Nelly Bur­goa, 52,

Folha de S.Paulo - Sãopaulo - - Primeira Página -

Aos 19 anos, Nelly veio a São Pau­lo vi­si­tar seus três ir­mãos que já mo­ra­vam aqui. Uma ami­ga a con­ven­ceu a fa­zer um cur­so téc­ni­co em óti­ca e, lo­go, ela ar­ru­mou um es­tá­gio na área. Re­sol­veu, en­tão, fi­car no Bra­sil.

Por dez anos, foi fun­ci­o­ná­ria de uma re­de de óti­cas, até o dia em que seu pa­trão não quis lhe pa­gar a co­mis­são por ter si­do a me­lhor ven­de­do­ra. “Ele dis­se que eu não ti­nha o di­rei­to de re­cla­mar por­que era es­tran­gei­ra.”

Com a aju­da de um mé­di­co e de seus ir­mãos, abriu sua pró­pria óti­ca, em San­ta­na, bair­ro on­de mo­ra. Há um ano, inau­gu­rou uma uni­da­de na rua Bres­ser, on­de aten­de prin­ci­pal­men­te imi­gran­tes la­ti­no-ame­ri­ca­nos.

Pa­ra mos­trar as raí­zes do seu país a seus dois fi­lhos e três ne­tos, Nelly cos­tu­ma ir aos do­min­gos à fei­ra na pra­ça que reú­ne a co­mu­ni­da­de bo­li­vi­a­na no Ca­nin­dé. Ali, gos­ta de as­sis­tir a dan­ças tí­pi­cas e co­mer o pla­to pa­ceño, re­cei­ta que le­va mi­lho, fa­vas, ba­ta­ta e quei­jo.

Pa­ra um pas­seio em fa­mí­lia, ela tam­bém re­co­men­da o que “tem um mi­ra­dor her­mo­so, um res­tau­ran­te agra­dá­vel e es­pa­ço in­fan­til”.

Adep­ta de um es­ti­lo de vi­da sau­dá­vel, a em­pre­sá­ria pra­ti­ca cor­ri­da no par­que e na ave­ni­da na zo­na nor­te. Seu res­tau­ran­te pre­fe­ri­do é o bu­fê com va­ri­e­da­de de sa­la­das, no Itaim Bi­bi.

Kan­tu­ta, Sesc Ave­ni­da Pau­lis­ta, Ibi­ra­pu­e­ra Braz Le­me, Ca­cho­ei­ra Na­tu­ral,

Se São Pau­lo se ven­de e é vis­ta co­mo uma me­tró­po­le cos­mo­po­li­ta, não é à toa.

En­quan­to as ca­pi­tais do li­to­ral, co­mo Salvador e Rio de Ja­nei­ro, cres­ce­ram co­mo cen­tros do po­der ao lon­go da Colô­nia e do Im­pé­rio, é só a par­tir da se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo 19 que São Pau­lo co­me­ça a ser pu­jan­te.

O pe­río­do coin­ci­de com a che­ga­da de imi­gran­tes eu­ro­peus. O fim do trá­fi­co ne­grei­ro, em 1850, e a abo­li­ção da escravatur­a, em 1888, oca­si­o­na­ram a en­tra­da em ce­na de tra­ba­lha­do­res es­tran­gei­ros. Pri­mei­ro, na la­vou­ra do ca­fé, prin­ci­pal pro­du­to da eco­no­mia na­ci­o­nal en­tão; de­pois, na nas­cen­te in­dús­tria que sur­gia pa­ra aten­der o pú­bli­co ur­ba­no que se in­cre­men­ta­va.

As es­tra­das de fer­ro tam­bém con­tri­buí­ram pa­ra tra­zer a São Pau­lo, co­mo a ou­tras ci­da­des dis­tan­tes da cos­ta, no­vi­da­des da Eu­ro­pa.

Es­sas não se li­mi­ta­vam a trans­por­tar em baús de Pa­ris fi­gu­ri­nos pa­ra a al­ta so­ci­e­da­de; as car­gas in­cluíam ma­qui­ná­rio pa­ra a la­vou­ra e a in­dús­tria —e tam­bém ele­men­tos es­tru­tu­rais e de­co­ra­ti­vos pa­ra cons­truir os sa­lões on­de as clas­ses ele­gan­tes se exi­bi­am.

Es­se mo­men­to par­ti­cu­lar em que se com­bi­nam ex­ce­den­te econô­mi­co e ele­men­tos im­por­ta­dos tem, na ar­qui­te­tu­ra, um re­fle­xo cla­ro, que se im­põe ao lon­go das du­as pri­mei­ras dé­ca­das do sé­cu­lo 20.

Par­que Re­si­den­ci­al Sa­voia

Es­sa vi­la na Bar­ra Fun­da mos­tra que o ecle­tis­mo não era re­ser­va­do só aos mo­nu­men­tos. Foi er­gui­da em 1939 pe­lo en­ge­nhei­ro Ar­nal­do Maia Lel­lo, por en­co­men­da do po­lo­nês Salvador Mar­kowicz, que ali ins­ta­lou a fa­mí­lia. Os ares e o no­me ita­li­a­nos são ho­me­na­gem à mu­lher de Mar­kowicz, que vi­nha de Tu­rim, ter­ra dos Sa­voi­as.

R. Vi­to­ri­no Car­mi­lo, 453, Bar­ra Fun­da.

Mu­seu Pau­lis­ta

Por ora só po­de ser vis­to de fo­ra. Mes­mo as­sim, do Par­que da In­de­pen­dên­cia é pos­sí­vel apre­ci­ar ca­rac­te­rís­ti­cas cla­ras do es­ti­lo eclé­ti­co, co­mo a si­me­tria da fa­cha­da, com ele­men­tos ne­o­clás­si­cos: as co­lu­nas e o fron­tão. Inau­gu­ra­do em

7 de se­tem­bro de 1895, de­ve ser re­a­ber­to na mes­ma da­ta, em 2022.

Par­que da In­de­pen­dên­ci­aAv. Na­za­ré, s/nº, Ipi­ran­ga.

Pa­la­ce­te Ro­sa

A cor da fa­cha­da deu o ape­li­do ao ca­sa­rão cons­truí­do, por Da­vid Ja­fet, mem­bro de uma fa­mí­lia li­ba­ne­sa que fez for­tu­na no ra­mo têx­til e do­mi­nou a re­gião com 22 pa­la­ce­tes —es­se foi o úni­co a tra­zer pa­ra a ar­qui­te­tu­ra as ori­gens do proprietár­io. Não es­tá aber­to à vi­si­ta­ção, mas do ex­te­ri­or é pos­sí­vel se des­lum­brar com de­ta­lhes des­sa fan­ta­sia mou­ris­ca, que in­clu­em uma tor­re­zi­nha ao es­ti­lo de um mi­na­re­te.

R. Bom Pas­tor, es­qui­na com a r. Pa­tri­o­tas, Ipi­ran­ga.

Ca­sa da Boia

Ra­ro ca­so de imó­vel co­mer­ci­al que man­te­ve sua vo­ca­ção. Des­de 1909, quan­do foi inau­gu­ra­da, ven­de ma­te­ri­ais hi­dráu­li­cos. Sua fa­cha­da é en­fei­ta­da com ele­men­tos mi­to­ló­gi­cos e con­ta com gra­dis de fer­ro fun­di­do com tra­ços art nou­ve­au. Tan­to re­bus­ca­men­to não era ape­nas pa­ra atrair fre­gue­ses in­te­res­sa­dos em si­fões. A fa­mí­lia do imi­gran­te sí­rio de ori­gem ar­mê­nia Riz­kal­lah Jor­ge Tahan ha­bi­ta­va o so­bra­do, fi­can­do o tér­reo re­ser­va­do ao co­mér­cio. A ca­sa tem vi­si­tas gui­a­das pe­rió­di­cas.

R. Flo­rên­cio de Abreu, 119, cen­tro.

The­a­tro Mu­ni­ci­pal

Es­tá­tu­as, ca­riá­ti­des, már­mo­res, co­lu­nas, vi­trais, uma cú­pu­la im­po­nen­te. O im­pres­si­o­nan­te The­a­tro Mu­ni­ci­pal, cons­truí­do en­tre 1903 e 1911, tem seu mo­de­lo, co­mo ou­tros da épo­ca, na Ópe­ra de Pa­ris. Seu cri­a­dor, Ra­mos de Aze­ve­do (1851-1928) —que, no Mu­ni­ci­pal, te­ve a co­la­bo­ra­ção dos ita­li­a­nos Clau­dio Ros­si e Do­mi­zi­a­no Ros­si—, foi um dos ex­po­en­tes do ecle­tis­mo, as­si­nan­do vá­ri­os mo­nu­men­tos no es­ti­lo, co­mo a Pi­na­co­te­ca (res­tau­ra­da por Pau­lo Men­des da Ro­cha e Edu­ar­do Co­lo­nel­li), o Mer­ca­do Mu­ni­ci­pal e o Pa­lá­cio da Jus­ti­ça.

Pça. Ra­mos de Aze­ve­do, s/nº, Re­pú­bli­ca.

Pa­la­ce­te Ro­sa, cons­truí­do por Da­vid Ja­fet, mem­bro de fa­mí­lia li­ba­ne­sa

O faus­to da épo­ca se tra­duz em fa­cha­das ela­bo­ra­das, or­na­das com ele­men­tos va­ri­a­dos. Uns pa­re­cem vir de tem­plos gre­gos; ou­tros, de pa­lá­ci­os re­nas­cen­tis­tas.

O es­ti­lo co­nhe­ci­do co­mo eclé­ti­co abar­ca qua­se tu­do que en­che os olhos de qu­em vi­si­ta mo­nu­men­tos da ci­da­de —exem­plos no­tá­veis são o Mu­seu Pau­lis­ta, de 1895, e o The­a­tro Mu­ni­ci­pal, inau­gu­ra­do em 1911.

A pa­la­vra “eclé­ti­co”, em­pre­ga­da co­mu­men­te pa­ra de­fi­nir uma mis­tu­ra va­ri­a­da, vem do gre­go “eklek­ti­kos”, que sig­ni­fi­ca “que es­co­lhe”. Es­se é o es­pí­ri­to do ecle­tis­mo em ar­qui­te­tu­ra: es­co­lher o me­lhor e o mais ver­da­dei­ro de di­fe­ren­tes estilos e reu­ni-los de for­ma har­mo­ni­o­sa.

Ora, se o que se jun­ta­va era o me­lhor da­qui e da­li, tal re­sul­ta­do não po­de­ria ser se­não óti­mo —es­se era o su­pos­to. Se­ria, con­tu­do, ver­da­dei­ro?

O es­ti­lo eclé­ti­co po­de ser vis­to co­mo uma es­pé­cie de fan­ta­sia ar­qui­tetô­ni­ca. Es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca se for­ta­le­ce quan­do, aos pou­cos, ele mi­gra da es­ca­la dos gran­des pré­di­os pú­bli­cos —teatros, fó­runs, mer­ca­dos— pa­ra as cons­tru­ções re­si­den­ci­ais.

So­mam-se aos ele­men­tos his­to­ri­cis­tas, vin­dos de ar­qui­te­tu­ras do pas­sa­do —do pe­río­do clás­si­co, do gó­ti­co, da cor­te fran­ce­sa dos Luí­ses—, ou­tros, iden­ti­fi­ca­dos com di­fe­ren­tes na­ci­o­na­li­da­des, por en­ge­nho dos mes­tres de obras es­tran­gei­ros ou por en­co­men­da de imi­gran­tes en­ri­que­ci­dos.

Ar­cos em fer­ra­du­ra tí­pi­cos da ar­qui­te­tu­ra ára­be e as de­co­ra­ções em es­tu­que de ar tos­ca­no, as tra­vas de ma­dei­ra que com­põem as ca­sas nor­man­das e, por que não, os ele­men­tos do ne­o­co­lo­ni­al bra­si­lei­ro, nu­ma ten­ta­ti­va de res­ga­te de iden­ti­da­de, vão, as­sim, pas­san­do a in­te­grar a pai­sa­gem pau­lis­ta­na.

Os pri­mei­ros ven­tos mo­der­nis­tas, que so­pra­ram a par­tir do fim dos anos 1920, não var­re­ram tão ra­pi­da­men­te o gos­to eclé­ti­co. Po­rém, com o pas­sar do tem­po, con­si­de­ra­do im­pu­ro —vis­to não co­mo “um pe­río­do na his­tó­ria, mas um hi­a­to nes­sa his­tó­ria”, nas pa­la­vras de Lu­cio Cos­ta—, o ecle­tis­mo per­deu mui­tos exem­pla­res pa­ra as mar­re­tas. Exem­plo são to­dos os ca­sa­rões que vi­e­ram abai­xo na ave­ni­da Pau­lis­ta.

Coi­sas be­las, po­rém, ain­da per­sis­tem co­mo re­gis­tro des­se pe­río­do for­ma­ti­vo da ci­da­de.

JU­LIA CRISTOFI/FO­LHA­PRESS

en­tre 1928 e 1935,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.