STF proí­be pri­são após 2ª ins­tân­cia e abre ca­mi­nho pa­ra sol­tu­ra de Lu­la

Por 6 vo­tos a 5, Cor­te to­ma de­ci­são que abre ca­mi­nho pa­ra li­be­rar cer­ca de 5 mil réus, en­tre eles o ex-pre­si­den­te Lu­la

Folha de Londrina - - Primeira Página -

Com vo­to de­ci­si­vo do pre­si­den­te Di­as Tof­fo­li, o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral vol­tou a bar­rar a pri­são após se­gun­da ins­tân­cia. De acor­do com o en­ten­di­men­to da mai­o­ria, um con­de­na­do só po­de­rá ser pre­so após o trânsito em jul­ga­do, quan­do to­dos os re­cur­sos se es­go­ta­rem. De­ci­são po­de be­ne­fi­ci­ar cer­ca de 5.000 pre­sos, en­tre eles o ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, que cum­pre pe­na des­de abril do ano pas­sa­do pe­lo ca­so do trí­plex de Gu­a­ru­já

Bra­sí­lia - O STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) vol­tou a bar­rar a pri­são de con­de­na­dos lo­go após a se­gun­da ins­tân­cia e re­ver­teu o en­ten­di­men­to es­ta­be­le­ci­do pe­la cor­te em 2016.

A de­ci­são abre ca­mi­nho pa­ra li­be­rar cer­ca de 5.000 réus, se­gun­do o CNJ (Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça), en­tre eles o ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, pre­so em Cu­ri­ti­ba des­de abril de 2018.

Úl­ti­mo a vo­tar no jul­ga­men­to des­ta quin­ta-fei­ra (7), o pre­si­den­te do STF, mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, de­sem­pa­tou o pla­car e deu o sex­to vo­to con­tra a exe­cu­ção da pe­na an­tes de es­go­ta­dos to­dos os re­cur­sos do réu.

O jul­ga­men­to do te­ma co­me­çou em 17 de ou­tu­bro e ocu­pou qua­tro ses­sões ple­ná­ri­as.

Vo­ta­ram a fa­vor da pri­são lo­go após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia os mi­nis­tros Ale­xan­dre de Mo­ra­es, Ed­son Fa­chin, Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, Luiz Fux e Cár­men Lú­cia.

O re­la­tor do te­ma, Mar­co Au­ré­lio, e Ro­sa We­ber, Ri­car­do Lewan­dows­ki, Gil­mar Men­des, Cel­so de Mel­lo e Tof­fo­li vo­ta­ram con­tra.

Re­la­tor dos pro­ces­sos da La­va Ja­to no Su­pre­mo, o mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, que é fa­vo­rá­vel à pri­são lo­go após con­de­na­ção em se­gun­do grau, já ha­via mi­ni­mi­za­do os im­pac­tos de uma mu­dan­ça ao ne­gar um “efei­to ca­tas­tró­fi­co”.

Pa­ra Fa­chin, os juí­zes res­pon­sá­veis pe­la exe­cu­ção pe­nal po­de­rão de­cre­tar a pri­são pre­ven­ti­va dos réus, mi­ti­gan­do os efei­tos da de­ci­são do Su­pre­mo.

Nos úl­ti­mos dez anos, o ple­ná­rio do STF dis­cu­tiu ao me­nos cin­co ve­zes qual de­ve ser o mo­men­to de exe­cu­tar a pe­na de um con­de­na­do. Na mai­o­ria de­las, o de­ba­te foi atre­la­do a um ca­so con­cre­to, co­mo quan­do os mi­nis­tros ne­ga­ram um ha­be­as cor­pus pe­di­do por Lu­la.

Ago­ra, o Su­pre­mo jul­gou três ações que abor­dam o te­ma de for­ma abs­tra­ta, sem li­ga­ção com ca­sos con­cre­tos -em­bo­ra a som­bra de Lu­la per­ma­ne­ça so­bre o tri­bu­nal.

“Nin­guém sai­rá des­se jul­ga­men­to, ain­da que se al­te­re a ju­ris­pru­dên­cia, de­cla­ra­do ino­cen­te. Nós ape­nas es­ta­mos de­ci­din­do qual é o mar­co ini­ci­al do cum­pri­men­to da pe­na quan­do con­fir­ma­da a sen­ten­ça em se­gun­do grau”, dis­se Fa­chin nes­ta quar­ta-fei­ra (6).

Pre­si­den­te do Su­pre­mo, o mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li fez mo­vi­men­tos po­lí­ti­cos nos úl­ti­mos di­as a fim de cons­truir um am­bi­en­te me­nos hos­til à pos­sí­vel mu­dan­ça na ju­ris­pru­dên­cia.

CAR­TA POR LU­LA

A pre­si­den­te na­ci­o­nal do PT, de­pu­ta­da Glei­si Hoff­mann, en­vi­ou ao pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Di­as Tof­fo­li, um ma­ni­fes­to ex­pres­san­do “pre­o­cu­pa­ção” com a “si­tu­a­ção in­jus­ta que atin­ge o ex-pre­si­den­te Lu­la”.

O do­cu­men­to é as­si­na­do por 14 pro­fis­si­o­nais de di­fe­ren­tes mei­os, co­mo o di­plo­ma­ta Cel­so Amorim, o es­cri­tor Ra­du­an Nas­sar, os mú­si­cos Chi­co Bu­ar­que e Gil­ber­to Gil, o ci­ne­as­ta Kle­ber Men­don­ça Fi­lho e o fo­tó­gra­fo Se­bas­tião Sal­ga­do.

“Por en­ten­der­mos que a pri­são de Lu­la atin­ge o cer­ne da ci­da­da­nia, do Es­ta­do de di­rei­to e da ver­da­dei­ra jus­ti­ça no Bra­sil, apoi­a­mos e di­vul­ga­mos es­te do­cu­men­to que de­nun­cia os abu­sos e ile­ga­li­da­des de um pro­ces­so cru­el, con­du­zi­do com par­ci­a­li­da­de e ob­je­ti­vos po­lí­ti­cos”, afir­ma a car­ta.

“E co­mo não há na­da ocul­to que não ve­nha a ser re­ve­la­do, es­tá nas mãos do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral cor­ri­gir es­se er­ro, pa­ra res­ta­be­le­cer a ver­da­de e pro­por­ci­o­nar a pa­ci­fi­ca­ção de­mo­crá­ti­ca do país.” “Lu­la per­deu a li­ber­da­de e o Bra­sil de­sen­con­trou a paz”, diz a no­ta.

Sér­gio Li­ma/AFP

Na ses­são de jul­ga­men­to re­a­li­za­da nes­sa quin­ta, pla­car es­ta­va em­pa­ta­do em 5 a 5 até o vo­to de­ci­si­vo do pre­si­den­te Di­as Tof­fo­li por bar­rar pri­são após se­gun­da ins­tân­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.