A de­fe­sa do in­te­res­se pú­bli­co, um prin­cí­pio a ser res­ga­ta­do

Folha de Londrina - - Opinião -

Até que pon­to ca­be con­si­de­rar le­gí­ti­mo o jo­go de in­fluên­cia so­bre o po­der pú­bli­co que in­ter­fe­re em de­ci­sões es­tra­té­gi­cas do go­ver­no, al­te­ra a le­gis­la­ção e in­ter­fe­re em de­ci­sões ju­di­ci­ais? Se as prá­ti­cas que pro­por­ci­o­nam fa­vo­res ex­ces­si­vos aos mais di­ver­sos gru­pos se­to­ri­ais tra­zem co­mo con­sequên­cia um du­ro ônus ao res­to da sociedade, é ne­ces­sá­rio evi­den­ci­ar que tais prá­ti­cas pre­ci­sam ser re­pri­mi­das de ma­nei­ra mais con­tun­den­te.

No Pa­ra­ná, dois exem­plos re­cen­tes re­pre­sen­tam ten­ta­ti­vas ex­plí­ci­tas de im­po­si­ção, a qual­quer cus­to, da von­ta­de de mi­no­ri­as influentes. O pro­je­to de lei pa­ra a re­du­ção da Área de Proteção Ambiental da Es­car­pa De­vo­ni­a­na e a ten­ta­ti­va de exe­cu­ção da Fai­xa de In­fra­es­tru­tu­ra em Pon­tal do Pa­ra­ná são ca­sos que mos­tram a fra­gi­li­da­de do po­der pú­bli­co fren­te a pres­sões de or­dem econô­mi­ca e po­lí­ti­ca, vin­das de gru­pos se­to­ri­ais.

A re­a­ção pú­bli­ca fren­te a es­sas ten­ta­ti­vas per­mi­tiu que milhões de pa­ra­na­en­ses ofe­re­ces­sem um con­tra­pon­to em re­la­ção aos re­pre­sen­tan­tes do po­der pú­bli­co en­vol­vi­dos nes­ses pro­ces­sos. Uma re­a­ção po­ten­ci­a­li­za­da pe­lo fa­to de não ha­ver ra­zão plau­sí­vel pa­ra uma acei­ta­ção des­sas me­di­das que pre­ten­dem im­por.

Vi­ve­mos um mo­men­to em que o po­si­ci­o­na­men­to de ca­da ci­da­dão tem enor­me im­por­tân­cia. Co­mo nun­ca, de­ve­mos es­tar pre­sen­tes na de­fe­sa de fun­da­men­tos con­sis­ten­tes que aten­dam ao in­te­res­se pú­bli­co em vez de bus­cas se­le­ti­vas e in­de­vi­das, que ali­men­tam os sis­te­mas de cor­rup­ção.

Ape­sar de enor­mes di­fi­cul­da­des e do re­co­nhe­ci­men­to de que so­lu­ções de mai­or am­pli­tu­de não ocor­rem de um dia pa­ra o ou­tro, es­tá mais do que na ho­ra de to­dos os bra­si­lei­ros fa­ze­rem um mai­or es­for­ço em de­fe­sa do exer­cí­cio da ci­da­da­nia. Pre­ci­sa­mos des­per­tar pa­ra o va­lor de cau­sas co­muns que aten­dam ver­da­dei­ra­men­te a to­da a sociedade, co­mo a proteção do nos­so pa­trimô­nio na­tu­ral.

To­dos te­mos o di­rei­to de bus­car nos­sas pró­pri­as con­di­ções de cres­ci­men­to e de so­bre­vi­vên­cia, cum­prin­do a Lei e lu­tan­do de ma­nei­ra ho­nes­ta por um fu­tu­ro me­lhor. Mas, sem um olhar de­di­ca­do ao am­pa­ro do que in­te­res­sa e diz res­pei­to a to­dos nós, as bus­cas in­di­vi­du­a­li­za­das en­con­tra­rão enor­mes obs­tá­cu­los pa­ra avan­çar co­mo pre­ten­de­mos.

As mu­dan­ças ne­ces­sá­ri­as e pre­men­tes que nos tor­nem cidadãos mais so­li­dá­ri­os não re­pre­sen­tam ne­nhu­ma uto­pia. Ape­nas de­man­dam consciência e sen­so de responsabilidade so­bre o re­al sig­ni­fi­ca­do do in­te­res­se pú­bli­co.

CLÓVIS BOR­GES é di­re­tor-exe­cu­ti­vo da Sociedade de Pes­qui­sa em Vi­da Sel­va­gem e Educação Ambiental (SPVS) e mem­bro da Re­de de Es­pe­ci­a­lis­tas em Con­ser­va­ção da Na­tu­re­za

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.