Sem es­tres­se pa­ra ad­mi­nis­trar a agen­da

Fu­gin­do de for­ma­lis­mos, pro­fes­sor or­ga­ni­za um cro­no­gra­ma com su­as ati­vi­da­des ad­mi­nis­tran­do-o con­for­me as da­tas vão se apro­xi­man­do, “sem so­frer por an­te­ci­pa­ção”

Folha de Londrina - - Folha Mais - ÉRIKA GONÇALVES RE­POR­TA­GEM LO­CAL MELISSA ANTONYCHYN PRO­FES­SO­RA DE GES­TÃO DO TEM­PO DO ISAE ES­CO­LA DE NE­GÓ­CI­OS

For­ma­do em fi­lo­so­fia e di­rei­to, com di­ver­sas ati­vi­da­des aca­dê­mi­cas em am­bas as áre­as, pa­les­tras, tex­tos pa­ra es­cre­ver, ori­en­tan­dos e ati­vi­da­des da ro­ti­na fa­mi­li­ar, o pro­fes­sor Clo­do­mi­ro Bannwart con­ta que bus­ca fa­zer um cro­no­gra­ma de su­as ati­vi­da­des e vai ad­mi­nis­tran­do-o con­for­me as da­tas vão se apro­xi­man­do, sem so­frer por an­te­ci­pa­ção. Is­so de­pois de ter pro­ble­mas de saú­de de­cor­ren­tes de uma cri­se de es­tres­se, há cer­ca de qua­tro anos.

“O ser hu­ma­no tem uma estrutura ló­gi­ca na for­ma de pen­sar e di­a­lé­ti­ca na for­ma de agir. Te­mos que pro­gra­mar nos­so agir con­for­me o que acon­te­ce, é uma ges­tão per­ma­nen­te do ca­os. Gos­to mui­to da ideia do GPS, te­mos de es­tar nos re­po­si­ci­o­nan­do cons­tan­te­men­te, em fun­ção do pro­pó­si­to da vi­da. Às ve­zes en­con­tro tem­po pa­ra es­cre­ver quan­do mi­nha fi­lha dor­me, de­pois das 10 ho­ras da noi­te. Acho mi­nha vi­da meio com­pli­ca­da, vo­cê vai to­can­do e ven­do no que dá. Mas con­si­go cum­prir os pra­zos, fa­ço um cro­no­gra­ma, fa­ço o que es­tá mais per­to. Não gas­to ener­gia com uma pa­les­tra que vou dar da­qui a 20 di­as, vou fa­zer is­so uns três di­as an­tes. Is­so me aju­da men­tal­men­te, me con­cen­tro no que é pri­o­ri­tá­rio ago­ra, no que de­man­da ener­gia e tem­po nes­se mo­men­to. Às ve­zes vo­cê tem um com­pro­mis­so e fi­ca so­fren­do de for­ma an­te­ci­pa­da, e de um tem­po pa­ra cá, de­pois des­se pi­co de es­tres­se, ve­nho tra­ba­lhan­do nes­sa pers­pec­ti­va. Não sei se es­tá cer­to ou er­ra­do, mas me aju­da mui­to”, en­si­na.

Bannwart diz que tam­bém pro­cu­ra ser mais se­le­ti­vo, as­su­min­do me­nos ati­vi­da­des, fa­ci­li­tan­do a or­ga­ni­za­ção do tem­po. E lem­bra que a ma­nei­ra co­mo nos­sa so­ci­e­da­de es­tá es­tru­tu­ra­da ho­je nos im­põe uma pro­du­ti­vi­da­de ace­le­ra­da.

“O que de cer­ta for­ma afe­ta nos­so psi­co­ló­gi­co por­que te­mos a sensação de que o tem­po pas­sa rá­pi­do, mas não é que ele pas­sa rá­pi­do, é a quan­ti­da­de de coi­sas que a gen­te as­su­me e que não con­se­gue dar con­ta den­tro das 24hs. Vi­ve­mos em uma épo­ca que ne­ga o ócio, é o ne­gó­cio - ne­gan­do o ócio pa­ra fa­zer a má­qui­na do sis­te­ma gi­rar. É uma má­qui­na al­ta­men­te pro­du­ti­va, que não per­mi­te a con­tem­pla­ção do ócio. Ne­gó­cio vem daí, ne­gar o ócio. E a gen­te ba­te no pei­to quan­do ne­ga o ócio, qua­se co­mo uma vir­tu­de. A pes­soa che­ga na sex­ta-fei­ra e diz que te­ve uma se­ma­na tran­qui­la, que apro­vei­tou? Ela não vai ter o re­co­nhe­ci­men­to so­ci­al da mes­ma for­ma que a ou­tra que pro­du­ziu exaus­ti­va­men­te, que es­tá can­sa­da. O nos­so sis­te­ma pro­du­ti­vo é mui­to ace­le­ra­do, en­tão ele exi­ge um ex­ces­so de tu­do: con­su­mo, pro­du­ção, cui­dar do cor­po. Fa­ze­mos tu­do de for­ma ex­ces­si­va.”

Pa­ra or­ga­ni­zar sua ro­ti­na, Bannwart afir­ma não usar apli­ca­ti­vos e tam­bém tenta não usar uma agen­da, guar­dan­do os com­pro­mis­sos na me­mó­ria. “Ve­jo o com­pro­mis­so, fi­xo is­so. Não sei se é bom ou ruim, mas acho que é uma for­ma de re­ter as in­for­ma­ções na sua ca­be­ça. Acho is­so prá­ti­co em sa­la de au­la por­que quan­to mais vo­cê faz apon­ta­men­tos pa­ra pre­pa­rar uma au­la, mais er­ra­do vai dar. Quan­to mais vo­cê tem só pon­tos que for­çam a fa­zer co­ne­xão, eu con­si­go ex­por me­lhor. Mas ca­da um tem um es­ti­lo, é pre­ci­so sa­ber ge­rir o aca­so”, apon­ta.

Es­ta­mos em um pe­río­do que so­mos re­que­ri­dos pa­ra re­a­li­zar uma sé­rie de ta­re­fas, se­ja na vi­da pro­fis­si­o­nal, co­mo tam­bém na vi­da pes­so­al. As­su­mi­mos os mais va­ri­a­dos pro­je­tos e no mo­men­to de re­a­li­zar­mos a tão dis­se­mi­na­da lis­ta­gem de pri­o­ri­za­ção, te­mos a sensação que tu­do é ur­gen­te e im­por­tan­te, que pa­ra ser­mos bem-su­ce­di­dos te­mos de dar con­ta de tu­do ao mes­mo tem­po.

Ou­tro fa­tor que ge­ral­men­te nos co­bra­mos, é o porquê de tan­tas tec­no­lo­gi­as a nos­so fa­vor e mes­mo as­sim nos fal­tam ha­bi­li­da­des pa­ra um pla­ne­ja­men­to e alo­ca­ção de to­dos os nos­sos ob­je­ti­vos e ações, den­tro dos pra­zos e com os re­sul­ta­dos tão al­me­ja­dos.

O que per­ce­be­mos é que exis­tem fa­to­res, mui­to mais pro­fun­dos e no âm­bi­to emo­ci­o­nal, que são os re­ais vi­lões do tem­po. Que a fal­ta de au­to-ob­ser­va­ção e dei­xar-se le­var por com­pul­so­res emo­ci­o­nais co­mo “Se­ja per­fei­to, vo­cê não po­de er­rar nun­ca; Se­ja for­te, vo­cê não de­ve de­le­gar, fa­ça tu­do so­zi­nho” ou en­tão “Agra­de a to­dos, vo­cê de­ve ser so­lí­ci­to e di­li­gen­te com to­dos” são os re­ais fa­to­res a se­rem in­ves­ti­ga­dos.

E co­mo per­ce­bê-los, tra­zê-los à luz da nos­sa cons­ci­ên­cia?

O con­vi­te é um mer­gu­lho pe­lo au­to­co­nhe­ci­men­to, pe­la au­to­cons­ci­ên­cia. Pri­mei­ro in­ves­ti­gue quais fo­ram os prin­ci­pais es­tí­mu­los de su­as fi­gu­ras pa­ren­tais (pais, ti­os, avós, cui­da­do­res na sua in­fân­cia), o que eles co­mu­men­te in­cen­ti­va­vam que vo­cê fi­zes­se? Co­mo vo­cê era ava­li­a­do? Quais as men­sa­gens de elo­gi­os ou re­pre­en­sões vo­cê ou­via? O que vo­cê pre­ci­sa­va fa­zer pa­ra ser elo­gi­a­do? Es­tas são al­gu­mas das ques­tões que po­de­rão lhe aju­dar a en­ten­der o que pre­ci­sou ser e fa­zer pa­ra ser re­co­nhe­ci­do.

Pa­ra­fra­se­an­do Eric Ber­ne, que em su­as obras pon­tu­ou: o ho­mem tem ne­ces­si­da­de de es­tru­tu­rar o tem­po com in­tui­to de evi­tar a dor do té­dio. Es­sa fo­me de estrutura é ex­ten­são da fo­me de es­tí­mu­los e de re­co­nhe­ci­men­to, já que a ne­ces­si­da­de de es­tí­mu­lo exi­ge que se es­ta­be­le­çam si­tu­a­ções em que pos­sa­mos tro­car re­co­nhe­ci­men­to. Se­gun­do

Stei­ner (1996:15), fo­me de estrutura é o de­se­jo de si­tu­a­ções so­ci­ais no qual o re­co­nhe­ci­men­to, e atra­vés de­le, es­ti­mu­la­ções va­ri­a­das po­de­rão ser ob­ti­das.

Po­de­re­mos con­cluir que o ex­ces­so de ati­vi­da­des e a di­fi­cul­da­de de en­con­trar­mos fer­ra­men­tas ide­ais de pla­ne­ja­men­to têm sua cau­sa-raiz no con­jun­to de au­to­e­xi­gên­ci­as que es­ta­be­le­ce­mos pa­ra ser­mos acei­tos e re­ce­ber­mos re­co­nhe­ci­men­to das pes­so­as que mais nos im­por­tam. En­tão, ob­ser­ve-se, o que de fa­to, den­tro de to­dos ob­je­ti­vos e ati­vi­da­des que fa­zem par­te da sua agen­da diá­ria, re­al­men­te tem sig­ni­fi­ca­do pa­ra vo­cê, que o fa­rá, in­de­pen­den­te­men­te do re­co­nhe­ci­men­to dos de­mais, lhe pro­vo­car a sensação que vo­cê fez tu­do que vem ao en­con­tro do que mais lhe im­por­ta? Des­sa for­ma sua agen­da diá­ria se­rá bem di­men­si­o­na­da, re­du­zin­do os ex­ces­sos e seus ob­je­ti­vos e re­sul­ta­dos pas­sam a ter chan­ces re­ais de se­rem atin­gi­dos den­tro do es­pa­ço-tem­po que é con­ce­di­do a to­dos.

O que per­ce­be­mos é que exis­tem fa­to­res, mui­to mais pro­fun­dos e no âm­bi­to emo­ci­o­nal, que­são­os­re­ais vi­lões do tem­po”

Mar­cos Za­nut­to

“Acho mi­nha vi­da meio com­pli­ca­da, mas con­si­go cum­prir os pra­zos, fa­ço um cro­no­gra­ma, fa­ço o que es­tá mais per­to”, en­si­na Clo­do­mi­ro Bannwart. Ve­ja su­as di­cas em ví­deo usan­do apli­ca­ti­vo de re­a­li­da­de au­men­ta­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.