Bo­ca e Ri­ver abrem fi­nal his­tó­ri­ca da Libertadores em Bu­e­nos Ai­res

Prin­ci­pal clás­si­co ar­gen­ti­no e um dos mai­o­res do mun­do de­fi­ne tor­neio con­ti­nen­tal pe­la pri­mei­ra vez

Folha de Londrina - - Esporte - Das agên­ci­as es­por­te@fo­lha­de­lon­dri­na.com.br

Bu­e­nos Ai­res - Se­gun­do o jor­nal in­glês The Gu­ar­di­an, um du­e­lo en­tre Bo­ca Ju­ni­ors e Ri­ver Pla­te é o mai­or even­to que qual­quer aman­te do es­por­te po­de­ria as­sis­tir an­tes de mor­rer. E co­mo se o pró­prio clás­si­co ar­gen­ti­no não fos­se gi­gan­te por si só, Bo­ca e Ri­ver se en­fren­ta­rão pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria na fi­nal da Co­pa Libertadores.

Um fei­to que co­lo­ca ain­da mais pi­men­ta nes­sa ri­va­li­da­de ar­gen­ti­na, com o jo­go de ida mar­ca­do pa­ra es­te sá­ba­do (10) às 18 ho­ras (de Bra­sí­lia) na Bom­bo­ne­ra, ca­sa do Bo­ca, en­quan­to a vol­ta acon­te­ce­rá em 24 de no­vem­bro no Mo­nu­men­tal, es­tá­dio do Ri­ver.

Com o Bo­ca bus­can­do um sé­ti­mo tí­tu­lo de Libertadores e o Ri­ver um quar­to tro­féu da com­pe­ti­ção, o su­per­clás­si­co ar­gen­ti­no é ini­gua­lá­vel por sua pai­xão po­pu­lar. A enor­me de­man­da dos tor­ce­do­res por um lu­gar na su­per­fi­nal in­fla­ci­o­nou o mer­ca­do de in­gres­sos (já es­go­ta­dos), ven­di­dos ofi­ci­al­men­te por até 40 ve­zes o seu pre­ço ha­bi­tu­al.

Um in­gres­so pa­ra as­sis­tir ao jo­go de ida da fi­nal na Bom­bo­ne­ra cus­tou até 118 mil pe­sos ar­gen­ti­nos, cer­ca de R$ 12,3 mil. Já um lu­gar no es­tá­dio do Ri­ver pa­ra ver o jo­go de­ci­si­vo não saiu por me­nos de 50 mil pe­sos, cer­ca de R$ 5,2 mil. Co­mo re­fe­rên­cia, o jo­go de ida das se­mi­fi­nais da Libertadores en­tre Bo­ca e Pal­mei­ras, em Bu­e­nos Ai­res, te­ve in­gres­sos ven­di­dos a par­tir de 320 pe­sos (R$ 33).

As du­as par­ti­das das fi­nais se­rão jo­ga­das sem a tor­ci­da do ti­me vi­si­tan­te. O que já é uma re­gra na Ar­gen­ti­na há mui­tos anos, pa­ra evi­tar que se­to­res vi­o­len­tos das tor­ci­das or­ga­ni­za­das, os cha­ma­dos “bar­ra-bra­vas”, continuará va­len­do tam­bém pa­ra es­sa fi­nal his­tó­ri­ca.

A no­vi­da­de, po­rém, é que hou­ve uma in­ten­sa pres­são do go­ver­no na­ci­o­nal pa­ra que am­bos os jo­gos pu­des­sem ser dis­pu­ta­dos com as du­as tor­ci­das pre­sen­tes. O pre­si­den­te ar­gen­ti­no, Mau­ri­cio Ma­cri, que co­man­dou o Bo­ca por 12 anos, lan­çou a ideia num post nas re­des so­ci­ais, no fim da se­ma­na pas­sa­da, em que di­zia: “O que va­mos vi­ver na Ar­gen­ti­na nes­te mês se­rá uma fi­nal his­tó­ri­ca. E tam­bém uma opor­tu­ni­da­de de de­mons­trar ma­tu­ri­da­de e que es­ta­mos mu­dan­do. Pe­di à mi­nis­tra de Se­gu­ran­ça que tra­ba­lhe com a pre­fei­tu­ra pa­ra que o pú­bli­co vi­si­tan­te pos­sa es­tar pre­sen­te”.

En­tre­tan­to, a re­a­li­za­ção dos dois jo­gos sem tor­ci­da vi­si­tan­te foi con­fir­ma­da já na se­gun­da-fei­ra (5). “O mun­do es­tá es­pe­ran­do que jo­gue­mos. Is­to é um jo­go, aqui não vai a vi­da e to­dos te­mos que fa­zer nos­sa par­te”, co­men­tou o pre­si­den­te do Ri­ver Pla­te, Ro­dol­fo D’Ono­frio. “Pe­ço aos tor­ce­do­res do Bo­ca que vi­vam em paz e com ale­gria”, com­ple­tou o pre­si­den­te do Bo­ca Ju­ni­ors, Da­ni­el An­ge­li­ci.

Ei­tan Abra­mo­vi­ch/AFP

Tor­ce­do­res na re­gião da Bom­bo­ne­ra, pal­co da pri­mei­ra par­ti­da da de­ci­são nes­te sá­ba­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.