Ma­rin­gá apos­ta em am­bi­en­te atra­ti­vo às in­dús­tri­as

Folha de Londrina - - Economia & Negócios -

Há quem tor­ça o na­riz quan­do se com­pa­ra Lon­dri­na com a vi­zi­nha Ma­rin­gá. Mas a ver­da­de é que nos úl­ti­mos tem­pos, os in­di­ca­do­res da Ci­da­de Can­ção es­tão sem­pre a fren­te dos lon­dri­nen­ses. A ci­da­de foi es­co­lhi­da re­cen­te­men­te co­mo a Me­lhor Ci­da­de em Qua­li­da­de de Vi­da, en­tre mu­ni­cí­pi­os com mais de 250 mil ha­bi­tan­tes. Tam­bém es­tá na 15ª po­si­ção no ran­king de Me­lho­res Ci­da­des pa­ra Fa­zer Ne­gó­ci­os. No Pa­ra­ná, per­de ape­nas pa­ra Curitiba (7ª).

O DNA em­pre­en­de­dor dos pi­o­nei­ros e o pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co da ci­da­de po­dem ser con­si­de­ra­dos os res­pon­sá­veis pe­lo de­sem­pe­nho po­si­ti­vo de Ma­rin­gá. Em 1996, a ci­da­de fez o pla­ne­ja­men­to Ma­rin­gá 2020, em 2007, foi a vez de pla­ne­jar a ci­da­de até 2030 e ago­ra, o Co­dem (Con­se­lho de De­sen­vol­vi­men­to de Ma­rin­gá) tra­ba­lha no mas­ter­plan pa­ra 2047, quan­do a ci­da­de com­ple­ta 100 anos.

“O pla­ne­ja­men­to traz as di­re­tri­zes do de­sen­vol­vi­men­to do agro­ne­gó­cio, da edu­ca­ção, da saú­de e bus­ca jun­to ao po­der pú­bli­co que es­ses se­to­res pos­sam se de­sen­vol­ver com be­ne­fí­ci­os que aten­dem as em­pre­sas de for­ma glo­ba­li­za­da”, ex­pli­cou Wil­son Matos Sil­va, con­se­lhei­ro do Co­dem e rei­tor da Uni­ce­su­mar.

O Ma­rin­gá 100 anos tra­ba­lha nos ei­xos do de­sen­vol­vi­men­to humano, saú­de, se­gu­ran­ça, mo­bi­li­da­de ur­ba­na, edu­ca­ção,ge­ra­ção de ren­da, de­sen­vol­vi­men­to e ino­va­ção e in­fra­es­tru­tu­ra.

A PWC Bra­sil, em­pre­sa de con­sul­to­ria, foi con­tra­ta­da pa­ra fa­zer a ava­li­a­ção so­ci­o­e­conô­mi­ca da ci­da­de e iden­ti­fi­car áre­as de opor­tu­ni­da­des pa­ra Ma­rin­gá. Em ci­ma des­se tra­ba­lho se­rá con­tra­ta­do um pla­no ur­ba­nís­ti­co com cus­to es­ti­ma­do de R$ 1,3 mi­lhões. O es­tu­do foi pa­go pe­las en­ti­da­des e em­pre­sas pri­va­das. “O po­der pú­bli­co é mui­to en­ges­sa­do na le­gis­la­ção. Quan­do ele faz uma li­ci­ta­ção não po­de exi­gir uma em­pre­sa de gri­fe e que­ría­mos uma gri­fe co­mo a PWC, por is­so a ini­ci­a­ti­va pri­va­da as­su­miu es­sas ações”, ex­pli­cou Sil­va.

A ci­da­de cri­ou um am­bi­en­te atra­ti­vo pa­ra as in­dús­tri­as. Es­te ano ini­cia a en­tre­ga dos lo­tes do par­que in­dus­tri­al. A área de 300 mil hec­ta­res es­tá re­ce­ben­do in­fra­es­tru­tu­ra de luz e água. O es­pa­ço te­rá uma área de tec­no­lo­gia. O Tec­par (Ins­ti­tu­to de Tec­no­lo­gia do Pa­ra­ná) es­tá de­sen­vol­ven­do um pro­je­to pa­ra a cons­tru­ção de um cen­tro de fa­bri­ca­ção de me­di­ca­men­tos em par­ce­ria com um la­bo­ra­tó­rio in­ter­na­ci­o­nal. As em­pre­sas com pro­je­tos de ino­va­ção re­ce­bem des­con­tos no ISSQN (im­pos­to so­bre ser­vi­ços de qual­quer na­tu­re­za).

O tra­ba­lho do Co­dem, se­gun­do Sil­va, tem si­do o di­fe­ren­ci­al na ho­ra de atrair no­vas em­pre­sas. “Es­sa união das en­ti­da­des é um atra­ti­vo. O Co­dem age de for­ma a fa­ci­li­tar o an­da­men­to das coi­sas jun­to aos ór­gãos mu­ni­ci­pal, es­ta­du­al e fe­de­ral. A ini­ci­a­ti­va pri­va­da tem uma par­ti­ci­pa­ção efe­ti­va no des­ti­no da ci­da­de. Os po­lí­ti­cos pas­sam, mas as em­pre­sas fi­cam”, dis­se o con­se­lhei­ro.

A Ma­rin­gá de ho­je e do amanhã es­ta de olho em em­pre­sas que ge­rem boa re­mu­ne­ra­ção. “Não fa­ze­mos op­ção pe­la in­dús­tria pe­sa­da. Pois, além de po­luir, em via de re­gra, não pa­ga sa­lá­ri­os mui­to al­tos. Fi­ze­mos a op­ção pe­lo agro­ne­gó­cio e a in­dus­tri­a­li­za­ção do agro, áre­as de ser­vi­ço, tec­no­lo­gia e edu­ca­ção”, afir­mou Sil­va.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.