Os ani­mais são cri­a­tu­ras de Deus e de­vem ser res­pei­ta­dos pois con­tri­bu­em pa­ra a nos­sa sal­va­ção

Folha de Londrina - - Primeira Página - Pe­dro Mo­ra­es Re­por­ta­gem Lo­cal

O de­poi­men­to de Lu­ci­a­na Vi­ei­ra Siqueira, 32, acu­sa­da da mor­te do por­tei­ro Jú­lio Cesar Fer­nan­des, 41, em de­cor­rên­cia a um aci­den­te de trân­si­to, foi re­mar­ca­do pa­ra o dia 28 de ja­nei­ro. A ré se apre­sen­tou, na 1ª Va­ra Cri­mi­nal de Lon­dri­na, na tar­de de sex­ta-fei­ra (7), mas a au­sên­cia de três tes­te­mu­nhas cau­sou o adi­a­men­to. Ela foi de­nun­ci­a­da por ho­mi­cí­dio do­lo­so even­tu­al por di­ri­gir em al­ta ve­lo­ci­da­de al­co­o­li­za­da e avan­çar o si­nal ver­me­lho. A mo­to­ris­ta, que é for­ma­da em Di­rei­to, aca­bou por atin­gir a mo­to que a ví­ti­ma di­ri­gia em di­re­ção à sua ca­sa, no KM 156 da ro­do­via BR-369, pró­xi­mo ao Par­que de Ex­po­si­ções Ney Bra­ga, na ma­dru­ga­da do dia 15 de agos­to.

Na au­di­ên­cia foi ou­vi­do so­men­te o po­li­ci­al ro­do­viá­rio fe­de­ral Mar­cus Cesar Bo­na­che. O agen­te re­la­tou co­mo foi fei­to o aten­di­men­to no lo­cal, mo­men­tos de­pois do aci­den­te, e fez ques­tão de res­sal­tar o com­por­ta­men­to de Lu­ci­a­na Siqueira na­que­la oca­sião. “No mo­men­to (do aci­den­te), até por cau­sa da em­bri­a­guez, ela es­ta­va mui­to exal­ta­da, ar­ro­gan­te, mui­to pre­o­cu­pa­da com o ca­be­lo. E a gen­te fi­cou cho­ca­do. Uma ví­ti­ma em óbi­to e ela pre­o­cu­pa­da com ou­tras si­tu­a­ções, até por cau­sa do ál­co­ol”, afir­mou o po­li­ci­al à juí­za subs­ti­tu­ta Clau­dia An­drea Ber­tol­la Alves.

O po­li­ci­al ain­da re­la­tou que o veí­cu­lo da ré, um Toyo­ta Eti­os, fi­cou bas­tan­te des­truí­do, as­sim co­mo a mo­to­ci­cle­ta que se di­ri­gia de Lon­dri­na pa­ra Cam­bé. En­quan­to era aten­di­da por po­li­ci­ais e bom­bei­ros, Siqueira foi sub­me­ti­da ao tes­te do etilô­me­tro, no qual foi cons­ta­ta­da a pre­sen­ça de 0,64 mi­li­gra­mas de ál­co­ol por li­tro, quan­do o per­mi­ti­do é 0,04. Os agen­tes tam­bém re­la­ta­ram que en­con­tra­ram uma car­te­la de an­ti­de­pres­si­vo no veí­cu­lo, que, além de co­li­dir com a mo­to, ba­teu em uma ár­vo­re.

As ou­tras tes­te­mu­nhas es­pe­ra­das na au­di­ên­cia de ins­tru­ção de jul­ga­men­to eram o po­li­ci­al ro­do­viá­rio fe­de­ral Caio Cesar Fe­renshitz No­guei­ra, que es­ta­ria de férias e, por is­so, não com­pa­re­ceu, e um ca­sal que pre­sen­ci­ou o aci­den­te. Lu­cas Pe­ron Car­do­so e Hi­a­na Araú­jo Da­vid te­ri­am vis­to Siqueira sain­do de uma lan- cho­ne­te na ave­ni­da Ti­ra­den­tes e ten­ta­ram im­pe­dir que ela con­ti­nu­as­se di­ri­gin­do. A Jus­ti­ça ain­da não con­se­guiu in­ti­má-los.

Na por­ta da sa­la de au­di­ên­cia, fa­mi­li­a­res de Jú­lio Cesar Fer­nan­des aguar­da­vam as in­for­ma­ções so­bre a au­di­ên­cia ves­tin­do ca­mi­sas com a fo­to do por­tei­ro. A viú­va, Maria Ze­nai­de dos San­tos Fon­ta­na, afir­mou ter um fio de es­pe­ran­ça na Jus­ti­ça. “Lu­ci­a­na já me pe­diu per­dão, dis­se que se ar­re­pen­deu. Eu per­doo, mas não pos­so dei­xar de pe­dir que a jus­ti­ça se­ja fei­ta. Meu ma­ri­do vol­ta­va pa­ra ca­sa de­pois do tra­ba­lho, um ho­mem bom, ami­go, que per­deu a vi­da por um ato de ir­res­pon­sa­bi­li­da­de”, afir­mou a viú­va, que dei­xou a au­di­ên­cia cho­ran­do.

De­pois do aci­den­te, Lu­ci­a­na Siqueira fi­cou al­guns di­as in­ter­na­da na UTI (Uni­da­de de Tra­ta­men­to In­ten­si­vo) do Hos­pi­tal do Co­ra­ção e ain­da, du­ran­te es­se pe­río­do, pa­gou a fi­an­ça de R$ 3.180 pa­ra res­pon­der ao pro­ces­so em li­ber­da­de. A fi­an­ça ain­da im­põe que ela não saia de sua re­si­dên­cia en­tre 21h e 6h e com­pa­re­ça men­sal­men­te à jus­ti­ça. A mo­to­ris­ta ain­da te­ve a CNH (Car­tei­ra Na­ci­o­nal de Ha­bi­li­ta­ção) re­co­lhi­da e foi ve­ta­da de di­ri­gir por um ano.

Ri­car­do Chi­ca­rel­li

Ape­sar do adi­a­men­to, a viú­va Maria Ze­nai­de dos San­tos Fon­ta­na afir­mou ter “um fio de es­pe­ran­ça na Jus­ti­ça”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.