Se até ocor­rên­ci­as de quan­do Be­to era pre­fei­to são al­vos de ações, uma tor­ren­te es­tá por vir

Es­pe­ci­a­lis­ta afir­ma que gran­de quan­ti­da­de de ho­ras gas­ta em fren­te às te­las es­tá re­la­ci­o­na­da ao au­men­to da cri­mi­na­li­da­de pra­ti­ca­da por jo­vens

Folha de Londrina - - Primeira Página - Si­mo­ni Sa­ris Re­por­ta­gem Lo­cal

Em ju­nho de 2018, a OMS (Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de) re­vi­sou a CID 11 (Clas­si­fi­ca­ção In­ter­na­ci­o­nal de Do­en­ças) e in­cluiu no rol de do­en­ças a pa­to­lo­gia men­tal de­cor­ren­te do uso com­pul­si­vo de jo­gos ele­trô­ni­cos. A quan­ti­da­de de ho­ras de­di­ca­das ao uso da tec­no­lo­gia di­gi­tal por ado­les­cen­tes e jo­vens é fon­te de pre­o­cu­pa­ção pa­ra pais e te­ma cons­tan­te em dis­cus­sões de edu­ca­do­res. Inú­me­ros es­tu­dos as­so­ci­am o ex­ces­so de tem­po gas­to com smartpho­nes e redes so­ci­ais ao au­men­to dos ca­sos de insô­nia, an­gús­tia e de­pres­são.

Mas além do com­pro­me­ti­men­to à saú­de men­tal, a gran­de quan­ti­da­de de ho­ras gas­ta em fren­te as te­las tam­bém es­tá re­la­ci­o­na­da ao au­men­to da cri­mi­na­li­da­de pra­ti­ca­da por ado­les­cen­tes e jo­vens e o pro­ble­ma de­ve ser tra­ta­do da mes­ma for­ma co­mo se tra­tam as de­pen­dên­ci­as quí­mi­cas. É o que afir­ma a dou­to­ra em Tec­no­lo­gia e So­ci­e­da­de, pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Tec­no­lo­gia & Dig­ni­da­de Hu­ma­na e mem­bro da Co­mis­são da Cri­an­ça e do Ado­les­cen­te da OAB-PR, Ci­nei­va Cam­po­li Pau­li­no To­no, que co­bra leis e po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra mi­ni­mi­zar a vul­ne­ra­bi­li­da­de de cri­an­ças e jo­vens a ris­cos que a in­ter­net pos­sa tra­zer.

To­no é uma das au­to­ras do li­vro Vo­zes do Cár­ce­re (Edi­to­ra CRV, 2015), obra que te­ve ori­gem em pes­qui­sas re­a­li­za­das em 22 pre­sí­di­os do Pa­ra­ná nos anos de 2011 e 2015, e em seus es­tu­dos con­cluiu que a vi­o­lên­cia es­tá, sim, re­la­ci­o­na­da ao uso ex­ces­si­vo da tec­no­lo­gia. A dou­to­ra es­te­ve em Lon­dri­na re­cen­te­men­te pa­ra par­ti­ci­par do even­to “Era Di­gi­tal - Be­ne­fí­ci­os e Ris­cos”, in­se­ri­do na pro­gra­ma­ção da 1ª Se­ma­na Mu­ni­ci­pal de Jus­ti­ça Res­tau­ra­ti­va de Lon­dri­na, pro­mo­vi­da pe­lo Com­paz (Con­se­lho Mu­ni­ci­pal da Cul­tu­ra de Paz), e con­ver­sou com a FO­LHA so­bre o te­ma.

A se­nho­ra re­a­li­zou uma pes­qui­sa com pes­so­as en­car­ce­ra­das na área de vi­o­lên­cia. É pos­sí­vel per­ce­ber a re­la­ção en­tre vi­o­lên­cia e o uso de tec­no­lo­gia?

Fi­ze­mos du­as pes­qui­sas em 22 pre­sí­di­os do Pa­ra­ná na área de vi­o­lên­cia e na área de dro­gas em 2011 e apli­ca­mos um ques­ti­o­ná­rio com 23 per­gun­tas à po­pu­la­ção car­ce­rá­ria cu­ja mai­o­ria se con­cen­tra­va na fai­xa etá­ria dos 18 aos 28 anos de ida­de. En­tre ou­tras ques­tões, per­gun­ta­mos se eles acha­vam que ha­via re­la­ção en­tre vi­o­lên­cia e uso de tec­no­lo­gia. Ti­nha uma per­gun­ta aber­ta onde dei­xa­mos li­vre a des­cri­ção do que acha­vam im­por­tan­te en­fa­ti­zar. Foi quan­do nós per­ce­be­mos que o uso de dro­gas se des­ta­cou e eles aler­ta­vam pa­ra cui­dar da cri­an­ça e do ado­les­cen­te que es­tão aban­do­na­dos em fren­te às te­las. Eles fa­la­vam de­cla­ra­da­men­te: se an­tes era fá­cil ali­ci­ar cri­an­ças, ho­je a tec­no­lo­gia po­ten­ci­a­li­zou is­so, além de ou­tros cri­mes con­tra a hon­ra, co­mo ca­lú­nia e di­fa­ma­ção. Eles pró­pri­os re­la­ta­ram a fa­ci­li­da­de que es­tá sen­do, na atu­a­li­da­de, co­me­ter cri­mes uti­li­zan­do a tec­no­lo­gia. E qua­tro anos de­pois, em 2015, quan­do re­a­li­za­mos a pes­qui­sa so­bre dro­gas, apre­sen­ta­mos uma lis­ta de dro­gas pa­ra que eles in­di­cas­sem quais con­si­de­ra­vam de gran­de ris­co pa­ra a so­ci­e­da­de. En­tre as al­ter­na­ti­vas, co­lo­ca­mos as tec­no­lo­gi­as di­gi­tais e mui­tos de­les as in­di­ca­ram co­mo mais um ins­tru­men­to que con­duz à com­pul­si­vi­da­de. Le­gi­ti­mou tu­do aqui­lo que, te­o­ri­ca­men­te, nós es­tá­va­mos ava­li­an­do com es­tu­dos aca­dê­mi­co-ci­en­tí­fi­cos.

Es­se da­do sur­pre­en­deu vo­cês, pes­qui­sa­do­res?

Sim. A gen­te ima­gi­na que o pre­so não te­nha o ní­vel de dis­cer­ni­men­to co­mo aque­les que não es­tão lá. Mas eles têm e sa­bem mui­to bem o que es­tá acon­te­cen­do na so­ci­e­da­de. O re­sul­ta­do das pes­qui­sas com os pre­sos tem mui­ta pre­ci­o­si­da­de pa­ra in­di­car e apon­tar ca­mi­nhos pa­ra pre­ve­nir e com­ba­ter a de­su­ma­ni­za­ção. A gen­te per­ce­be que os ou­tros po­de­res, co­mo o Judiciário, por exem­plo, já es­tão as­si­nan­do em­bai­xo da Jus­ti­ça Res­tau­ra­ti­va, tan­to no sis­te­ma pri­si­o­nal quanto no Cen­se (Cen­tro de So­ci­o­e­du­ca­ção) e nas es­co­las. O que a gen­te es­tá pre­ci­san­do é o Po­der Exe­cu­ti­vo ter is­so co­mo al­go que po­de res­ga­tar a hu­ma­ni­za­ção da cri­an­ça, da in­fân­cia, da ado­les­cên­cia.

A se­nho­ra re­la­ci­o­na o au­men­to da po­pu­la­ção en­car­ce­ra­da ao uso de tec­no­lo­gia?

Com cer­te­za. Eu vi o pri­mei­ro com­pu­ta­dor che­gar às es­co­las pú­bli­cas, há 20 anos. A pro­mes­sa teó­ri­ca era que es­se com­pu­ta­dor - e mui­to di­nhei­ro pú­bli­co foi in­ves­ti­do e con­ti­nua sen­do pa­ra man­ter as es­co­las co­nec­ta­das di­a­ri­a­men­te - iria fa­vo­re­cer o pro­ces­so de en­si­no e apren­di­za­gem. Mas is­so não acon­te­ceu. E nós con­ti­nu­a­mos gas­tan­do. Nos­sa cri­an­ça e nos­so ado­les­cen­te ho­je em sa­la de au­la es­tão ca­da vez mais dis­per­sos, des­con­fi­a­dos e des­cren­tes e o pro­fes­sor, de­sa­ni­ma­do. Es­se é o per­fil da es­co­la e não é só da es­co­la pú­bli­ca. Por mais que te­nha a pla­qui­nha ali, ‘lei nú­me­ro tal proí­be o uso de ce­lu­lar se não for pa­ra uso pe­da­gó­gi­co em sa­la de au­la’, ten­te proi­bi-los de fi­car com fo­ne de ou­vi­do em sa­la de au­la. Vo­cê nem con­se­gue. Não exis­te uma po­lí­ti­ca pú­bli­ca de in­clu­são di­gi­tal co­e­ren­te, cons­ci­en­te. E, se na sa­la de au­la a pro­du­ção do co­nhe­ci­men­to hu­ma­no es­tá fra­gi­li­za­da, o pro­fes­sor es­tá de­sa­ni­ma­do, ima­gi­na os de­mais se­to­res da vi­da des­sa cri­an­ça. Re­al­men­te, o nú­me­ro de pes­so­as au­men­tou tan­to den­tro quanto fo­ra do cár­ce­re, po­rém eles (os en­car­ce­ra­dos) es­tão mais jo­vens, es­tão des­cren­tes em re­la­ção ao fu­tu­ro pro­mis­sor, de tra­ba­lhar e es­tu­dar. A tec­no­lo­gia só es­tá po­ten­ci­a­li­zan­do es­sa fra­gi­li­da­de.

O que é pos­sí­vel fa­zer?

Exis­te um de­cre­to de nú­me­ro 4.394/2016 que foi star­ta­do pe­la se­cre­ta­ria de Es­ta­do da Jus­ti­ça, Tra­ba­lho e Direitos Humanos e ali si­na­li­za a ne­ces­si­da­de de fa­zer pre­ven­ção à ero­ti­za­ção pre­co­ce, ao ali­ci­a­men­to on­li­ne e ao ví­cio à in­ter­net. Gos­ta­ría­mos que o de­cre­to vi­ras­se lei, que fos­se co­bra­da sua exe­cu­ção por to­da a so­ci­e­da­de por­que es­ta­mos ero­ti­zan­do nos­sas cri­an­ças pre­co­ce­men­te e dei­xan­do à mer­cê do mun­do vir­tu­al en­quan­to o seu pai e sua mãe tra­ba­lham. E tam­bém, in­fe­liz­men­te, es­tão des­lum­bra­dos em fren­te às te­las. A so­ci­e­da­de tem o di­rei­to de sa­ber que es­tá ado­e­cen­do e es­sa ques­tão de saú­de e de se­gu­ran­ça pú­bli­ca pre­ci­sa ser con­si­de­ra­da nas po­lí­ti­cas pú­bli­cas de in­clu­são di­gi­tal. Che­ga de fa­zer in­clu­são di­gi­tal às ce­gas. Po­lí­ti­cas pú­bli­cas de in­clu­são di­gi­tal têm be­ne­fí­ci­os, po­rém exis­te um la­do som­brio do uso das tec­no­lo­gi­as que pou­co ou qua­se na­da es­tá sen­do co­no­ta­do nas po­lí­ti­cas de in­clu­são di­gi­tal.

E as po­lí­ti­cas pú­bli­cas?

A gen­te, nos úl­ti­mos anos, foi tra­tan­do de en­ga­jar es­sas ins­tân­ci­as to­das, OAB (Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil), Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, o pró­prio TJ (Tri­bu­nal de Jus­ti­ça) e, ago­ra, com os con­se­lhos es­ta­du­ais que nós te­mos, com re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de da so­ci­e­da­de ci­vil e do po­der pú­bli­co, e fa­zen­do es­ses dis­po­si­ti­vos. O que pre­ci­sa­mos ago­ra é fa­zer a exe­cu­ção de­les. É co­lo­car re­al­men­te um de­se­nho de uma po­lí­ti­ca pú­bli­ca, um pro­gra­ma de pro­te­ção da cri­an­ça e do ado­les­cen­te na era di­gi­tal, por exem­plo. E ali, ca­da se­cre­ta­ria, de Saú­de, da Se­gu­ran­ça, da Edu­ca­ção, da Fa­mí­lia, as­su­min­do seu com­pro­mis­so fren­te a es­te pro­gra­ma. Is­so já é uma po­lí­ti­ca pú­bli­ca.

A se­nho­ra acre­di­ta que is­so não es­tá sen­do fei­to por fal­ta de en­ten­di­men­to da gra­vi­da­de da si­tu­a­ção ou por fal­ta de capacidade es­tru­tu­ral?

Capacidade es­tru­tu­ral tem bas­tan­te. Eu acho que o que es­tá fal­tan­do re­al­men­te são cla­re­za e cons­ci­ên­cia so­bre es­se que é um pro­ble­ma de saú­de e de se­gu­ran­ça pú­bli­ca. Da atu­al ges­tão, foi ne­gli­gên­cia por­que, afi­nal, tu­do is­so já foi dis­cu­ti­do. Po­rém, se não cui­dar­mos, não vai sair do pa­pel. Os paí­ses de­sen­vol­vi­dos já es­tão tra­tan­do dis­so nes­se ní­vel. Aci­o­nis­tas da Ap­ple e da Go­o­gle es­tão co­bran­do des­sas pro­du­to­ras de tec­no­lo­gia o au­xí­lio pa­ra pre­ven­ção ao ma­le­fí­cio de­cor­ren­te dis­so. Em uma ci­da­de da Chi­na fi­ze­ram uma lei mu­ni­ci­pal em que os pro­ve­do­res de in­ter­net são des­li­ga­dos à meia-noi­te pa­ra que os me­ni­nos não aden­trem a ma­dru­ga­da jo­gan­do pa­ra que não dur­mam na es­co­la de ma­nhã. Aí vo­cê fa­la “nos­sa, mas is­so vai ser di­fí­cil fa­zer aqui.” Não vai, por­que o mun­do to­do es­tá sen­do mo­bi­li­za­do por con­ta dis­so. As es­co­las do Va­le do Si­lí­cio, por exem­plo, de onde vem to­da a tec­no­lo­gia, não têm tec­no­lo­gia. Os fi­lhos de quem pro­duz tec­no­lo­gia têm sa­la de mú­si­ca, de ar­tes plás­ti­cas e vão uti­li­zar cer­ta­men­te a tec­no­lo­gia na ho­ra cer­ta. En­quan­to o bra­si­lei­ro, coi­ta­do, já co­lo­ca (o ce­lu­lar) na fren­te do be­bê e aque­la cri­an­ça já não vai de­sen­vol­ver ou­tras par­tes do cé­re­bro que de­ve­ria de­sen­vol­ver. E a gen­te não es­tá fa­zen­do na­da pa­ra pre­ve­nir is­so.

Qual a fun­ção dos pais no pa­pel de ori­en­ta­ção dos fi­lhos?

Os pais são ví­ti­mas na atu­a­li­da­de da com­pul­são ao uso de tec­no­lo­gia. Neu­ro­ci­en­tis­tas e psi­qui­a­tras já re­mon­tam à ne­ces­si­da­de de ori­en­tar o pai e a mãe, in­for­mar prin­ci­pal­men­te dos ma­le­fí­ci­os que po­dem de­cor­rer do uso de­ma­si­a­do das tec­no­lo­gi­as. Os pais de­vem ser o exem­plo, ter equi­lí­brio em re­la­ção ao of­fli­ne e on­li­ne na vi­da de­les. Che­gou em ca­sa, é des­li­gar e dar aten­ção de­vi­da ao fi­lho pa­ra que es­se não evo­lua pa­ra um uso com­pul­si­vo. O pai e a mãe pre­ci­sam ser ori­en­ta­dos, in­for­ma­dos de que es­se uso da tec­no­lo­gia po­de evo­luir pa­ra uma pa­to­lo­gia men­tal. E a es­co­la e os mei­os de co­mu­ni­ca­ção têm um pa­pel fun­da­men­tal nes­sa in­for­ma­ção.

Leia en­tre­vis­ta com­ple­ta usan­do apli­ca­ti­vo ca­paz de ler QR co­de e po­si­ci­o­nan­do no có­di­go abai­xo:

Em uma ci­da­de da Chi­na os pro­ve­do­res de in­ter­net são des­li­ga­dos à meia-noi­te pa­ra que os me­ni­nos não aden­trem a ma­dru­ga­da jo­gan­do”

Saulo Oha­ra

“Exis­te um la­do som­brio do uso das tec­no­lo­gi­as que pou­co ou qua­se na­da es­tá sen­do co­no­ta­do nas po­lí­ti­cas de in­clu­são di­gi­tal”, afir­ma Ci­nei­va Cam­po­li Pau­li­no To­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.