Apli­ca­ti­vo de­vol­ve voz a pa­ci­en­tes

Folha de Londrina - - Saúde - Fran­ce Pres­se

Pra­ga - Há um ano, a vi­da de Vlas­ti­mil Gu­lar to­mou um ru­mo in­de­se­ja­do: um pe­que­na ci­rur­gia nas cor­das vo­cais re­ve­lou um cân­cer na gar­gan­ta, o que o le­vou à per­da de sua la­rin­ge e, com is­so, de sua voz. Mas Gu­lar, 51, pai de qu­a­tro fi­lhos, ain­da es­tá con­ver­san­do usan­do sua pró­pria voz, em vez do tim­bre de um robô, gra­ças a um apli­ca­ti­vo ino­va­dor de­sen­vol­vi­do por du­as uni­ver­si­da­des che­cas. “Acho is­so mui­to útil”, dis­se Gu­lar à AFP, usan­do o apli­ca­ti­vo pa­ra di­gi­tar o que ele que­ria di­zer, com sua pró­pria voz, por meio de um te­le­fo­ne ce­lu­lar. “Eu não sou mui­to bom em usar a pró­te­se vo­cal”, acres­cen­tou. Gu­lar pre­fe­re o no­vo apli­ca­ti­vo de voz de al­ta tec­no­lo­gia, que foi de­sen­vol­vi­do pa­ra pa­ci­en­tes que es­tão pres­tes a per­der a voz de­vi­do a uma la­rin­gec­to­mia, ou re­mo­ção da la­rin­ge, um pro­ce­di­men­to tí­pi­co pa­ra es­tá­gi­os avan­ça­dos de cân­cer de gar­gan­ta.

O pro­je­to con­jun­to da Uni­ver­si­da­de da Boê­mia Oci­den­tal em Pil­sen, da Uni­ver­si­da­de Char­les de Pra­ga e de du­as em­pre­sas pri­va­das - Cer­tiCon e Spe­e­chTe­ch - te­ve iní­cio há qua­se dois anos. A tec­no­lo­gia usa gra­va­ções de voz de um pa­ci­en­te pa­ra cri­ar uma fa­la sin­té­ti­ca que po­de ser re­pro­du­zi­da em seus te­le­fo­nes ce­lu­la­res, ta­blets ou lap­tops atra­vés do apli­ca­ti­vo.

Os pa­ci­en­tes pre­ci­sam gra­var mais de 10 mil sen­ten­ças pa­ra for­ne­cer aos ci­en­tis­tas ma­te­ri­al su­fi­ci­en­te pa­ra pro­du­zir sua voz sin­té­ti­ca. “Edi­ta­mos jun­tos sons in­di­vi­du­ais de fa­la, por is­so pre­ci­sa­mos de mui­tas fra­ses”, dis­se Jin­dri­ch Ma­tou­sek, es­pe­ci­a­lis­ta em sín­te­se de tex­to pa­ra fa­la, mo­de­la­gem de fa­la e acús­ti­ca que li­de­ra o pro­je­to na uni­ver­si­da­de de Pil­sen.

Mas há des­van­ta­gens: os pa­ci­en­tes que se­rão sub­me­ti­dos a la­rin­gec­to­mi­as ge­ral­men­te têm pou­co tem­po ou ener­gia pa­ra fa­zer as gra­va­ções, na sequên­cia de um di­ag­nós­ti­co que re­quer tra­ta­men­to rá­pi­do. “Ge­ral­men­te é uma ques­tão de se­ma­nas”, dis­se Bar­bo­ra Re­po­va, mé­di­ca do Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio de Mo­tol, que tra­ba­lha no pro­je­to pe­la Uni­ver­si­da­de Char­les.

Pa­ra re­sol­ver es­sas di­fi­cul­da­des, os ci­en­tis­tas cri­a­ram um mé­to­do mais sim­pli­fi­ca­do pa­ra o apli­ca­ti­vo, que é apoi­a­do pe­la Agên­cia de Tec­no­lo­gia da Re­pú­bli­ca Tche­ca. Tra­ba­lhan­do com me­nos sen­ten­ças - o ide­al se­ria 3.500, mas um mí­ni­mo de 300 - es­se mé­to­do usa mo­de­los es­ta­tís­ti­cos avan­ça­dos, co­mo re­des neu­rais ar­ti­fi­ci­ais. As sen­ten­ças são cui­da­do­sa­men­te se­le­ci­o­na­das e os sons in­di­vi­du­ais de­vem ser gra­va­dos vá­ri­as ve­zes, vis­to que são pro­nun­ci­a­dos de for­ma di­fe­ren­te ao la­do de sons di­fe­ren­tes ou no iní­cio e no fi­nal de uma pa­la­vra ou sen­ten­ça. Até ago­ra, a uni­ver­si­da­de de Pil­sen gra­vou en­tre 10 e 15 pa­ci­en­tes, se­gun­do Ma­tou­sek. Além do che­co, os ci­en­tis­tas de Pil­sen tam­bém cri­a­ram amos­tras de fa­la sin­te­ti­za­das em in­glês, rus­so e es­lo­va­co.

Gu­lar, que era es­to­fa­dor e per­deu o em­pre­go de­vi­do à sua de­fi­ci­ên­cia, con­se­guiu gra­var 477 sen­ten­ças nas três se­ma­nas en­tre o seu di­ag­nós­ti­co e a ope­ra­ção. Mas ele es­ta­va es­tres­sa­do e in­sa­tis­fei­to com a qua­li­da­de de sua voz. “Pa­ci­en­tes com cân­cer de gar­gan­ta mui­tas ve­zes so­frem de al­gu­ma for­ma de dis­fo­nia (rou­qui­dão) an­tes da ci­rur­gia, e is­so com­bi­na­do com uma amos­tra de fa­la li­mi­ta­da, faz a voz pa­re­cer ar­ti­fi­ci­al”, dis­se Re­po­va.

CA­MI­NHOS

Ma­tou­sek acre­di­ta que, no fu­tu­ro, os pa­ci­en­tes po­de­rão usar o apli­ca­ti­vo pa­ra gra­var sua voz em ca­sa, usan­do um si­te es­pe­ci­a­li­za­do pa­ra ori­en­tá-los du­ran­te o pro­ces­so. E ele es­pe­ra que um dia es­sa tec­no­lo­gia vá ain­da mais lon­ge. “O ob­je­ti­vo fi­nal é um dis­po­si­ti­vo em mi­ni­a­tu­ra co­nec­ta­do ao cé­re­bro, aos ner­vos li­ga­dos à fa­la - en­tão os pa­ci­en­tes po­de­ri­am con­tro­lar o dis­po­si­ti­vo com seus pen­sa­men­tos”, dis­se. “Um fi­nal fe­liz se­ria um dis­po­si­ti­vo im­plan­ta­do na gar­gan­ta que pu­des­se fa­lar com a pró­pria voz do pa­ci­en­te. Po­de ser que não che­gue em um ano ou mes­mo em 10 anos, mas é re­a­lis­ta e es­ta­mos a ca­mi­nho dis­so”.

O ob­je­ti­vo fi­nal é um dis­po­si­ti­vo em mi­ni­a­tu­ra co­nec­ta­do ao cé­re­bro"

Mi­chal Ci­zek/AFP

“Acho is­so mui­to útil”, afir­ma Vlas­ti­mil Gu­lar, so­bre o apli­ca­ti­vo que usa pa­ra di­gi­tar o que ele quer di­zer

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.