De­pu­ta­dos di­ver­gem so­bre iní­cio das du­as ges­tões

Ali­a­dos re­for­çam me­di­das econô­mi­cas e en­xu­ga­men­to da má­qui­na; opo­si­ção diz te­mer cor­tes em po­lí­ti­cas pú­bli­cas e pro­je­tos con­si­de­ra­dos es­sen­ci­ais

Folha de Londrina - - Política - Ma­ri­a­na Fran­co Ra­mos Re­por­ta­gem Lo­cal Cu­ri­ti­ba

- Co­mo já era es­pe­ra­do, de­pu­ta­dos de par­ti­dos da ba­se e da opo­si­ção aos go­ver­nos Jair Bol­so­na­ro (PSL) e Ra­ti­nho Ju­ni­or (PSD) têm per­cep­ções di­fe­ren­tes so­bre es­se iní­cio dos man­da­tos. En­quan­to os ali­a­dos re­for­çam as me­di­das econô­mi­cas e de “en­xu­ga­men­to” to­ma­das, os de­mais di­zem te­mer cor­tes em po­lí­ti­cas pú­bli­cas e pro­je­tos es­sen­ci­ais.

Tan­to Bol­so­na­ro qu­an­to Ra­ti­nho ob­ti­ve­ram apoio ma­ci­ço de li­de­ran­ças de di­ver­sas re­giões do Pa­ra­ná e, con­se­quen­te­men­te, dos elei­to­res, o que tam­bém au­men­ta a ex­pec­ta­ti­va em tor­no dos de­sem­pe­nhos das ges­tões. O pre­si­den­te re­ce­beu 68,4% dos vo­tos vá­li­dos no Es­ta­do. Já o go­ver­na­dor fi­cou com 60%, sen­do elei­to ain­da no pri­mei­ro tur­no.

“A gen­te tem uma ex­pec­ta­ti­va gran­de com o go­ver­no Bol­so­na­ro e com o Ra­ti­nho, por­que a po­pu­la­ção re­al­men­te fez uma apos­ta pa­ra mudar, e mudar ra­di­cal­men­te”, re­su­miu Ter­cí­lio Tu­ri­ni (PPS). Mem­bro da bancada in­de­pen­den­te na AL (As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va) du­ran­te os go­ver­nos Be­to Ri­cha (PSDB) e Ci­da Borghet­ti (PP), ele mi­gra­rá nes­te ano pa­ra a ala go­ver­nis­ta.

Se­gun­do Tu­ri­ni, ain­da não é pos­sí­vel fa­zer uma aná­li­se de­ta­lha­da da ad­mi­nis­tra­ção es­ta­du­al, uma vez que o no­vo Exe­cu­ti­vo es­tá na fa­se do di­ag­nós­ti­co. “Mui­tos con­vê­ni­os e con­tra­tos fo­ram as­si­na­dos pra­ti­ca­men­te no apagar das lu­zes. O go­ver­no es­tá cor­re­to em ava­li­ar. Tem que fa­zer es­se pen­te fi­no pa­ra sa­ber on­de es­tá pi­san­do e pla­ne­jar os pró­xi­mos pas­sos”.

Além de can­ce­lar con­vê­ni­os dos úl­ti­mos dois me­ses de ad­mi­nis­tra­ção da pe­pis­ta, Ra­ti­nho con­tin­gen­ci­ou 20% do orçamento. “Acre­di­to que em pou­co tem­po, to­man­do pé da si­tu­a­ção, ele vai li­be­rar. Aí a gen­te pre­ci­sa fi­car aten­to, por­que tem se­to­res que são sen­sí­veis, ati­vi­da­des es­sen­ci­ais, co­mo na saú­de e na edu­ca­ção. Aqui na nos­sa re­gião , as uni­ver­si­da­des fo­ram as mais atin­gi­das. Pre­ci­sa ter agi­li­da­de nes­se di­ag­nós­ti­co pa­ra aten­der to­das as de­man­das”, pon­tu­ou.

“No resto, o go­ver­no es­tá em for­ma­ção ain­da. No­me­ou o pri­mei­ro es­ca­lão, nem todos os di­re­to­res de car­gos im­por­tan­tes... Em fe­ve­rei­ro a gen­te vai sa­ber a ver­da­dei­ra ca­ra. A gen­te que aju­dou a ele­ger tor­ce pa­ra que ele acer­te”, com­ple­tou. So­bre a re­du­ção no nú­me­ro de se­cre­ta­ri­as, de 28 pa­ra 15, o po­lí­ti­co do PPS des­ta­cou que era pro­mes­sa de cam­pa­nha. “Ele se ele­geu com es­se discurso e lo­gi­ca­men­te es­tá fa­zen­do. É uma me­di­da po­si­ti­va lo­go no iní­cio. Im­por­tan­te que ve­nha acom­pa­nha­da do en­xu­ga­men­to de car­gos co­mis­si­o­na­dos”, de­fen­deu.

RESSALVAS

Re­e­lei­to “pa­ra se­guir na opo­si­ção”, o de­pu­ta­do es­ta­du­al Re­quião Fi­lho (MDB) faz ressalvas qu­an­to à anun­ci­a­da di­mi­nui­ção na má­qui­na. “Qual foi a re­du­ção ver­da­dei­ra no nú­me­ro de car­gos e de gastos? Vo­cê re­ti­ra um se­cre­tá­rio, mas a se­cre­ta­ria ain­da exis­te. Os co­mis­si­o­na­dos exis­tem. Pre­ci­sa­mos sa­ber se houve re­al­men­te re­du­ção or­ça­men­tá­ria e o im­pac­to. Is­so não foi apre­sen­ta­do”.

O eme­de­bis­ta tam­bém é con­trá­rio ao Pro­gra­ma de Par­ce­ri­as do Pa­ra­ná, que fa­ci­li­ta a im­ple­men­ta­ção das PPPs (par­ce­ri­as pú­bli­co-pri­va­das) e é o car­ro­che­fe da ad­mi­nis­tra­ção Ra­ti­nho. “É có­pia de uma ideia que deu er­ra­do em to­do o Bra­sil. Os gran­des es­cân­da­los de cor­rup­ção são com PPPs que fo­gem ao con­tro­le do Es­ta­do. Não exis­te fis­ca­li­za­ção. O Es­ta­do en­tra com to­do o di­nhei­ro e to­do o ris­co. Se dá cer­to, a empresa fi­ca com o lu­cro. Se dá er­ra­do, o Es­ta­do fi­ca com o pre­juí­zo. Acho ab­sur­do e ain­da ve­re­mos ‘La­va-ja­tos’ e si­mi­la­res num fu­tu­ro pró­xi­mo no Pa­ra­ná”.

Re­quião Fi­lho afir­mou que vê com pre­o­cu­pa­ção o blo­queio de ver­bas, so­bre­tu­do nas uni­ver­si­da­des es­ta­du­ais e hos­pi­tais. “De­mons­tra as áre­as que ele acha me­nos im­por­tan­tes. Os cor­tes são sem­pre em ci­ma de quem mais pre­ci­sa (?) Eu es­pe­ro que os no­vos de­pu­ta­dos que se ele­ge­ram di­zen­do ter com­pro­mis­so com a trans­pa­rên­cia, com a von­ta­de pú­bli­ca, re­al­men­te man­te­nham es­se discurso na prá­ti­ca e a gen­te te­nha uma As­sem­bleia mais crí­ti­ca, on­de o de­ba­te se fa­ça ne­ces­sá­rio; bem di­fe­ren­te do que ti­ve­mos nos úl­ti­mos qua­tro anos”.

GO­VER­NO FE­DE­RAL

Em re­la­ção ao go­ver­no fe­de­ral, o par­la­men­tar do MDB co­men­tou que fal­ta pla­ne­ja­men­to. “Sol­tam uma no­tí­cia pa­ra um jor­nal, pa­ra ver qual a re­a­ção do pú­bli­co, e des­men­tem se ela de­sa­gra­da. Es­tão fa­zen­do uma con­fu­são. Os mi­nis­tros se­quer con­ver­sam a mes­ma lín­gua. As de­mis­sões e con­tra­ta­ções são su­má­ri­as. Pa­re­ce que re­al­men­te era uma cam­pa­nha de brin­ca­dei­ra e de re­pen­te deu cer­to. Ago­ra não sa­bem o que fa­zer. É co­mo um ca­sal que vai a Las Ve­gas, to­ma um por­re e de­ci­de ca­sar, mas não pen­sou na vi­da con­ju­gal”.

De acor­do com Ter­cí­lio Tu­ri­ni, o go­ver­no Bol­so­na­ro es­tá “den­tro da ló­gi­ca que se propôs”. “No­me­ou uma equi­pe econô­mi­ca mais téc­ni­ca. Vamos ver se con­se­gue re­al­men­te fa­zer os en­ca­mi­nha­men­tos ne­ces­sá­ri­os, as re­for­mas. A da pre­vi­dên­cia se não con­se­gue apro­var no pri­mei­ro se­mes­tre acho que co­me­ça a ba­ter ca­be­ça. Tem uma equi­pe econô­mi­ca com vi­são de mer­ca­do. Re­al­men­te é al­go den­tro do que ele vi­nha di­zen­do, de mais liberdade”.

Qu­es­ti­o­na­do so­bre as ve­zes em que o pre­si­den­te vol­tou atrás de­pois de um anún­cio, con­tu­do, Tu­ri­ni fa­lou em “er­ro pri­má­rio”. No úl­ti­mo dia 4, Bol­so­na­ro in­for­mou que ha­via assinado de­cre­to ele­van­do o per­cen­tu­al do IOF (Im­pos­to so­bre Operações Fi­nan­cei­ras). Na mes­ma en­tre­vis­ta, afir­mou que o mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des anun­ci­a­ria a pos­si­bi­li­da­de de di­mi­nuir o te­to da alí­quo­ta do Im­pos­to de Ren­da da Pes­soa Fí­si­ca, de 27,5% pa­ra 25%. En­tre­tan­to, após a re­per­cus­são ne­ga­ti­va, o au­men­to foi sus­pen­do.

“Um go­ver­no no­vo cor­re es­se ris­co mes­mo. Foi mais na ques­tão de com­pen­sar a lei que da­va in­cen­ti­vos pa­ra a Su­dam e a Su­de­ne (su­pe­rin­ten­dên­ci­as de De­sen­vol­vi­men­to da Amazô­nia e do Nor­des­te), au­men­tar IOF e bai­xar IR. Fal­tou com­bi­nar com a equi­pe econô­mi­ca. Foi um er­ro pri­má­rio, mas um apren­di­za­do”, jus­ti­fi­cou.

Ge­ne­ral Edu­ar­do Vil­las Bôas,

na trans­mis­são de car­go de co­man­dan­te do Exér­ci­to

Pre­ci­sa­mos sa­ber se houve re­al­men­te re­du­ção or­ça­men­tá­ria e o im­pac­to. Is­so não foi apre­sen­ta­do”

A gen­te tem uma ex­pec­ta­ti­va gran­de, por­que a po­pu­la­ção re­al­men­te fez uma apos­ta pa­ra mudar ra­di­cal­men­te”

Ar­nal­do Alves/ANPr

Ali­a­do de Bol­so­na­ro, Ra­ti­nho Ju­ni­or (PSD) foi elei­to ao go­ver­no ain­da no pri­mei­ro tur­no; co­me­ço de man­da­to tem si­do mar­ca­do por re­du­ção nas des­pe­sas e cor­te em investimentos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.