Agro or­gu­lho

Folha de Londrina - - Folha 2 - D.pellegrini@ser­com­tel.com.br

João Mi­la­nez per­gun­tou ao re­pór­ter por­que não ia co­nhe­cer o nas­cen­te Ia­par, en­tão nu­ma ca­sa vi­zi­nha de qua­dra da Fo­lha. Fui, pa­ra ser re­ce­bi­do pe­lo pre­si­den­te Raul Ju­li­a­to com ca­mi­sa flo­ri­da e bra­ços aber­tos: - Fi­nal­men­te al­guém da im­pren­sa nos vi­si­ta!

Na­que­le dia de 1972 co­me­cei a amar o ho­je cha­ma­do agro­ne­gó­cio. Ago­ra olho pa­ra trás e quan­ta evo­lu­ção! Lem­bro de mis­ter Hardy, cri­a­dor da va­ri­e­da­de de so­ja com seu no­me, de­sa­ba­fan­do no Ia­par: - Só ve­jo plan­ta­ção com ex­ces­so de her­bi­ci­das!

Ago­ra, o Bra­sil é o país que mais pro­duz ali­men­tos pa­ra ca­da dó­lar gas­to com de­fen­si­vos, a ca­da ano usan­do me­nos. Nos­so Agro é ge­ral­men­te - e in­ten­ci­o­nal­men­te pe­los paí­ses con­cor­ren­tes - con­fun­di­do com quei­ma­das e tra­ba­lho es­cra­vo, coi­sas a me­re­cer ca­deia e dar en­gu­lho, en­quan­to nos­so Agro dá or­gu­lho.

Em meio sé­cu­lo, o Bra­sil se tor­nou po­tên­cia agrí­co­la, com o pre­ço dos ali­men­tos cain­do pe­la me­ta­de. E o Agro se tor­nou o mai­or em­pre­ga­dor do país, com 32 mi­lhões de tra­ba­lha­do­res ou mais de 33% dos em­pre­gos - com cres­ci­men­to sem­pre sus­ten­ta­do, che­gan­do aos R$ 600 bi­lhões de va­lor bru­to ou 24% do PIB, e li­de­ran­ça in­ter­na­ci­o­nal de pro­du­ção e ex­por­ta­ção de de­ze­na de pro­du­tos. É o se­tor mais com­pe­ti­ti­vo da nos­sa eco­no­mia, úni­co a cres­cer du­ran­te a cri­se.

Em 2017, o Agro ex­por­tou 96,2 bi­lhões de dó­la­res ou R$ 307 bi­lhões, 44% das ven­das ex­ter­nas do Bra­sil, ga­ran­tin­do su­pe­rá­vit na ba­lan­ça co­mer­ci­al, ou se­ja, nos li­vran­do de cri­se cam­bi­al e su­as con­sequên­ci­as.

Mas am­bi­en­tal­men­te tam­bém o Agro dá exem­plos. De­di­ca 21% do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal à pre­ser­va­ção de ve­ge­ta­ção na­ti­va, sem qual­quer con­tra­par­ti­da go­ver­na­men­tal, nis­to tam­bém lí­der no mun­do. Nos­sa área to­tal pro­te­gi­da é de 28,9% do ter­ri­tó­rio, en­quan­to a Aus­trá­lia, se­gun­da mai­or pro­te­to­ra, tem ape­nas 19,2%. Os paí­ses que mais cri­ti­cam nos­so Agro são os que tem me­nos áre­as pro­te­gi­das, além des­tas se­rem na mai­o­ria de­ser­tos, mon­ta­nhas ou re­giões ge­la­das.

Nos­sos agri­cul­to­res ex­plo­ram ape­nas 52% de su­as áre­as com la­vou­ras, pas­ta­gens ou re­flo­res­ta­men­to, pre­ser­van­do o res­tan­te não só por de­ver le­gal mas tam­bém por gos­to ou amor, co­mo quei­ra. São na gran­de mai­o­ria gen­te que ama a ter­ra, as ma­tas e seus bi­chos.

Mais ain­da, o Agro é o se­tor que me­nos con­so­me ener­gia (4%) mas con­tri­bui com 30% da ge­ra­ção ener­gé­ti­ca (le­nha, car­vão, eta­nol, bi­o­di­e­sel e bi­o­gás).

Lá nos anos 1970, es­tu­do da Itai­pu re­ve­la­va que a ero­são le­va­va 500 mi­lhões de to­ne­la­das/ano de ter­ra pa­ra os ri­a­chos e ri­os e daí pa­ra a re­pre­sa da usi­na, que as­sim po­de­ria até se tor­nar in­viá­vel. Mas Itai­pu fun­ci­o­na por­que ho­je so­mos cam­peões tam­bém em plan­tio di­re­to na pa­lha, su­per re­du­zin­do não só a ero­são co­mo o uso de com­bus­tí­vel, re­cu­pe­ran­do fer­ti­li­da­de e au­men­tan­do a pro­du­ti­vi­da­de co­mo ne­nhum ou­tro se­tor da eco­no­mia.

Nos­sa pro­du­ção in­te­gra­da con­sor­ci­an­do la­vou­ras, ani­mais e flo­res­tas - tam­bém é exem­plo pa­ra o mun­do. E, além de tu­do is­so, o Agro pro­pi­ci­ou e for­ta­le­ceu o co­o­pe­ra­ti­vis­mo, cres­cen­te al­ter­na­ti­va ci­vi­li­za­da en­tre so­ci­a­lis­mo bru­to e ca­pi­ta­lis­mo sel­va­gem.

De ca­sa ve­jo to­do ano o mor­ro em fren­te se ves­tir de ver­de-so­ja, ver­de-tri­go, ver­de­mi­lho, ama­re­lan­do até a co­lhei­ta, de­bai­xo do céu azul de nu­vens bran­cas. As­sim ve­mos a ban­dei­ra na­ci­o­nal sem­pre ves­tin­do nos­sa ter­ra ver­me­lha, e sin­to or­gu­lho do Agro, que pre­fi­ro cha­mar as­sim por­que é mui­to mais que ape­nas ne­gó­cio. Obri­ga­do, Mi­la­nez!

*Da­dos do li­vro Tons de Ver­de, Eva­ris­to de Mi­ran­da (Em­bra­pa), Me­ta­li­vros, 2018.

Shut­ters­tock

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.