No­va lei cas­sa CNH de con­tra­ban­dis­tas

Pu­ni­ção proi­bi­rá o mo­to­ris­ta de di­ri­gir por cin­co anos; regras já es­tão em vi­gor

Folha de Londrina - - Primeira Página - Pe­dro Mo­ra­es Re­por­ta­gem Lo­cal

Ocom­ba­te ao con­tra­ban­do tem uma no­va fer­ra­men­ta. A Lei 13.804/19, san­ci­o­na­da na quin­ta-fei­ra (10) pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, pre­vê a cas­sa­ção da CNH (Car­tei­ra Na­ci­o­nal de Ha­bi­li­ta­ção) aos mo­to­ris­tas que uti­li­za­rem veí­cu­los pa­ra co­me­ter cri­mes de re­cep­ta­ção, con­tra­ban­do e des­ca­mi­nho. O tex­to al­te­ra o Có­di­go Bra­si­lei­ro de Trân­si­to com o in­tui­to de dis­ci­pli­nar os con­du­to­res, que de­pois de con­de­na­dos, com a sen­ten­ça tran­si­ta­da em jul­ga­do, só po­de­rão vol­tar a di­ri­gir de­pois de cin­co anos. A re­gra já es­tá em vi­gor. O tex­to foi apro­va­do na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos no úl­ti­mo dia 13 de de­zem­bro. “Além dos pre­juí­zos que acar­re­ta à economia bra­si­lei­ra, o con­tra­ban­do ali­men­ta o cri­me or­ga­ni­za­do, au­men­tan­do a ca­da dia os ín­di­ces de violência que afli­gem a po­pu­la­ção”, des­ta­cou o de­pu­ta­do Efraim Fi­lho (DEM-PB), au­tor da lei e pre­si­den­te da Fren­te Par­la­men­tar de Com­ba­te ao Con­tra­ban­do. De acor­do com o par­la­men­tar, es­ti­ma­ti­vas apon­tam pre­juí­zos anu­ais de R$ 100 bi­lhões com o con­tra­ban­do no País. Es­se va­lor en­vol­ve tan­to im­pos­tos não pa­gos qu­an­to as per­das de­cor­ren­tes do im­pac­to no mer­ca­do de tra­ba­lho e em to­da a cadeia pro­du­ti­va.

A lei foi re­ce­bi­da com co­me­mo­ra­ção pe­lo Idesf (Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al de Fron­tei­ras), ins­ti­tui­ção sem fins lu­cra­ti­vos que pro­mo­ve a in­te­gra­ção en­tre as re­giões de fronteira e tem se­de em Foz do Igua­çu. Pa­ra a ci­da­de no Oes­te do Es­ta­do, a po­lí­ti­ca de com­ba­te ao con­tra­ban­do tem enor­me im­por­tân­cia por sua lo­ca­li­za­ção ge­o­grá­fi­ca, na fronteira com o Pa­ra­guai e a Ar­gen­ti­na. “Um dos pi­la­res do con­tra­ban­do é a lo­gís­ti­ca. En­tão a lei é im­por­tan­te por­que ata­ca par­te da es­tru­tu­ra, mas ain­da há mui­to que pre­ci­sa ser dis­cu­ti­do”, afir­ma o eco­no­mis­ta Lu­ci­a­no Bar­ros, pre­si­den­te do Idesf. Ele apon­ta que o País tem um de­fi­cit de 300 mil po­li­ci­ais, o que ga­ran­te uma es­ta­tís­ti­ca na­da fa­vo­rá­vel à lu­ta con­tra o cri­me. “Os es­tu­dos apon­tam que o ide­al é ter um po­li­ci­al pa­ra ca­da 250 ha­bi­tan­tes. Atu­al­men­te, com nos­sa po­pu­la­ção, a es­ta­tís­ti­ca fi­ca um pa­ra 400”, aler­tou Bar­ros.

Ape­sar da ne­ces­si­da­de de me­di­das efe­ti­vas de com­ba­te ao con­tra­ban­do, a no­va lei é re­ce­bi­da com pre­o­cu­pa­ção. Pa­ra o ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta Jo­sé Car­los Man­ci­ni, di­re­tor da OAB (Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil) em Lon­dri­na, pu­ni­ções co­mo a de­ter­mi­na­da pe­la Lei 13.804/19 ten­dem a atin­gir o la­do mais fra­co das or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas. “Acre­di­to que es­se ti­po de pe­na­li­da­de pre­ci­sa pas­sar por uma sé­rie de es­tu­dos téc­ni­cos e ju­rí­di­cos so­bre qual im­pac­to po­dem cau­sar. O que ve­mos na prá­ti­ca é que mui­tas ve­zes há pes­so­as con­tra­ta­das co­mo mo­to­ris­tas de trans­por­ta­do­ras que não têm re­la­ção com a car­ga. Es­sa é uma ques­tão de­li­ca­da”, afir­mou Man­ci­ni.

As fron­tei­ras são res­pon­sa­bi­li­da­de da PF (Po­lí­cia Fe­de­ral) e PRF (Po­lí­cia Rodoviária Fe­de­ral) e fis­ca­li­za­das por agen­tes da Re­cei­ta Fe­de­ral. No mês pas­sa­do, a De­le­ga­cia da Re­cei­ta Fe­de­ral em Lon­dri­na lo­ca­li­zou uma van com pla­cas idên­ti­cas às de ou­tro veí­cu­lo já apreendido. De­pois de uma per­se­gui­ção, o car­ro foi pa­ra­do e vis­to­ri­a­do. Os agen­tes en­con­tra­ram 110.100 ma­ços de ci­gar­ros de pro­ce­dên­cia es­tran­gei­ra, sem com­pro­va­ção de im­por­ta­ção re­gu­lar, com va­lor es­ti­ma­do de R$ 550.500,00. No Pa­ra­ná, a PM (Po­lí­cia Mi­li­tar) tam­bém atua nas re­giões com três ba­ses do BPF­ron (Ba­ta­lhão de Fronteira), com se­de na ci­da­de de Ma­re­chal Cân­di­do Ron­don. O po­li­ci­a­men­to es­ta­du­al abran­ge um raio de 150 quilô­me­tros, em 139 mu­ni­cí­pi­os. São 208 quilô­me­tros de di­vi­sa Pa­ra­guai e ou­tros 239 com a Ar­gen­ti­na. Pro­cu­ra­da, a Po­lí­cia Mi­li­tar não co­men­tou a no­va lei.

Só no ano de 2017, a PRF apre­en­deu mais de 33 mi­lhões de ma­ços de ci­gar­ros con­tra­ban­de­a­dos em to­do o País. No en­tan­to, vá­ri­os pro­du­tos são al­vo de in­te­res­se das qua­dri­lhas, co­mo pneus, pro­du­tos ele­trô­ni­cos e brin­que­dos. A po­lí­ti­ca tri­bu­tá­ria di­fe­ren­ci­a­da nos paí­ses vi­zi­nhos é um dos atra­ti­vos pa­ra os con­tra­ban­dis­tas. En­quan­to os im­pos­tos no Bra­sil al­can­çam 80% pa­ra o ci­gar­ro - os al­tos ín­di­ces fa­zem par­te da po­lí­ti­ca an­ti­ta­ba­gis­ta, no Pa­ra­guai as ta­xas são de 16%. Pa­ra ele­trô­ni­cos, a di­fe­ren­ça é ain­da mai­or, che­ga 46% aqui con­tra 9% pa­ra ven­das de co­mer­ci­an­tes pa­ra­guai­os. “Tam­bém pre­ci­sa­mos com­pre­en­der que a fis­ca­li­za­ção no Bra­sil é mui­to mais rí­gi­da. A for­ma co­mo são fei­tas as de­cla­ra­ções dos pro­du­tos chi­ne­ses que che­gam ao Pa­ra­guai po­de ser qu­es­ti­o­na­da. En­tão, ape­sar dos pro­ble­mas, avan­ça­mos mui­to nos úl­ti­mos 20 anos”, con­cluiu Lu­ci­a­no Bar­ros.

Di­vul­ga­ção/PRF

Só no ano de 2017, a PRF apre­en­deu mais de 33 mi­lhões de ma­ços de ci­gar­ros con­tra­ban­de­a­dos em to­do o País

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.