Bra­sil rom­pe tra­di­ção e não re­fu­ta em­bar­go a Cu­ba na ONU

Ita­ma­raty ig­no­rou argumentos de em­bai­xa­dor bra­si­lei­ro na ONU, que de­fen­dia abs­ten­ção

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Pa­trí­cia Cam­pos Mel­lo

Pe­la pri­mei­ra vez em 27 anos, o Bra­sil ce­deu à pres­são do go­ver­no ame­ri­ca­no e re­jei­tou a re­so­lu­ção anu­al da ONU que con­de­na o em­bar­go a Cu­ba. Só EUA e Is­ra­el vo­ta­ram da mes­ma ma­nei­ra. Nas úl­ti­mas se­ma­nas, o De­par­ta­men­to de Es­ta­do pe­diu du­as ve­zes que o Ita­ma­raty mu­das­se seu po­si­ci­o­na­men­to his­tó­ri­co. O em­bai­xa­dor nas Na­ções Uni­das, Mau­ro Vi­ei­ra, era con­tra aca­tar a so­li­ci­ta­ção.

SÃO PAU­LO Pe­la pri­mei­ra vez em 27 anos, o Bra­sil ce­deu às pres­sões dos EUA e vo­tou con­tra a re­so­lu­ção anu­al da ONU que con­de­na o em­bar­go econô­mi­co ame­ri­ca­no a Cu­ba. Ape­nas Is­ra­el e EUA vo­ta­ram da mes­ma ma­nei­ra.

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, o go­ver­no ame­ri­ca­no, por meio da di­vi­são de He­mis­fé­rio Oci­den­tal do De­par­ta­men­to de Es­ta­do, pe­diu du­as ve­zes que o Ita­ma­raty mu­das­se seu po­si­ci­o­na­men­to his­tó­ri­co de re­cha­ço a me­di­das econô­mi­cas uni­la­te­rais e se ali­nhas­se aos EUA.

Os ame­ri­ca­nos ar­gu­men­ta­ram que, ao con­de­nar o em­bar­go con­tra Cu­ba, o Bra­sil pas­sa­ria a men­sa­gem de que o país ca­ri­be­nho po­de con­ti­nu­ar in­ter­fe­rin­do im­pu­ne­men­te na Ve­ne­zu­e­la e que o go­ver­no bra­si­lei­ro to­le­ra as vi­o­la­ções de di­rei­tos hu­ma­nos da di­ta­du­ra cu­ba­na.

Em trans­mis­são pe­las re­des so­ci­ais, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro afir­mou nes­ta quin­ta (7) que o vo­to do Bra­sil é re­sul­ta­do de mu­dan­ça em di­re­ção à cen­tro-di­rei­ta na po­lí­ti­ca ex­ter­na do go­ver­no bra­si­lei­ro.

O pre­si­den­te res­sal­tou que Cu­ba é uma di­ta­du­ra de es­quer­da e que de­ve ser tra­ta­da “co­mo tal”. Pa­ra ele, sob seu co­man­do, o Bra­sil tor­nou­se um país mais de­mo­crá­ti­co.

“Pe­la pri­mei­ra vez, o Bra­sil acom­pa­nhou os Es­ta­dos Unidos na ques­tão do em­bar­go pa­ra Cu­ba. Afi­nal de con­tas, aqui­lo é uma de­mo­cra­cia? Não é. É uma di­ta­du­ra. En­tão, tem de ser tra­ta­da co­mo tal. O Bra­sil vai mu­dan­do a sua po­si­ção mais ao cen­tro­di­rei­ta. Co­mo dis­se na se­ma­na pas­sa­da, o meu go­ver­no é o mais de­mo­crá­ti­co que eu te­nho co­nhe­ci­men­to ao lon­go dos úl­ti­mos anos”, dis­se.

Se­gun­do os ame­ri­ca­nos, ve­ne­zu­e­la­nos e cu­ba­nos já ob­ti­ve­ram uma vi­tó­ria com a elei­ção da Ve­ne­zu­e­la pa­ra o Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos da ONU, em ou­tu­bro, e o vo­to do Bra­sil se­ria ou­tro trun­fo in­ter­na­ci­o­nal pa­ra o re­gi­me li­de­ra­do por Mi­guel Díaz-Ca­nel.

O chan­ce­ler bra­si­lei­ro, Er­nes­to Araú­jo, ce­deu às pres­sões, ape­sar de gran­de re­sis­tên­cia do atu­al em­bai­xa­dor do Bra­sil na ONU, Mau­ro Vi­ei­ra.

Mes­mo paí­ses que têm re­la­ção mui­to pró­xi­ma aos EUA e de­pen­dem pe­sa­da­men­te de aju­da econô­mi­ca ame­ri­ca­na re­sis­ti­ram às pres­sões de Washing­ton. A Colôm­bia e a Ucrâ­nia, por exem­plo, abs­ti­ve­ram-se na vo­ta­ção.

A Gu­a­te­ma­la, úni­co país a acom­pa­nhar os EUA e trans­fe­rir sua em­bai­xa­da em Is­ra­el de Tel Aviv pa­ra Je­ru­sa­lém, vo­tou a fa­vor. No to­tal, fo­ram três vo­tos con­tra a re­so­lu­ção, du­as abs­ten­ções e 187 vo­tos a fa­vor do tex­to que con­de­na o em­bar­go ame­ri­ca­no im­pos­to há 50 anos, no iní­cio da re­vo­lu­ção pro­mo­vi­da por Fi­del Castro. A Mol­do­va não vo­tou.

O vo­to bra­si­lei­ro con­tra­ria o po­si­ci­o­na­men­to his­tó­ri­co do Ita­ma­raty de con­de­nar me­di­das uni­la­te­rais econô­mi­cas con­tra paí­ses, ve­ta­das pe­la le­gis­la­ção in­ter­na­ci­o­nal e pe­la ONU.

Em te­le­gra­mas nos úl­ti­mos me­ses, Vi­ei­ra ten­tou ar­gu­men­tar que um vo­to a fa­vor da re­so­lu­ção não re­pre­sen­ta­ria um si­nal de apoio à po­lí­ti­ca de di­rei­tos hu­ma­nos da di­ta­du­ra cu­ba­na, mas sim uma po­si­ção tra­di­ci­o­nal do go­ver­no bra­si­lei­ro em re­la­ção à in­ge­rên­cia em ou­tros paí­ses.

Tam­bém de­fen­deu que um vo­to con­trá­rio não se­ria vis­to ape­nas co­mo ges­to con­tra o país, mas po­si­ci­o­na­men­to con­tra o prin­cí­pio de não in­ter­fe­rên­cia, o que de­sa­gra­da­ria paí­ses su­jei­tos às me­di­das.

Vi­ei­ra ain­da de­fen­deu que um vo­to co­mo es­se po­de­ria pre­ju­di­car os in­te­res­ses bra­si­lei­ros —co­mo no ca­so da pos­si­bi­li­da­de de san­ções econô­mi­cas con­tra o Bra­sil de­vi­do à po­lí­ti­ca am­bi­en­tal na Amazô­nia. As­sim, o go­ver­no Bol­so­na­ro te­ria di­fi­cul­da­de em an­ga­ri­ar apoio de paí­ses con­tra es­se ti­po de in­ter­fe­rên­cia.

Ao res­pon­der as ar­gu­men­ta­ções de Vi­ei­ra, as men­sa­gens do ga­bi­ne­te de Er­nes­to eram sem­pre se­cas, afir­man­do ape­nas que o go­ver­no man­te­rá a ins­tru­ção já pas­sa­da.

Vi­ei­ra te­ria ar­gu­men­ta­do que, ca­so o Bra­sil qui­ses­se man­dar um si­nal ao re­gi­me cu­ba­no, po­de­ria pe­dir a pa­la­vra du­ran­te o vo­to na ses­são e fa­zer uma de­cla­ra­ção, dei­xan­do cla­ro que o ges­to não é um apoio a vi­o­la­ções de di­rei­tos hu­ma­nos em Cu­ba.

Por fim, o em­bai­xa­dor su­ge­riu que o Bra­sil se abs­ti­ves­se em vez de vo­tar con­tra por­que não se­ria um mo­vi­men­to tão gra­ve nem iso­la­ria o país.

De no­vo, foi ig­no­ra­do.

“San­ções in­dis­cri­mi­na­das co­mo em­bar­gos afe­tam ne­ga­ti­va­men­te a po­pu­la­ção e, por is­so, são con­si­de­ra­das há anos uma me­di­da ina­de­qua­da”, diz Ca­mi­la Asa­no, da Co­nec­tas Di­rei­tos Hu­ma­nos.

“A mu­dan­ça de vo­to tam­bém pre­o­cu­pa por ser mais um exem­plo do ali­nha­men­to au­to­má­ti­co do Bra­sil com a po­lí­ti­ca ex­ter­na ame­ri­ca­na sem que tais mu­dan­ças dra­má­ti­cas se­jam de­vi­da­men­te de­ba­ti­das no Bra­sil, co­mo jun­to ao Con­gres­so Na­ci­o­nal.” Co­la­bo­rou Gus­ta­vo Uri­be, de Bra­sí­lia

Che­ga de ba­ju­lar, afir­ma Er­nes­to so­bre re­gi­me ca­ri­be­nho

O chan­ce­ler Er­nes­to Araú­jo de­fen­deu o vo­to do go­ver­no con­tra a re­so­lu­ção anu­al da ONU. Em pos­ta­gens no Twitter, nes­ta quin­ta, o chan­ce­ler dis­se que o “Bra­sil vo­tou a fa­vor da ver­da­de” e que é pre­ci­so dei­xar de “ba­ju­lar Cu­ba”.

“Na­da nos so­li­da­ri­za com Cu­ba. O re­gi­me cu­ba­no, des­de sua fa­mi­ge­ra­da re­vo­lu­ção 60 anos atrás, des­truiu a li­ber­da­de de seu pró­prio po­vo, exe­cu­tou mi­lha­res de pes­so­as, cri­ou um sis­te­ma econô­mi­co de mi­sé­ria e, não sa­tis­fei­to, ten­tou ex­por­tar es­sa ‘re­vo­lu­ção’ pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na.”

O chan­ce­ler ain­da afir­mou que a in­fluên­cia que o país ca­ri­be­nho pos­sui en­tre paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to é uma ver­go­nha e pre­ci­sa ser rom­pi­da. “Seu pa­pel de se­men­tei­ra de di­ta­du­ras pre­ci­sa aca­bar.”

Er­nes­to tam­bém dis­se que a Cu­ba de Fi­del Castro se tor­nou um “cen­tro re­gi­o­nal de pro­mo­ção e as­sis­tên­cia a di­ta­du­ras co­mu­nis­tas”. “Pro­cu­ra­ram im­por es­se mo­de­lo ao Bra­sil e pra­ti­ca­men­te to­dos os paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na. Nos anos 90, com Lu­la, Fi­del Castro con­ce­beu e ins­ta­lou o Fo­ro de São Pau­lo.”

Di­vul­ga­ção

O can­tor e com­po­si­tor, que lan­ça no­vo li­vro

Ale­xan­dre Me­neghi­ni/Reu­ters

Em­bai­xa­da ame­ri­ca­na em Cu­ba; Es­ta­dos Unidos pres­si­o­na­ram paí­ses pa­ra apoi­a­rem em­bar­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.