COM­PRAS

Pro­je­to de lei apro­va­do pe­lo Con­gres­so no fi­nal do ano pas­sa­do de­fi­nia si­tu­a­ções em que a mo­da­li­da­de de pa­ga­men­to po­de­ria ser re­cu­sa­da pe­lo co­mer­ci­an­te

Folha de Londrina - - Primeira Página - Ali­ne Ma­cha­do Pa­ro­di Re­por­ta­gem Lo­cal

Go­ver­no ve­ta pro­je­to de lei apro­va­do pe­lo Con­gres­so que pre­via no­vas regras pa­ra o uso do che­que

Opro­je­to de lei que re­gu­la­men­ta­va o pa­ga­men­to com che­que nos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais, que ha­via si­do apro­va­do pe­lo Con­gres­so no fim do ano pas­sa­do, foi ve­ta­do in­te­gral­men­te pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­no­ro. Pe­lo tex­to, de au­to­ria do de­pu­ta­do Vi­ní­cius Car­va­lho (PRB-SP) o co­mer­ci­an­te que de­ci­dir acei­tar che­que co­mo for­ma de pa­ga­men­to só po­de­ria re­cu­sá-lo se o cli­en­te ti­ves­se o no­me “su­jo”, ou se­ja, ins­cri­to em ca­das­tro de pro­te­ção ao cré­di­to, ou se o che­que apre­sen­ta­do fos­se de ter­cei­ros. Ne­nhu­ma outra si­tu­a­ção po­de­ria jus­ti­fi­car a re­jei­ção.

Além dis­so, o pro­je­to tor­na­va obri­ga­tó­ria a acei­ta­ção de che­ques por lo­jis­tas que não co­lo­cas­se no lo­cal “in­for­ma­ção os­ten­si­va e cla­ra” de re­cu­sa des­se ti­po de pa­ga- men­to. Ao ve­ta­ra ma­té­ria, o go­ver­no ale­gou que “a pro­po­si­tu­ra po­de­ria re­pre­sen­tar en­tra­ve à dis­se­mi­na­ção dos po­ten­ci­ais benefícios da im­ple­men­ta­ção em lar­ga es­ca­la do Ca­das­tro Po­si­ti­vo (Lei nº 12 414, de 2011) e tra­zer in­se­gu­ran­ça aos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais.”

A in­se­gu­ran­ça e as fa­ci­li­da­des do car­tão de cré­di­to e dé­bi­to são apon­ta­das co­mo fa­to­res pa­ra aque­da­da uti­li­za­ção des­ta mo­da­li­da­de de pa­ga­men­to. Se­gun­do da­dos do Ban­co Cen­tral, de 2011 a 2017 a quan­ti­da­de de che­ques tro­ca­dos no Bra­sil re­du­ziu 51,2%, no Pa­ra­ná a que­da foi de 43,6%. Al­guns es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais não acei­tam es­sa for­ma de pa­ga­men­to.

A lo­jis­ta Bru­na Tan­guei­ra de Sou­za Aka­ma, 30, não acei­ta che­que em seu co­mér­cio. Ela con­si­de­ra os pa­ga­men­tos em di­nhei­ro e car­tão de cré­di­to e dé­bi­to mais se­gu­ros. “Co­nhe­ço al­gu­mas em­pre­sas que acei­tam che­que. Há fer­ra­men­ta que ana­li­sas e oche queéb om ese­gu­ro,m as­pa­ra nós afor­ma mais se­gu­ra é di­nhei­ro e car­tão”, afir­mou.

Aka­ma co­men­tou que é ra­ro o cli­en­te que pe­de pa­ra pa­gar em che­que. “É mui­to di­fí­cil al­guém pe­dir outra for­ma de pa­ga­men­to, mais quan­do per­gun­tam é pe­lo cre­diá­rio, che­que nun­ca.” O co­mer­ci­an­te Pe­dro Araú­jo ,23, abo­liu o ta­lão de che­que há três anos e tam­bém não acei­ta em seu es­ta­be­le­ci­men­to. Ele te­ve mui­tos pro­ble­mas com ina­dim­plên­cia. “Dá mui­ta dor de ca­be­ça in­do no ban­co, pro­tes­tan­do o che­que. De­ci­di que só acei­to car­tão e di­nhei­ro. Es­tou vi­ven­do mui­to me­lhor”, afir­mou Araú­jo. Em 2017, 6,1% dos che­ques tro­ca­dos no Pa­ra­ná fo­ram de­vol­vi­dos por fal­ta de fun­dos.

Mui­tos con­su­mi­do­res pre­fe­rem não uti­li­zar es­sa mo­da­li­da­de. A agen­te pú­bli­ca Cris­lei­de Apa­re­ci­da de Sou­za, 34, nun­ca usou. “Nem te­nho fo­lha de che­que. É mais prá­ti­co pa­gar em di­nhei­ro ou car­tão”, co­men­tou. A es­tu­dan­te Aman­da de Oliveira Ba­ca­rin, 24, con­tou que já re­ce­beu che­que, mas que nun­ca emi­tiu. Ela tam­bém pre­fe­re o car­tão.

A agen­te pú­bli­ca An­ge­la Apa­re­ci­da Cor­rea Mo­ta, 48, afir­ma que usa no máximo dez fo­lhas por ano. “Co­mo ven­do lin­ge­rie, às ve­zes, dou che­que pré-da­ta­do pa­ra pa­gar pe­la mer­ca­do­ria. Mas no co­mér­cio é mui­to di­fí­cil usar”, ex­pli­cou.

A pro­fes­so­ra de economia Ma­ria Edu­vir­ge Ma­ran­do­la, es­pe­ci­a­lis­ta em edu­ca­ção fi­nan­cei­ra, afir­ma que quem tra­ba­lha com che­que pre­ci­sa ter uma or­ga­ni­za­ção fi­nan­cei­ra mai­or pa­ra evi­tar con­tra­tem­pos no orçamento. “Quan­do a pes­soa emi­tir o che­que de­ve ano­tar no seu ta­lão e não con­tar mais com aque­le di­nhei­ro. Não im­por­ta se ele se­rá des­con­ta­do ama­nhã ou de­pois. Tem que pres­tar a aten­ção na con­ta e se or­ga­ni­zar bem pa­ra que te­nha fun­dos ne­ces­sá­ri­os na con­ta”, acon­se­lha.

Ela lem­bra que ape­sar do uso es­tar em que­da, es­ta é uma mo­da­li­da­de de pa­ga­men­to bas­tan­te uti­li­za­da e, que, às ve­zes, se trans­for­ma em papel de mo­e­da na mão das pes­so­as. “Acon­te­ce mui­to da pes­soa jun­tar vá­ri­os che­ques que re­ce­beu pa­ra efe­tu­ar um pa­ga­men­to e os che­ques vão ro­lan­do de mão e mão, fa­zen­do o papel de mo­e­da”, co­men­tou. Por is­so, ela reforça que se de­ve pres­tar a aten­ção no sal­do ban­cá­rio.

A es­pe­ci­a­lis­ta não acre­di­ta na eli­mi­na­ção des­sa mo­da­li­da­de de pa­ga­men­to. “É al­go im­por­tan­te den­tro do sis­te­ma econô­mi­co”, ana­li­sou. (Com Agên­cia Es­ta­do)

O co­mer­ci­an­te Pe­dro Araú­jo abo­liu o ta­lão de che­que há três anos e tam­bém não acei­ta em seu es­ta­be­le­ci­men­to: “Dá mui­ta dor de ca­be­ça”

A agen­te pú­bli­ca Cris­lei­de Apa­re­ci­da de Sou­za nun­ca usou che­que:” É mais prá­ti­co pa­gar em di­nhei­ro ou car­tão”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.