LUIZ GERALDO MAZZA

De­cla­ra­ção de Bol­so­na­ro de aca­bar com va­ra es­pe­ci­a­li­za­da pro­vo­cou re­a­ções de en­ti­da­des; pa­ra juiz Mar­los Me­lek, mo­men­to não é ade­qua­do

Folha de Londrina - - Primeira Página - Mie Fran­ci­ne Chi­ba Re­por­ta­gem Lo­cal

Além de ba­ter ca­be­ças, tra­ço mais con­tro­ver­so do go­ver­no Bol­so­na­ro tem si­do um re­cuo por dia

Em sua pri­mei­ra en­tre­vis­ta con­ce­di­da à im­pren­sa, ao SBT, no dia 3 de ja­nei­ro, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro fa­lou que co­gi­ta ex­tin­guir a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho. A de­cla­ra­ção pro­vo­cou re­a­ção de en­ti­da­des do se­tor ju­rí­di­co. A Ama­tra-2 (As­so­ci­a­ção dos Ma­gis­tra­dos da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho da Se­gun­da Re­gião), a mai­or re­gi­o­nal do País en­glo­ban­do São Pau­lo (ca­pi­tal), re­gião me­tro­po­li­ta­na e Bai­xa­da San­tis­ta for­ma­da por juí­zes do tra­ba­lho, con­vo­cou pa­ra o pró­xi­mo dia 21 ato da ca­te­go­ria “em fa­vor da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho”. Na úl­ti­ma quar­ta-fei­ra (9), a As­so­ci­a­ção dos Ad­vo­ga­dos de São Pau­lo (AASP), que reú­ne 80 mil pro­fis­si­o­nais do Di­rei­to, dis­se em no­ta que a ex­tin­ção da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho “con­fi­gu­ra­ria violência ao prin­cí­pio da dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na e aos va­lo­res sociais do tra­ba­lho”.

A Fren­tas (Fren­te As­so­ci­a­ti­va da Ma­gis­tra­tu­ra e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co), com­pos­ta por 40 mil juí­zes, pro­mo­to­res e pro­cu­ra­do­res em to­do o País, cri­ti­cou no úl­ti­mo do­min­go (6) “qualquer proposta” de ex­tin­ção da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho ou do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Tra­ba­lho. Na sex­ta-fei­ra (4), o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Ma­gis­tra­dos da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho (Ana­ma­tra), Gui­lher­me Fe­li­ci­a­no, afir­mou que a ma­gis­tra­tu­ra do Tra­ba­lho es­tá “aber­ta ao diá­lo­go de­mo­crá­ti­co, o que sem­pre ex­clui, por de­fi­ni­ção, qualquer al­ter­na­ti­va que não se­ja co­le­ti­va­men­te cons­truí­da”. No mes­mo dia, a As­so­ci­a­ção dos Ma­gis­tra­dos Bra­si­lei­ros (AMB), di­vul­gou no­ta em que de­fen­de o “for­ta­le­ci­men­to” da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho.

Em en­tre­vis­ta à FO­LHA, o juiz Mar­los Au­gus­to Me­lek, um dos re­da­to­res da Re­for­ma Tra­ba­lhis­ta, afir­ma que a ex­tin­ção ou ane­xa­ção da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho não é vis­ta co­mo ade­qua­da pa­ra es­se mo­men­to. “Acre­di­to que, ho­je, a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho tem um grau de es­pe­ci­a­li­za­ção im­por­tan­te pa­ra di­ri­mir as re­la­ções de tra­ba­lho no Bra­sil.” Con­fi­ra na en­tre­vis­ta.

O Bra­sil é mes­mo um dos pou­cos paí­ses que tem uma Jus­ti­ça do Tra­ba­lho?

Ve­ja, os paí­ses são so­be­ra­nos. E ca­da país tem uma or­ga­ni­za­ção ju­di­ciá­ria, tem uma for­ma de con­du­zir a le­gis­la­ção. Por exem­plo, nós aqui no Bra­sil, na Amé­ri­ca La­ti­na, te­mos o di­rei­to mui­to si­mi­lar ao Di­rei­to eu­ro­peu, en­tão so­mos ab­so­lu­ta­men­te le­ga­lis­tas. Pa­ra tu­do tem que ter uma lei. Já o Di­rei­to an­glo­sa­xão, no Ca­na­dá, Es­ta­dos Uni­dos e em ou­tros paí­ses, é um sis­te­ma mui­to mais ju­ris­pru­den­ci­al, e a gen­te re­nun­cia is­so. São pou­cos os paí­ses do mun­do que pos­su­em Jus­ti­ça do Tra­ba­lho em re­la­ção ao to­tal de paí­ses que te­mos no mun­do. Mas há mui­tos paí­ses que têm Jus­ti­ça do Tra­ba­lho. É mui­to re­la­ti­vo di­zer is­so (que são pou­cos os paí­ses com Jus­ti­ça do Tra­ba­lho).

Eu já fui Cor­re­ge­dor Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça Au­xi­li­ar no CNJ (Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça) e uma gran­de dis­cus­são que tí­nha­mos na­que­la épo­ca era so­bre a van­ta­gem e a des­van­ta­gem de ter­mos va­ras es- pe­ci­a­li­za­das. Es­tou fa­zen­do uma aná­li­se ma­cro, não es­tou fa­zen­do uma ava­li­a­ção só da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho, se va­le a pe­na ou não ter uma va­ra es­pe­ci­a­li­za­da. E a con­clu­são que nós che­ga­mos na épo­ca era que sim, va­lia a pe­na o Bra­sil ter va­ras es­pe­ci­a­li­za­das. Den­tro des­se con­tex­to, ho­je ve­jo que não é o mo­men­to do Bra­sil ane­xar a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho à Jus­ti­ça Fe­de­ral ou eli­mi­nar a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho. Ho­je te­mos va­ras es­pe­ci­a­li­za­das, e es­sa es­pe­ci­a­li­za­ção de­mo­rou anos pa­ra ser cons­truí­da. En­tão, eu não acre­di­to que nes­se mo­men­to his­tó­ri­co se­ja ade­qua­do eli­mi­nar­mos ou ane­xar­mos a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho. Acre­di­to que es­sa es­pe­ci­a­li­za­ção ho­je é mui­to im­por­tan­te pa­ra o Bra­sil.

Por que é im­por­tan­te?

Justamente por ser es­pe­ci­a­li­za­da. A gen­te co­mo ci­da­dão bra­si­lei­ro, quan­do pro­cu­ra a Jus­ti­ça e é tra­ta­da em uma va­ra es­pe­ci­a­li­za­da, tem mais ve­lo­ci­da­de, uma apro­xi­ma­ção mai­or da dis­cus­são, do que em uma va­ra ge­né­ri­ca. En­tão, se a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho cus­ta mui­to ca­ro pa­ra o Bra­sil ho­je, es­tá em tor­no de R$ 30 bi­lhões ao ano, o que even­tu­al­men­te po­de ser feito, e is­so ca­be às au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes de­ci­dir, é acer­tar al­gu­ma re­es­tru­tu­ra­ção da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho, uma re­dis­tri­bui­ção de for­ças. Ti­ve­mos re­cen­te­men­te uma re­for­ma tra­ba­lhis­ta e eu en­ten­do que não é ade­qua­do ti­rar es­sa es­pe­ci­a­li­za­ção nes­se mo­men­to.

Se os ca­sos tra­ba­lhis­tas tra­mi­tas­sem na Jus­ti­ça co­mum, is­so po­de­ria tra­zer mo­ro­si­da­de aos pro­ces­sos?

Ho­je, te­mos a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho 100% digital. Aliás, ela foi pi­o­nei­ra nis­so. Por is­so sou con­trá­rio à ex­tin­ção ou ane­xa­ção da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho à outra Jus­ti­ça, por­que te­mos va­ras es­pe­ci­a­li­za­das e is­so é im­por­tan­te pa­ra o País nes­se mo­men­to his­tó­ri­co. Se vai haver uma re­en­ge­nha­ria ju­di­ci­al, o Poder Ju­di­ciá­rio tem um pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co. Is­so a po­pu­la­ção até des­co­nhe­ce, mas to­do ano o CNJ (Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça) dis­cu­te com todos os tri­bu­nais do Bra­sil, que são 97, de to­das as áre­as, o pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co. En­tão, es­se ti­po de te­ma de re­es­tru­tu­ra­ção de qualquer ramo da Jus­ti­ça do Bra­sil, ao meu ver, e ins­ti­tu­ci­o­nal­men­te fa­lan­do, de­ve pas­sar por um pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co. E até es­se mo­men­to is­so não foi tra­ta­do. O que eu pos­so lhe as­se­gu­rar é que es­se as­sun­to ain­da em que pe­se o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca te­nha di­to a res­pei­to, é ain­da mui­to in­ci­pi­en­te, não tem na­da de con­cre­to, e me­re­ce uma dis­cus­são, um de­ba­te mais pro­fun­do, mais téc­ni­co.

Quero crer, co­mo juiz, que is­so tem que pas­sar por diá­lo­go, e acre­di­to que o go­ver­no fa­ça is­so com o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral. O STF, en­quan­to ór­gão máximo do poder ju­di­ciá­rio, cor­te su­pre­ma, de­ve ter voz, ter opi­nião. Num sis­te­ma de­mo­crá­ti­co, de­ve ser ou­vi­do em re­la­ção a qualquer al­te­ra­ção que a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho pos­sa even­tu­al­men­te vir a so­frer.

Em sua pri­mei­ra en­tre­vis­ta à im­pren­sa, o pre­si­den­te fa­lou de uma pro­te­ção ex­ces­si­va dos tra­ba­lha­do­res. A exis­tên­cia de uma Jus­ti­ça do Tra­ba­lho tem al­gu­ma influência so­bre is­so?

A lei é pro­te­ci­o­nis­ta. A CLT (Con­so­li­da­ção das Leis Tra­ba­lhis­tas) foi cons­truí­da com o ra­ci­o­cí­nio de proteger o tra­ba­lha­dor. Is­so é um fa­to. Acre­di­to que, até a Re­for­ma Tra­ba­lhis­ta, que mu­dou 209 pontos na le­gis­la­ção bra­si­lei­ra há pou­co mais de um ano, nós tí­nha­mos mes­mo uma re­la­ção mui­to de­se­qui­li­bra­da. Já tí­nha­mos uma le­gis­la­ção an­ti­qua­da, de 1943. Aí vi­e­ram emen­dan­do ela, e is­so foi cri­an­do um ex­ces­so de pro­te­ção, re­al­men­te. E o que pro­cu­rou a re­for­ma tra­ba­lhis­ta? Equi­li­brar mais es­sa re­la­ção. Por­que 83% dos em­pre­ga­do­res do Bra­sil tem a até 14 em­pre­ga­dos. Is­so é um da­do do Ipea (Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca Apli­ca­da do Go­ver­no Fe­de­ral). Se 83%, a imen­sa mai­o­ria dos em­pre­ga­do­res, é de pe­que­no por­te, nós pre­ci­sá­va­mos tra­zer es­sa re­la­ção tra­ba­lhis­ta pa­ra um equi­lí­brio mai­or. Por­que bas­ta olhar pa­ra os ma­cro nú­me­ros do Ipea - ho­je, um em­pre­ga­dor é o tra­ba­lha­dor de on­tem. Quem tem até 14 em­pre­ga­dos, cin­co, três, qua­tro em­pre­ga­dos, é o ca­ra que era tra­ba­lha­dor on­tem. E ele não po­de, co­mo num pas­se de má­gi­ca, ter um tra­ta­men­to tão ri­go­ro­so a pon­to de in­vi­a­bi­li­zar ou de­ses­ti­mu­lar o em­pre­en­de­do­ris­mo no Bra­sil. Is­so que a Re­for­ma Tra­ba­lhis­ta fez. Ago­ra, di­zer que ho­je ain­da há um ex­ces­so de pro­te­ção, aí pe­ço li­cen­ça ao nos­so Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pa­ra di­zer que de­pois da Re­for­ma Tra­ba­lhis­ta es­se ex­ces­so de pro­te­ção foi re­du­zi­do. Em re­la­ção à Jus­ti­ça do Tra­ba­lho, se vo­cê co­lo­car ques­tões tra­ba­lhis­tas na Jus­ti­ça co­mum es­ta­du­al, o juiz es­ta­du­al ho­je não tem ne­nhu­ma ex­pe­ri­ên­cia, não tem um grau de efi­cá­cia em re­la­ção à nor­ma tra­ba­lhis­ta. As­sim co­mo um juiz do tra­ba­lho não tem ne­nhu­ma fa­mi­li­a­ri­da­de com nor­mas, por exem­plo, de Poder Pú­bli­co ou Di­rei­to de Fa­mí­lia. Ca­da ma­ca­co no seu ga­lho, é o grau de es­pe­ci­a­li­za­ção. En­tão, acre­di­to que ho­je a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho tem um grau de es­pe­ci­a­li­za­ção im­por­tan­te pa­ra di­ri­mir as re­la­ções de tra­ba­lho no Bra­sil. E por is­so ela pre­ci­sa ser man­ti­da nes­se mo­men­to his­tó­ri­co. E re­pi­to, se vai me­xer na es­tru­tu­ra, no ta­ma­nho de­la, na for­ma, dar mais as­sun­to pa­ra a Jus­ti­ça do Tra­ba­lho jul­gar, au­men­tar a com­pe­tên­cia, is­so é uma coi­sa que pre­ci­sa ser vo­ta­da no Con­gres­so Na­ci­o­nal, dis­cu­ti­da, etc e tal.

O Poder Exe­cu­ti­vo tem o poder de pe­dir a ex­tin­ção da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho, ca­so de­ci­da por fa­zê-lo?

A ex­tin­ção de qualquer ór­gão, se­ja ju­di­ci­al ou não, es­pe­ci­al­men­te quan­do é ju­di­ci­al, de­pen­de de uma emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal. En­tão, se­gun­do a nos­sa Cons­ti­tui­ção, são le­gi­ti­ma­dos pa­ra fa­zer al­te­ra­ções na Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral o pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, a me­sa da Câ­ma­ra, a me­sa do Se­na­do, den­tre ou­tro. En­tão, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, sim, tem le­gi­ti­mi­da­de pa­ra re­da­ci­o­nar uma emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal, sub­me­ter ao Con­gres­so Na­ci­o­nal e, se apro­va­do in­clu­si­ve com quó­rum es­pe­ci­al, di­fe­ren­ci­a­do do que se­ria uma lei co­mum, uma lei or­di­ná­ria, co­mo é pa­ra mudar a Cons­ti­tui­ção, que de­pen­de de um quó­rum es­pe­ci­fi­co, tem que pas­sar na Câ­ma­ra, tem que pas­sar no Se­na­do, e daí en­tão a Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal pas­sa a va­ler.

O juiz es­ta­du­al não tem ex­pe­ri­ên­cia, não tem um grau de efi­cá­cia em re­la­ção à nor­ma tra­ba­lhis­ta

Ama­ril­do Hen­ning/Di­vul­ga­ção

Um dos re­da­to­res da re­for­ma tra­ba­lhis­ta, Me­lek acre­di­ta que es­pe­ci­a­li­za­ção, ho­je, é mui­to im­por­tan­te pa­ra o Bra­sil

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.