Bru­xa­ria: obra da li­te­ra­tu­ra

Folha de Londrina - - Folha 2 - [email protected]

Cla­ri­ce Lis­pec­tor nas­ceu em 10 de de­zem­bro de 1920 e fa­le­ceu um dia an­tes da da­ta do seu ani­ver­sá­rio, em 9 de de­zem­bro de 1977. A coin­ci­dên­cia das da­tas dá à bi­o­gra­fia de Cla­ri­ce mais uma nu­an­ce do enig­ma que per­meia sua li­te­ra­tu­ra. As­so­ci­a­da à ma­gia, a au­to­ra che­gou a ser con­vi­da­da pa­ra um con­gres­so de bru­xa­ria em Bo­go­tá, em 1975, por­que vi­am em sua obra uma con­fi­gu­ra­ção mís­ti­ca. No con­gres­so ela não fa­lou de ma­gia, mas de li­te­ra­tu­ra, cor­ro­bo­ran­do a ideia de Ot­to La­ra Rezende que acer­ca de sua obra de­cla­rou: “Não se tra­ta de li­te­ra­tu­ra, mas de bru­xa­ria.”

A au­to­ra ins­pi­ra­va es­se con­cei­to por­que seus li­vros le­vam o lei­tor a ou­tros pla­nos de lin­gua­gem, fo­gem ao sen­so co­mum, ex­tra­po­lam pa­drões e de­sá­guam num ter­re­no poé­ti­co que dá mar­gens aos “mis­té­ri­os de Cla­ri­ce.”

O li­vro pós­tu­mo “Um So­pro de Vi­da - Pul­sa­ções”, lan­ça­do em 1978, um ano de­pois de sua mor­te, tem um nar­ra­dor que anun­cia em su­as pri­mei­ras pá­gi­nas: “Es­cre­vo co­mo se fos­se pa­ra sal­var a vi­da de al­guém. Pro­va­vel­men­te mi­nha pró­pria vi­da. Vi­ver é uma es­pé­cie de lou­cu­ra que a mor­te faz. Vi­vam os mor­tos por­que ne­les vi­ve­mos.”

Ao es­cre­ver nes­te li­mi­ar en­tre a vi­da e a mor­te, de­mons­tran­do a in­ten­si­da­de de uma ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al, a au­to­ra ado­ta a li­te­ra­tu­ra co­mo um va­ti­cí­nio:”Mi­nha vi­da me qu­er es­cri­tor e en­tão es­cre­vo. Não é por es­co­lha: é ín­ti­ma voz de co­man­do.”

“Um So­pro de Vi­da - Pul­sa­ções” co­me­çou a ser es­cri­to em 1974. Quan­do Cla­ri­ce mor­reu, era um amon­to­a­do de frag­men­tos sol­tos que fo­ram or­ga­ni­za­dos por Ol­ga Bo­rel­li, se­cre­tá­ria e ami­ga da au­to­ra. No li­vro, a per­so­na­gem Ân­ge­la Pran­di­ni prevê: “Es­te ao que su­po­nho se­rá um li­vro apa­ren­te­men­te fei­to por des­tro­ços de li­vro.”

Coin­ci­dên­ci­as, pre­vi­sões, mis­té­ri­os. Ilu­mi­na­ções de uma au­to­ra que, à ma­nei­ra de Wil­li­am Bla­ke, pa­re­cia abrir por­tas pa­ra ou­tras di­men­sões. Ilu­mi­na­ções que mar­cam sua obra na con­di­ção das epi­fa­ni­as de su­as per­so­na­gens, no in­sight de ver o mis­té­rio se abrir e a cla­re­za das coi­sas sur­gir co­mo um raio que en­fim faz de­sa­bro­char o ocul­to atra­vés da pa­la­vra.

“Um So­pro de Vi­da” con­ta com um per­so­na­gem cha­ma­do Au­tor que cria a per­so­na­gem Ân­ge­la Pran­di­ni, as­sim o li­vro se al­ter­na co­mo dois diá­ri­os. Num de­ter­mi­na­do mo­men­to, o Au­tor che­ga à con­clu­são de que pre­ci­sa “cri­ar as pró­pri­as re­a­li­da­des.” O que pa­re­ce a me­di­da da com­pre­en­são de Cla­ri­ce Lis­pec­tor so­bre a cri­a­ção li­te­rá­ria: uma cri­a­ção de mun­dos, co­mo uma deu­sa hin­du que na­ve­ga por di­men­sões va­ri­a­das, ao con­trá­rio da com­pre­en­são de uma re­a­li­da­de li­ne­ar, tan­gí­vel e co­mum a to­dos. A cri­a­ção co­mo ato ex­plo­ra­tó­rio, o au­tor co­mo um vi­a­jan­te que li­ga os mun­dos, co­nec­tan­do-se a ou­tras re­a­li­da­des. A au­to­ra de múl­ti­plas nar­ra­ti­vas abre no­vos sen­ti­dos. Li­te­ra­tu­ra com o mis­té­rio que dei­xa ao lei­tor a sen­sa­ção de um li­vro ina­ca­ba­do co­mo “Um So­pro de Vi­da”, no qual a per­so­na­gem so­bre­põe-se ao Au­tor sub­ju­gan­do-o. Por­que o ‘so­pro de vi­da’ tem au­to­no­mia e seu des­ti­no é in­con­tro­lá­vel no mun­do re­al e na li­te­ra­tu­ra.

A úl­ti­ma en­tre­vis­ta de Cla­ri­ce foi da­da ao re­pór­ter Jú­lio Ler­ner, da TV Cul­tu­ra, em 1977. Ela pe­diu que a en­tre­vis­ta só fos­se ao ar de­pois de sua mor­te, o que acon­te­ceu dez me­ses de­pois. Na en­tre­vis­ta há res­pos­tas e pau­sas, pro­lon­ga­men­tos e sín­te­ses. Lem­bra a res­pi­ra­ção de al­guém se des­pe­din­do. E es­ta­va mes­mo, pre­ven­do ou anun­ci­an­do a mor­te pró­xi­ma usan­do pa­la­vras ou ape­nas o si­lên­cio. Por­que ne­la o fim era si­lên­cio. Mais um mis­té­rio de Cla­ri­ce que fez da pa­la­vra vi­da, a pon­to de di­zer “quan­do não es­cre­vo es­tou mor­ta”. E que gran­de vi­ta­li­da­de há nes­ta fra­se di­ta por uma au­to­ra que tu­do sa­bia da es­cri­ta que pa­ra ela era um so­pro, des­ses que se per­pe­tu­am co­mo bru­xa­ria: obra da li­te­ra­tu­ra.

Marco Ja­cob­sen

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.