AVE­NI­DA PA­RA­NÁ

Folha de Londrina - - Primeira Página - Fa­le com o co­lu­nis­ta: ave­ni­da­pa­ra­[email protected]­lha­de­lon­dri­na.com.br

Pe­ço des­cul­pas por acre­di­tar que a ide­o­lo­gia de gê­ne­ro em gran­de par­te não pas­sa de char­la­ta­nis­mo in­te­lec­tu­al

Eu, Pau­lo Bri­guet, 48 anos, ca­sa­do com a Ro­sân­ge­la, pai do Pe­dro, jor­na­lis­ta e es­cri­tor, pau­lis­ta­no de cer­ti­dão e lon­dri­nen­se de co­ra­ção, pas­se­a­dor ofi­ci­al do Cis­co, alu­no e ami­go de Ola­vo de Car­va­lho, ve­nho a pú­bli­co con­fes­sar que sou um ca­ra re­tró­gra­do e pre­con­cei­tu­o­so. Che­guei a es­sa con­clu­são após ler o ar­ti­go da com­pa­nhei­ra Lu­ci­a­na do Car­mo Ne­ves, ad­vo­ga­da e do­cen­te da UEL, pu­bli­ca­do re­cen­te­men­te nes­ta Fo­lha (“A dis­cus­são não se re­duz a co­res”, Es­pa­ço Aber­to, 11/1).

Vo­cê tem to­da ra­zão, Lu­ci­a­na. Só mes­mo um re­a­ci­o­ná­rio co­mo eu se­ria ca­paz de en­xer­gar em seu tex­to na­da além de um acú­mu­lo de cli­chês po­li­ti­ca­men­te cor­re­tos dig­nos de um bo­le­tim de DCE pso­lis­ta. Não fos­se o seu ar­ti­go tão es­cla­re­ce­dor, eu di­ria que vo­cê es­cre­ve na lín­gua do im­be­ci­lês, em que as pa­la­vras dei­xam de fa­zer re­fe­rên­cia à re­a­li­da­de e tor­nam-se es­cra­vas da ide­o­lo­gia. Mas eu não sou mais es­se ho­mem. Vo­cê me sal­vou do re­tro­ces­so e do pre­con­cei­to. Por is­so, eu me re­tra­to, dou­to­ra.

Pe­ço des­cul­pas por con­cor­dar com a mai­o­ria dos bra­si­lei­ros, que acre­di­tam na exis­tên­cia de dois se­xos bi­o­ló­gi­cos, o mas­cu­li­no e o fe­mi­ni­no, es­ses que o fa­mi­ge­ra­do sen­so co­mum as­so­ci­ou sim­bo­li­ca­men­te às co­res ro­sa e azul (vi­de “Ou­tu­bro Ro­sa” e “No­vem­bro Azul”, du­as da­tas fas­cis­tas).

Pe­ço des­cul­pas por acre­di­tar que a ide­o­lo­gia de gê­ne­ro em gran­de par­te não pas­sa de char­la­ta­nis­mo in­te­lec­tu­al, que se apro­vei­ta do so­fri­men­to humano pa­ra des­truir a fa­mí­lia, sus­ten­tá­cu­lo da ci­vi­li­za­ção. Che­guei ao cú­mu­lo de afir­mar que a de­fe­sa do abor­to e da li­be­ra­ção das dro­gas são es­tra­té­gi­as ne­fas­tas que pos­su­em o mes­mo pro­pó­si­to.

Pe­ço des­cul­pas por não usar os ho­mos­se­xu­ais co­mo me­ros ins­tru­men­tos da guer­ra po­lí­ti­ca, trans­for­man­do­os em ban­dei­ras par­ti­dá­ri­as. Ro­go per­dão por não es­que­cer que eles são, an­tes de tu­do, se­res hu­ma­nos me­re­ce­do­res de res­pei­to e com­pre­en­são.

Pe­ço des­cul­pas por não es­con­der o fa­to de que o Bra­sil é o país que mais ma­ta se­res hu­ma­nos no mun­do, on­de 92% dos as­sas­si­nos nem se­quer são iden­ti­fi­ca­dos, on­de os ma­ta­do­res não per­gun­tam an­tes se a ví­ti­ma é bran­ca, ne­gra, in­dí­ge­na ou gay.

Pe­ço des­cul­pas por pen­sar co­mo 80% do po­vo da nos­sa ci­da­de, que re­jei­tou as po­lí­ti­cas es­quer­dis­tas e proi­biu a ide­o­lo­gia de gê­ne­ro nas es­co­las mu­ni­ci­pais.

Pe­ço des­cul­pas por apro­var a de­ci­são do MEC de ex­tin­guir a Se­cre­ta­ria da La­cra­ção e cri­ar a Se­cre­ta­ria da Al­fa­be­ti­za­ção.

Pe­ço des­cul­pas por pen­sar que Ruy Bar­bo­sa e Mi­guel Re­a­le, ca­so vol­tas­sem à vi­da, tal­vez pe­dis­sem pa­ra mor­rer de no­vo di­an­te os es­tra­gos cau­sa­dos pe­la ide­o­lo­gia es­quer­dis­ta nos cur­sos de di­rei­to bra­si­lei­ros.

Pe­ço des­cul­pas por de­fen­der uma mu­lher, ad­vo­ga­da, cris­tã, ati­vis­ta dos di­rei­tos hu­ma­nos e sal­va­do­ra de cri­an­ças con­tra os ata­ques des­fe­ri­dos pe­la ex­tre­maim­pren­sa e a eli­te aca­dê­mi­ca.

En­fim, com­pa­nhei­ra dou­to­ra, eu pe­ço des­cul­pas por ser um ca­ra pre­con­cei­tu­o­so, e por ter co­mo al­vo ex­clu­si­vo do meu pre­con­cei­to a bur­ri­ce. Es­sa que às ve­zes vem di­plo­ma­da.

Da­ta vê­nia, pro­me­to me­lho­rar.

Pe­ço des­cul­pas à do­cen­te da UEL por con­cor­dar com a mai­o­ria do po­vo e re­jei­tar o char­la­ta­nis­mo in­te­lec­tu­al da ide­o­lo­gia de gê­ne­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.