TUBARÃO

Ex-jo­ga­dor do LEC des­de a ba­se, téc­ni­co as­su­me o ti­me prin­ci­pal após trei­nar ga­ro­tos

Folha de Londrina - - Primeira Página - Lu­cio Flá­vio Cruz Re­por­ta­gem Lo­cal

Ex-jo­ga­dor, Ale­mão se­rá o téc­ni­co do Lon­dri­na em 2019 após vi­ven­ci­ar to­dos os es­tá­gi­os den­tro do clu­be

Da ba­se ao to­po. Ci­di­mar Er­ne­gas, o Ale­mão, se­rá o téc­ni­co do Lon­dri­na em 2019 após vi­ven­ci­ar to­dos os es­tá­gi­os den­tro do clu­be. Che­gou ao LEC aos 17 anos, se pro­fis­si­o­na­li­zou dois anos de­pois, ser­viu a se­le­ção bra­si­lei­ra sub-21 e bri­lhou em di­ver­sos ou­tros clu­bes bra­si­lei­ros. Re­tor­nou ao Al­vi­ce­les­te em 2017 pa­ra tra­ba­lhar nas ca­te­go­ri­as me­no­res e ago­ra, aos 43 anos, te­rá pe­la fren­te o mai­or de­sa­fio da car­rei­ra. “Te­nho mui­ta con­fi­an­ça na­qui­lo que eu fa­ço e acre­di­to mui­to em fa­zer um gran­de tra­ba­lho”, apon­tou.

Com a de­ci­são do LEC de ce­der o téc­ni­co Ro­ber­to Fonseca pa­ra di­ri­gir o No­vo­ri­zon­ti­no no Cam­pe­o­na­to Pau­lis­ta, Ale­mão vai es­tar à fren­te do Tubarão no Pa­ra­na­en­se e pre­pa­rar o elen­co pa­ra o re­tor­no de Fonseca, vi­san­do a dis­pu­ta da Sé­rie B do Bra­si­lei­ro. Con­fi­ra a en­tre­vis­ta do no­vo co­man­dan­te al­vi­ce­les­te à FO­LHA.

Vo­cê es­tá de vol­ta ao Lon­dri­na há dois anos. Pas­sou pe­lo ti­me sub-17, sub-20 e ago­ra as­su­me o pro­fis­si­o­nal. Se sen­te pre­pa­ra­do pa­ra o de­sa­fio?

É o meu mai­or de­sa­fio, sem dú­vi­da, mas es­tou bas­tan­te con­fi­an­te. Por­que tem uma equi­pe de tra­ba­lho ao meu la­do, que vai me aju­dar mui­to, além da con­fi­an­ça na­qui­lo que eu fa­ço, que é a sim­pli­ci­da­de do jo­go, com ob­je­ti­vo, com uma or­ga­ni­za­ção de ti­me. Te­nho a con­fi­an­ça de mui­tos jo­ga­do­res do pro­fis­si­o­nal, res­pei­to e con­fi­an­ça dos me­ni­nos que vão su­bir. Acre­di­to mui­to em fa­zer um bom tra­ba­lho, mes­mo sa­ben­do que se­rá mo­men­tâ­neo, até a vol­ta do Fonseca. Vai ser um gran­de apren­di­za­do e vou pro­cu­rar cres­cer. Es­tou co­me­çan­do na pro­fis­são, te­nho a mi­nha per­so­na­li­da­de, o meu jei­to de ser. Me es­pe­lho em al­guns trei­na­do­res, em al­gu­mas si­tu­a­ções de jo­go, em ti­mes bem or­ga­ni­za­dos den­tro de cam­po. E es­ta mi­nha ideia do que eu gos­to eu con­se­gui apli­car na ca­te­go­ria de ba­se. Den­tro da mi­nha fi­lo­so­fia, da­qui­lo que eu acho que é um fu­te­bol vencedor, com equi­lí­brio en­tre ata­que e de­fe­sa. Eu con­se­gui apli­car nes­tes dois anos, os re­sul­ta­dos fo­ram mui­to bons e a gen­te tem a es­pe­ran­ça de que as coi­sas pos­sam dar cer­to tra­ba­lhan­do des­ta for­ma.

Qual se­rá a ca­ra do seu ti­me?

Eu gos­to mui­to que o meu jo­ga­dor jo­gue na fren­te, que bus­que e tra­ba­lhe na di­re­ção do gol. Com mui­ta or­ga­ni­za­ção e prin­ci­pal­men­te uma dis­tri­bui­ção tá­ti­ca or­ga­ni­za­da pa­ra que vo­cê crie si­tu­a­ções de gol e ao mes­mo tem­po não cor­ra ris­co de con­tra­a­ta­que, fi­car ex­pos­to. Uma equi­pe que gos­te de che­gar ao gol e fi­na­li­zar. É is­so que o fu­te­bol pe­de e o tor­ce­dor vai ao cam­po pa­ra ver gols e vi­tó­ri­as. Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca é de ser uma equi­pe in­ten­sa. Jo­ga­dor de fu­te­bol, ho­je, se ele não ti­ver in­ten­si­da­de ele não con­se­gue jo­gar. Jo­ga­dor que tro­ta den­tro do cam­po não ser­ve pa­ra jo­gar bo­la. Um jo­ga­dor cor­re ho­je dez, 11, 12 quilô­me­tros em um jo­go. En­tão, a in­ten­si­da­de den­tro do jo­go tem que ser mui­to al­ta e vo­cê con­se­gue is­so no dia a dia no tra­ba­lho.

Nos úl­ti­mos anos, sur­giu uma ge­ra­ção de no­vos trei­na­do­res no fu­te­bol bra­si­lei­ro, po­rém, nes­ta tem­po­ra­da di­ver­sos clu­bes vol­ta­ram a re­cor­rer a “me­da­lhões” co­mo Luiz Fe­li­pe Sco­la­ri, Cu­ca, Do­ri­val Jú­ni­or. A pa­ci­ên­cia no fu­te­bol é me­nor com os trei­na­do­res jo­vens?

Quan­do o Bra­sil per­deu pa­ra a Ale­ma­nha por 7 a 1, ne­nhum trei­na­dor bra­si­lei­ro pres­ta­va mais. Os trei­na­do­res ve­lhos não es­tu­da­vam e era sem­pre uma mes­mi­ce. Nes­tes qua­tros anos, en­tão, se abri­ram mui­tas por­tas pa­ra os no­vos trei­na­do­res. Os no­vos pas­sa­ram a ser os bons e os ve­lhos já não ser­vi­am mais. Eu sem­pre ti­ve uma lei­tu­ra de que não é as­sim. Exis­tem trei­na­do­res no­vos bons, mas tem ruim tam­bém. E vo­cê tem trei­na­dor mais ve­lho, que re­al­men­te já es­tá um pou­co ul­tra­pas­sa­do, per­deu a mo­ti­va­ção de se tra­ba­lhar, mas tam­bém tem téc­ni­cos bons. E es­te ano foi uma pro­va dis­so. O San­tos bus­cou um trei­na­dor mais ve­lho (Cu­ca), o Fla­men­go com o Do­ri­val Jú­ni­or, ex­tre­ma­men­te ro­da­do. Aí vo­cê pe­ga o In­ter­na­ci­o­nal com um trei­na­dor no­vo e ex­tre­ma­men­te com­pe­ten­te (Odair Hell­mann), o exem­plo mai­or é o do Tiago (Nu­nes), do Atlé­ti­co Pa­ra­na­en­se. Jo­guei con­tra ele no ano pas­sa­do na Are­na pe­lo sub-20. Eles ga­nha­ram por 2 a 0 no se­gun­do tem­po com du­as me­xi­das de­le mui­to bo­as, nos­sos jo­ga­do­res de­mo­ra­ram um pou­qui­nho pa­ra sin­to­ni­zar no jo­go e to­ma­mos dois gols em 15 mi­nu­tos. Ele tem um sim­pli­ci­da­de de jo­go mui­to gran­de, ob­je­ti­vi­da­de, mas aci­ma de tu­do uma in­ten­si­da­de equi­li­bra­da. Ele ti­rou um ti­me que fi­ca­va to­can­do a bo­la den­tro da sua área e pas­sou, qua­se com os mes­mos jo­ga­do­res, a to­car a bo­la no cam­po ad­ver­sá­rio, cri­an­do mui­tas opor­tu­ni­da­des de gols.

O tra­ba­lho de qual trei­na­dor o ins­pi­ra?

Eu gos­to mui­to do Do­ri­val Jú­ni­or, até por­que eu jo­guei com ele. Ele se tor­nou um gran­de trei­na­dor de uma for­ma sim­ples, hu­mil­de e com óti­mos re­sul­ta­dos. O Fe­li­pão é ou­tro exem­plo de um bai­ta trei­na­dor. Eu me es­pe­lho mui­to no espírito de equi­pe do Fe­li­pão. To­das as equi­pes de­le têm o fa­tor da união, da har­mo­nia, que é mui­to boa. Ele con­se­gue agre­gar to­do mun­do. E mais re­cen­te­men­te dos trei­na­do­res do In­ter­na­ci­o­nal e do Atlé­ti­co Pa­ra­na­en­se. São bons trei­na­do­res, com fa­las pon­tu­ais, cla­ras e sem­pre com mui­ta ob­je­ti­vi­da­de.

O Lon­dri­na te­rá um ti­me mais jo­vem no Pa­ra­na­en­se. Se­rá uma equi­pe ape­nas pa­ra se man­ter na eli­te ou o ti­me po­de­rá bri­gar en­tre os pri­mei­ros?

Não po­de­mos ter um ti­me pa­ra ser meia-bo­ca. A ci­da­de não ad­mi­te is­so e nem a ca­mi­sa do Lon­dri­na. Te­mos que en­trar pa­ra ga­nhar os jo­gos e va­mos fa­zer is­so com a mes­cla de jo­ga­do­res. Quem es­ta­rá mais à fren­te se­rão os jo­ga­do­res que es­tão aí há bas­tan­te tem­po es­pe­ran­do uma oportunidade. Nós va­mos bri­gar, sim, pa­ra che­gar en­tre os pri­mei­ros do cam­pe­o­na­to. Até por­que vai ser­vir de pre­pa­ra­ção pa­ra a Sé­rie B. Nós não po­de­mos não fa­zer na­da e re­pe­tir aqui­lo que acon­te­ceu es­te ano e ter que mon­tar um no­vo ti­me no Bra­si­lei­ro. A in­ten­ção nos­sa é que es­tes jo­ga­do­res se­jam bem tra­ba­lha­dos, até por­que a fi­lo­so­fia de tra­ba­lho mi­nha e do Ro­ber­to Fonseca é mui­to pa­re­ci­da. Que­re­mos que os jo­ga­do­res se adap­tem ao meu es­ti­lo de jo­go, pa­ra que quan­do o Fonseca che­gar pa­ra o Bra­si­lei­ro es­tes jo­ga­do­res já es­te­jam adap­ta­dos ao sis­te­ma de jo­go.

Ha­ve­rá tro­ca de in­for­ma­ções en­tre vo­cê e o Ro­ber­to Fonseca du­ran­te os es­ta­du­ais?

De re­pen­te uma tro­ca de in­for­ma­ção, um ba­te-pa­po a gen­te po­de ter. Mas o meu tra­ba­lho vai ser o meu tra­ba­lho. Quem vai tra­ba­lhar à fren­te do ti­me, quem vai de­ci­dir quem vai jo­gar ou não se­rei eu. E o Fonseca vai cui­dar do ti­me de­le, pois tam­bém não se­rá fá­cil no Pau­lis­ta. Acre­di­to que es­ta pro­xi­mi­da­de na ma­nei­ra de tra­ba­lhar aju­dou a di­re­to­ria a de­ci­dir por es­ta for­ma de tra­ba­lho no iní­cio do ano.

O Lon­dri­na te­ve a ex­pe­ri­ên­cia de ter Claudio Ten­ca­ti co­mo téc­ni­co por qua­se se­te anos. Pe­la sua iden­ti­fi­ca­ção com o clu­be, pas­sa pe­la sua ca­be­ça cons­truir uma tra­je­tó­ria lon­ga no clu­be?

Pas­sa. O mo­men­to ago­ra é do Fonseca. Ele que es­tá na vez e po­de fa­zer um bom tra­ba­lho e fi­car por mui­to tem­po. Eu pre­ci­so me pre­pa­rar tam­bém pa­ra is­so. Ho­je eu es­tou en­tran­do co­mo trei­na­dor do pro­fis­si­o­nal, pe­los anos de vi­da que eu ti­ve co­mo jo­ga­dor, pe­lo tra­ba­lho na ba­se. Mas eu tam­bém pre­ci­so me aper­fei­ço­ar em al­gu­mas si­tu­a­ções que são até obri­ga­tó­ri­as, co­mo os cur­sos da CBF. Es­tes dois anos à fren­te do Lon­dri­na, um clu­be es­tru­tu­ra­do, com um bom ní­vel de tra­ba­lho, com pro­fis­si­o­nais de qua­li­da­de e bons jo­ga­do­res me de­ram a cer­te­za de que eu re­al­men­te qu­e­ro ba­ta­lhar por is­so. Vou me pre­pa­rar e fa­zer tu­do que for ne­ces­sá­rio pa­ra que eu con­si­ga ser um trei­na­dor de ti­mes bons. E se for no Lon­dri­na, se­ria fan­tás­ti­co, já que a mi­nha fa­mí­lia é da­qui, a mi­nha es­po­sa, os meus fi­lhos. Se­ria mui­to bom e me sin­to mui­to hon­ra­do, já que não é uma si­tu­a­ção co­mum vo­cê ser jo­ga­dor de um clu­be, pas­sar pe­la ba­se co­mo atle­ta e trei­na­dor e che­gar ao pro­fis­si­o­nal.

Quem vai de­ci­dir quem vai jo­gar ou não se­rei eu. O Fonseca vai cui­dar do ti­me de­le”

Ri­car­do Chi­ca­rel­li

Trei­na­dor pa­ra o Pa­ra­na­en­se diz res­pei­tar “mo­men­to” de Fonseca, mas so­nha com tra­je­tó­ria lon­ga no clu­be

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.