AMOR À PRI­MEI­RA VI­SI­TA

Folha de S.Paulo - Sãopaulo - - Primeira Página - Texto Matthew Shirts ilus­tra­ção Ca­ta­ri­na Pignato

Lem­bro-me da emo­ção de che­gar em São Pau­lo pa­ra um ano de in­ter­câm­bio na USP em 1979. Pou­sa­mos no pe­que­no e bo­ni­to ae­ro­por­to de Con­go­nhas (ain­da não ha­via Cum­bi­ca). Tra­ja­va uma ca­mi­se­ta do Co­rinthi­ans, guar­da­da de um in­ter­câm­bio an­te­ri­or, de co­lé­gio, no Ma­to Gros­so do Sul. Meu ca­be­lo era gi­gan­te, co­mo se usa­va na épo­ca. Es­pe­ra­va-me o di­re­tor aca­dê­mi­co, Car­los Ba­ko­ta, um grin­go/chi­ca­no genial e boa gen­te, gran­de en­ten­de­dor da cul­tu­ra bra­si­lei­ra, tan­to da po­pu­lar co­mo da eru­di­ta, e meu ami­go até ho­je.

Na­que­la pri­mei­ra noi­te na ci­da­de, Car­los me le­va à ave­ni­da Pau­lis­ta pa­ra rou­bar car­ta­zes de ban­ca da re­vis­ta Play­boy. Ele os uti­li­zou em um tra­ba­lho de an­tro­po­lo­gia, so­fis­ti­ca­do, so­bre o pa­pel da bun­da na cul­tu­ra do Bra­sil.

Es­ta foi mi­nha pri­mei­ra noi­te em São Pau­lo e eu já que­ria fi­car. Sou de ci­da­de pe­que­na, Del Mar, na Ca­li­fór­nia, e o agi­to da gran­de me­tró­po­le sul-ame­ri­ca­na, mo­vi­men­ta­da e crua, com chei­ro de óleo di­e­sel e su­jei­ra e ba­ru­lho dos ôni­bus por to­da par­te, me pa­re­cia guar­dar uma ver­da­de mai­or que a pa­ca­ta vi­da de clas­se mé­dia na Ca­li­fór­nia.

To­dos se in­te­res­sa­vam pe­la mi­nha his­tó­ria. O que fa­zia eu ali? Co­mo apren­de­ra o por­tu­guês? Por que me tor­na­ra co­rin­ti­a­no? A fa­cul­da­de de hu­ma­nas (FFLCH) da USP res­pi­ra­va, a es­sa al­tu­ra, a bri­sa con­ta­gi­an­te da aber­tu­ra po­lí­ti­ca. O que nós es­tu­dá­va­mos nas au­las, de Ma­cha­do de As­sis à so­ci­o­lo­gia ru­ral, pa­re­cia ser re­le­van­te pa­ra o fu­tu­ro do país e es­sa era, pa­ra mim, uma sen­sa­ção no­va e ine­bri­an­te. Des­co­bri ali na USP o in­te­lec­tu­a­lis­mo, pa­ra ci­tar a can­to­ra pop Sheryl Crow (“He was high on in­tel­lec­tu­a­lism”), e não que­ria ou­tra coi­sa na vi­da.

De­pois do meu ano na USP, com au­las de gran­des pro­fes­so­res, vol­ta­ria di­ver­sas ve­zes pa­ra São Pau­lo, até ca­sar e fi­xar re­si­dên­cia em 1984 no bair­ro ain­da hu­mil­de da Vi­la Ma­da­le­na. São Pau­lo con­se­gue a pro­e­za de com­bi­nar uma vi­da de ci­da­de de in­te­ri­or nos bair­ros, on­de to­dos se co­nhe­cem, se cum­pri­men­tam e se con­ver­sam, com o mo­vi­men­to fre­né­ti­co de uma gran­de me­tró­po­le. Es­se é o seu mai­or char­me, tal­vez. É cons­truí­do com ba­se no per­so­na­lis­mo da cul­tu­ra bra­si­lei­ra, des­con­fio.

Na Vi­la, pu­de acom­pa­nhar a trans­for­ma­ção do bair­ro em um po­lo cul­tu­ral com ba­res e res­tau­ran­tes di­ver­sos e ga­le­ri­as de ar­te e li­vra­ri­as. Ho­je tem um ho­tel hips­ter na rua As­pi­cu­el­ta, qu­em di­ria?, sem nem fa­lar do Be­co do Bat­man, que se tor­nou um des­ti­no tu­rís­ti­co mun­di­al. Até Ron­nie Wo­od, dos Rol­ling Sto­nes, dei­xou sua mar­ca ali.

São Pau­lo me­lho­rou mui­to da dé­ca­da de 1980 pa­ra cá e ti­ve o pra­zer imen­so de acom­pa­nhar o pro­ces­so. E não é só na Vi­la Ma­da­le­na, lon­ge dis­so. Dá or­gu­lho ver o cen­tro re­to­mar seu ca­ris­ma, tal co­mo acon­te­ce na Mo­o­ca, na rua Au­gus­ta e tam­bém em bair­ros da pe­ri­fe­ria.

O pro­ces­so tal­vez de­mo­re um pou­co mais na pe­ri­fe­ria do que na Vi­la Ma­da­le­na, mas vem acon­te­cen­do. A cha­ve me pa­re­ce ser a mo­bi­li­da­de. Abra uma es­ta­ção de me­trô, e os co­zi­nhei­ros, em­pre­sá­ri­os, ar­tis­tas e ba­la­dei­ros vi­rão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.