SEM RESISTÊNCIA

Avião em­bar­cou por vol­ta das 19h, ho­ra de Bra­sí­lia

Folha de Londrina - - Primeira Página - Folhapress

Pre­so na Bo­lí­via, Ce­sa­re Bat­tis­ti é ex­tra­di­ta­do pa­ra a Itá­lia, on­de foi con­de­na­do pe­la mor­te de qu­a­tro pes­so­as nos anos 1970

Bra­sí­lia - Após pas­sar pou­co me­nos de um mês fo­ra­gi­do, o ter­ro­ris­ta ita­li­a­no Ce­sa­re Bat­tis­ti, 64, foi pre­so na Bo­lí­via na noi­te des­te sá­ba­do (12) e en­vi­a­do pa­ra seu país de ori­gem nes­te do­min­go (13). Se voo de­co­lou por vol­ta das 19h15 com des­ti­no a Ro­ma, on­de de­ve­rá che­gar no iní­cio da tar­de des­ta se­gun­da (14), pe­lo ho­rá­rio lo­cal.

Ao con­trá­rio do que ha­via anun­ci­a­do o go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro, o avião não iria pa­rar no Bra­sil.

Na Itá­lia, Bat­tis­ti foi con­de­na­do pe­la mor­te de qu­a­tro pes­so­as nos anos 1970.

Ele foi pre­so em San­ta Cruz de la Si­er­ra, no cen­tro da Bo­lí­via, por agen­tes da In­ter­pol.

O ter­ro­ris­ta era con­si­de­ra­do fo­ra­gi­do des­de o dia 14 de de­zem­bro. A PF fez mais de 30 di­li­gên­ci­as pa­ra en­con­trá­lo, sem su­ces­so.

Sua pri­são foi de­ter­mi­na­da em de­zem­bro pe­lo mi­nis­tro Luiz Fux, do STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral). Pou­cos di­as de­pois, a ex­tra­di­ção pa­ra a Itá­lia foi as­si­na­da pe­lo en­tão pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, mas Bat­tis­ti já ha­via de­sa­pa­re­ci­do.

De­pois de não en­con­trar Bat­tis­ti em seus en­de­re­ços re­gis­tra­dos, em Ca­na­neia (SP) e São Jo­sé do Rio Pre­to (SP), a PF no Bra­sil rei­ni­ci­ou do ze­ro a bus­ca, sem ne­nhu­ma pis­ta do pa­ra­dei­ro. A no­va di­re­to­ria da Po­lí­cia Fe­de­ral con­si­de­rou a ope­ra­ção co­mo uma das mais fra­cas­sa­das da his­tó­ria do ór­gão.

Nos anos 1970, Bat­tis­ti per­ten­cia ao gru­po de es­quer­da PAC (Pro­le­tá­ri­os Ar­ma­dos pe­lo Co­mu­nis­mo). Foi con­de­na­do à pri­são per­pé­tua pe­los as­sas­si­na­tos do agen­te pe­ni­ten­ciá­rio An­to­nio San­to- ro, do jo­a­lhei­ro Pi­er­lui­gi Tor­re­gi­a­ni, do açou­guei­ro Li­no Sa­ba­din e do agen­te po­li­ci­al An­drea Cam­pag­na. Sem­pre ne­gou os cri­mes.

Após fu­gir pa­ra Mé­xi­co e Fran­ça, che­gou ao Bra­sil em 2004 e foi pre­so em 2007. Em 2009, o STF de­ci­diu apro­var a re­pa­tri­a­ção, mas o en­tão pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va (PT), no úl­ti­mo dia de seu man­da­to, em 2010, per­mi­tiu a per­ma­nên­cia de­le no Bra­sil.

Se­gun­do o jor­nal ita­li­a­no Cor­ri­e­re Del­la Se­ra, Bat­tis­ti ca­mi­nha­va por uma rua de San­ta Cruz de la Si­er­ra quan­do foi abor­da­do pe­los po­li­ci­ais. Usa­va uma bar­ba fal­sa e ti­nha do­cu­men­to de iden­ti­da­de com seu no­me e da­ta de nas­ci­men­to.

Bat­tis­ti es­ta­va so­zi­nho no mo­men­to da cap­tu­ra, por vol­ta das 17h de sá­ba­do (19h no Bra­sil). De acor­do com o re­la­to do jor­nal, ele não opôs resistência. Ves­tia cal­ça e ca­mi­sa azuis e usa­va ócu­los es­cu­ros. Le­va­do a um car­ro de po­lí­cia, man­te­ve-se em si­lên­cio.

Uma equi­pe es­pe­ci­al da po­lí­cia ita­li­a­na des­lo­cou-se pa­ra a ci­da­de bo­li­vi­a­na pou­co an­tes do Na­tal, após re­ce­ber di­cas de in­for­man­tes. A ope­ra­ção te­ve apoio de agen­tes do Bra­sil e da Bo­lí­via.

Se par­ti­dá­ri­os de Bat­tis­ti ti­nham es­pe­ran­ça de que o pre­si­den­te es­quer­dis­ta da Bo­lí­via, Evo Mo­ra­les, po­de­ria evi­tar sua ida pa­ra a Itá­lia, ela se des­fez após en­tre­vis­ta do mi­nis­tro do In­te­ri­or do país, Carlos Ro­me­ro, na tar­de do do­min­go. Ele afir­mou que Bat­tis­ti não se­ria ex­tra­di­ta­do, cu­jo pro­ces­so é lon­go, mas ex­pul­so su­ma­ri­a­men­te por ter en­tra­do ile­gal­men­te no país.

O ad­vo­ga­do Igor Tamasauskas, que de­fen­de Bat­tis­ti, dis­se que a ex­pul­são ou de­por­ta­ção de­ve­ria ser fei­ta pa­ra o país da úl­ti­ma pro­ce­dên­cia da pes­soa, ou se­ja, o Bra­sil.

Na Itá­lia, o go­ver­no de di­rei­ta exal­tou a co­la­bo­ra­ção de Bra­sil e Bo­lí­via. A as­ses­so­ria do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, co­man­da­do por Mat­teo Sal­vi­ni, lí­der do par­ti­do de ex­tre­ma-di­rei­ta Li­ga e um dos ho­mens for­tes do go­ver­no, afir­mou que o go­ver­no Evo “mais aju­dou do que atra­pa­lhou”.

Sal­vi­ni lou­vou a cap­tu­ra e exal­tou o pre­si­den­te Bol­so­na­ro em seus per­fis nas re­des so­ci­ais. Usou um de seus bor­dões, “é fi­ni­ta la pac­chia”, al­go co­mo a fes­ta aca­bou.

Bol­so­na­ro tam­bém fes­te­jou a pri­são e apro­vei­tou pa­ra cri­ti­car os pe­tis­tas. “Pa­ra­béns aos res­pon­sá­veis pe­la cap­tu­ra do ter­ro­ris­ta Ce­sa­re Bat­tis­ti! Fi­nal­men­te a jus­ti­ça se­rá fei­ta ao as­sas­si­no ita­li­a­no e com­pa­nhei­ro de ide­ais de um dos go­ver­nos mais cor­rup­tos que já exis­ti­ram do mun­do (PT).”

Po­li­zia di Sta­to/AFP

Fo­to di­vul­ga­da pe­la po­lí­cia ita­li­a­na mos­tra Bat­tis­ti aco­mo­da­do na pol­tro­na do avião pron­to pa­ra o em­bar­que

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.