LUIZ GE­RAL­DO MAZZA

Ago­ra é pa­ra va­ler o tes­te dos pre­fei­tos de Cu­ri­ti­ba e Lon­dri­na no trans­por­te co­le­ti­vo

Folha de Londrina - - Primeira Página -

Pre­fei­tos em tes­te

Ago­ra é pa­ra va­ler o tes­te nos pre­fei­tos de Cu­ri­ti­ba e Lon­dri­na na ques­tão do trans­por­te co­le­ti­vo e po­si­ci­o­na­men­to do sin­di­ca­to obrei­ro, na Ca­pi­tal mo­bi­li­za­do con­tra avan­ço tec­no­ló­gi­co da bi­lhe­ta­gem ele­trô­ni­ca com o des­car­te dos co­bra­do­res e no Nor­te com mo­to­ris­tas em as­sem­bleia fa­ce ao avi­so da TCGL não acei­tan­do as ba­ses ta­ri­fá­ri­as da no­va li­ci­ta­ção. Ur­ge, aliás, que o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co fi­que em ci­ma des­se cer­ta­men­te pa­ra que não ocor­ra o ha­vi­do em Cu­ri­ti­ba apon­ta­do co­mo ir­re­gu­lar na ope­ra­ção “Ri­qui­xá” e in­ves­ti­ga­do pe­la me­ta­de até ago­ra. Ao que se saiba, sem san­ção.

Ame­a­ça mais ime­di­a­ta é a de Lon­dri­na, ra­zão pe­la qual o sin­di­ca­to se reú­ne nes­ta sex­ta-fei­ra (7) tam­bém co­mo seus co­le­gas de Cu­ri­ti­ba pre­o­cu­pa­do com a ma­nu­ten­ção do em­pre­go. Tan­to Mar­ce­lo Be­li­na­ti co­mo Ra­fa­el Gre­ca, os pre­fei­tos, ten­tam mos­trar fir­me­za, o pri­mei­ro não dan­do a menor bo­la pa­ra a ame­a­ça pa­tro­nal e mos­tran­do-se con­fi­an­te na li­ci­ta­ção e o se­gun­do a pro­me­ter que a dis­pen­sa de co­bra­do­res se­rá gra­du­al e com re­a­dap­ta­ção de­les às no­vas fun­ções, con­ver­sa pa­ra bo­vi­no dor­mi­tar.

Es­se ti­po de re­la­ção - po­der con­ce­den­te­per­mis­si­o­ná­rio - é pac­tu­al e a apa­rên­cia que dá é a de um aco­mo­da­ção per­ma­nen­te en­tre o oli­go­pó­lio e seus em­pre­ga­dos e que as greves têm mais jei­to de lo­cau­te, con­for­me acen­tu­ou, mais de uma vez, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Tra­ba­lho. Des­sa for­ma se­ria vis­ta uma pre­ci­pi­ta­ção gre­vis­ta em Lon­dri­na sem que te­nham as par­tes em con­fli­to ex­pos­to cla­ra­men­te as su­as ra­zões.

Em Cu­ri­ti­ba o cho­que tem da­ta: fe­ve­rei­ro de 2019, qu­an­do do contrato co­le­ti­vo dos tra­ba­lha­do­res, e is­so em meio à ame­a­ça de no­vas ma­ni­fes­ta­ções em de­zem­bro-ja­nei­ro no trâ­mi­te da lei da mu­dan­ça tec­no­ló­gi­ca que bai­xa­ria cus­tos da pla­ni­lha com o sa­cri­fí­cio dos seis mil em­pre­gos dos co­bra­do­res. No jo­go das apa­rên­ci­as qu­an­do a opo­si­ção se pos­ta con­tra a bi­lhe­ta­gem ele­trô­ni­ca ti­ra tam­bém o di­rei­to de opor-se ao re­a­jus­te das ta­ri­fas, cau­sa que ren­deu em 2013 as mai­o­res ma­ni­fes­ta­ções po­pu­la­res que po­de­ria, se exa­cer­ba­das, re­pe­tir o dra­ma re­cen­te vi­vi­do na Fran­ça.

Ta­ma­nho da po­bre­za

En­tre 2016, qu­an­do a re­ces­são fe­chou o ci­clo, e 2017 a extrema po­bre­za (ren­da diá­ria de US$ 1,90) aqui, no Pa­ra­ná,se­gun­do o IBGE, sal­tou de 257 mil a 350 mil, um in­cre­men­to de 97 mil. O im­pac­to no Pa­ra­ná des­se bol­são de mi­sé­ri­as foi de 36,1% bem su­pe­ri­or ao re­gis­tra­do no Sul (22%) e no Brasil (13,3%). En­quan­to is­so jus­ta­men­te nes­se tem­po éra­mos bom­bar­de­a­dos pe­lo mar­ke­ting sa­ca­na de Be­to Ri­cha que de­cla­ra­va, co­mo to­dos se re­cor­dam, o Pa­ra­ná co­mo um oá­sis me­ten­do a mão, co­mo se pro­pi­na fos­se, nos in­di­ca­do­res ma­cro­e­conô­mi­cos tal co­mo se tra­du­zis­sem uma obra sua, do seu go­ver­no

Te­me­rá­rio

A po­lí­cia pa­ra­na­en­se le­va ao ex­tre­mo o con­cei­to de que o mo­no­pó­lio não só das ar­mas co­mo dos atos re­pres­si­vos é de­la. Um ci­da­dão da Vila Hau­er, Sil­va­no We­ber, foi as­sal­ta­do du­as vezes, por dois jovens que lhe rou­ba­ram uma bi­ci­cle­ta. Re­sol­veu per­se­gui-los e ao en­con­trá-los apli­cou-lhes ho­mé­ri­ca sur­ra. Aí apa­re­ce a po­lí­cia sol­ta os dois ra­pa­zes, sob ale­ga­ção de que não ha­via an­te­ce­den­tes e pren­de o agres­sor jus­ti­cei­ro. Mais tar­de cap­tu­ra­ram um dos ra­pa­zes e o ou­tro se man­dou. An­te­on­tem ti­ve­mos o ca­so do sur­do mu­do que as­sal­ta­va, usan­do um bi­lhe­te bem escrito com a ad­ver­tên­cia “Is­so é um as­sal­to”. Só foi apa­nha­do nu­ma lo­ja de con­ve­ni­ên­cia de pos­to de ga­so­li­na, e is­so de­pois de vá­ri­os as­sal­tos.

No pri­mei­ro ca­so a ví­ti­ma de um as­sal­to aca­ba pre­sa por ter sur­ra­do os la­drões e no se­gun­do uma ce­na cha­pli­ni­a­na com um car­ga de tris­te­za e es­pan­to. A justiça in­ter­veio e man­dou sol­tar o Sil­va­no We­ber que deverá, por seu ato te­me­rá­rio, se sub­me­ter a ajus­tes de con­du­ta.

Ces­ta bá­si­ca

Se­gun­do o Di­e­e­se a nos­sa ces­ta bá­si­ca é a sé­ti­ma mais ele­va­da do País e te­ria cres­ci­do 2,46%.

Fo­ra de­la cer­ta­men­te aque­les 350 mil pa­ra­na­en­ses que vi­vem com me­nos de 2 dó­la­res por dia.

Denúncia

Se a denúncia con­tra Onyx Lo­ren­zo­ni, fu­tu­ro Che­fe da Ca­sa Civil, for ro­bus­ta, se­gun­do Jair Bol­so­na­ro, ha­ve­rá de­mis­são. O que se da­rá, ex­pli­ca, com “quem quer que seja do meu go­ver­no que es­te­ja ao al­can­ce da mi­nha ca­ne­ta Bic”.

MDB em atro­fia

Pe­lo me­nos o MDB ain­da res­pi­ra, tan­to que mar­cou eleições pa­ra o di­re­tó­rio es­ta­du­al dia 15 de de­zem­bro. João Ar­ru­da, so­bri­nho de Re­quião, que dis­pu­tou o go­ver­no, apa­re­ce en­tre os can­di­da­tos co­mo tam­bém o de­pu­ta­do fe­de­ral Sérgio Sou­za. Me­lan­co­lia à sol­ta.

Fol­clo­re

Ape­sar da pés­si­ma re­a­ção em tor­no do au­xí­lio mo­ra­dia do Ju­di­ciá­rio (que aliás não é o úni­co) ór­gãos pú­bli­cos co­mo a As­sem­bleía Le­gis­la­ti­va, o Tribunal de Con­tas e a De­fen­so­ria Pú­bli­ca es­tão rei­vin­di­can­do “au­xí­lio-saúde”. Is­so é que nem sarna: “coçar é só co­me­çar”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.