A ci­ên­cia pre­sen­te na so­ja que cul­ti­va­mos

Folha de Londrina - - Rural - 10 E 11 DE NO­VEM­BRO DE 2018 Amé­lio Dall’Ag­nol, pes­qui­sa­dor da Em­bra­pa So­ja

“A prin­ci­pal trans­for­ma­ção pro­ces­sa­da na so­ja pa­ra o Cer­ra­do foi a in­cor­po­ra­ção da ca­rac­te­rís­ti­ca “pe­río­do ju­ve­nil lon­go”, que ini­be a flo­ra­ção pre­co­ce das plan­tas, per­mi­tin­do des­lo­car seu cul­ti­vo pa­ra qual­quer la­ti­tu­de do ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro”

É vi­sí­vel a di­fe­ren­ça en­tre as va­ri­e­da­des de so­ja que cul­ti­va­mos atu­al­men­te, em con­tras­te com as que cul­ti­vá­va­mos nos anos 1970, quan­do te­ve iní­cio a ex­plo­são da cul­tu­ra no País. Mes­mo as va­ri­e­da­des co­mer­ci­ais cul­ti­va­das há ape­nas uma dé­ca­da, di­fe­rem das atu­ais pe­lo há­bi­to de cres­ci­men­to, por­te ere­to e ci­clo, en­tre ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas.

Com o ex­pres­si­vo in­cre­men­to da de­man­da glo­bal de so­ja a par­tir dos anos 70, quan­do ces­sou a abun­dân­cia na pes­ca da an­cho­va, res­pon­sá­vel pe­lo for­ne­ci­men­to da ma­té­ria-pri­ma pro­tei­ca pa­ra a fa­bri­ca­ção de ra­ções pa­ra os ani­mais do­més­ti­cos pro­du­to­res de car­ne, a so­ja ocu­pou es­se es­pa­ço. Ade­mais, a par­tir des­sa da­ta des­lan­chou o cres­ci­men­to da eco­no­mia mun­di­al e, co­mo con­sequên­cia, da ren­da per ca­pi­ta da po­pu­la­ção, prin­ci­pal­men­te dos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, on­de vi­ve a mai­or par­ce­la da po­pu­la­ção ca­ren­te de pro­teí­nas ani­mais, a qual pas­sou a con­su­mir mais car­nes e me­nos grãos. O Bra­sil des­co­briu-se com po­ten­ci­al pa­ra ser gran­de pro­ve­dor da ole­a­gi­no­sa, cu­ja cul­tu­ra mi­grou de la­vou­ra mar­gi­nal nos anos 50 e 60, pa­ra a li­de­ran­ça do agro­ne­gó­cio na­ci­o­nal no fi­nal dos anos 70, al­çan­do o País à con­di­ção de gran­de player mun­di­al no mer­ca­do de so­ja.

A febre pe­lo cul­ti­vo da so­ja na re­gião Sul do Bra­sil, on­de se con­cen­tra­va a pro­du­ção da ole­a­gi­no­sa até 1980, foi in­cen­ti­va­da pe­los al­tos pre­ços do grão no mer­ca­do mun­di­al du­ran­te a pri­mei­ra me­ta­de da dé­ca­da de 1970, o que de­ter­mi­nou uma cor­ri­da sem pre­ce­den­tes por áre­as dis­po­ní­veis na re­gião Sul pa­ra au­men­tar o plan­tio e áre­as an­tes cul­ti­va­das com pas­ta­gens e mes­mo com ou­tras cul­tu­ras (mi­lho, tri­go, fei­jão, ar­roz...) na re­gião, ce­de­ram es­pa­ços pa­ra o cul­ti­vo da so­ja, o que não foi su­fi­ci­en­te pa­ra apla­car a sa­nha dos pro­du­to­res pe­lo cul­ti­vo de mais so­ja, que bus­ca­ram ou­tras ter­ras pa­ra sa­ci­ar o ape­ti­te: o Bi­o­ma Cer­ra­do, lo­ca­li­za­do na re­gião cen­tral do país, foi a so­lu­ção.

Gran­de con­tin­gen­te de agri­cul­to­res da re­gião Sul mi­gra­ram pa­ra o Bra­sil Cen­tral, on­de as ter­ras eram abun­dan­tes e ba­ra­tas. Foi o co­me­ço de uma sa­ga que le­vou o de­sen­vol­vi­men­to pa­ra uma re­gião des­po­vo­a­da,

A prin­ci­pal trans­for­ma­ção pro­ces­sa­da na so­ja pa­ra o Cer­ra­do foi a in­cor­po­ra­ção da ca­rac­te­rís­ti­ca “pe­río­do ju­ve­nil lon­go”, que ini­be a flo­ra­ção pre­co­ce das plan­tas, per­mi­tin­do des­lo­car seu cul­ti­vo pa­ra qual­quer la­ti­tu­de do ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro”

des­va­lo­ri­za­da e des­pres­ti­gi­a­da, ra­pi­da­men­te con­ver­ti­da no mai­or polo pro­du­tor de grãos, fi­bras e car­nes do Bra­sil, gra­ças ao di­na­mis­mo, gar­ra e von­ta­de des­ses des­bra­va­do­res.

Mas o co­me­ço foi di­fí­cil, pois o so­lo de Cer­ra­do é áci­do e in­fér­til, além de lo­ca­li­za­do em la­ti­tu­de ina­pro­pri­a­da pa­ra o cul­ti­vo das va­ri­e­da­des co­mer­ci­ais cul­ti­va­das com êxi­to no sul do Bra­sil.

Pa­ra cul­ti­var a ole­a­gi­no­sa na re­gião de bai­xa la­ti­tu­de do Cer­ra­do foi ne­ces­sá­rio al­te­rar al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas da plan­ta, re­a­li­za­do com êxi­to ain­da nos anos 70, o que vi­a­bi­li­zou o cul­ti­vo com igual efi­ci­ên­cia em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. A prin­ci­pal trans­for­ma­ção pro­ces­sa­da na so­ja adap­ta­da pa­ra o Cer­ra­do foi a in­cor­po­ra­ção da ca­rac­te­rís­ti­ca “pe­río­do ju­ve­nil lon­go”, que ini­be a flo­ra­ção pre­co­ce das plan­tas, per­mi­tin­do des­lo­car seu cul­ti­vo - an­tes res­tri­to à re­gião sul - pa­ra qual­quer la­ti­tu­de do ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro.

Es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca, além de pos­si­bi­li­tar o cul­ti­vo da ole­a­gi­no­sa em re­giões de bai­xa la­ti­tu­de, tam­bém per­mi­tiu am­pli­ar o pe­río­do de cul­ti­vo nu­ma mes­ma re­gião. No Pa­ra­ná es­tá sen­do pos­sí­vel re­a­li­zar se­me­a­du­ras de so­ja des­de se­tem­bro até ja­nei­ro, com su­ces­so.

Va­le res­sal­tar que o plan­tio an­te­ci­pa­do da so­ja, re­a­li­za­do com cul­ti­va­res pre­co­ces, per­mi­te o cul­ti­vo do mi­lho sa­fri­nha atu­al­men­te a sa­fra prin­ci­pal - in­cre­men­ta­do sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te a ren­da do pro­du­tor, com du­as co­lhei­tas no pe­río­do pri­ma­ve­ra/ve­rão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.