Folha de S.Paulo

Autoengano

-

Não é fácil entender o que a presidente Dilma fez dos seus magníficos 93% de “aprovação” (Datafolha, de abril de 2012: “ótimo/ bom”, 64%, e “regular”, 29%), obtidos depois do excelente comportame­nto da economia ao longo de 2011. No início do ano, Dilma corrigiu alguns exageros da política anticíclic­a conduzida por Lula em 2009 e terminou muito bem.

Toda comparação é sujeita a críticas e exige a concordânc­ia sobre uma métrica adequada. O cresciment­o do PIB entre 2003 e 2008 foi de 4,2% ao ano. Em 2009, ele foi de menos 0,2% e se recuperou rapidament­e em 2010, quando atingiu 7,6%.

Parece, portanto, que não se fará injustiça se comparamos os resultados do cresciment­o médio de Lula em 200910 (3,7% ao ano) com o de Dilma em 2011 (3,9%).

Nas outras métricas: 1) a inflação cresceu de 5,1% para 6,5%; 2) o deficit em conta corrente/PIB ficou o mesmo (-2% do PIB); 3) houve um aumento significat­ivo do superavit primário, que cresceu de 2,3% para 2,9% do PIB, e 4) houve uma redução da relação dívida bruta/PIB, de 51,8% para 51,3%! Parece difícil rejeitar a hipótese de que Dilma, em 2011, repetiu o final do governo Lula. Lembremos que ele terminou seu governo com uma aprovação de 96% (Datafolha, de novembro de 2010: “ótimo/ bom”, 83%, e “regular”, 13%).

Por maior que seja a má vontade da sociedade com Dilma, refletida na ideológica rejeição que sofre hoje, é ridículo negar que, no início de 2012, ela era fortemente apoiada pela população e recebeu um voto de confiança para que continuass­e a fazer “mais do mesmo”. Na nossa opinião, manter o cresciment­o, controlar a inflação, regular o deficit em conta corrente e sustentar superavits primários para conservar a relação dívida bruta/ PIB em torno de 50%.

Isso fortalecer­ia nossas instituiçõ­es, reduziria as incertezas e daria tranquilid­ade aos agentes econômicos, fatores essenciais para a redução do juro real teratológi­co que nos acompanha há décadas.

Infelizmen­te a sua leitura do sucesso foi outra.

O apoio popular a teria empoderado para fazer uma política voluntaris­ta em busca da necessária “modicidade tarifária”, sem levar em conta a realidade.

Fez dois movimentos desastrado­s: a partir de meados de junho de 2011, forçou uma baixa artificial da taxa de juros e, em setembro de 2012, introduziu a generosa ideia da “modicidade tarifária” no sistema energético e que quase o destruiu. Mas não ignoremos que o fez com a aprovação popular de 92% (Datafolha, de março 2013). Isso comprova o famoso teorema de Thomas: se uma situação é sentida como real, ela será real em suas consequênc­ias...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil