Lon­dri­na cai em ran­king de ne­gó­ci­os

De 2016 a 2018 o mu­ni­cí­pio per­deu 15 po­si­ções, con­for­me ran­king ela­bo­ra­do pe­la Ur­ban Sys­tems; re­du­ção de pos­tos de tra­ba­lho con­tri­buiu pa­ra a que­da

Folha de Londrina - - Primeira Página - Eco­no­[email protected]­lha­de­lon­dri­na.com.br Ali­ne Ma­cha­do Pa­ro­di Re­por­ta­gem Lo­cal

Lon­dri­na per­deu 15 po­si­ções no ran­king das me­lho­res ci­da­des pa­ra fa­zer ne­gó­ci­os no País. Es­tu­do mos­tra que o mu­ni­cí­pio ocu­pou a 40a co­lo­ca­ção em 2018. Le­van­ta­men­to con­si­de­ra itens co­mo ca­pi­tal humano, de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al, in­fra­es­tru­tu­ra e de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co. Re­du­ção de pos­tos de tra­ba­lho e ren­da mé­dia bai­xa afe­tam o de­sem­pe­nho na pes­qui­sa. Fó­rum De­sen­vol­ve Lon­dri­na de­fen­de pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co pa­ra a ci­da­de. Ma­rin­gá, que es­tá em 9o lu­gar, Cas­ca­vel, em 23o, e To­le­do, em 43o, tam­bém apa­re­cem na lis­ta

Lon­dri­na é uma ci­da­de de con­tras­tes quan­do o as­sun­to são in­di­ca­do­res de de­sem­pe­nho. En­quan­to es­tu­dos mer­ca­do­ló­gi­cos des­ta­cam a ci­da­de co­mo um am­bi­en­te pro­pí­cio pa­ra ne­gó­ci­os no se­tor de tec­no­lo­gia e ino­va­ção ou de in­te­res­se pa­ra o se­tor de fran­qui­as, os in­di­ca­do­res econô­mi­cos mos­tram uma ou­tra re­a­li­da­de, re­fle­xo da per­da de pos­tos de tra­ba­lhos. Se­gun­do o Ran­king das Me­lho­res Ci­da­des pa­ra Fa­zer Ne­gó­ci­os, re­a­li­za­do pe­la Ur­ban Sys­tems, de 2016 a 2018, o mu­ni­cí­pio per­deu 15 po­si­ções. No es­tu­do mais re­cen­te apa­re­ce em 40º lu­gar, per­den­do mui­to de Ma­rin­gá (9º) e Cas­ca­vel (23º), e só três po­si­ções à fren­te de To­le­do (43º). Em 2017, Lon­dri­na es­ta­va em 34º.

O ran­king, que es­tá na sua quin­ta edi­ção, ana­li­sa 300 mu­ni­cí­pi­os com mais de 100 mil ha­bi­tan­tes, ava­li­an­do ca­pi­tal humano, de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al, in­fra­es­tru­tu­ra e de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co. Nes­ta edi­ção, o in­di­ca­dor de de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co so­freu al­te­ra­ções com o acrés­ci­mo de in­for­ma­ções de co­mér­cio ex­te­ri­or, di­ver­si­da­de econô­mi­ca e em­pre­en­de­do­ris­mo.

Dos qu­a­tro in­di­ca­do­res, Lon­dri­na su­biu em de­sen­vol­vi­men­to so­ci­al (48º) e in­fra­es­tru­tu­ra, que saiu do 59ª pa­ra 46º lu­gar. Mas o si­nal de aler­ta é em de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co. A ci­da­de não fi­ca en­tre os cem des­de 2016. O me­lhor re­sul­ta­do foi em 2015, quan­do ocu­pou a 71ª po­si­ção.

A re­du­ção de pos­tos de tra­ba­lho ex­pli­ca, em par­tes, a que­da no ran­king. “A pes­qui­sa an­te­ri­or já re­gis­tra­va uma que­da de 2,3% no in­di­ca­dor de em­pre­go, e na atu­al a re­du­ção foi de 1,9%, en­quan­to o Bra­sil já es­ta­va re­to­man­do em­pre­gos. Is­so ge­ra um pro­ble­ma de con­fi­an­ça. Pe­lo con­cei­to do es­tu­do vo­cê vai le­var os in­ves­ti­men­tos pa­ra on­de tem mais ge­ra­ção de ren­da”, ex­pli­cou Wil­li­an Ri­gon, pes­qui­sa­dor res­pon­sá­vel pe­lo es­tu­do e di­re­tor de Mar­ke­ting e Co­mer­ci­al da Ur­banSys­tems.

Tam­bém pe­sa­ram con­tra a ci­da­de a re­du­ção no cres­ci­men­to da fro­ta de au­to­mó­veis, de acor­do com o es­tu­do. Em 2017, a fro­ta cres­ceu 1,4%, en­quan­to que no ano pas­sa­do foi ape­nas 0,7% e a mé­dia na­ci­o­nal foi de 3,2%. “O Ín­di­ce Fir­jan de Ges­tão Fis­cal tam­bém te­ve re­du­ção de 0,637 pa­ra 0,620. Uma ci­da­de co­mo Lon­dri­na de­ve­ria bei­rar en­tre os 0,7, 0,75%. Is­so im­pac­ta ne­ga­ti­va­men­te no de­sem­pe­nho. Ou­tro im­pac­to que ve­ri­fi­ca­mos foi a re­du­ção de um ano pa­ra ou­tro dos va­lo­res in­ves­ti­dos em saú­de”, afir­mou Ri­gon.

Mas pa­ra o pes­qui­sa­dor o de­sem­pe­nho de Lon­dri­na não po­de ser vis­to co­mo um pon­to ne­ga­ti­vo. “Co­mo es­ta­mos ana­li­san­do 300 mu­ni­cí­pi­os, a po­si­ção (40ª) não é ruim e a que­da tam­bém po­de es­tar atre­la­da à me­lho­ra de ou­tros mu­ni­cí­pi­os. A luz ver­me­lha es­tá no de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co. O mu­ni­cí­pio pre­ci­sa de­sen­vol­ver o em­pre­en­de­do­ris­mo, a eco­no­mia cri­a­ti­va e di­mi­nuir a in­for­ma­li­da­de”, en­fa­ti­zou.

Se­gun­do ele, per­ce­be-se nos úl­ti­mos três anos uma des­cen­tra­li­za­ção econô­mi­ca com a tro­ca das in­dús­tri­as das gran­des me­tró­po­les pa­ra mu­ni­cí­pi­os me­no­res. “Per­ce­be­mos uma pro­fis­si­o­na­li­za­ção da ges­tão pú­bli­ca das ci­da­des de mé­dio por­te. Ube­ra­ba (MG), por exem­plo, vem re­a­li­zan­do pro­je­tos de de­sen­vol­vi­men­to. No Pa­ra­ná, Ma­rin­gá é ou­tro exem­plo”, ci­tou Ri­gon. Ube­ra­ba su­biu 24 po­si­ções e es­tá em 49º lu­gar e Ma­rin­gá, seis, e ago­ra es­tá em no­no lu­gar.

PO­SI­TI­VO

O es­tu­do tra­ba­lha com ba­se de da­dos de 2015/2016 pe­río­do em que Lon­dri­na so­freu o mai­or im­pac­to da cri­se econô­mi­ca. En­tre 2015 e 2017, a ci­da­de fe­chou 7 mil pos­tos de tra­ba­lho for­mais. “Quan­do vo­cê fa­la em de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co com es­sa per­da de pos­tos de tra­ba­lho, vo­cê já si­na­li­za que o in­di­ca­dor vai pa­ra bai­xo. Mas é bom lem­brar que es­tes da­dos es­tão de­fa­sa­dos. Es­se é um pro­ble­ma das aná­li­ses econô­mi­cas no Bra­sil. Sem­pre tra­ba­lha­mos com da­dos dois, três, qu­a­tro anos atra­sa­dos”, dis­se o eco­no­mis­ta Mar­cos Ram­bal­duc­ci, co­lu­nis­ta da FO­LHA.

Es­sa de­fa­sa­gem faz com que o es­tu­do não cap­tu­re o mo­men­to atu­al, na ava­li­a­ção do eco­no­mis­ta, mas ser­ve de ba­se pa­ra sa­ber o im­pac­to pro­vo­ca­do pe­lo de­sem­pre­go. “Os da­dos não re­fle­tem por exem­plo as re­a­li­da­des das star­tups, que são mui­to re­cen­tes e o es­tu­do não con­se­gue cap­tar por­que vem com da­dos de­fa­sa­dos”, afir­mou.

Pa­ra o eco­no­mis­ta, a que­da de seis po­si­ções mos­tra uma cer­ta es­ta­bi­li­da­de. “É di­fe­ren­te quan­do vo­cê ana­li­sa Uber­lân­dia, por exem­plo, que caiu 37 po­si­ções, ou Join­vil­le, que caiu 20. Lon­dri­na es­tá en­tre os 10% das ci­da­des mais atra­ti­vas pa­ra os ne­gó­ci­os. Ain­da es­ta­mos em uma po­si­ção in­te­res­san­te”, ava­li­ou Ram­bal­duc­ci. Ele afir­ma que pa­ra in­ver­ter a cur­va de des­cen­dên­cia é pre­ci­so se apro­pri­ar e com­pre­en­der me­lhor os da­dos do es­tu­do.

O pre­fei­to Mar­ce­lo Be­li­na­ti afir­mou que “es­ses di­ag­nós­ti­cos são im­por­tan­tes, é a par­tir de­les que se cons­trói o pla­ne­ja­men­to e en­con­tra so­lu­ções pa­ra cons­truir uma no­va re­a­li­da­de”. O pre­fei­to res­sal­tou que se o es­tu­do fos­se fei­to com da­dos atu­a­li­za­dos a re­a­li­da­de se­ria ou­tra.

“To­das as ações que es­tão sen­do im­ple­men­ta­das são no sen­ti­do de re­ver­ter es­se qua­dro”, de­cla­rou. O Co­del (Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to de Lon­dri­na), em par­cei­ra com en­ti­da­des da so­ci­e­da­de ci­vil or­ga­ni­za­da, es­tá ela­bo­ran­do uma no­va po­lí­ti­ca de in­cen­ti­vo ao de­sen­vol­vi­men­to in­dus­tri­al de Lon­dri­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.