Fle­xi­bi­li­za­ção da LRF pre­o­cu­pa Mi­nis­té­rio Pú­bli­co

Pro­je­to apro­va­do pe­los de­pu­ta­dos li­vra de san­ções os pre­fei­tos que ul­tra­pas­sa­rem os li­mi­tes de gas­tos com pes­so­al; pa­ra o MP, me­di­da vai na con­tra­mão dos an­sei­os da so­ci­e­da­de em efi­ci­ên­cia de ges­tão pú­bli­ca

Folha de Londrina - - Política - Gui­lher­me Mar­co­ni Re­por­ta­gem Lo­cal

Da­dos atu­a­li­za­dos do TC (Tri­bu­nal de Con­tas) do Pa­ra­ná re­ve­lam que 60 pre­fei­tu­ras do Es­ta­do e uma Câmara Mu­ni­ci­pal, de Bom Su­ces­so, não cum­prem os li­mi­tes de gas­tos fi­xa­dos com fo­lha de pa­ga­men­to pe­la LRF (Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal). Ao to­do são 241 mu­ni­cí­pi­os pa­ra­na­en­ses em si­tu­a­ção de aler­ta em re­la­ção às des­pe­sas com pes­so­al. O nú­me­ro re­pre­sen­ta­ti­vo de ir­re­gu­la­ri­da­de ga­nhou con­tor­nos mais pre­o­cu­pan­tes com a apro­va­ção na úl­ti­ma quar­ta-fei­ra (5) pe­la Câmara de De­pu­ta­dos do pro­je­to de lei que fle­xi­bi­li­zou na úl­ti­ma quar­ta-fei­ra (5) es­sa le­gis­la­ção san­ci­o­na­da em 2000 pa­ra im­por con­tro­le na uti­li­za­ção dos recursos pú­bli­cos.

O pro­je­to acres­cen­ta a re­gra que os mu­ni­cí­pi­os que ti­ve­ram que­da na ar­re­ca­da­ção de mais de 10% não po­dem so­frer san­ções, ca­so ul­tra­pas­sem o li­mi­te de gas­tos de 60% da re­cei­ta com ser­vi­do­res ati­vos e ina­ti­vos.

Pa­ra o pre­si­den­te da AMP (As­so­ci­a­ção dos Mu­ni­cí­pi­os do Pa­ra­ná) e pre­fei­to de Co­ro­nel Vi­vi­da (Su­do­es­te), Fran­ki Schi­a­vi­ni, a me­di­da não te­rá al­te­ra­ção sig­ni­fi­ca­ti­va nas 399 pre­fei­tu­ras do Es­ta­do. “Não te­mos re­gis­tro de mu­ni­cí­pi­os que ti­ve­ram per­das de 10% na ar­re­ca­da­ção. A me­di­da de­ve aten­der meia dú­zia de ci­da­des que per­de­ram royal­ti­es e par­ti­ci­pa­ções es­pe­ci­ais”, diz Schi­a­vi­ni. Se­gun­do ele, na prá­ti­ca, a lei não tem efei­to no Pa­ra­ná. “A per­da de 10% na ar­re­ca­da­ção sig­ni­fi­ca­ria a fa­lên­cia de um mu­ni­cí­pio”, re­for­çou.

Já o pro­mo­tor de Jus­ti­ça, Leonardo Dum­ke Bu­sat­to, do Ge­pa­tria (Gru­po Es­pe­ci­a­li­za­do na Pro­te­ção ao Pa­trimô­nio Pú­bli­co) con­si­de­ra pre­o­cu­pan­te a ma­jo­ra­ção das re­gras fi­xa­das pe­la Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal.

Pa­ra o pro­mo­tor, a me­di­da apro­va­da no Con­gres­so vai na con­tra­mão dos an­sei­os da so­ci­e­da­de em bus­car efi­ci­ên­cia dos gas­tos pú­bli­cos e abre bre­cha pa­ra fle­xi­bi­li­za­ção de ou­tros prin­cí­pi­os e re­gras es­ta­be­le­ci­dos pe­la LRF. “A so­ci­e­da­de cla­ma pe­la re­du­ção de gas­tos com fo­lha de pa­ga­men­to de ser­vi­do­res, e co­bran­do mais efi­ci­ên­cia do ser­vi­ço pú­bli­co.” Se­gun­do ele, prin­ci­pal­men­te nos mu­ni­cí­pi­os pe­que­nos, exis­te uma gran­de pro­por­ção de car­gos co­mis­si­o­na­dos. “A lei exi­ge do bom ges­tor ge­ren­ci­a­men­to e efi­ci­ên­cia dos gas­tos. Quan­do o ges­tor gas­ta mais pa­ra hon­rar a fo­lha de pa­ga­men­to, is­to im­pe­de o in­ves­ti­men­to em ou­tras po­lí­ti­cas pú­bli­cas.”, res­sal­ta Bu­sat­to.

O nú­me­ro de pre­fei­tu­ras que des­cum­pri­ram o li­mi­te im­pos­to pe­la Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal cres­ceu ver­ti­gi­no­sa­men­te nos úl­ti­mos se­te anos no Pa­ra­ná, se­gun­do o TC. Pas­sou de ape­nas du­as em 2011, pa­ra 49 em 2016 e atin­giu 80 em 2017, ou 20% dos mu­ni­cí­pi­os.

Se­gun­do a as­ses­so­ria do ór­gão, o pre­si­den­te do TC, Dur­val Ama­ral, não irá se ma­nis­fes­tar ofi­ci­al­men­te so­bre a fle­xi­bi­li­za­ção. A de­ci­são do Le­gis­la­ti­vo ain­da de­pen­de da as­si­na­tu­ra do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB).

PAC­TO FEDERATIVO

O pre­si­den­te da AMP é fa­vo­rá­vel a ma­nu­ten­ção dos ín­di­ces es­ta­be­le­ci­dos da LRF;no en­tan­to, co­bra uma re­vi­são da dis­tri­bui­ção dos im­pos­tos pa­ra os mu­ni­cí­pi­os, a im­plan­ta­ção do pac­to federativo, que foi um mo­te de cam­pa­nha do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro: “Mais Bra­sil, me­nos Brasília”.

Se­gun­do ele, os go­ver­nos fe­de­ral e es­ta­du­al pre­ci­sam cor­ri­gir os re­pas­ses aos mu­ni­cí­pi­os. No pro­gra­ma Saú­de da Fa­mí­lia, por exem­plo, os va­lo­res re­pas­sa­dos não co­brem os cus­tos. “os pre­fei­tos aca­bam uti­li­zan­do os recursos li­vres. Is­so en­ges­sa de uma for­ma que es­ta­mos que­bra­dos. É cla­ro que não es­ta­mos de­fen­den­do pre­fei­to mau ges­tor” dis­se Schi­vi­a­ni, ao re­cla­mar da fal­ta de correção dos va­lo­res re­pas­sa­dos dos pro­gra­mas fe­de­rais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.