Vi­da?

Folha de Londrina - - Folha Mais - ÉRIKA GONÇALVES RE­POR­TA­GEM LO­CAL

for­mas que nós se­res hu­ma­nos en­ten­de­mos al­go, de tra­tar o tem­po co­mo é de­vi­do. Ho­je não co­lo­ca­mos o tem­po den­tr oda ca­si­nha que ele me­rec e,é al­go im­pres­cin­dí­vel, é al­go co­mo di­nhei­ro. Se vo­cê jo­ga o tem­po fo­ra não tem co­mo vol­tar atrás”, aler­ta.

ÓCIO CRI­A­TI­VO

Se as pes­so­as sen­tem di­fi­cul­da­de em ar­ru­mar tem­po pa­ra to­das as ati­vi­da­des e sem­pre acham que o tem­po é al­go em fal­ta, o que di­rão de ti­rar uma ho­ra do dia pa­ra fa­ze­re m na­da? “As pes­so­as têm di­fi­cul­da­de sim, mas eu in­cen­ti­vo mui­to que ti­rem um tem­po pa­ra elas. U ma ho­ra do dia pa­ra me­di­tar, pa­ra res­pi­rar di­rei­to, es­cre­ver .É uma coi­sa ba­ca­na quan­do con­se­gue es­cre­ver so­bre vo­cê e ler tem­pos de­pois, e vê co­mo vo­cê evo­lui. Um tem­po pa­ra ler, nem que se­ja oi­to pá­gi­nas de um li­vro. Ad­qui­rir co­nhe­ci­men­to é útil e me­lho­ra a vi­da”, diz Sil­va.

Em tem­pos de tec­no­lo­gia ao al­can­ce da mão, a co­a­ch é ca­te­gó­ri­ca ao elen­car as re­des so­ci­ais e pro­gra­mas de men­sa­gens co­mo os mai­o­res la­drões de tem­po. “Não que vo­cê não te­nha que fa­zer is­so, na sua ho­ra eles têm seu va­lor, acho que as pes­so­as pre­ci­sam se co­mu­ni­car, mas de­ve-se ava­li­ar o tem­po que pas­sa fa­zen­do is­so, se es­tá dei­xan­do de fa­zer coi­sas de al­to im­pac­to em prol des­sa co­mu­ni­ca­ção que mui­tas vez esév azia. E não tem na­da que rou­be mais tem­po das pes­so­as do­queo ví­cio por sé­ri­es. Is­so po­de­ria ser um mo­men­to de ócio cri­a­ti­vo, mas a sp es­so­as co­me­çam e não con­se­guem mais pa­rar .É mui­to tem­po jo­ga­do fo­ra. Não es­tou di­zen­do que não po­de ver, mas é ne­ces­sá­rio equi­lí­brio”, aler­ta.

E pa­ra qu­em de­se­ja fa­zer ca­ber al­go a mais em um dia cheio de ati­vi­da­des, Sil­va diz que acor­dar uma ho­ra mais ce­do po­de ser uma al­ter­na­ti­va, já que é na par­te da ma­nhã que as pes­so­as cos­tu­mam ter mais dis­po­ni­bi­li­da­de in­te­lec­tu­al.

“Pa­ra os po­vos de mai­or lon­ge­vi­da­de, o pro­pó­si­to de vi­da faz di­fe­ren­ça em co­mo vo­cê usa o seu tem­po. Re­pen­se co­mo vo­cê es­tá vi­ven­do, qual seu pro­pó­si­to de vi­da, por que es­tá aqui, pe­lo que se mo­ve? Quan­do vo­cê pen­sa is­so seu mun­do mu­da e tu­do mu­da com vo­cê”, re­co­men­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.