CO­LU­NA DO PVC

Folha de Londrina - - Primeira Página -

Na vol­ta das fé­ri­as, o téc­ni­co Jor­ge Sam­pa­o­li, do San­tos, es­pan­tou-se com os jo­ga­do­res aci­ma do pe­so

A mai­or con­tri­bui­ção de um téc­ni­co es­tran­gei­ro, do pa­ta­mar de Jor­ge Sam­pa­o­li, é tá­ti­ca. Mas seu pri­mei­ro pu­xão de ore­lhas foi dis­ci­pli­nar. Na vol­ta das fé­ri­as, es­pan­tou-se com os jo­ga­do­res aci­ma do pe­so. Se es­ta­vam li­be­ra­dos pa­ra o des­can­so re­gu­la­men­tar, em te­se po­de­ri­am ex­tra­po­lar. Sam­pa­o­li não pen­sa as­sim. Nem de­ve­ria.

Por­que, pa­ra que sua mai­or con­tri­bui­ção se­ja tá­ti­ca, é pre­ci­so ter o elen­co em boa for­ma fí­si­ca des­de o pri­mei­ro dia de trei­nos. Se for di­fe­ren­te, ha­ve­rá des­per­dí­cio de tem­po.

O epi­só­dio de Sam­pa­o­li com os gor­di­nhos san­tis­tas é a pon­ta de um pro­ble­ma tra­ta­do ca­da vez mais in­ter­na­men­te, mas que pou­ca gen­te tem co­ra­gem de co­lo­car o de­do na fe­ri­da. Há du­as se­ma­nas, nu­ma con­ver­sa te­lefô­ni­ca, o di­ri­gen­te de um gran­de clu­be afir­mou a es­te co­lu­nis­ta: “To­do gran­de jo­ga­dor bra­si­lei­ro be­be mui­to”.

Um trei­na­dor do al­to es­ca­lão ava­li­zou e dis­se que es­sa é só me­ta­de da his­tó­ria. “Eu di­go que o fu­te­bol es­tá se­pa­ra­do em dois gru­pos: os bê­ba­dos que re­sol­vem e os que atra­pa­lham.”

O li­vro “Fo­ot­ball, Blo­od Hell”, bi­o­gra­fia não au­to­ri­za­da de Alex Fer­gu­son, con­ta que o trei­na­dor es­co­cês es­pan­tou-se ao che­gar ao Man­ches­ter Uni­ted, em 1986. En­con­trou al­coó­la­tras, co­mo Bryan Robson. Seu su­ces­so tar­dou até a fi­nal da Co­pa da In­gla­ter­ra de 1990, seu pri­mei­ro tí­tu­lo in­glês só veio em 1993 e seu me­lhor ti­me ti­nha um gru­po de jo­vens for­ma­dos em Man­ches­ter, com cul­tu­ra pro­fis­si­o­nal des­de a for­ma­ção.

Dou­tor Só­cra­tes foi um gê­nio e sem­pre fu­mou seu ci­gar­ro e to­mou sua cer­ve­ja. Foi um gê­nio. A pre­o­cu­pa­ção é com o des­per­dí­cio dos que não são ge­ni­ais, mas po­dem vi­rar cra­ques. Não há no mun­do país que des­per­di­ce tan­tos ta­len­tos quan­to o Bra­sil. O úl­ti­mo exem­plo é Lu­an, do Grê­mio. Nes­te ca­so, não se fa­la de ál­co­ol.

Cra­que da Amé­ri­ca do Sul em 2017, aca­ba de ser en­vol­vi­do em tro­ca pe­lo Grê­mio com o Cru­zei­ro, que só não acon­te­ceu por­que o jo­ga­dor se re­cu­sou a sair pa­ra o mer­ca­do bra­si­lei­ro -se­ria des­va­lo­ri­za­do em uma tro­ca por Thi­a­go Ne­ves. Aos 25 anos, a im­pres­são é que Re­na­to Gaú­cho de­sis­tiu de­le. O mer­ca­do eu­ro­peu de­sis­tiu faz tem­po... Por quê?

In­for­ma­ção ain­da é a coi­sa mais mo­der­na que exis­te. No fu­te­bol, cir­cu­la ra­pi­da­men­te. O di­ri­gen­te da Rús­sia sa­be o que se pas­sa na noi­te de Por­to Ale­gre, Bu­e­nos Ai­res, Mon­te­vi­déu, São Pau­lo. A cer­ve­ji­nha é per­do­a­da. Na Ale­ma­nha, é qua­se diá­ria. O pro­ble­ma é o abu­so.

Fa­la-se, no ves­tiá­rio de um gran­de clu­be pau­lis­ta so­bre um meio-cam­pis­ta que dei­xou o Bra­sil no ano pas­sa­do, que ele pa­rou de jo­gar de área a área quan­do au­men­tou as do­ses de uís­que.

O co­lu­nis­ta se des­cul­pa por ci­tar his­tó­ri­as sem no­mes, mas o con­tex­to pa­re­ce im­por­tan­te em um pro­ble­ma re­la­ta­do por fon­tes di­fe­ren­tes com per­so­na­gens dis­tin­tos. Se um meia não jo­ga de área a área, co­mo na Eu­ro­pa, po­de ser por­que per­de con­di­ção fí­si­ca. O ti­me per­de in­ten­si­da­de, a es­tra­té­gia so­me. O an­tí­do­to é aca­bar com o pa­ter­na­lis­mo.

Fu­te­bol de al­to ní­vel é o cor­po. Sam­pa­o­li mon­tou o San­tos em seu pri­mei­ro amis­to­so, con­tra o Co­rinthi­ans, num 3-4-3. Pa­ra ser ou­sa­do ta­ti­ca­men­te, vai pre­ci­sar de jo­ga­do­res fi­si­ca­men­te ap­tos. Se es­ti­ve­rem gor­di­nhos, por co­mer ou be­ber em ex­ces­so, não vai ro­lar.

O epi­só­dio de Sam­pa­o­li com os gor­di­nhos san­tis­tas é a pon­ta de um pro­ble­ma tra­ta­do ca­da vez mais in­ter­na­men­te, mas que pou­ca gen­te tem co­ra­gem de co­lo­car o de­do na fe­ri­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.