LA­ZER

Di­ver­sas ati­vi­da­des fí­si­cas e re­cre­a­ti­vas são ofe­re­ci­das aos domingos à tar­de

Folha de Londrina - - Primeira Página - Si­mo­ni Sa­ris Re­por­ta­gem Lo­cal

Par­ce­ria en­tre FEL, ins­ti­tui­ções e em­pre­sas le­va ati­vi­da­des fí­si­cas e re­cre­a­ti­vas ao ater­ro do La­go Iga­pó

Os di­as quen­tes do ve­rão são ide­ais pa­ra a prá­ti­ca de ati­vi­da­des ao ar li­vre. Se fo­rem gra­tui­tas, me­lhor ain­da. Uma par­ce­ria en­tre a FEL (Fun­da­ção de Es­por­tes de Lon­dri­na), ins­ti­tui­ções e em­pre­sas da ci­da­de pro­me­te dei­xar mais di­ver­ti­dos os domingos no ater­ro do La­go Iga­pó (zo­na sul). São di­ver­sas ati­vi­da­des fí­si­cas e re­cre­a­ti­vas vol­ta­das a pes­so­as de to­das as ida­des, des­de cri­an­ças até ido­sos.

O pri­mei­ro dia de ati­vi­da­des acon­te­ceu nes­te do­min­go (13) e, mes­mo sob o for­te calor, não fal­tou âni­mo pa­ra o pú­bli­co que com­pa­re­ceu ao ater­ro. Um dos es­pa­ços mais dis­pu­ta­dos foi o que dis­po­ni­bi­li­zou per­nas de pau pa­ra quem se ar­ris­cou a tes­tar o equi­lí­brio. O ser­vi­dor pú­bli­co Carlos Má­xi­mo de Li­ma es­ban­ja­va de­sen­vol­tu­ra so­bre o brin­que­do. “Eu es­ta­va pas­san­do por aqui, vi as per­nas de pau e não re­sis­ti. Brin­quei mui­to dis­so na ro­ça, quan­do eu era cri­an­ça. Fa­zia uns 40 anos que não su­bia em uma des­sa aqui, mas é igual bi­ci­cle­ta. Vo­cê não per­de o jei­to”, co­men­tou.

A do­na de ca­sa Alex­san­dra Oli­vei­ra tam­bém brin­ca­va com per­nas de pau quan­do cri­an­ça e le­vou a fi­lha, Isa­do­ra, de oi­to anos, pa­ra brin­car. “Eu sem­pre via as cri­an­ças brin­can­do e ti­nha von­ta­de. Que­ria apren­der. No co­me­ço é di­fí­cil, mas eu já es­tou pe­gan­do o jei­to. É le­gal.”

Na área re­ser­va­da ao ti­ro com ar­co, dois ins­tru­to­res en­si­na­vam al­gu­mas téc­ni­cas do es­por­te olím­pi­co mi­le­nar. A Al­ta (As­so­ci­a­ção Lon­dri­nen­se de Ti­ro com Ar­co) man­tém, des­de 2015, pro­je­tos em dois co­lé­gi­os es­co­las es­ta­du­ais da ci­da­de que con­sis­tem em en­si­nar o es­por­te a 60 cri­an­ças e ado­les­cen­tes anos no pe­río­do do con­tra­tur­no es­co­lar. A ini­ci­a­ti­va já co­me­ça a dar fru­tos. Em 2018, dois alu­nos fo­ram cam­peões em com­pe­ti­ções na­ci­o­nais. Ago­ra, a as­so­ci­a­ção tra­ba­lha pa­ra di­fun­dir a mo­da­li­da­de e con­quis­tar mais adep­tos. “A pes­soa, quan­do vem pa­ra o ar­co, a im­pres­são que dá é que já tem aquilo no san­gue. Aí é só ir la­pi­dan­do e tra­ba­lhan­do o ta­len­to”, dis­se o pre­si­den­te da Al­ta, Fer­nan­do Alexandre.

Pa­ra o ater­ro do Iga­pó, a as­so­ci­a­ção le­vou ar­cos de bai­xa po­tên­cia e os al­vos fo­ram fi­xa­dos a uma dis­tân­cia de cin­co me­tros, tu­do pa­ra ga­ran­tir a se­gu­ran­ça dos prin­ci­pi­an­tes e do pú­bli­co que pa­rou pa­ra olhar. O ope­ra­dor de má­qui­nas El­ton Fer­nan­des foi até o ater­ro atraí­do pe­lo ti­ro com ar­co, pes­ca e air soft. Co­me­çou pe­lo ti­ro com ar­co. “Foi a pri­mei­ra vez que ten­tei. Ti­nha mui­ta cu­ri­o­si­da­de de sa­ber co­mo era. Pen­sa­va que era mais di­fí­cil. Te­nho von­ta­de de pra­ti­car”, con­tou.

Ao la­do do es­pa­ço re­ser­va­do ao ti­ro com ar­co, uma fi­ta elás­ti­ca es­ti­ca­da en­tre du­as ár­vo­res con­vi­da­va o pú­bli­co pa­ra a prá­ti­ca do slac­kli­ne, sob ori­en­ta­ção de ins­tru­to­res da Ver­ti­cal Ad­ven­tu­re, em­pre­sa de tu­ris­mo de eco­a­ven­tu­ras. Além da slac­kli­ne, o gru­po le­vou pa­ra o ater­ro as­cen­são de ra­pel e, pa­ra os pró­xi­mos domingos, pro­me­te ins­ta­lar uma mi­ni ti­ro­le­sa e uma fal­sa bai­a­na, ati­vi­da­de de des­lo­ca­men­to que uti­li­za du­as cor­das pa­ra­le­las, uma aci­ma da ou­tra. “Es­ta­mos di- vul­gan­do os es­por­tes ver­ti­cais. A as­cen­são de ra­pel é pa­ra cri­an­ças, mas a ti­ro­le­sa é pa­ra qual­quer ida­de”, dis­se Rô­mu­lo Ca­sa­no­va.

“Já vi vá­ri­as pes­so­as pra­ti­can­do o slac­kli­ne na TV. Ima­gi­na­va que fos­se mais di­fí­cil, mas mes­mo as­sim já vi que is­so não é pa­ra mim. É me­lhor eu pro­cu­rar ou­tro es­por­te. Tem que ter mui­to equi­lí­brio e não tre­mer. Mas foi di­ver­ti­do”, dis­se a es­tu­dan­te Ja­nai­na Apa­re­ci­da da Sil­va.

Além da prá­ti­ca de ati­vi­da­des fí­si­cas, a ação te­ve tam­bém ori­en­ta­ções so­bre a im­por­tân­cia de se man­ter uma vi­da equi­li­bra­da, con­ci­li­an­do o es­por­te com uma ali­men­ta­ção ba­lan­ce­a­da e dis­tri­bui­ção de sor­ve­tes.

As ati­vi­da­des no ater­ro se­guem pe­los pró­xi­mos domingos, até 3 de fe­ve­rei­ro, das 14 às 18 h. “No ater­ro, são três mil pes­so­as cir­cu­lan­do di­a­ri­a­men­te e nos­so in­tui­to é le­var a co­mu­ni­da­de às prá­ti­cas es­por­ti­vas”, dis­se o pre­si­den­te da FEL, Fer­nan­do Ma­du­rei­ra.

Ri­car­do Chi­ca­rel­li

Ti­ro com ar­co, per­nas de pau e slac­kli­ne: es­pa­ços con­vi­da­ti­vos pa­ra prá­ti­ca de ati­vi­da­des ao ar li­vre

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.