CA­MI­NHOS -

Es­pe­ci­a­lis­tas apon­tam quais se­to­res es­tão em al­ta e o que se de­ve fa­zer pa­ra acom­pa­nhar as mo­vi­men­ta­ções do mer­ca­do de tra­ba­lho

Folha de Londrina - - Primeira Página - Pe­dro Moraes Re­por­ta­gem Lo­cal

Fal­ta de ex­pe­ri­ên­cia e in­se­gu­ran­ça são obs­tá­cu­los en­fren­ta­dos pe­los jo­vens na ho­ra de es­co­lher a car­rei­ra. Es­pe­ci­a­lis­tas apon­tam áre­as promissoras, co­mo o mer­ca­do de tec­no­lo­gia. Aos 21 anos, o ana­lis­ta de sis­te­mas Fe­li­pe Sam­paio atua em mul­ti­na­ci­o­nal fran­ce­sa com se­de em Lon­dri­na. Gas­tro­no­mia e ges­tão fi­nan­cei­ra tam­bém são ra­mos de des­ta­que

Es­co­lher a pro­fis­são é um mo­men­to de­li­ca­do na vi­da de um jo­vem. A fal­ta de ex­pe­ri­ên­cia e a in­se­gu­ran­ça exer­cem enor­me pres­são pa­ra quem pla­ne­ja com o que vai tra­ba­lhar e pre­ci­sa, por mui­tas ve­zes, se di­vi­dir en­tre a vo­ca­ção e a apos­ta por uma car­rei­ra bem­su­ce­di­da. A gran­de dú­vi­da, mes­mo de quem já tem pro­fis­são e bus­ca um no­vo ru­mo, é sa­ber quais os ra­mos em cres­ci­men­to que va­lem in­ves­tir tem­po e de­di­ca­ção. Es­pe­ci­a­lis­tas fa­zem su­as apos­tas so­bre quais áre­as de­vem ter as­cen­são em 2019. “Tra­ba­lho com gran­des em­pre­sas e te­nho a ex­pe­ri­ên­cia dos pro­fis­si­o­nais mais de­man­da­dos. Além de te­mas que es­tão na mo­da, co­mo gas­tro­no­mia, a tec­no­lo­gia di­ta no­vos com­por­ta­men­tos. No­vas fun­ções sur­gem a to­do o mo­men­to e quem quer ter bons re­sul­ta­dos de­ve fi­car atento ao mer­ca­do e às ne­ces­si­da­des”, ava­lia Ro­nal­do Ca­va­lhe­ri, CEO do Cen­tro Eu­ro­peu, uma es­co­la de eco­no­mia cri­a­ti­va que ofe­re­ce cur­sos em di­ver­sos seg­men­tos.

Uma das prin­ci­pais áre­as é o mer­ca­do de tec­no­lo­gia. O se­tor es­tá em al­ta há dé­ca­das e Lon­dri­na vem des­pon­tan­do nes­sa di­re­ção. Há vá­ri­as em­pre­sas de gran­de por­te do ra­mo ins­ta­la­das na ci­da­de. Foi nes­se sen­ti­do que o ana­lis­ta Fe­li­pe Sam­paio fez sua apos­ta e, di­ga-se de pas­sa­gem, acer­tou em cheio. Aos 21 anos, de­pois de fa­zer es­tá­gio e con­se­guir o pri­mei­ro em­pre­go, foi pro­mo­vi­do. For­ma­do pe­la UTFPR (Uni­ver­si­da­de Tec­no­ló­gi­ca Fe­de­ral do Pa­ra­ná), em Cor­né­lio Procópio, co­mo ana­lis­ta de sis­te­mas, o jo­vem lon­dri­nen­se sem­pre foi apai­xo­na­do por in­for­má­ti­ca. Com uma bol­sa, es­tu­dou Tec­no­lo­gia da In­for­ma­ção e Pro­gra­ma­ção no Se­nai (Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Apren­di­za­gem In­dus­tri­al), mas sem­pre te­ve co­mo me­ta pro­fis­si­o­nal tra­ba­lhar em uma gran­de em­pre­sa. Ho­je, fun­ci­o­ná­rio da gi­gan­te mul­ti­na­ci­o­nal fran­ce­sa Atos, que tem su­cur­sal na ci­da­de, ele am­plia seus ho­ri­zon­tes. “Lon­dri­na se tor­nou um po­lo no se­tor de tec­no­lo­gia. Meus co­le­gas de tra­ba­lho es­tão em­pre­ga­dos, co­nhe­ço ou­tras pes­so­as que qu­e­rem vir pa­ra cá, de São Pau­lo, em bus­ca de opor­tu­ni­da­de”, con­ta.

A enor­me es­pe­ci­a­li­za­ção que a área de tec­no­lo­gia al­can­çou mul­ti­pli­cou o nú­me­ro de seg­men­tos. Um dos mais co­nhe­ci­dos é o de re­des so­ci­ais. As mui­tas re­des re­ple­tas se se­gui­do­res fez sur­gir di­ver­sos pro­fis­si­o­nais. O prin­ci­pal de­les é o es­pe­ci­a­li­za­do em mí­di­as di­gi­tais, que cui­da do ca­nal de re­la­ci­o­na­men­to das em­pre­sas com os cli­en­tes. “É pre­ci­so ge­rar en­ga­ja­men­to, pois is­so é o que im­pac­ta di­re­ta­men­te nos re­sul­ta­dos de ven­das”, ex­pli­ca Ca­va­lhe­ri. Tam­bém re­la­ci­o­na­do à mes­ma área es­tá o Ci­en­tis­ta de Da­dos. Es­sa no­va fun­ção tem co­mo pa­pel fun­da­men­tal de­fi­nir es­tra­té­gi­as as­ser­ti­vas pa­ra pro­mo­ver uma aná­li­se ade­qua­da do enor­me vo­lu­me de in­for­ma­ção ge­ra­da a par­tir do mun­do di­gi­tal. “Es­sa é uma área em ex­pan­são pa­ra quem tra­ba­lha com in­for­má­ti­ca, pro­ces­sa­men­to de da­dos e es­ta­tís­ti­ca”, apon­ta o es­pe­ci­a­lis­ta. Há ain­da uma apos­ta pa­ra quem in­ves­te em sua pró­pria per­so­na­li­da­de e vê uma chan­ce em se ar­ris­car co­mo di­gi­tal in­flu­en­cer, di­tan­do es­ti­lo de vi­da e se tor­nan­do em­bai­xa­dor de mar­cas e pro­du­tos.

A in­fluên­cia da tec­no­lo­gia não irá escapar a ne­nhum ra­mo de pro­fis­sões. É o que apon­ta o eco­no­mis­ta Adeil­do Nas­ci­men­to, pre­si­den­te da ABRH-PR (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Re­cur­sos Hu­ma­nos - Pa­ra­ná). Ele afir­ma que to­das as in­dús­tri­as irão de­pen­der do conhecimento em in­for­má­ti­ca, no que é cha­ma­do de Quar­ta Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al. “Mes­mo pro­fis­si­o­nais de hu­ma­nas de­ve­rão ter que ter al­gum conhecimento em co­di­fi­ca­ção, en­ten­der de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al. Ho­je o mer­ca­do já de­man­da mui­tos des­ses pro­fis­si­o­nais e não en­con­tra”, ava­lia Nas­ci­men­to, que ain­da pre­vê que as mu­dan­ças econô­mi­cas e po­lí­ti­cas ten­dem a mu­dar o ce­ná­rio dos em­pre­gos. “Há uma ex­pec­ta­ti­va de um am­bi­en­te mais li­be­ral e, com is­so, a en­tra­da de ca­pi­tal es­tran­gei­ro, o que po­de apon­tar uma in­fluên­cia ne­ga­ti­va no nos­so par­que in­dus­tri­al, que é mui­to atra­sa­do. Por ou­tro la­do, po­de im­pli­car em sa­lá­ri­os mais al­tos em áre­as téc­ni­cas”, pon­de­ra.

Um dos pon­tos fun­da­men­tais pa­ra ava­li­ar em qual área se de­ve in­ves­tir pro­fis­si­o­nal­men­te é man­ter o olhar atento so­bre as mu­dan­ças so­ci­o­cul­tu­rais, as­sim co­mo os pri­mei­ros si­nais. O en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra po­de ser con­si­de­ra­do um bom exem­plo. Se­gun­do in­for­ma­ções do IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca), o País su­pe­rou a mar­ca de 30 mi­lhões de pes­so­as com mais de 60 anos. Os da­dos da PNAD Con­tí­nua (Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra de Do­mi­cí­li­os Con­tí­nua) di­vul­ga­dos no ano pas­sa­do apon­tam um au­men­to de 19% nos úl­ti­mos cin­co anos. Es­se re­tra­to apon­ta a ne­ces­si­da­de de pro­fis­si­o­nais que li­dem com a ter­cei­ra ida­de e a che­ga­da de­la, co­mo ge­ron­tó­lo­gos, que cui­dam da saú­de e bem-es­tar de ido­sos, con­se­lhei­ros de aposentadoria e cui­da­do­res. “As pes­so­as de­vem fi­car mui­to aten­tas às ten­dên­ci­as e às ne­ces­si­da­des. Di­fi­cil­men­te as pes­so­as te­rão uma só pro­fis­são pe­la vi­da in­tei­ra”, pon­tua Ro­nal­do Ca­va­lhe­ri.

Na for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, o per­fil tam­bém es­tá bem di­fe­ren­te. Se ter um bom cur­rí­cu­lo de­pen­dia de cur­sar uma fa­cul­da­de de qua­li­da­de, ter domínio de idi­o­mas va­ri­a­dos e co­le­ci­o­nar di­plo­mas de pós-gra­du­a­ções, ago­ra o fun­da­men­to da bus­ca das em­pre­sas nas no­vas fun­ções são as ha­bi­li­da­des de­sen­vol­vi­das. Va­le mui­to a ca­pa­ci­da­de de ca­da in­di­ví­duo de ir em bus­ca de conhecimento. “Os pro­fis­si­o­nais pre­ci­sam ir além e bus­car a pró­pria ca­pa­ci­ta­ção. Ca­da vez mais, o pró­prio de­sen­vol­vi­men­to é va­lo­ri­za­do. Há um enor­me nú­me­ro de cur­sos ofe­re­ci­dos de for­ma gra­tui­ta na in­ter­net, até em gran­des ins­ti­tui­ções de ou­tros paí­ses”, con­clui Nas­ci­men­to, que apon­ta que, num ce­ná­rio tão di­ver­so, o au­to­de­sen­vol­vi­men­to é fun­da­men­tal.

Gi­na Mar­do­nes

Gi­na Mar­do­nes

Fe­li­pe Sam­paio, 21 anos, fo­cou sua for­ma­ção na área de tec­no­lo­gia e con­quis­tou uma va­ga na uni­da­de lon­dri­nen­se da gi­gan­te mul­ti­na­ci­o­nal fran­ce­sa Atos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.