se quei­xar em re­la­ção a nos­sa pos­tu­ra. A im­pres­são que me deu foi es­sa e até o fa­to de­le ter cha­ma­do mi­li­ta­res tam­bém re­fle­te o pon­to de vis­ta de­le.”

A representatividade só vai au­men­tar quan­do as mu­lhe­res ga­nha­rem mais es­pa­ço nas di­re­to­ri­as dos par­ti­dos?

Mu­lhe­res de­vem sen­tir es­te ta­len­to pa­ra a ati­vi­da­de pú­bli­ca e não se in­ti­mi­dar pe­la pres­são so­ci­al

“Um dos prin­ci­pais de­sa­fi­os das mu­lhe­res é te­rem vi­si­bi­li­da­de den­tro dos par­ti­dos. É um pon­to ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te por­que se for­mos ob­ser­var a mai­o­ria dos par­ti­dos exis­te uma quan­ti­da­de se­me­lhan­te de ho­mens e mu­lhe­res. São pou­cos os par­ti­dos que têm mais ho­mens que mu­lhe­res. Se não me en­ga­no o Par­ti­do No­vo que tem 70% de ho­mens, ago­ra os de­mais exis­te um equi­lí­brio em re­la­ção ao gê­ne­ro. Mas o que acon­te­ce den­tro dos par­ti­dos, as mu­lhe­res es­tão lá. Elas par­ti­ci­pam, es­tão fi­li­a­das, par­ti­ci­pam de ati­vi­da­des mas mui­tas ve­zes nos bas­ti­do­res que faz com que elas exe­cu­tem ta­re­fas mas não “sai­am na fo­to”, não são vi­sí­veis. Elas sim de­ve­ri­am co­me­çar a par­ti­ci­par por­que a par­tir do mo­men­to que elas es­tão nas di­re­to­ri­as, nas co­mis­sões, nas pre­si­dên­ci­as des­tes par­ti­dos, elas con­se­guem ter mais vi­si­bi­li­da­de in­ter­na e mais apoio pa­ra as elei­ções, por­que não adi­an­ta ter co­tas nu­mé­ri­cas e es­tes par­ti­dos não apoi­a­rem es­tas mu­lhe­res nas su­as cam­pa­nhas. E is­so sig­ni­fi­ca não ape­nas a ca­pa­ci­ta­ção, co­mo a pró­pria cam­pa­nha elei­to­ral, co­mo a ar­ti­cu­la­ção de ali­an­ças com ou­tros par­ti­dos pa­ra que for­ta­le­çam as su­as mu­lhe­res. Se os par­ti­dos não es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra apoi­ar es­tas mu­lhe­res e em­po­de­rá-las, dar es­pa­ço de voz, é mui­to di­fí­cil que elas con­si­gam fa­zer is­so fo­ra dos par­ti­dos. Vá­ri­as das en­tre­vis­ta­das do meu li­vro in­clu­si­ve tro­ca­ram de par­ti­dos exa­ta­men­te por es­te boi­co­te in­ter­no e an­tes quan­do eu fiz a aná­li­se da tran­si­ção do Pre­si­den­te elei­to, eu gos­ta­ria de rei­te­rar uma ques­tão re­la­ci­o­na­da a es­te pon­to. Não adi­an­te ter uma pre­sen­ça quan­ti­ta­ti­va e não ter uma pre­sen­ça qua­li­ta­ti­va, por­que a re­pre­sen­ta­ção me­ra­men­te nu­mé­ri­ca, não sig­ni­fi­ca uma re­pre­sen­ta­ção opi­na­ti­va. E is­so sig­ni­fi­ca par­ti­ci­par das reu­niões das co­mis­sões, que mui­tas ve­zes são fei­tas em ho­rá­ri­os que a mu­lher não po­de par­ti­ci­par pe­la co­bran­ça das su­as atri­bui­ções fa­mi­li­a­res. Se for­mos ob­ser­var o even­to re­a­li­za­do pe­la co­me­mo­ra­ção dos 30 anos da Cons­ti­tui­ção Bra­si­lei­ra ali na me­sa do Con­gres­so só ti­nha ho­mens.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.