Vi­o­lên­cia po­li­ci­al e des­ma­te cres­cem na es­tei­ra de de­cla­ra­ções de Bol­so­na­ro

Es­pe­ci­a­lis­tas ve­em es­tí­mu­lo a efei­to ‘gu­ar­da da es­qui­na’, mas ali­a­dos do pre­si­den­te ne­gam re­la­ção

Folha de S.Paulo - - Poder - Fá­bio Za­ni­ni e Flá­via Fa­ria Co­la­bo­rou Fa­bi­a­no Mai­son­na­ve, de Ma­naus

O au­men­to no nú­me­ro de pes­so­as mor­tas por po­li­ci­ais, os fre­quen­tes epi­só­di­os de ex­ces­so por par­te das for­ças de se­gu­ran­ça e o avan­ço do des­ma­ta­men­to na Amazô­nia têm ocor­ri­do na es­tei­ra de de­cla­ra­ções agres­si­vas do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL) nes­sas áre­as.

Uma con­sequên­cia é que o cha­ma­do “efei­to gu­ar­da da es­qui­na”, que en­trou pa­ra o vo­ca­bu­lá­rio po­lí­ti­co após a edi­ção do AI-5, vol­tou a fre­quen­tar o de­ba­te pú­bli­co.

A ima­gem res­ga­ta um epi­só­dio atri­buí­do ao en­tão vi­ce­pre­si­den­te Pe­dro Alei­xo, que, ao se re­cu­sar a as­si­nar o ato em 1968, te­ria di­to que o pro­ble­ma nem era o en­tão pre­si­den­te Costa e Sil­va, mas sim o gu­ar­da da es­qui­na.

Em ou­tras pa­la­vras, o dis­cur­so ofi­ci­al re­la­ti­vi­zan­do ações vi­o­len­tas de agen­tes de se­gu­ran­ça, ata­can­do mul­tas do Iba­ma e di­zen­do que são fal­sos os da­dos de des­ma­ta­men­to aca­ba­ria ten­do um efei­to prá­ti­co na pon­ta.

Exem­plos têm si­do cons­tan­tes. O nú­me­ro de pes­so­as mor­tas por po­li­ci­ais mi­li­ta­res em ser­vi­ço no es­ta­do de São Pau­lo cres­ceu 11,5% no pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano, com­pa­ra­do com o mes­mo pe­río­do no ano pas­sa­do. No Rio, até ju­nho, a po­lí­cia foi res­pon­sá­vel por 29% das mor­tes vi­o­len­tas no es­ta­do, um re­cor­de.

Tam­bém há ca­sos de exa­ge­ro na abor­da­gem po­li­ci­al. Em SP, no do­min­go (4), um tor­ce­dor do Co­rinthi­ans foi re­ti­ra­do da ar­qui­ban­ca­da pe­la po­lí­cia após xin­gar Bol­so­na­ro.

Em Ma­naus, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral ar­qui­vou in­ves­ti­ga­ção so­bre po­li­ci­ais ro­do­viá­ri­os que in­ter­rom­pe­ram uma reu­nião em 23 de ju­lho. No en­con­tro, in­te­gran­tes de mo­vi­men­tos so­ci­ais pla­ne­ja­vam um pro­tes­to con­tra a vi­si­ta de Bol­so­na­ro à ci­da­de.

Se­gun­do a Pro­cu­ra­do­ria, os agen­tes ro­do­viá­ri­os, que por­ta­vam ar­mas lon­gas no mo­men­to da ocor­rên­cia, “agi­ram no es­tri­to cum­pri­men­to do de­ver le­gal”.

Na área am­bi­en­tal, o des­ma­ta­men­to cres­ce de for­ma ex­pres­si­va. Na Amazô­nia, hou­ve um sal­to de 278% no mês de ju­lho em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do de 2018, se­gun­do sis­te­ma do In­pe (Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Pes­qui­sas Es­pa­ci­ais). No cer­ra­do, a al­ta foi de 26%.

Pa­ra o his­to­ri­a­dor Bo­ris Faus­to, o po­der de per­su­a­são das au­to­ri­da­des so­bre a so­ci­e­da­de é mui­to for­te no Bra­sil. “Is­so é uma coi­sa que fil­tra lá de ci­ma e se tor­na um cli­ma que per­pas­sa a so­ci­e­da­de. Es­ta­mos ven­do em to­da par­te, tan­to em epi­só­di­os pon­tu­ais co­mo ou­tros mais gro­tes­cos, co­mo o fu­zi­la­men­to de um car­ro por mi­li­ta­res do Exér­ci­to no Rio [em abril]”, diz.

Se­gun­do Faus­to, a fi­gu­ra do gu­ar­da da es­qui­na é tão for­te que vi­rou al­go cor­ri­quei­ro no país. “En­trou tan­to na nos­sa gí­ria que nin­guém pre­ci­sa mais ex­pli­car.”

As ações ar­bi­trá­ri­as, pa­ra Ra­fa­el Al­ca­di­pa­ni, pro­fes­sor da FGV e mem­bro do Fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, se re­la­ci­o­nam a um fenô­me­no de ide­o­lo­gi­za­ção das po­lí­ci­as que vem se in­ten­si­fi­can­do des­de as elei­ções.

“As po­lí­ci­as, es­pe­ci­al­men­te a mi­li­tar, es­tão con­ta­mi­na­das com a ide­o­lo­gia bol­so­na­ris­ta. A po­lí­cia tem que ser neu­tra por­que tem que tra­tar to­dos da mes­ma ma­nei­ra”, dis­se.

Ele diz ver, por par­te das se­cre­ta­ri­as de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca e dos co­man­dos das po­lí­ci­as, pou­ca dis­po­si­ção em coi­bir abu­sos. Tam­bém re­la­ci­o­na o dis­cur­so bol­so­na­ris­ta ao au­men­to na le­ta­li­da­de po­li­ci­al.

Em São Pau­lo, por exem­plo, o ín­di­ce vol­tou a cres­cer após que­da em 2018. “O cli­ma mu­dou. Quan­do o po­li­ci­al co­me­ça a ver que o país es­tá que­ren­do is­so [vi­o­lên­cia po­li­ci­al], que o go­ver­no es­tá in­cen­ti­van­do, ele, na pon­ta da li­nha, se sen­te au­to­ri­za­do”, diz Al­ca­di­pa­ni.

No cam­po, ati­vis­tas da re­for­ma agrá­ria e de di­rei­tos in­dí­ge­nas ve­em com pre­o­cu­pa­ção a pos­sí­vel in­fluên­cia de de­cla­ra­ções de Bol­so­na­ro no acir­ra­men­to de con­fli­tos.

O pre­si­den­te já afir­mou que não de­mar­ca­rá no­vos as­sen­ta­men­tos e que pre­ten­de le­ga­li­zar a ex­plo­ra­ção de mi­né­rio em ter­ri­tó­rio in­dí­ge­na. Em abril, pro­me­teu dar sal­vo­con­du­to ao pro­pri­e­tá­rio ru­ral que ati­ras­se em quem in­va­dis­se su­as ter­ras.

Nes­te ano, se­gun­do a Co­mis­são Pas­to­ral da Ter­ra, hou­ve 17 as­sas­si­na­tos mo­ti­va­dos por con­fli­tos no cam­po, 16 de­les na Amazô­nia —de ja­nei­ro a ju­lho de 2018, fo­ram 18 mor­tes, 16 na re­gião amazô­ni­ca.

“O nú­me­ro de as­sas­si­na­tos con­ti­nua com con­cen­tra­ção na área amazô­ni­ca, on­de Bol­so­na­ro tem falado em le­ga­li­zar o ga­rim­po. Os in­va­so­res re­ce­be­ram si­nal ver­de e fa­zem o que bem que­rem”, diz Je­a­ne Bel­li­ni, da CPT.

Pa­ra ela, Bol­so­na­ro in­cen­ti­va a vi­o­lên­cia, a in­va­são ile­gal e o des­ma­ta­men­to. “Ele es­tá su­ge­rin­do que as leis que es­tão em vi­gor há 30 anos de­vem ser re­la­ti­vi­za­das. Es­ta­mos na re­la­ti­vi­za­ção da ins­ti­tu­ci­o­na­li­da­de de­mo­crá­ti­ca”, diz.

Co­mo mos­trou a Fo­lha ,o nú­me­ro de mul­tas apli­ca­das pe­lo Iba­ma por cri­mes am­bi­en­tais no pri­mei­ro bi­mes­tre de 2019 foi a me­nor pa­ra o pe­río­do des­de 1995.

Mi­li­tan­tes e po­lí­ti­cos pró­xi­mos a Bol­so­na­ro afir­mam que não é pos­sí­vel fa­zer uma re­la­ção di­re­ta en­tre as pa­la­vras do pre­si­den­te e es­ses even­tos.

Ati­vis­ta pró-li­be­ra­ção de ar­mas, Be­nê Bar­bo­sa afir­ma que não há da­dos su­fi­ci­en­tes pa­ra se afir­mar que há um no­vo pa­drão em even­tu­ais ex­ces­sos da po­lí­cia. “A gen­te ain­da tem pou­cos ca­sos pa­ra fa­zer uma aná­li­se apro­fun­da­da. Te­mos que olhar pa­ra o pas­sa­do e ver se coi­sas as­sim nun­ca acon­te­ce­ram”, diz ele, que co­man­da o Mo­vi­men­to Vi­va Bra­sil.

Se­gun­do Bar­bo­sa, era pre­vi­sí­vel que a es­quer­da fi­zes­se uma trin­chei­ra po­lí­ti­ca. “Eles sem­pre vão jo­gar es­sa mu­dan­ça de pa­ra­dig­mas no co­lo de um su­pos­to efei­to Bol­so­na­ro.”

De­pu­ta­do es­ta­du­al, Fre­de­ri­co D’Ávi­la (PSL-SP) afir­ma que da­dos de des­ma­ta­men­to vêm sen­do exa­ge­ra­dos por ONGs e am­bi­en­ta­lis­tas. “Nem se vo­cê co­lo­car to­da a frota de tra­to­res que exis­te no Bra­sil em­pur­ran­do ma­to 24 ho­ras por dia não dá pa­ra des­ma­tar tu­do que eles di­vul­gam”, de­cla­ra.

Pa­ra ele, ser­vi­do­res do Iba­ma, ao atri­buí­rem a res­pon­sa­bi­li­da­de a Bol­so­na­ro, fa­zem terrorismo am­bi­en­tal.

Fon­te: SSP-SP, ISP-RJ e De­ter-In­pe

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.