Cres­cem mor­tes por cho­ques elé­tri­cos en­tre pe­drei­ros e pin­to­res

Nú­me­ro de aci­den­tes en­tre es­ses pro­fis­si­o­nais au­men­tou 175% nos úl­ti­mos qua­tro anos, se­gun­do a Abra­co­pel; gam­bi­ar­ras em obras re­pre­sen­tam pe­ri­go

Folha de Londrina - - Classificados / Imobiliária E Serviços - Re­por­ta­gem Lo­cal

Aci­den­tes cau­sa­dos por cho­ques elé­tri­cos re­gis­tra­dos en­tre pe­drei­ros, pin­to­res e seus aju­dan­tes ti­ve­ram um au­men­to ele­va­do nos úl­ti­mos qua­tro anos, se­gun­do re­la­tó­rio da Abra­co­pel (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Cons­ci­en­ti­za­ção pa­ra os pe­ri­gos da Ele­tri­ci­da­de). A al­ta no ín­di­ce de mor­tes en­tre es­tes pro­fis­si­o­nais no pe­río­do de 2014 a 2017 foi de qua­se 175% . Em 2014 fo­ram re­gis­tra­das 31 ocor­rên­ci­as con­tra 85 em 2017.

A pes­qui­sa in­di­ca que os aci­den­tes en­vol­ven­do pin­to­res acon­te­cem mui­tas ve­zes ao en­cos­tar ma­te­ri­ais me­tá­li­cos co­mo bar­ras de fer­ro ou ex­ten­so­res dos ro­los nas redes de ener­gia elé­tri­ca. Já en­tre os pe­drei­ros a fal­ta de cui­da­do ao li­gar equi­pa­men­tos elé­tri­cos co­mo be­to­nei­ras e fu­ra­dei­ras é a prin­ci­pal cau­sa das mor­tes.

O En­ge­nhei­ro Ele­tri­cis­ta Fá­bio Ama­ral, di­re­tor da En­ge­rey Pai­néis Elé­tri­cos, ex­pli­ca que é co­mum em cons­tru­ções en­con­trar “gam­bi­ar­ras”, que são li­ga­ções elé­tri­cas mal re­a­li­za­das com fi­os dis­per­sos pe­lo chão, si­tu­a­ção que au­men­ta a chan­ce de cho­ques elé­tri­cos.

Pa­ra ele, cui­da­dos sim­ples po­de­ri­am ter evi­ta­do es­tes in­ci­den­tes, co­mo o uso de equi­pa­men­tos de pro­te­ção e até mes­mo o de qua­dros de to­ma­das, in­di­ca­dos pe­la nor­ma de se­gu­ran­ça NR-10. “O uso de um qua­dro de to­ma­das evi­ta que os fi­os fi­quem sol­tos no meio do can­tei­ro de obras e ne­le há tam­bém dis­po­si­ti­vos de pro­te­ção à vi­da co­mo o DR, que identifi­ca quan­do ocor­re um cho­que, des­li­gan­do au­to­ma­ti­ca­men­te a cor­ren­te elé­tri­ca e as­sim sal­van­do vi­das.”

Pensando em am­pli­ar o aces­so à tec­no­lo­gia, o en­ge­nhei­ro cri­ou uma op­ção por­tá­til

Ele­tri­cis­tas têm mais aces­so a in­for­ma­ções e com­pre­en­dem me­lhor os ris­cos que o seu tra­ba­lho ofe­re­ce, op­tan­do por mais se­gu­ran­ça e pro­te­ção”

de um qua­dro de to­ma­das que po­de ser le­va­do pa­ra to­dos os lu­ga­res. “In­clu­si­ve o qua­dro re­ce­beu o slo­gan Che­ga de Gam­bi­ar­ra, jus­ta­men­te pa­ra cha­mar a aten­ção dos tra­ba­lha­do­res em re­la­ção aos cui­da­dos que de­vem ter e a im­por­tân­cia de uti­li­zar o pro­du­to”, con­ta Ama­ral.

O es­pe­ci­a­lis­ta res­sal­ta que o ce­ná­rio atu­al de aci­den­tes no Bra­sil mos­tra o quanto a po­pu­la­ção ain­da des­co­nhe­ce os pe­ri­gos da ele­tri­ci­da­de e que a cons­ci­en­ti­za­ção é um dos me­lho­res ca­mi­nhos. Pro­va dis­so é que o nú­me­ro de mor­tes por cho­que elé­tri­co de pin­to­res, pe­drei­ros e aju­dan­tes su­pe­ra o de ele­tri­cis­tas em 125% no pe­río­do ana­li­sa­do. En­tre es­tes úl­ti­mos pro­fis­si­o­nais os da­dos re­ve­lam uma que­da gra­da­ti­va en­tre os anos de 2014 e 2017 de mais de 50% nos aci­den­tes fa­tais, pas­san­do de 20 a 9 mor­tes, res­pec­ti­va­men­te.

“Is­so é um si­nal que os ele­tri­cis­tas têm mais aces­so a in­for­ma­ções e com­pre­en­dem me­lhor os ris­cos que o seu tra­ba­lho ofe­re­ce, op­tan­do por mais se­gu­ran­ça e pro­te­ção”, con­clui o en­ge­nhei­ro.

Shut­ters­tock

Pa­ra es­pe­ci­a­lis­ta, cui­da­dos sim­ples em obras po­dem evi­tar in­ci­den­tes, co­mo o uso de equi­pa­men­tos de pro­te­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.