Trump de­mi­te as­ses­sor de se­gu­ran­ça li­nha-du­ra

John Bolton pres­si­o­na­va pre­si­den­te por ações mi­li­ta­res no Irã e na Ve­ne­zu­e­la

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Com in­for­ma­ções do Washing­ton Post e do New York Ti­mes Co­la­bo­rou Pa­trí­cia Cam­pos Mel­lo

Do­nald Trump dis­pen­sou on­tem seu as­ses­sor de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal, John Bolton, por di­ver­gên­ci­as so­bre a for­ma de con­du­zir a política ex­ter­na ame­ri­ca­na em re­la­ção a Irã, Co­reia do Nor­te e Afe­ga­nis­tão.

Com a de­mis­são, o governo bra­si­lei­ro per­de um de seus prin­ci­pais in­ter­lo­cu­to­res. O con­se­lhei­ro era um dos mai­o­res de­fen­so­res da apro­xi­ma­ção en­tre os dois paí­ses.

WASHING­TON E SÃO PAU­LO | REUTERS O pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Do­nald Trump, de­mi­tiu nes­ta ter­ça-fei­ra (10) seu as­ses­sor de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal, John Bolton, por di­ver­gên­ci­as so­bre a for­ma de con­du­zir a política ex­ter­na ame­ri­ca­na em re­la­ção a Irã, Co­reia do Nor­te e Afe­ga­nis­tão.

O as­ses­sor era o prin­ci­pal re­pre­sen­tan­te no governo da cha­ma­da li­nha-du­ra, que de­fen­de uma atu­a­ção mais en­fá­ti­ca con­tra ad­ver­sá­ri­os ge­o­po­lí­ti­cos e não des­car­ta o uso da for­ça mi­li­tar. Es­sa ala ga­nhou for­ça du­ran­te a ges­tão de Ge­or­ge W. Bush (2001-2009).

No Twitter, o pre­si­den­te ame­ri­ca­no es­cre­veu que in­for­mou a Bolton na noi­te de se­gun­da (9) que seus ser­vi­ços não eram mais ne­ces­sá­ri­os. “Dis­cor­do for­te­men­te de mui­tas de su­as su­ges­tões, as­sim co­mo ou­tras pes­so­as do governo, por is­so pe­di a John que re­nun­ci­as­se ao car­go.”

O ago­ra ex-as­ses­sor, po­rém, deu uma ver­são di­fe­ren­te na mes­ma rede so­ci­al. Bolton afir­mou que ofe­re­ceu sua re­nún­cia na noi­te de se­gun­da e que Trump pe­diu pa­ra con­ver­sar no dia se­guin­te.

John Bolton foi o pri­mei­ro as­ses­sor do governo Trump a se apro­xi­mar do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. No fim de no­vem­bro de 2018, após a vi­tó­ria do bra­si­lei­ro nas elei­ções, Bolton fez uma vi­si­ta à ca­sa de Bol­so­na­ro e o con­vi­dou pa­ra um en­con­tro com o pre­si­den­te ame­ri­ca­no.

A dis­pen­sa do as­ses­sor ocor­re em um mo­men­to em que Trump pro­mo­ve ten­ta­ti­vas de re­to­mar as re­la­ções com Irã e Co­reia do Nor­te, o que in­co­mo­dou in­te­gran­tes da ala li­nha-du­ra do governo, co­mo o pró­prio Bolton —ele é o te­rem­ba­te cei­ro a ocu­par o car­go des­de o iní­cio do man­da­to do pre­si­den­te, em janeiro de 2017.

Se­gun­do fon­tes pró­xi­mas ao governo ame­ri­ca­no, o anún­cio de Trump acon­te­ceu após uma du­ra con­ver­sa en­tre os dois na noi­te de se­gun­da so­bre um acor­do de paz en­tre os EUA e o Ta­le­ban.

A reu­nião se­cre­ta com os lí­de­res da mi­lí­cia afe­gã, mar­ca­da pa­ra do­min­go (8), em Camp Da­vid, re­si­dên­cia ofi­ci­al a cer­ca de 100 km da Ca­sa Bran­ca, e can­ce­la­da de úl­ti­ma ho­ra por Trump, te­ria si­do um dos pon­tos da dis­cór­dia.

Bolton era ve­e­men­te­men­te con­trá­rio às ne­go­ci­a­ções. Fon­tes ali­nha­das à vi­são do exas­ses­sor afir­mam que os EUA po­de­ri­am re­ti­rar 8.600 tro­pas do país e man­ter os es­for­ços con­tra ter­ro­ris­mo sem che­gar a um pac­to com o gru­po.

Em ou­tras oca­siões, Trump brin­cou com as vi­sões pró­guer­ra de Bolton. Em uma reu­nião no Sa­lão Oval, dis­se que “John nun­ca ti­nha vis­to uma guerra da qu­al não gos­tas­se”.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos EUA, Mi­ke Pom­peo, uniu-se ao pre­si­den­te ao afir­mar que tam­bém pen­sa­va ha­ver pon­tos em que su­as vi­sões eram di­fe­ren­tes das de Bolton. Dis­pu­tas en­tre eles eram co­muns.

No pro­nun­ci­a­men­to re­a­li­za­do nes­ta ter­ça (10), Pom­peo dis­se que o car­go de Bolton faz par­te da equi­pe que “atua di­re­ta­men­te com o pre­si­den­te” e que, por is­so, Trump ne­ces­si­ta “pes­so­as em quem ele con­fia e cu­jos es­for­ços e jul­ga­men­tos o be­ne­fi­ci­em”.

Em maio, re­por­ta­gem do jor­nal The Washing­ton Post re­ve­lou que Trump es­ta­va in­sa­tis­fei­to com os con­se­lhos de Bolton. Mem­bros do governo afir­ma­ram que o pre­si­den­te se sen­tia frus­tra­do por acre­di­tar que o as­ses­sor o in­du­ziu a pen­sar que se­ria fá­cil subs­ti­tuir ra­pi­da­men­te o di­ta­dor da Ve­ne­zu­e­la, Ni­co­lás Ma­du­ro, por um jo­vem opo­si­ci­o­nis­ta.

Trump tam­bém se quei­xa­va do fa­to de que a pos­tu­ra in­ter­ven­ci­o­nis­ta de Bolton des­to­a­va de sua vi­são de que os EUA de­ve­ri­am man­ter dis­tân­cia de ato­lei­ros no ex­te­ri­or.

Ex-em­bai­xa­dor ame­ri­ca­no na ONU en­tre janeiro de 2005 e ou­tu­bro de 2006, du­ran­te o governo de Ge­or­ge W. Bush, Bolton tam­bém foi o res­pon­sá­vel pe­lo co­lap­so de uma reu­nião em fe­ve­rei­ro en­tre Trump e o di­ta­dor nor­te­co­re­a­no, Kim Jong-Un, em Ha­nói, após re­co­men­dar a ado­ção de uma lis­ta de exi­gên­ci­as que o au­to­cra­ta re­jei­tou.

A mí­dia nor­te-co­re­a­na se re­fe­riu a Bolton em maio des­te ano co­mo um “ma­nía­co por guerra” que “fa­bri­cou di­ver­sas po­lí­ti­cas pro­vo­ca­ti­vas co­mo a de­sig­na­ção de nos­so país co­mo ‘ei­xo do mal’”.

Em 2003, du­ran­te um pe­río­do de ten­são en­tre os paí­ses, a Co­reia do Nor­te cha­mou Bolton de “es­có­ria hu­ma­na”.

Em re­la­ção ao Irã, Bolton de­fen­dia uma mu­dan­ça de re­gi­me em Te­e­rã e re­sis­tia a acor­dos que pu­des­sem abrir es­pa­ços pa­ra ne­go­ci­a­ções.

Ele es­ta­va por trás de di­ver­sas me­di­das pa­ra au­men­tar a pres­são econô­mi­ca e política so­bre os lí­de­res ira­ni­a­nos e não des­car­ta­va uma in­ter­ven­ção mi­li­tar no país.

A ten­são en­tre Trump e Bolton cres­ceu nos úl­ti­mos me­ses após o pre­si­den­te re­cu­ar da de­ci­são de lan­çar um ata­que aé­reo con­tra o Irã em re­ta­li­a­ção à der­ru­ba­da de um dro­ne ame­ri­ca­no, em ju­nho.

Bolton tam­bém já tra­vou com di­plo­ma­ta bra­si­lei­ro. Em 2002, qu­an­do era sub­se­cre­tá­rio de Es­ta­do Ame­ri­ca­no pa­ra Con­tro­le de ar­mas e Se­gu­ran­ça In­ter­na­ci­o­nal no governo Bush, for­çou a saí­da de Jo­sé Maurício Bus­ta­ni, 72, à épo­ca di­re­tor-ge­ral da Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Proi­bi­ção de Ar­mas Quí­mi­cas (Opaq).

Me­ses após o aten­ta­do ter­ro­ris­ta de 11 de se­tem­bro de 2001, Bus­ta­ni pas­sou a ne­go­ci­ar a en­tra­da do Ira­que e da Lí­bia na Opaq. Em no­vem­bro de 2001, se­gun­do o di­plo­ma­ta, os paí­ses se dis­se­ram pron­tos pa­ra se sub­me­te­rem às ins­pe­ções e se fi­li­a­rem ao ór­gão.

“Qu­an­do anun­ci­ei que te­ría­mos dois no­vos mem­bros, Ira­que e Lí­bia, os ame­ri­ca­nos fi­ca­ram alu­ci­na­dos. Eles sa­bi­am que fa­ría­mos ins­pe­ções no Ira­que e is­so de­mons­tra­ria que Sad­dam [Hus­sein] não ti­nha ar­mas quí­mi­cas. Co­mo já ti­nham pla­nos de in­va­dir o país, dis­se­ram-me que eu não ti­nha di­rei­to de acei­tar os dois paí­ses sem an­tes con­sul­tar os Es­ta­dos Uni­dos”, con­tou Bus­ta­ni à Fo­lha em mar­ço de 2018.

Se­gun­do o di­plo­ma­ta, Bolton en­trou em sua sa­la em mar­ço de 2002 e lhe dis­se: “Vim aqui com ins­tru­ções do vi­ce-pre­si­den­te [dos EUA], Dick Che­ney, pa­ra lhe in­for­mar que vo­cê tem 24 ho­ras pa­ra pe­dir de­mis­são e ir em­bo­ra”.

Em um do­cu­men­to in­ter­no do De­par­ta­men­to de Es­ta­do, Bolton afir­mou que Bus­ta­ni es­ta­va que­ren­do ter “um pa­pel não apro­pri­a­do” no Ira­que, e que a ques­tão de­ve­ria fi­car a car­go do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU —no qu­al os EUA têm po­der de ve­to.

Em seu li­vro, “Sur­ren­der Is Not an Op­ti­on” (Se Ren­der Não É uma Op­ção, em tradução li­vre), Bolton re­lem­bra a vi­si­ta que fez a Bus­ta­ni.

“Dis­se que ele de­ve­ria se de­mi­tir. Se fos­se em­bo­ra no ato, fa­ría­mos tu­do pa­ra dar a ele uma saí­da gra­ci­o­sa e dig­na. Se não, nós o de­mi­ti­ría­mos.”

Man­del Ngan/AFP

Os se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do dos EUA, Mi­ke Pom­peo (esq.), e do Te­sou­ro, Ste­ven Mnu­chin, anun­ci­am saí­da de Bolton

HO/Jair Bol­so­na­ro’s Press Of­fi­ce/AFP

Em no­vem­bro de 2018, Jair Bol­so­na­ro (esq.) re­ce­beu o en­tão as­ses­sor de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal dos EUA, John Bolton, pa­ra um ca­fé da ma­nhã em sua ca­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.