Governo pla­ne­ja criar imposto de 0,4% so­bre sa­ques e de­pó­si­tos

Pa­ra pa­ga­men­tos no dé­bi­to e no cré­di­to, alí­quo­ta ini­ci­al es­tu­da­da é de 0,2% em ca­da la­do da ope­ra­ção

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Fá­bio Pupo Co­la­bo­rou An­ge­la Bol­dri­ni Jo­sué Pel­le­gri­ni Di­re­tor da IFI (Ins­ti­tui­ção Fis­cal In­de­pen­den­te) do Se­na­do e con­sul­tor le­gis­la­ti­vo do Se­na­do.

Pro­pos­ta de re­for­ma tri­bu­tá­ria do governo, an­te­ci­pa­da on­tem pe­la Fo­lha, in­clui a cri­a­ção de imposto com alí­quo­ta ini­ci­al de 0,4% so­bre sa­ques e de­pó­si­tos em di­nhei­ro. No ca­so de tran­sa­ções em cré­di­to ou dé­bi­to, a ta­xa­ção se­ria de 0,2% pa­ra pa­ga­dor e re­ce­be­dor.

A ideia se­ria usar a no­va co­bran­ça pa­ra subs­ti­tuir gra­du­al­men­te a tri­bu­ta­ção so­bre os sa­lá­ri­os.

A equi­pe econô­mi­ca tem in­sis­ti­do em re­a­vi­var a an­ti­ga CPMF, ape­sar de re­cha­çar a com­pa­ra­ção. Em entrevista re­cen­te à Fo­lha, Jair Bol­so­na­ro dis­se que o pla­no de Pau­lo Gu­e­des de­ve­ria vir acom­pa­nha­do de uma com­pen­sa­ção à po­pu­la­ção.

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), afir­mou que o pro­je­to deve en­fren­tar di­fi­cul­da­de de avan­çar na Ca­sa.

bra­sí­lia O governo pla­ne­ja em sua pro­pos­ta de re­for­ma tri­bu­tá­ria que sa­ques e de­pó­si­tos em di­nhei­ro se­jam ta­xa­dos com uma alí­quo­ta ini­ci­al de 0,4%. A co­bran­ça in­te­gra a ideia do imposto so­bre pa­ga­men­tos, que vem sen­do com­pa­ra­do à an­ti­ga CPMF.

Já pa­ra pa­ga­men­tos no dé­bi­to e no cré­di­to, a alí­quo­ta ini­ci­al es­tu­da­da é de 0,2% (pa­ra ca­da la­do da ope­ra­ção, pa­ga­dor e re­ce­be­dor). A informação foi an­te­ci­pa­da pe­la Fo­lha.

Am­bas as ta­xas ten­dem a cres­cer após se­rem cri­a­das, já que a ideia é usar o imposto pa­ra subs­ti­tuir gra­du­al­men­te a tri­bu­ta­ção so­bre os sa­lá­ri­os, con­si­de­ra­da pe­la equi­pe econô­mi­ca co­mo no­ci­va pa­ra a ge­ra­ção de em­pre­gos.

Mar­ce­lo de Sou­sa Sil­va, se­cre­tá­rio es­pe­ci­al ad­jun­to da Re­cei­ta, de­fen­deu a con­tri­bui­ção nes­ta ter­ça (10) no Fó­rum Na­ci­o­nal Tri­bu­tá­rio (pro­mo­vi­do pe­lo sin­di­ca­to dos au­di­to­res fis­cais, em Bra­sí­lia), ao res­sal­tar que o ins­tru­men­to subs­ti­tui­ria tan­to a tri­bu­ta­ção so­bre a fo­lha co­mo o IOF.

“Es­ta­mos ano a ano com uma re­gres­são per­cen­tu­al de pes­so­as em­pre­ga­das for­mal­men­te. E is­so não po­de fi­car de fo­ra da re­for­ma tri­bu­tá­ria, por­que o im­pac­to mais sig­ni­fi­ca­ti­vo [pa­ra o em­pre­go] tal­vez se­ja a de­so­ne­ra­ção so­bre fo­lha. Den­tre to­dos os tri­bu­tos no nos­so or­de­na­men­to ju­rí­di­co, a tri­bu­ta­ção so­bre fo­lha é o mais per­ver­so pa­ra a ge­ra­ção de em­pre­gos”, afir­mou.

Ape­sar de o governo re­cha­çar a se­me­lhan­ça com a an­ti­ga CPMF, ele pró­prio aca­bou fa­zen­do a com­pa­ra­ção ao mos­trar um grá­fi­co com o his­tó­ri­co re­la­ti­va­men­te es­tá­vel das alí­quo­tas de CPMF ao lon­go dos anos em que vi­go­rou, o que re­pre­sen­ta­ria uma pre­vi­si­bi­li­da­de pa­ra a con­tri­bui­ção.

Sil­va afir­mou que, com a subs­ti­tui­ção da tri­bu­ta­ção so­bre fo­lha de pa­ga­men­tos pe­lo novo imposto, a se­gu­ri­da­de so­ci­al aca­ba­ria sen­do ban­ca­da pe­la po­pu­la­ção co­mo um to­do.

“Es­ta­mos trans­fe­rin­do o ônus pa­ra to­da a so­ci­e­da­de”, afir­mou. Ele res­sal­tou lo­go em se­gui­da que a re­for­ma vai pro­por, por ou­tro la­do, be­ne­fí­ci­os co­mo am­pli­a­ção da fai­xa de isen­ções e re­em­bol­so de im­pos­tos à bai­xa ren­da.

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro já ha­via afir­ma­do à Fo­lha que a re­cri­a­ção de um imposto nos mol­des da an­ti­ga CPMF deve ser con­di­ci­o­na­da a uma com­pen­sa­ção. “Já falei pa­ra o [ministro da Economia, Pau­lo] Gu­e­des: pa­ra ter no­va CPMF, tem que ter uma com­pen­sa­ção pa­ra as pes­so­as. Se­não, ele vai to­mar por­ra­da até de mim.”

O pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), dis­se que o te­ma tem mui­ta di­fi­cul­da­de de an­dar na Câ­ma­ra. “A CPMF tem pou­co apoio en­tre aque­les que co­nhe­cem a ques­tão tri­bu­tá­ria, não sei se es­se é o me­lhor ca­mi­nho pa­ra re­sol­ver os cus­tos com mão de obra.”

As mu­dan­ças de­vem in­te­grar a pro­pos­ta de re­for­ma tri­bu­tá­ria em ela­bo­ra­ção pe­la equi­pe econô­mi­ca e que deve ser en­vi­a­da ao Con­gres­so.

O pla­no es­tá di­vi­di­do em três per­nas. Uma é a cri­a­ção do imposto so­bre pa­ga­men­tos. Ou­tra é a jun­ção de di­fe­ren­tes im­pos­tos fe­de­rais em um úni­co tri­bu­to so­bre bens e ser­vi­ços. E a terceira são as mu­dan­ças no Imposto de Ren­da.

Se­gun­do Sil­va, as pro­pos­tas pa­ra o IR de­vem ser con­cluí­das ain­da nes­ta se­ma­na. O IR da pes­soa ju­rí­di­ca deve di­mi­nuir de 34% pa­ra en­tre 20% e 25%.

No ca­so do IR da pes­soa fí­si­ca, o governo pla­ne­ja au­men­tar a ba­se tri­bu­tá­ria (ou se­ja, o nú­me­ro de pa­ga­do­res de im­pos­tos) en­tre os mais ri­cos. Is­so se­rá al­can­ça­do com a tri­bu­ta­ção de di­vi­den­dos, a cri­a­ção de um li­mi­te pa­ra be­ne­fí­ci­os de por­ta­do­res de mo­lés­ti­as gra­ves, a re­du­ção de des­con­tos e a re­vi­são so­bre aplicações fi­nan­cei­ras.

Com as mu­dan­ças, o governo de­fen­de que ha­ve­rá a cor­re­ção de um pro­ble­ma exis­ten­te ho­je, qu­an­do a cur­va da alí­quo­ta efe­ti­va (o per­cen­tu­al em im­pos­tos re­al­men­te co­bra­do) cres­ce até de­ter­mi­na­da fai­xa sa­la­ri­al e de­pois co­me­ça a cair en­tre os mais ri­cos.

O se­cre­tá­rio ain­da in­di­cou que a fusão de im­pos­tos deve co­me­çar ape­nas com a jun­ção de PIS e Co­fins, que vi­ra­ri­am a Con­tri­bui­ção so­bre Bens e Ser­vi­ços. A alí­quo­ta se­rá de 11%. A tri­bu­ta­ção so­bre mo­vi­men­ta­ção fi­nan­cei­ra vi­ra num se­gun­do mo­men­to da re­for­ma.

Imposto in­cen­ti­va in­for­ma­li­da­de e tem pou­ca trans­pa­rên­cia

O imposto so­bre tran­sa­ções fi­nan­cei­ras (ITF, co­mo vem sen­do cha­ma­do pe­la equi­pe econô­mi­ca) é bas­tan­te po­lê­mi­co en­tre os eco­no­mis­tas e es­pe­ci­a­lis­tas em ques­tões tri­bu­tá­ri­as de mo­do ge­ral. A bem da ver­da­de, há uma cla­ra pre­do­mi­nân­cia de crí­ti­cos a es­se tri­bu­to.

A ba­se tri­bu­tá­ria do ITF po­de ter vá­ri­os graus de abran­gên­cia, mas o usu­al é que in­ci­da em tran­sa­ções fei­tas pe­lo sis­te­ma fi­nan­cei­ro, qui­ta­das por meio de che­que, car­tão de dé­bi­to ou de cré­di­to, por exem­plo.

Os de­fen­so­res do ITF cos­tu­mam ar­gu­men­tar que o imposto apre­sen­ta um bai­xo cus­to ad­mi­nis­tra­ti­vo. De fa­to, as tran­sa­ções ocor­rem e os re­cur­sos en­tram au­to­ma­ti­ca­men­te no cai­xa do Te­sou­ro. Não é ne­ces­sá­ria ne­nhu­ma ini­ci­a­ti­va do con­tri­buin­te ou do fis­co.

A ex­pe­ri­ên­cia do Brasil com a CPMF (Con­tri­bui­ção Pro­vi­só­ria so­bre Mo­vi­men­ta­ção Fi­nan­cei­ra) até 2008, qu­an­do o tri­bu­to foi ex­tin­to, é ilus­tra­ti­va a es­se res­pei­to.

Ou­tro ar­gu­men­to le­van­ta­do pe­los apoi­a­do­res é o da tri­bu­ta­ção da economia in­for­mal. Es­se la­do da economia pas­sa à mar­gem de to­do ti­po de re­gis­tro que pos­sa re­ve­lá­la, mui­tas ve­zes por cau­sa da ori­gem ilí­ci­ta das ope­ra­ções, mas, com frequên­cia, com o sim­ples ob­je­ti­vo de so­ne­gar os im­pos­tos de­vi­dos. Co­mo es­sas tran­sa­ções nem sem­pre po­dem dei­xar de ser fei­tas por meio do sis­te­ma fi­nan­cei­ro, aca­ba­ri­am re­gis­tra­das e tri­bu­ta­das pe­lo ITF.

Os pro­ble­mas co­me­çam a sur­gir jus­ta­men­te nes­se pon­to. Não ape­nas a economia in­for­mal co­mo a for­mal te­ri­am in­cen­ti­vos pa­ra, a de­pen­der da alí­quo­ta do ITF, en­con­trar mei­os pa­ra tran­sa­ci­o­nar fo­ra do sis­te­ma fi­nan­cei­ro, le­van­do à cha­ma­da de­sin­ter­me­di­a­ção fi­nan­cei­ra.

Tra­ta-se de um pro­ble­ma sé­rio, pois o efei­to se­ria a re­du­ção da efi­ci­ên­cia e da pro­du­ti­vi­da­de da economia.

Bas­ta pen­sar em uma si­tu­a­ção ex­tre­ma, na qu­al as tran­sa­ções fos­sem fei­tas com di­nhei­ro. Na épo­ca da CPMF, por exem­plo, os cheques eram emi­ti­dos e de­mo­ra­vam a ser des­con­ta­dos pois eram uti­li­za­dos em ou­tros pa­ga­men­tos.

Po­de-se ale­gar que a de­sin­ter­me­di­a­ção fi­nan­cei­ra foi pou­ca sig­ni­fi­ca­ti­va com es­sa con­tri­bui­ção. En­tre­tan­to, a alí­quo­ta era bai­xa (0,38%), es­con­di­da em uma ta­xa de ju­ros bas­tan­te ele­va­da. A ar­re­ca­da­ção tam­bém era bai­xa, mais um imposto em meio a vá­ri­os ou­tros.

Um ou­tro pro­ble­ma do ITF é a incidência cu­mu­la­ti­va. Es­se é um pro­ble­ma que afli­ge o Brasil, com seu com­ple­xo con­jun­to de tri­bu­tos so­bre bens e ser­vi­ços. As pro­pos­tas de re­for­ma tri­bu­tá­ria que tra­mi­tam no Con­gres­so Na­ci­o­nal bus­cam jus­ta­men­te re­sol­ver as dis­tor­ções daí ad­vin­das.

Se um bem fos­se pro­du­zi­do em vá­ri­as eta­pas, vá­ri­as tran­sa­ções fi­nan­cei­ras se­ri­am ne­ces­sá­ri­as pa­ra che­gar à eta­pa fi­nal, pro­va­vel­men­te, ca­da qu­al com a incidência do ITF. Nes­se con­tex­to, cria-se no­va­men­te um in­cen­ti­vo ne­ga­ti­vo, ago­ra pa­ra or­ga­ni­zar o pro­ces­so pro­du­ti­vo e em­pre­sa­ri­al de mo­do a eco­no­mi­zar eta­pas e re­du­zir a incidência do imposto, com per­das ex­tras de pro­du­ti­vi­da­de e efi­ci­ên­cia.

Ou­tro pro­ble­ma do ITF que de­ri­va das di­fi­cul­da­des an­tes apon­ta­das é a fal­ta de trans­pa­rên­cia. O de­se­já­vel é que os con­tri­buin­tes pos­sam sa­ber quan­to es­tão pa­gan­do de im­pos­tos até pa­ra que pos­sam fis­ca­li­zar os go­ver­nan­tes pa­ra que usem os re­cur­sos de for­ma ade­qua­da. Es­sa é uma ques­tão im­por­tan­te da nos­sa tri­bu­ta­ção so­bre bens e ser­vi­ços.

É qua­se im­pos­sí­vel con­se­guir dis­cri­mi­nar em uma no­ta fis­cal a par­ce­la da con­ta for­ma­da por tri­bu­tos. No ca­so do ITF, a di­fi­cul­da­de se­ria pos­si­vel­men­te ain­da mai­or.

O ITF fi­cou por um bom tem­po es­que­ci­do. Não hou­ve ne­nhu­ma ten­ta­ti­va sé­ria de reins­ti­tuir a CPMF ou al­go pa­re­ci­do nes­ses dez anos que se pas­sa­ram des­de a sua ex­tin­ção.

O te­ma re­as­cen­deu na cam­pa­nha pre­si­den­ci­al do ano pas­sa­do e, prin­ci­pal­men­te, em ra­zão dos su­ces­si­vos pro­nun­ci­a­men­tos de au­to­ri­da­des econô­mi­cas a res­pei­to das vir­tu­des des­se imposto. Uma pro­pos­ta do governo po­de­rá ser en­vi­a­da ao Con­gres­so Na­ci­o­nal a qual­quer mo­men­to, com a pre­sen­ça des­se con­tro­ver­so tri­bu­to.

É pre­ci­so ver se is­so de fa­to ocor­re­rá e, se ocor­rer, co­mo se­rá, es­pe­ci­al­men­te em ter­mos de alí­quo­ta e abran­gên­cia. Subs­ti­tui­rá ou­tro tri­bu­to, co­mo a con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria do em­pre­ga­dor, ou re­sul­ta­rá, na ver­da­de, em au­men­to da car­ga tri­bu­tá­ria, já que o ajus­te so­bre des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as tem se mos­tra­do tão di­fí­cil?

Tra­ta-se de um tri­bu­to bas­tan­te po­lê­mi­co, pou­co ado­ta­do na ex­pe­ri­ên­cia in­ter­na­ci­o­nal. O fa­to de ter­mos pro­du­zi­do um sis­te­ma tri­bu­tá­rio tão dis­tor­ci­do não de­põe fa­vo­ra­vel­men­te a op­ções ma­de in Bra­zil.

Claudia Mar­ti­ni - 6.set.19/Fu­tu­ra Press/Fo­lha­press

O ministro da Economia, Pau­lo Gu­e­des, que de­fen­de tri­bu­to so­bre tran­sa­ção fi­nan­cei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.