Bol­so­na­ro sa­bia de fra­cas­so em lei­lão e pe­diu aju­da à Chi­na

Es­tran­gei­ras re­cla­ma­ram do pre­ço; Gu­e­des in­sis­tiu em bô­nus al­to pa­ra me­lho­rar cai­xa do go­ver­no

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Ju­lio Wi­zi­ack e Ni­co­la Pam­plo­na

Em vi­si­ta à Chi­na, em ou­tu­bro, Jair Bol­so­na­ro (PSL) pe­diu a Xi Jin­ping que em­pre­sas lo­cais par­ti­ci­pas­sem do me­ga­lei­lão do pré-sal. Fe­chou-se uma par­ce­ria da Pe­tro­bras com as chi­ne­sas CNOOC e CNODC.

BRA­SÍ­LIA E RIO Pa­ra evi­tar a au­sên­cia de in­te­res­sa­dos es­tran­gei­ros no me­ga­lei­lão do pré­sal des­ta se­ma­na, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro pe­diu ao di­ri­gen­te da Chi­na, Xi Jin­ping, que as pe­tro­lei­ras chi­ne­sas par­ti­ci­pas­sem do cer­ta­me.

A con­ver­sa ocor­reu du­ran­te vi­si­ta ofi­ci­al de Bol­so­na­ro ao país, no fim de ou­tu­bro. Na­que­le mo­men­to, o go­ver­no já sa­bia que o mo­de­lo pre­vis­to pa­ra a ven­da dos qua­tro cam­pos do pré-sal não atrai­ria con­cor­ren­tes.

Pe­las re­gras, qu­em ven­ces­se a dis­pu­ta te­ria de de­sem­bol­sar à vis­ta uma quan­tia bi­li­o­ná­ria. So­men­te no cam­po de Bú­zi­os, o mai­or de­les, o de­sem­bol­so se­rá de qua­se R$ 70 bi­lhões.

Se­gun­do pes­so­as que acom­pa­nha­ram as con­ver­sas pre­si­den­ci­ais, de­pois do ace­no po­si­ti­vo de Xi, um exe­cu­ti­vo da Pe­tro­bras foi à Chi­na pa­ra fe­char a par­ce­ria da es­ta­tal com as pe­tro­lei­ras CNOOC e CNODC, am­bas con­tro­la­das pe­lo go­ver­no chi­nês.

Ca­da uma en­trou com par­ti­ci­pa­ção de 5% no con­sór­cio que ar­re­ma­tou Bú­zi­os.

No acor­do com os chi­ne­ses, se­gun­do pes­so­as que acom­pa­nha­ram as ne­go­ci­a­ções, a Pe­tro­bras re­ce­be­ria dos dois só­ci­os di­nhei­ro an­te­ci­pa­do pe­la ven­da fu­tu­ra de óleo.

Es­sa ope­ra­ção se­ria van­ta­jo­sa por tra­var o pre­ço do pe­tró­leo que se­rá ven­di­do fu­tu­ra­men­te pe­la co­ta­ção atu­al.

O ar­ran­jo ga­ran­tiu di­nhei­ro rá­pi­do pa­ra a Pe­tro­bras, que te­rá de re­ti­rar de seu cai­xa nes­te ano R$ 29 bi­lhões pa­ra pa­gar pe­los di­rei­tos de ex­plo­ra­ção dos dois blo­cos (Bú­zi­os e Ita­pu). Em Ita­pu, a es­ta­tal fa­rá a ex­plo­ra­ção so­zi­nha.

Por meio de sua as­ses­so­ria, a Pe­tro­bras dis­se que não po­de co­men­tar de­ta­lhes de um con­tra­to pri­va­do. A as­ses­so­ria de im­pren­sa do Pla­nal­to não res­pon­deu até a con­clu­são des­te tex­to.

Nas dis­cus­sões com o TCU (Tri­bu­nal de Con­tas da União), os téc­ni­cos che­ga­ram a fa­zer aler­tas de que a exi­gên­cia de um bô­nus ele­va­do não es­ti­mu­la­ria a com­pe­ti­ção.

Nos lei­lões do pré-sal, o bô­nus é fi­xo e a dis­pu­ta se dá em tor­no do vo­lu­me de óleo en­tre­gue ao go­ver­no du­ran­te a vi­da útil dos pro­je­tos.

É co­mo se o bô­nus fos­se a en­tra­da, e o óleo, as pres­ta­ções. No pri­mei­ro lei­lão do ti­po no go­ver­no Dil­ma, op­tou-se por bô­nus me­no­res e per­cen­tu­al de óleo mais al­to.

Pa­ra o me­ga­lei­lão, a ANP (Agên­cia Na­ci­o­nal do Pe­tró­leo, Gás e Bi­o­com­bus­tí­veis) apre­sen­tou op­ção de bô­nus de R$ 52 bi­lhões e mai­o­res per­cen­tu­ais mí­ni­mos de óleo.

Mas o mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des (Eco­no­mia) in­sis­tiu no mo­de­lo que po­de­ria tra­zer R$ 106 bi­lhões em ou­tor­gas pa­ra a União, ca­so as qua­tro áre­as ofer­ta­das (Bú­zi­os, Ita­pu, Sé­pia e Ata­pu) fos­sem ven­di­das.

Em um dos di­ver­sos en­con­tros que te­ve com o pre­si­den­te do TCU, mi­nis­tro Jo­sé Mú­cio Mon­tei­ro, Gu­e­des re­pe­tiu que ha­ve­ria mui­tos in­te­res­sa­dos es­tran­gei­ros se o mo­de­lo fos­se o da equi­pe econô­mi­ca.

Se­gun­do a Eco­no­mia, con­si­de­ran­do in­ves­ti­men­to, ar­re­ca­da­ção, pa­ga­men­to de royal­ti­es, o se­tor mo­vi­men­ta­ria mais de R$ 1 tri­lhão com a ven­da dos qua­tro blo­cos.

No en­tan­to, ha­via ain­da um fa­tor de in­cer­te­za: as pe­tro­lei­ras te­ri­am de res­sar­cir a Pe­tro­bras pe­los in­ves­ti­men­tos re­a­li­za­dos nos qua­tro cam­pos. Nes­sa con­ta en­tram equi­pa­men­tos pa­ra es­tu­dos, pros­pec­ção, por exem­plo.

Nos bas­ti­do­res, as em­pre­sas afir­mam que es­ses va­lo­res não es­ta­vam bem de­fi­ni­dos, va­ri­an­do de R $35 bi­lhões aR $120 bi­lhões, e as con­ver­sas co­ma es­ta­tal eram in­fru­tí­fe­ras.

Pa­ra ter ideia do pe­so des­se lei­lão pa­ra a con­ta­bi­li­da­de das em­pre­sas, um exe­cu­ti­vo dis­se que so­men­te o lu­cro do gru­po an­glo-ho­lan­dês Shell, que tam­bém de­sis­tiu, gi­ra em tor­no de US $25 bi­lhões( o equi­va­len­te aR $102 bi­lhões na co­ta­ção des­ta quin­ta-fei­ra ,7).

O re­sul­ta­do des­sa com­bi­na­ção de fa­to­res foi que, das 14 com­pa­nhi­as ins­cri­tas, so­men­te 7 apa­re­ce­ram, e, de­las, so­men­te 3 apre­sen­ta­ram ofer­tas.

An­tes da en­tre­ga das ga­ran­ti­as, a bri­tâ­ni­ca BP e a fran­ce­sa To­tal já ha­vi­am de­sis­ti­do do ne­gó­cio, sob o ar­gu­men­to de que os ati­vos es­ta­vam ca­ros.

Nem os EUA, com qu­em o go­ver­no Bol­so­na­ro man­tém acor­do de par­ce­ria es­tra­té­gi­ca, fo­ram adi­an­te. Uma das prin­ci­pais apos­tas do mer­ca­do, os ame­ri­ca­nos da Ex­xonMo­bil não apre­sen­ta­ram ofer­tas.

No iní­cio des­ta se­ma­na, o go­ver­no te­ve uma cla­ra si­na­li­za­ção da de­sis­tên­cia das es­tran­gei­ras por­que ne­nhum dos pre­si­den­tes glo­bais das pe­tro­lei­ras es­ta­va no Bra­sil.

Nos lei­lões do re­gi­me de par­ti­lha ocor­ri­dos no pas­sa­do e que mo­vi­men­ta­ram va­lo­res mais mo­des­tos, eles com­pa­re­ce­ram em mas­sa.

Pa­ra as es­tran­gei­ras, tam­bém es­ta­va cla­ro que a Pe­tro­bras fa­ria uma ofer­ta pa­ra ar­re­ma­tar os dois cam­pos (Bú­zi­os e Ita­pu). Tam­bém se­ria na­tu­ral que ela ope­ras­se em par­ce­ria com os chi­ne­ses, que tam­bém fa­zem du­pla com a es­ta­tal no cam­po de Li­bra.

Ou­tro pon­to con­si­de­ra­do pe­lo mer­ca­do foi a con­cen­tra­ção de lei­lões do se­tor de óleo e gás.

No ano pas­sa­do, o go­ver­no le­vou R$ 3,2 bi­lhões em bô­nus de as­si­na­tu­ra por qua­tro blo­cos do pré-sal (Itaim­be­zi­nho, Três Ma­ri­as, Dois Ir­mãos e Ui­ra­pu­ru).

O di­re­tor-ge­ral da ANP, Dé­cio Od­do­ne, de­fen­deu o mo­de­lo es­co­lhi­do. “Se fos­se usa­do es­se [o de R$ 52 bi­lhões], tal­vez es­ti­vés­se­mos co­me­mo­ran­do a ven­da das qua­tro áre­as, mas com ar­re­ca­da­ção me­nor.”

In­de­pen­den­te­men­te do mo­de­lo, a ideia é que a par­ti­ci­pa­ção do go­ver­no na re­cei­ta fi­cas­se em 85% do to­tal, in­cluin­do bô­nus, óleo e im­pos­tos.

RIO DE JA­NEI­RO E BRA­SÍ­LIA Após o se­gun­do lei­lão sem con­cor­rên­cia, o go­ver­no re­for­çou dis­cur­so por mu­dan­ças nas re­gras de con­ces­são de áre­as do pré-sal.

No lei­lão des­ta quin­ta (7), ape­nas uma das cin­co áre­as te­ve ofer­ta. As­sim co­mo no de quar­ta (6), só Pe­tro­bras e chi­ne­ses com­pa­re­ce­ram.

Con­sór­cio for­ma­do pe­la es­ta­tal bra­si­lei­ra e a CNODC le­vou a área de Aram, a mai­or de­las, por R$ 5 bi­lhões e sem ágio no vo­lu­me de óleo en­tre­gue ao go­ver­no.

“Ti­ve­mos di­fi­cul­da­de enor­me [pa­ra re­a­li­zar o me­ga­lei­lão] pa­ra no fi­nal ven­der­mos de nós pa­ra nós mes­mos”, afir­mou o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des.

Após a dis­pu­ta des­ta quin­ta, o mi­nis­tro de Mi­nas e Ener­gia, Ben­to Al­bu­quer­que, re­for­çou que mu­dan­ças se­rão es­tu­da­das pa­ra me­lho­rar a atra­ti­vi­da­de.

Além dis­so, o Pla­nal­to de­cla­rou apoio pro­je­to de lei do se­na­dor Jo­sé Ser­ra (PSDB-SP) que aca­ba com o di­rei­to de pre­fe­rên­cia e fle­xi­bi­li­za o re­gi­me de par­ti­lha da pro­du­ção.

A pro­pos­ta dá ao go­ver­no o di­rei­to de op­tar por ofe­re­cer áre­as nes­se re­gi­me —que pre­vê pre­sen­ça es­ta­tal nos con­sór­ci­os— ou em con­tra­tos de con­ces­são, mo­de­lo pre­fe­ri­do das pe­tro­lei­ras in­ter­na­ci­o­nais.

O mo­de­lo de par­ti­lha foi cri­a­do em 2010, com o pre­tex­to de ga­ran­tir mai­o­res ga­nhos ao go­ver­no na ex­plo­ra­ção de pe­tró­leo. É obri­ga­tó­rio den­tro do cha­ma­do po­lí­go­no do pré-sal, área de 149 mil quilô­me­tros qua­dra­dos no li­to­ral da re­gião Su­des­te.

Até ago­ra, fo­ram re­a­li­za­dos se­te lei­lões de par­ti­lha. Os dois lei­lões des­ta se­ma­na fo­ram os pri­mei­ros sem ágio des­de a es­treia do mo­de­lo, em 2013, com a área de Li­bra.

Go­ver­no e es­pe­ci­a­lis­tas ci­tam três fa­to­res s pa­ra a au­sên­cia de es­tran­gei­ras: a ex­pec­ta­ti­va por mu­dan­ças pa­ra re­gras mais fa­vo­rá­veis, o di­rei­to de pre­fe­rên­cia da Pe­tro­bras e a com­pra de áre­as do pré-sal nos úl­ti­mos anos.

Pa­ra es­ta quin­ta, a Pe­tro­bras ha­via de­mons­tra­do in­te­res­se em exer­cer pre­fe­rên­cia pa­ra ope­rar em três áre­as, mas só fez ofer­ta pa­ra uma. Pa­ra o go­ver­no, ti­rou das es­tran­gei­ras a pos­si­bi­li­da­de ope­rar as ou­tras. Ni­co­la Pam­plo­na, Thi­a­go Re­sen­de e Jú­lio Wi­zi­ack

“Ti­ve­mos di­fi­cul­da­de enor­me [pa­ra re­a­li­zar o me­ga­lei­lão] pa­ra no fi­nal ven­der­mos de nós pa­ra nós mes­mos Mer­ca­do dá re­ca­do de es­go­ta­men­to do mo­de­lo de ex­plo­ra­ção

O mer­ca­do aguar­dou com gran­de ex­pec­ta­ti­va o de­sen­ro­lar do me­ga­lei­lão des­ta se­ma­na. Os re­sul­ta­dos fo­ram ruins ou a ex­pec­ta­ti­va foi su­pe­res­ti­ma­da?

De um la­do, a Pe­tro­bras saiu for­ta­le­ci­da no pré-sal e o go­ver­no con­se­guiu tra­zer re­cur­sos subs­tan­ci­ais pa­ra a União. De ou­tro, a par­ti­ci­pa­ção de em­pre­sas es­tran­gei­ras nos lei­lões se li­mi­tou a um per­cen­tu­al pe­que­no das em­pre­sas chi­ne­sas CNOOC e CNODC, si­na­li­zan­do que tal­vez se­ja ho­ra de re­pen­sar o mo­de­lo de ex­plo­ra­ção do pe­tró­leo no Bra­sil.

A Pe­tro­bras foi pro­ta­go­nis­ta, ao de­sem­bol­sar um bô­nus al­to pa­ra am­pli­ar sua par­ti­ci­pa­ção em áre­as em que já ope­ra. Mes­mo com a pre­o­cu­pa­ção ex­ter­na­da pe­lo mer­ca­do com a ala­van­ca­gem e im­pac­to fi­nan­cei­ro no cur­to pra­zo, a ofer­ta da em­pre­sa no lei­lão se­gue na li­nha do seu po­si­ci­o­na­men­to es­tra­té­gi­co.

O tem­po di­rá a di­men­são do im­pac­to do pa­ga­men­to do bô­nus no en­di­vi­da­men­to da em­pre­sa, o que de­pen­de­rá do su­ces­so do de­sin­ves­ti­men­to.

Já sob a óti­ca do se­tor de pe­tró­leo, é im­por­tan­te ana­li­sar os dois lei­lões con­jun­ta­men­te e no con­tex­to do his­tó­ri­co re­cen­te do pré-sal.

A re­a­li­za­ção do lei­lão da ces­são one­ro­sa foi, por si só, uma vi­tó­ria. Foi pre­ci­so ven­cer eta­pas que in­cluí­ram uma lon­ga ne­go­ci­a­ção en­tre Pe­tro­bras e União, além me­di­das re­gu­la­tó­ri­as e le­gais.

O re­sul­ta­do foi uma ar­re­ca­da­ção lí­qui­da de R$36 bi­lhões em bô­nus e a pers­pec­ti­va de in­ves­ti­men­tos nes­sas áre­as. Es­se va­lor foi in­fe­ri­or ao es­pe­ra­do, mas fi­ca a dú­vi­da se as ex­pec­ta­ti­vas cri­a­das pe­lo lei­lão, com bô­nus de as­si­na­tu­ras al­tís­si­mos, é que não fo­ram oti­mis­tas de­mais.

No en­tan­to, o des­fe­cho do lei­lão, em que no­va­men­te não hou­ve ofer­ta de em­pre­sas es­tran­gei­ras, foi uma sur­pre­sa.

O su­ces­so das ro­da­das an­te­ri­o­res es­tá li­ga­do aos ajus­tes re­gu­la­tó­ri­os ini­ci­a­dos no go­ver­no Te­mer, que des­tra­vou a agen­da e atraiu em­pre­sas que bus­ca­vam —e con­se­gui­ram— se po­si­ci­o­nar de ma­nei­ra es­tra­té­gi­ca no pré-sal.

Pa­ra dar um pas­so além, as em­pre­sas pa­re­cem es­tar em com­pas­so de es­pe­ra, aguar­dan­do mais ajus­tes que jus­ti­fi­quem am­pli­ar o pe­so do Bra­sil no seu port­fó­lio glo­bal.

Os re­sul­ta­dos dos lei­lões des­ta se­ma­na não ne­ces­sa­ri­a­men­te sig­ni­fi­cam um de­sin­te­res­se das em­pre­sas in­ter­na­ci­o­nais no se­tor de pe­tró­leo no Bra­sil, mas apon­tam pa­ra um es­go­ta­men­to do mo­de­lo.

A par­ti­lha, o di­rei­to de pre­fe­rên­cia da Pe­tro­bras e sua con­di­ção de ope­ra­do­ra nas áre­as em que exer­ce a pre­fe­rên­cia po­dem não ter si­do fa­to­res de­ci­si­vos nas ro­da­das pas­sa­das. Mas, di­an­te da pers­pec­ti­va de apri­mo­ra­men­tos em um fu­tu­ro pró­xi­mo si­na­li­za­da pró­prio pe­lo go­ver­no, va­le a pe­na es­pe­rar por con­di­ções mais fa­vo­rá­veis.

Na ces­são one­ro­sa, a res­pos­ta tal­vez se­ja mais sim­ples: a con­ta não fe­chou. A fal­ta de ape­ti­te por es­sa ofer­ta es­pe­cí­fi­ca es­tá re­la­ci­o­na­da a um de­se­nho de lei­lão que pri­vi­le­gi­ou o pa­ga­men­to do bô­nus à vis­ta em de­tri­men­to da par­ce­la de óleo-lu­cro (“a pra­zo”).

Co­mo mos­trou o re­sul­ta­do dos lei­lões, o re­ca­do foi da­do pe­las em­pre­sas. É pre­ci­so ini­ci­ar um no­vo ci­clo.

Se­rá que a con­ces­são, que é usa­da no mun­do in­tei­ro, não é me­lhor que a par­ti­lha?

Pau­lo Gu­e­des mi­nis­tro da Fa­zen­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.