De

Folha de Londrina - - Folha Mais -

Ad­mi­nis­trar a ro­ti­na e as ati­vi­da­des pro­fis­si­o­nais pa­ra ter mais tem­po li­vre, se­ja pa­ra es­tar com a fa­mí­lia e ami­gos em ati­vi­da­des de la­zer ou pa­ra ter mo­men­tos pa­ra si pró­prio é o de­se­jo de mui­tas pes­so­as. Ex-exe­cu­tiv a, a co­a­ch de vi­da e car­rei­ra Lau­ra Sil­va é ca­te­gó­ri­ca ao afir­mar que tem­po é vi­da e ao jo­gar­mos fo­ra nos­so tem­po útil, es­ta­mos jo­gan­do fo­ra a nos­sa vi­da. “Is­so faz com que as pes­so­as co­me­cem a pen­sar por­que es­tão fa­zen­do vi­ven­do des­sa ma­nei­ra”, jus­ti­fi­ca.

Sil­va diz que to­dos têm so­nhos e de­se­jos e pre­ci­sam apren­der o que é im­por­tan­te pa­ra si. Ao sa­be­rem o que de­se­jam, fi­ca mais fá­cil ad­mi­nis­trar o tem­po. Pa­ra is­so, ela en­si­na uma téc­ni­ca: na pri­mei­ra se­ma­na a pes­soa de­ve ob­ser­var o que faz du­ran­te to­do o dia. Na se­gun­da se­ma­na é ho­ra de en­ten­der o que é im­por­tan­te, as cha­ma­das ati­vi­da­des de al­to im­pac­to, que ge­ram con­sequên­ci­as po­si­ti­vas na vi­da: tra­ba­lhar, le­var o fi­lho à es­co­la, ir a uma ce­le­bra­ção re­li­gi­o­sa, fa­zer ati­vi­da­des fí­si­cas, hi­gi­e­ne, ali­men­ta­ção.

De­pois lis­tar o que é de mé­dio im­pac­to, ou se­ja, ati­vi­da­des que são im­por­tan­tes, mas que se não fo­rem re­a­li­za­das não tra­zem con­sequên­ci­as e po­dem ser fei­tas em ou­tro mo­men­to. E por fim, as ati­vi­da­des de bai­xo im­pac­to, aque­las que se­ria bom fa­zer e que não ge­ram con­sequên­cia ne­nhu­ma se não fo­rem fei­tas, aque­las que po­dem ser de­le­ga­das a ou­tra pes­soa.

“Tem ati­vi­da­des que po­dem ser de­le­ga­das e eli­mi­na­das co­mo la­var a lou­ça, a rou­pa. Se vo­cê pen­sar, quan­to cus­ta aque­la ho­ra que vo­cê fi­ca fa­zen­do is­so? Fa­ça uma mé­dia sa­la­ri­al, ve­ja quan­to cus­ta sua ho­ra de tra­ba­lho. Se a sua ho­ra é mais ca­ra do que a de uma fa­xi­nei­ra, vo­cê es­tá gas­tan­do tem­po em ati­vi­da­des que po­de­ria de­le­gar e as­sim usar es­sa ho­ra em ou­tra ação, co­mo cui­dar do seu fi­lho, que é uma ati­vi­da­de de al­to im­pac­to”, en­si­na a co­a­ch.

Se­gun­do a es­pe­ci­a­lis­ta é pre­ci­so pe­sar a im­por­tân­cia de ca­da ati­vi­da­de na vi­da de ca­da um. Por exem­plo, co­mo de­ci­dir se uma de­ter­mi­na­da ho­ra de­ve ser gas­ta brin­can­do com o fi­lho ou in­do a um cul­to re­li­gi­o­so? “Se ir ao cul­to te faz uma pes­soa me­lhor, te aju­da a en­ten­der qu­em vo­cê é, en­tão ela é uma ati­vi­da­de de al­to im­pac­to e vai ge­rar con­sequên­ci­as po­si­ti­vas no fu­tu­ro. Olhar o tem­po des­sa ma­nei­ra é al­go bem emo­ci­o­nal. É por­que es­sa é uma das úni­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.