Por um no­vo con­cei­to de en­si­no

Folha de Londrina - - Opinião - WALMOR MACCARINI, jor­na­lis­ta

Já es­cre­vi ou­tras ve­zes que a es­co­la, a igre­ja, a fa­mí­lia, são gran­des res­pon­sá­veis pe­la ges­ta­ção des­te ho­mem trô­pe­go que che­ga ao ter­cei­ro mi­lê­nio de­sen­con­tra­do con­si­go mes­mo e que nem sa­be o porquê de sua exis­tên­cia ter­re­na. No ca­so es­pe­cí­fi­co da es­co­la, es­pe­ra-se que ela pro­du­za um ho­mem no­vo, li­ber­to, que apren­da a amar a si pró­prio pa­ra po­der amar seus se­me­lhan­tes; que im­plan­te os ali­cer­ces de uma no­va so­ci­e­da­de, em que im­pe­rem o res­pei­to, a dig­ni­da­de e as me­lho­res re­la­ções hu­ma­nas. O mun­do não se­rá me­lhor se não se en­si­nar a pes­soa a ser mais com­pe­ten­te, me­nos com­pe­ti­ti­va (no sen­ti­do pre­da­dor) e mais so­li­dá­ria. O que so­mos é re­sul­tan­te do que nos en­si­nam e do exem­plo que nos dão.

In­cum­be à es­co­la - e por ex­ten­são à fa­mí­lia e à igre­ja en­si­nar o fi­lho, o dis­cí­pu­lo e o fi­el a pro­du­zir e se­me­ar ri­que­za e não ape­nas a acu­mu­lá-la, mas que a dis­se­mi­ne, pa­ra be­ne­fi­ci­ar a mui­tos. Se for en­si­na­do ao ho­mem que ele é um agen­te de de­sen­vol­vi­men­to e não um es­tra­te­gis­ta com­pe­ti­dor, tu­do o mais ele apren­de­rá por acrés­ci­mo, e tu­do o que apren­der ele exe­cu­ta­rá bem. Se jo­ga­mos tan­ta res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre a es­co­la, a fa­mí­lia e a re­li­gião - os três for­tes pi­la­res de for­ma­ção do in­di­ví­duo (e acres­cen­te-se aí a ide­o­lo­gia) - é por­que elas têm re­pas­sa­do en­si­na­men­tos de com­pe­ti­ção mais pre­da­do­ra e me­nos par­ti­ci­pa­ti­va, sob o equi­vo­ca­do con­cei­to de que o mun­do “lá fo­ra” é per­ver­so e on­de ven­cem o mais for­te e o mais es­per­to, mes­mo que em pre­juí­zo de ou­trem.

Es­tes os en­si­na­men­tos que os es­co­la­res vi­e­ram re­ce­ben­do e que ti­ve­ram ori­gem na pe­da­go­gia re­gu­la­men­ta­da e não na con­cep­ção de um mais ci­vi­li­za­do ide­al de vi­da. Uma vez adul­tos, mui­tos des­ses dis­cí­pu­los con­ver­te­ram-se em pais e mes­tres equi­vo­ca­dos, po­lí­ti­cos cor­rup­tos e cor­rup­to­res, al­guns mo­vi­dos por ide­o­lo­gi­as exó­ti­cas e des­trui­do­ras, e o cír­cu­lo vi­ci­o­so con­ti­nu­ou. Sim, exis­tem os que lu­tam pa­ra me­lho­rar es­se sta­tus, à cus­ta de pe­sa­das crí­ti­cas que re­ce­bem dos di­tos pro­gres­sis­tas.

Ou­tro ab­sur­do é que o en­si­no se­cun­dá­rio não pre­pa­ra o alu­no pa­ra o cur­so su­pe­ri­or, pois exi­ge de­le um inex­pli­cá­vel ves­ti­bu­lar, co­mo aos ad­vo­ga­dos re­cém-for­ma­dos pe­de-se o exa­me da Or­dem. En­tão, de que ser­viu a es­co­la? Se es­tes são exa­mes se­le­ci­o­na­do­res, são an­tes um ta­be­fe no ros­to dos mes­tres que os trou­xe­ram até es­se pa­ta­mar. Se há li­mi­ta­ção de va­gas nas sa­las de aula, que se cons­trua es­co­las do ta­ma­nho de es­tá­di­os... Va­gas não são mais que es­pa­ços fí­si­cos e ca­dei­ras. Pro­fes­sor que fa­la pa­ra dez po­de fa­lar pa­ra mil. Ade­mais, o en­si­no a dis­tân­cia eliminou es­sas li­mi­ta­ções es­pa­ci­ais.

Já es­cre­ve­mos que es­te mi­lê­nio não é ape­nas de sal­tos gi­gan­tes da tec­no­lo­gia, mas se­rá tam­bém de opor­tu­ni­da­de pa­ra gran­des avan­ços de con­cep­ções e tam­bém pa­ra o aban­do­no de an­ti­gos egos e ví­ci­os, e um dos pi­o­res é o vício em cer­tas cren­ças. A es­co­la - aí com­pre­en­di­da sua ex­ten­são mais avan­ça­da, que é a uni­ver­si­da­de - tem que re­ver seu mo­de­lo, vol­tan­do­se pa­ra o ide­al de cri­ar um ci­da­dão ver­ti­cal, ín­te­gro, cons­ci­en­te, li­ber­to de ide­o­lo­gi­as des­tas que pro­pi­ci­am o cul­to ao ódio con­tra aque­les qua­li­fi­ca­dos de con­ser­va­do­res, co­mo se tal fos­se um in­si­di­o­sa mo­lés­tia. Ao in­vés do acú­mu­lo de co­nhe­ci­men­tos e do ex­ces­so de car­ga in­for­ma­ti­va, me­lhor en­si­nar a au­tor­res­pon­sa­bi­li­da­de, a so­li­da­ri­e­da­de e uma mais ex­pan­di­da cons­ci­en­ti­za­ção acer­ca da vi­da. No lu­gar da com­pe­ti­ção de­mo­li­do­ra, que pre­va­le­çam a so­li­da­ri­e­da­de e o in­ter­câm­bio de co­nhe­ci­men­tos, mes­mo en­tre os de­no­mi­na­dos con­cor­ren­tes. O mun­do já ex­pe­ri­men­tou to­das as fór­mu­las, só ain­da não ex­pe­ri­men­tou es­ta.

Se o ves­ti­bu­lar e o exa­me da Or­dem são se­le­ci­o­na­do­res, são an­tes um ta­be­fe no ros­to dos mes­tres que trou­xe­ram o alu­no até es­te pa­ta­mar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.