Han­se­nía­se: mai­o­ria da po­pu­la­ção não per­ce­be os si­nais

Se­cre­ta­ria de Saú­de de Lon­dri­na pro­mo­ve ações pa­ra cons­ci­en­ti­zar a po­pu­la­ção; co­mo a do­en­ça é si­len­ci­o­sa, é mui­to im­por­tan­te es­tar atento aos pri­mei­ros si­nais

Folha de Londrina - - Saúde - Mi­ca­e­la Ori­ka­sa Re­por­ta­gem Lo­cal

Con­ver­sar so­bre a han­se­nía­se, ex­pli­can­do as for­mas de iden­ti­fi­ca­ção, lo­cais on­de bus­car aju­da e a im­por­tân­cia do tra­ta­men­to. São por meio de ações edu­ca­ti­vas que os gru­pos do Nasf (Nú­cleo de Apoio à Saú­de da Fa­mí­lia) da se­cre­ta­ria de Saú­de de Lon­dri­na es­pe­ram cha­mar a aten­ção da po­pu­la­ção. A pro­gra­ma­ção é par­te do mo­vi­men­to na­ci­o­nal da cam­pa­nha Ja­nei­ro Ro­xo. O ob­je­ti­vo é so­mar es­for­ços pa­ra com­ba­ter a do­en­ça, in­for­man­do so­bre o au­to­e­xa­me, im­por­tân­cia do di­ag­nós­ti­co pre­co­ce e tra­ta­men­to. Além dis­so, a cons­ci­en­ti­za­ção so­bre o as­sun­to aju­da a der­ru­bar pre­con­cei­tos.

A han­se­nía­se é uma do­en­ça crô­ni­ca, in­fec­to­con­ta­gi­o­sa e de evo­lu­ção len­ta, trans­mi­ti­da por meio das vi­as aé­re­as (tos­se ou es­pir­ro) e não pe­lo to­que na pe­le. Ela é cau­sa­da pe­la bac­té­ria My­co­bac­te­rium le­prae e na mai­o­ria dos ca­sos, a pes­soa não per­ce­be a en­fer­mi­da­de por­que não sen­te dor. “Co­mo a han­se­nía­se é uma do­en­ça si­len­ci­o­sa e os sin­to­mas co­me­çam a apa­re­cer a par­tir de dois anos após o con­tá­gio, é mui­to im­por­tan­te es­tar atento aos pri­mei­ros si­nais - apa­re­ci­men­to de man­chas no cor­po com di­mi­nui­ção de sen­si­bi­li­da­de, além da que­da de pe­los em re­giões de­li­mi­ta­das. As­sim é pos­sí­vel o tra­ta­men­to das le­sões, evi­tan­do o con­tá­gio dos fa­mi­li­a­res”, ex­pli­cou a co­or­de­na­do­ra de Saú­de do Adul­to e Ido­so da se­cre­ta­ria, Ju­li­a­na Mar­ques.

A do­en­ça tem cu­ra e sua trans­mis­são não é ime­di­a­ta. So­men­te pa­ci­en­tes com gran­de quan­ti­da­de do ba­ci­lo, ou se­ja, que es­tão em um es­tá­gio mais avan­ça­do e sem tra­ta­men­to é que trans­mi­tem a han­se­nía­se.

Em Lon­dri­na, du­ran­te to­do o mês, os pro­fis­si­o­nais de saú­de re­a­li­za­rão pa­les­tras nas UBSs (Uni­da­des Bá­si­cas de Saú­de), além de vi­si­tas do­mi­ci­li­a­res. Ca­so ha­ja sus­pei­ta de con­ta­mi­na­ção, os mo­ra­do­res da re­gião são ori­en­ta­dos a pro­cu­rar a UBS pa­ra ava­li­a­ção mé­di­ca e re­a­li­za­ção de exa­mes. “Sa­be­mos que mui­tas pes­so­as acham que a do­en­ça não exis­te ou têm in­for­ma­ção er­ra­da so­bre ela. É im­por­tan­te in­for­mar que a han­se­nía­se tem di­ag­nós­ti­co e tra­ta­men­to”, re­for­ça Mar­ques.

Se con­fir­ma­da a do­en­ça, o pa­ci­en­te e fa­mi­li­a­res con­tam com acom­pa­nha­men­to de uma equi­pe mé­di­ca pa­ra o tra­ta­men­to, que re­duz os da­nos à pe­le e ner­vos e po­de le­var à cu­ra. A co­or­de­na­do­ra de Saú­de da Mu­lher da SMS, Pris­ci­la Ale­xan­dra Col­mi­ran, lem­bra tam­bém so­bre a im­por­tân­cia do au­to­e­xa­me.

“Se olhe em fren­te ao es­pe­lho e veja se há man­chas aver­me­lha­das na pe­le, com pos­sí­vel per­da de pe­los, re­du­ção de sen­si­bi­li­da­de e en­ri­je­ci­men­to das ar­ti­cu­la­ções, por­que a han­se­nía­se tem cu­ra e quan­to an­tes for di­ag­nos­ti­ca­da me­no­res se­rão as com­pli­ca­ções”, res­sal­tou.

LON­DRI­NA

Em 2018 fo­ram no­ti­fi­ca­dos 18 no­vos ca­sos de han­se­nía­se no mu­ni­cí­pio. Pa­ra es­te ano, a se­cre­ta­ria tem co­mo me­ta di­ag­nos­ti­car 30 no­vos ca­sos, am­pli­an­do o con­tro­le da do­en­ça e re­du­zin­do a trans­mis­são.

Lon­dri­na tam­bém ade­riu à cam­pa­nha de han­se­nía­se e ver­mi­no­ses nas es­co­las. A ca­da ano, cin­co uni­da­des da re­de mu­ni­ci­pal re­ce­bem a vi­si­tas de agen­tes de saú­de que dão pa­les­tras pa­ra cri­an­ças de 6 a 14 anos. Além de ti­rar dú­vi­das, elas res­pon­dem a um ques­ti­o­ná­rio so­bre pos­sí­veis do­res, co­cei­ras ou in­sen­si­bi­li­da­de e fa­zem um tes­te de sen­si­bi­li­da­de em um de­se­nho do cor­po humano. “Per­ce­be­mos que eles ab­sor­vem a in­for­ma­ção e le­vam es­se conhecimento pa­ra ca­sa. Já hou­ve o re­la­to de uma cri­an­ça que per­ce­beu uma man­cha na pe­le da avó e o di­ag­nós­ti­co se con­fir­mou”, dis­se Mar­ques.

Sa­be­mos que mui­tas pes­so­as acham que a do­en­ça não exis­te ou têm in­for­ma­ção er­ra­da so­bre ela"

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.