O mês de Ce­cí­lia

Nas da­tas de nas­ci­men­to e mor­te de Ce­cí­lia Mei­re­les lem­bra­mos sua po­e­sia eter­na

Folha de Londrina - - Folha 2 - Celia.musilli@gmail.com

Es­cre­vo es­ta crô­ni­ca no dia 8 de no­vem­bro, um dia de­pois da da­ta em que Ce­cí­lia Mei­re­les fa­ria 117 anos. A po­e­ta de olhos cla­ros nem pre­ci­sa­ria vi­ver tan­to, mas sua obra vi­ve. Qu­em quer que pes­qui­se a po­e­sia bra­si­lei­ra pas­sa­rá ine­vi­ta­vel­men­te por ela.

Seus po­e­mas su­a­ves e pro­fun­dos fo­ram plas­ma­dos na re­a­li­da­de, mas têm a de­li­ca­de­za de qu­em põe a al­ma no que es­cre­ve. Al­ma, iden­ti­da­de ima­te­ri­al, ins­pi­ra­ção de qu­em vai além da car­ne.

A vi­da de Ce­cí­lia Mei­re­les não foi na­da fá­cil. O pai mor­reu an­tes de­la nas­cer, a mãe quan­do ela ti­nha três anos, a me­ni­na foi mo­rar com a avó ca­tó­li­ca na Ilha dos Aço­res, on­de a lín­gua por­tu­gue­sa as­su­me for­ma mu­si­cal. Já li que Hil­da Hilst, ou­tra po­e­ta em­ble­má­ti­ca, ins­pi­ra­va­se ‘ou­vin­do’ o por­tu­guês fa­la­do em Por­tu­gal, co­mo se os ver­sos fos­sem so­pra­dos em seus ou­vi­dos por al­gum Fer­nan­do Pes­soa.

Com Ce­cí­lia Mei­re­les, tal­vez te­nha acon­te­ci­do al­go pa­re­ci­do, o por­tu­guês com seus múl­ti­plos so­ta­ques é mes­mo uma das lín­guas mais mu­si­cais do mun­do, poé­ti­ca por ex­ce­lên­cia.

Ao ler so­bre a in­fân­cia de Ce­cí­lia, apar­ta­da tão ce­do de pai e mãe, pen­so nu­ma de su­as fra­ses mais fa­mo­sas: “Apren­di com as pri­ma­ve­ras a dei­xar-me cor­tar e a vol­tar sem­pre in­tei­ra”. Por­que foi na in­fân­cia que a vi­da co­me­çou a po­dar a po­e­ta, mas ela sem­pre re­bro­tou.

O es­ta­do de tris­te­za, no en­tan­to, a acom­pa­nha­ria du­ran­te a vi­da. Co­me­çou a es­cre­ver po­e­mas aos 9 anos. Aos 18 pu­bli­cou seu pri­mei­ro li­vro sim­bo­lis­ta. Aos 21 ca­sou-se com o pin­tor por­tu­guês Fer­nan­do Cor­rea Di­as que so­fria de de­pres­são e aca­bou se sui­ci­dan­do. As­sim as flo­res de Ce­cí­lia Mei­re­les fo­ram po­da­das mais uma vez.

Mas ela re­bro­ta­ria, e ca­sou-se de no­vo co­mo en­ge­nhei­ro agrô­no­mo Hei­tor Vi­ní­cius da Sil­vei­ra Gri­lo, com qu­em te­ve três fi­lhas.

Em su­as fa­ses apai­xo­na­das es­cre­via seus ver­sos mais bo­ni­tos:

“O que me en­can­ta é a li­nha ala­da/ das tu­as es­pá­du­as, e a cur­va/ que des­cre­ves, pás­sa­ro da água!” (tre­cho do po­e­ma “Na­da­dor”).

Ce­cí­lia co­me­çou a vi­da pro­fis­si­o­nal co­mo pro­fes­so­ra, mas foi tam­bém jor­na­lis­ta do “Diá­rio de No­tí­ci­as”, on­de es­cre­via so­bre edu­ca­ção.

Ao lon­go da vi­da, ga­nhou prê­mi­os im­por­tan­tes de li­te­ra­tu­ra co­mo o Ja­bu­ti, Ola­vo Bi­lac e Machado de As­sis.

Mas, pa­ra além do re­co­nhe­ci­men­to, fi­ca uma obra poé­ti­ca ím­par. Se Ma­no­el de Bar­ros foi um mes­tre em des­lo­car a lin­gua­gem pa­ra lu­ga­res im­pre­vi­sí­veis, cri­an­do seu pró­prio ima­gi­ná­rio, Ce­cí­lia nos apro­xi­ma das emo­ções em po­e­mas que são o des­fo­lha­men­to das fi­bras do co­ra­ção, com a con­di­ção de nos re­con­ci­li­ar com a dor e a ale­gria de for­ma ple­na.

A po­e­ta nas­ceu no dia 7 de no­vem­bro de 1901 e fa­le­ceu em 9 de no­vem­bro de 1964. Es­te mês, por­tan­to, é mar­can­te em seu ci­clo de vi­da, o mês ide­al pa­ra ce­le­brar sua me­mó­ria com uma de su­as fra­ses que con­si­de­ro a sín­te­se de seu nas­ci­men­to, re­nas­ci­men­tos e mor­te. Se­gue aqui, tra­zi­da pe­las mãos do tem­po, co­mo um so­pro de pri­ma­ve­ra:

“Te­nho fa­ses co­mo a Lua; fa­ses de an­dar so­zi­nha, fa­ses de ser só sua.”

Não há mu­lher lu­nar que não se iden­ti­fi­que com to­da es­sa po­e­sia.

Mar­co Ja­cob­sen

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.